EU VENCI O SISTEMA PARA SALVAR MINHA FILHA…

31 DE OUTUBRO… MARTIN LUTERO VENCIA UM SISTEMA, E GRITOU BEM ALTO: “O JUSTO VIVERÁ PELA FÉ”.
Em 31 de Outubro de 2018 eu posso gritar bem alto: “EU VENCI O SISTEMA PARA SALVAR MINHA FILHA…”
“”Teu dever é lutar pelo Direito, mas se um dia encontrares o Direito em conflito com a Justiça, luta pela Justiça!”
Eduardo Juan Couture

Hoje os Protestantes comemoram a REFORMA RELIGIOSA.
Lemos nos Livros de História que um Padre, não muito conhecido na sua época, percebeu que por falta de informação e pelo povo não ter acesso a Biblia e a interpleta-la livremente estavam ESCRAVOS de um SISTEMA.
Creio que daqui uns 20 anos poderei contar para os meus NETOS o que nossa familia fez para vencer o SISTEMA implantado nos ultimos 08 anos no Brasil onde procurou-se de todas as formas entregar as crianças a todos os tipos de barbaries envolvendo a violencia doméstica.
Em seis anos, 07 laudos periciais, um deles com duração de 07 meses, onde fui compelida a praticamente “confessar” que era invenção da minha cabeça, ou história da corochinha aquilo que se passava nas 04 paredes de casa.
Como provar a violencia doméstica? Realmente em um pais onde as politicas publicas eram favoraveis ao “in dubio pro reo” e não “in dubio pro societatis”; passando pelo Garatismo Penal e pelo vitimismo implantado por Richard Gardner onde coloca o agressor como vitima de uma sociedade que não o compreende e onde a linha de raciocinio tange o absurdo em apregoar aos 04 ventos que o a familia tem que conviver com o agressor, realmente olhar para atrás e ver tudo que passamos só podemos dar uma explicação: fomos salvas por um milagre.
E se alguem, já viu algum filme sobre o NAZISMO e a tortura psicologica imposta aos judeus nos campos de concetração, jamais imaginaria que o “modus operandi” desta Lei são os mesmos traçados na Lei Ideologica mais perversa do planeta conhecida como a Lei da Alienação Parental.
A proposta da Lei é submeter quem está defendendo a criança da violencia doméstica a ser induzida atraves da psicologia social a ser induzida ao mais baixo nivel psicologico ao ponto da pessoa ao não aguentar a pressão, abrir mão de defender sua prole.
As táticas vai desde a dinamica de grupo com outras Mulheres que tambem estão vivendo o mesmo drama, e atraves do depoimento grupal voce se conscientizar que a situação que voce está vivendo é algo extretamente “NORMAL”.
Atraves de trabalhos manuais de recortes de revistas e colagem de figuras, a manipulação é que vc não ofereça mais resistencia em seus argumentos, e aceite atraves da demonstração destes trabalhos que gradativamente voce está amoldando ao fim que se destina a Lei, ou seja, aceitar o agressor como ele é, de forma incondicional e ILIMITADA.
Importante salientar que essa técnica aplicada sempre existiu no MUNDO TODO. Nos EUA incluive, uma mãe foi presa extamente porque tambem se opos a este sistema.
Foram 12 anos de cumprimento de pena em regime fechado, mas antes é claro, ela retirou a criança dos EUA, deixou com seus pais, avós da criança que moravam em outro pais, e voltou para cumprir a pena.
Essa mãe tambem era uma advogada. Infelizmente ela não teve a mesma sorte que eu em se gastar e desgastar em estudar profundamente o que ocorria com esta Lei e o que exatamente existia por detrás.
Durante os 07 initerruptos meses em que estive em “tratamento forçado” imposto pela Justiça pude perceber que a ONG onde fui direcionada para fazer o “tratamento compulsório” tinha psicologas e assistentes sociais as quais não leram o meu processo.
Como fazer “tratamento compulsório” direcionado pela Justiça sem que as mesmas tivesses acesso aos boletins de ocorrencia, peças documentais, etc, etc, etc.
Simples a resposta.
As psicologas não são parte do processo, portanto realmente elas não tem acesso as informações. Assim é um “tratamento” no escuro, onde voce é encaminhada para “tratamento de alienação parental” e não para “violencia doméstica”.
A partir dái começa inumeros erros grotescos nas quais a Justiça em outros tempos tomaria providencia, mas no sistema onde estavamos, na ERA PT, tudo é levado pela ideologia “lassez faire, laissez passer”.
Outro grande absurdo é que todos esses laudos produzidos nada mais são do que provas contra a quem está protegendo a criança, sim, voce é encaminhada pela Justiça a fazer “tratamento compulsorio”, com o fim tão somente produzir prova contra si mesma.
Foi assim que ao perceber que esta era a proposta, e por ser cristã evangélica comecei a quebrar todos os paradigmas dessa mosntruosidade.
Porque?
Porque o sistema implantado por Richard Gardner se alimenta do litigio entre o casal, ou seja, enquanto um acusa o outro perde-se o foco da violencia e da criança.
Essa é a grande “pegada” desta Lei, e a proposta do pedofilo R.Gardner.
Em seu proprio video ele afirma categoricamente que toda a Mulher precisa ser levada até o seu mais baixo nivel de “submissão”, mesmo que precise encarcera-la por um final de semana numa Delegacia de seu bairro para ela aprender a aceitar a agressão.
Então qual é a saida?
Não fale mal do outro.
Sim, não perca o foco.
A partir do momento que entendi essa grande lição, e que diga-se de passagem aprendi na Biblia (Basta cada dia o seu mal. Não ponha o sol sobre a sua ira), comecei a ter o caminho inverso da proposta de Gardner.
Sim, exatamente isso.
A ideologia de Gardner está em desistruturar a pessoa o maximo que puder para que assim, passando por Histérica e Louca, perde-se a guarda da criança e a entrega definitivamente ao seu abusador.
Assim, em cada sessão que participava, procurava relatar as coisas boas que aconteciam naquela semana. Produzia trabalhos manuais que acenavam otimismo, alegria e realização.
Claro que o que começou acontecer comigo começou a influenciar outras mulheres que estavam na mesma sessão.
Comecei a ser chamada para ajudar a resolver os problemas de cada uma. Claro não preciso nem dizer que eu comecei a trabalhar mais do que aquelas psicologas e assistentes sociais, e produzindo mais resultados do que elas.
Conclusão: Em 01 mes tive alta. Sim, o que estava rodando em circulo durante 06 longos meses, a partir do momento que me posicionei em não ser mais vitima da situação, mas assumi que escereveria minha propria História, minha decisão deu um nó no “estudo” daquelas psicologas Gardenistas, sendo que o relatório não poderia ser outro a não ser que “estava bem, de alta e não tinham mais o que fazer”.
Meu rosto estava alegre, não estava mais cansada, estava disposta e capacitada a realizar tudo o que estava proposto, portanto quebrei o ciclo apregoado pelo Comunista Richard Gardner.
Aprendi que o termo “falso memória” era um termo usado pelos comunistas para colocar em descredito o que os presos de guerra na época da guerra fria diziam. Mas sobre as “falsas memorias” vou descorrer em outra ocasião.
Aquela ONG onde fui encaminhada , 02 meses depois que tive “alta” foi fechada por corrupção, alias é a mesma ONG que prestava “auxilio” aos drogados da cracolandia. Sim, esta ONG capitava dinheiro da Prefeitura no periodo que Haddad era o Prefeito.
Portanto, o que eu quero concluir nesse meu depoimento é que jamais podemos ir para a guerra sem ter noção de quem é o nosso inimigo.
Foi graças a esse conhecimento que eu achei o caminho para a minha cura emocional, para salvar minha filha das garras de Richard Gardner.
Espero que a minha experiencia inspire outras pessoas a não se submeterem ao “SISTEMA” perverso da IDEOLOGIA MARXISTA COMUNISTA, mas sim TRANSFORMA-LO ATRAVES DA RENOVAÇÃO DA MENTE.
Hoje sinto-me aliviada de ter um novo Presidente, pois sei que a Lei CRIMINAL será levada a sério.
Violencia Doméstica será tratada como CRIME e não como disturbio mental.
“Conhecereis a VERDADE e a VERDADE vos LIBERTARÁ”.
Brasil acima de TUDO, DEUS acima de TODOS!
31 de outubro “DIA DA REFORMA PROTESTANTE”

4 comentários em “EU VENCI O SISTEMA PARA SALVAR MINHA FILHA…”

  1. Olá!
    Como faço para entrar em contato com a autora?
    Conheço duas amigas nessa situação.
    Parabéns pela mensagem.
    Que a luz de Jesus continue resplandecente em sua vida e de sua filha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *