Todos os posts de Dra. Patricia Alonso

PRATICAS PARA TRABALHAR COM HOMENS PARA NÃO SEREM VIOLENTOS

Os Princípios de Warwick [1] :
Melhores Práticas para Envolver Homens e Meninos na Prevenção da Violência Contra Mulheres e Meninas, descreve sete princípios-chave que foram desenvolvidos por e para as comunidades do Pacífico e são fundamentados nas realidades vividas por mulheres e meninas:
1) Seja prestar contas ao movimento das mulheres no Pacífico ;
2) Não faça mal ;
3) Estar fundamentado em uma abordagem baseada em direitos humanos ;
4) Ser baseado em evidências e construtor de evidências ;
5) Ser inclusivo e interseccional ;
6) Ser transformador de gênero ;
e 7) Ser informado pelo contexto

(https://www.fijiwomen.com/wp-content/cache/page_enhanced/www.fijiwomen.com/publications/regional/the-warwick-principles-best-practices-for-engaging-men-and-boys-in-preventing-violence-against-women-and-girls-in-the-pacific/_index.html_gzip )

Warwick-Principles-FINAL-17.11.20

PROTOCOLO DE ENTREVISTA FORENSE – ABUSO SEXUAL INFANTIL

Protocolos estruturados de entrevista forense melhoram a qualidade e a informatividade das entrevistas investigativas com crianças: uma revisão da pesquisa usando o Protocolo de Entrevista Investigativa do NICHD

APÊNDICE O PROTOCOLO DE ENTREVISTA DE INVESTIGAÇÃO DO NICHD (Revisão de 2007)
I. Introdução
“Olá, meu nome é _________ e sou policial. [Apresente qualquer outra pessoa na sala; idealmente, ninguém mais estará presente.] Hoje são ________ e agora são _______horas. Estou entrevistando _______ em _________.”

“Como você pode ver, temos uma câmera de vídeo e microfones aqui. Eles vão gravar nossa conversa para que eu possa me lembrar de tudo o que você me disser. Às vezes eu esqueço as coisas e o gravador me permite ouvir você sem ter que anotar tudo.”

“Parte do meu trabalho é conversar com crianças [adolescentes] sobre coisas que aconteceram com eles. Eu me encontro com muitas crianças [adolescentes] para que elas possam me contar a verdade sobre coisas que aconteceram com elas. Então, antes de começarmos, quero ter certeza de que você entende o quão importante é dizer a verdade.” [Para crianças menores, explique: “O que é verdade e o que não é verdade” ].

“Se eu disser que meus sapatos são vermelhos (ou verdes) , isso é verdade ou não?”

[Espere por uma resposta e diga:]

“Isso não seria verdade, porque meus sapatos são realmente [ preto/azul/etc. ]. E se eu disser que estou sentado agora, isso seria verdade ou não [ certo ou não ]?”

[Espere por uma resposta.]

“Seria [verdadeiro/certo] , porque você pode ver que estou realmente sentado.”

“Vejo que você entende o que significa dizer a verdade. É muito importante que você só me diga a verdade hoje. Você só deve me contar sobre coisas que realmente aconteceram com você.”

[Pausa.]

“Se eu fizer uma pergunta que você não entende, apenas diga: ‘Não entendo’. OK?”

[Pausa]

“Se eu não entender o que você diz, vou pedir que você explique.”

[Pausa.]

“Se eu fizer uma pergunta e você não souber a resposta, apenas me diga: ‘Não sei’.”

“Então, se eu lhe perguntar: ‘Qual é o nome do meu cachorro?’ [Ou “nome do meu filho”] o que você diria?”

[Espere por uma resposta.]

[Se a criança disser: “Não sei”, diga:]

“Certo. Você não sabe, não é?”

[Se a criança oferecer um GUESS, diga:]

“Não, você não sabe porque você não me conhece. Quando você não souber a resposta, não adivinhe – diga que não sabe.”

[Pausa.]

“E se eu disser coisas erradas, você deveria me dizer. OK?”

[Espere por uma resposta.]

“Então, se eu dissesse que você é uma menina de 2 anos [ao entrevistar um menino de 5 anos, etc.], o que você diria?”

[Se a criança negar e não corrigir você, diga:]

“O que você diria se eu cometesse um erro e te chamasse de menina de 2 anos [ao entrevistar um menino de 5 anos, etc.] ?”

[Espere por uma resposta.]

“Isso mesmo. Agora você sabe que deveria me dizer se eu cometer um erro ou disser algo que não está certo.”

[Pausa.]

“Então, se eu dissesse que você estava de pé, o que você diria?”

[Espere por uma resposta.]

“OK”

II. Construção de relacionamento
“Agora quero conhecê-lo melhor.”

“Conte-me sobre coisas que você gosta de fazer.”

[Espere que a criança responda.]

[Se a criança der uma resposta bastante detalhada, pule para a pergunta 3.]

[Se a criança não responder, der uma resposta curta ou ficar travada, você pode perguntar:]

“Eu realmente quero te conhecer melhor. Eu preciso que você me conte sobre as coisas que você gosta de fazer.”

[Espere por uma resposta.]

“Conte-me mais sobre [atividade que a criança mencionou em seu relato. EVITE FOCAR NA TV, VÍDEOS E FANTASIA]. ”

[Espere por uma resposta.]

III. Treinamento em Memória Episódica
Evento especial[OBSERVAÇÃO: ESTA SEÇÃO MUDA DEPENDENDO DO INCIDENTE.]
[ANTES DA ENTREVISTA, IDENTIFIQUE UM EVENTO RECENTE QUE A CRIANÇA VIVEU — PRIMEIRO DIA DE ESCOLA, FESTA DE ANIVERSÁRIO, CELEBRAÇÃO DE FERIADO, ETC. — ENTÃO FAÇA ESTAS PERGUNTAS SOBRE ESSE EVENTO. SE POSSÍVEL, ESCOLHA UM EVENTO QUE OCORREU QUASE AO MESMO TEMPO QUE O ABUSO ALEGADO OU SUSPEITO. SE O ALEGADO ABUSO OCORREU DURANTE UM DIA OU EVENTO ESPECÍFICO, PERGUNTE SOBRE UM EVENTO DIFERENTE]

“Quero saber mais sobre você e as coisas que você faz.”

1. “Alguns [ dias/semanas ] atrás foi [ feriado/festa de aniversário/primeiro dia de aula/outro evento]. Conte-me tudo o que aconteceu em [ seu aniversário, Páscoa, etc.]. ”

[Espere por uma resposta.]

1a. “Pense muito sobre [atividade ou evento] e me conte o que aconteceu naquele dia desde o momento em que você se levantou naquela manhã até [alguma parte do evento mencionado pela criança em resposta à pergunta anterior]. ”

[Espere por uma resposta.]

[Nota: Use esta pergunta com a frequência necessária ao longo desta seção.]

1b. “E depois o que aconteceu?”

[Espere por uma resposta.]

[Nota: Use esta pergunta com a frequência necessária ao longo desta seção.]

1c. “Conte-me tudo o que aconteceu depois de [alguma parte do evento mencionado pela criança] até você ir para a cama naquela noite.”

[Espere por uma resposta.]

[Nota: Use esta pergunta com a frequência necessária ao longo desta seção.]

1d. “Conte-me mais sobre [ atividade mencionada pela criança ].”

[Espere por uma resposta.]

[Nota: Use esta pergunta com a frequência necessária ao longo desta seção.]

1e. “Antes você mencionou [atividade mencionada pela criança] . Conte-me tudo sobre isso.”

[Espere por uma resposta.]

[Nota: Use esta pergunta com a frequência necessária ao longo desta seção.]

[Se a criança der uma descrição ruim do evento, continue com as questões 2-2e.] [Nota: Se a criança der uma descrição detalhada do evento, diga:

“É muito importante que você me conte tudo o que se lembra sobre coisas que aconteceram com você. Você pode me dizer coisas boas e coisas ruins.”

Ontem
2. “Eu realmente quero saber sobre coisas que acontecem com você. Conte-me tudo o que aconteceu ontem, desde o momento em que você acordou até ir para a cama.”

[Espere por uma resposta.]

2a. “Eu não quero que você deixe nada de fora. Conte-me tudo o que aconteceu desde o momento em que você acordou até [alguma atividade ou parte do evento mencionado pela criança em resposta à pergunta anterior].”

[Espere por uma resposta.]

2b. “Então o que aconteceu?”

[Espere por uma resposta.]

[Nota: Use esta pergunta com a frequência necessária ao longo desta seção.]

2c. “Conte-me tudo o que aconteceu depois de [alguma atividade ou parte do evento mencionado pela criança] até você ir para a cama.”

[Espere por uma resposta.]

2d. “Conte-me mais sobre [atividade mencionada pela criança] .”

[Espere por uma resposta. Nota: Use esta pergunta com a frequência necessária ao longo desta seção.]

2e. “Antes você mencionou [atividade mencionada pela criança]. Conte-me tudo sobre isso.”

[Espere por uma resposta.]

[Nota: Use esta pergunta com a frequência necessária ao longo desta seção.]

HojeCASO A CRIANÇA NÃO FAÇA UMA NARRATIVA ADEQUADAMENTE DETALHADA SOBRE ONTEM, REPETIR AS PERGUNTAS 2 A 2E SOBRE HOJE, UTILIZANDO “A HORA QUE VOCÊ VEIO AQUI” COMO EVENTO DE ENCERRAMENTO.
“É muito importante que você me conte tudo sobre coisas que realmente aconteceram com você.”

Vamos para:
A parte substantiva da entrevista
4. Transição para questões substantivas
“Agora que te conheço um pouco melhor, quero falar sobre por que [você está aqui] hoje.”

[Se a criança começar a responder, espere.]

[Se a criança fizer um resumo da alegação (Exemplo: ‘David tocou meu xixi’, ou ‘Papai me bateu’), vá para a pergunta 10.]

[Se a criança fizer uma descrição detalhada, vá para a questão 10a.]

[Se a criança não fizer uma alegação, continue com a pergunta 1.]

“Eu entendo que algo pode ter acontecido com você. Conte-me tudo o que aconteceu desde o início até o fim.”

[Espere por uma resposta.]

[Se a criança fizer uma alegação, vá para a pergunta 10.]

[Se a criança fizer uma descrição detalhada, vá para a questão 10a.]

[Se a criança não fizer uma alegação, continue com a pergunta 2.]

“Como eu te disse, meu trabalho é conversar com as crianças sobre coisas que podem ter acontecido com elas. É muito importante que você me diga por que [ você está aqui/ você veio aqui/ eu estou aqui ]. Diga-me por que você acha que [ sua mãe, seu pai, sua avó ] trouxe você aqui hoje [ou ‘por que você acha que eu vim falar com você hoje’ ]”.

[Espere por uma resposta.]

[Se a criança fizer uma alegação, vá para a pergunta 10.]

[Se a criança fizer uma descrição detalhada, vá para a questão 10a.]

[Se a criança não fizer uma denúncia e você não souber que houve contato anterior com as autoridades, vá para a pergunta 4 ou 5.]

[Se a criança não fizer uma denúncia e você souber que houve contato anterior com as autoridades, vá para a pergunta 3.]

“Ouvi dizer que você conversou com [ médico/professor/assistente social/qualquer outro profissional] em [horário/local]. Diga-me sobre o que você falou.”

[Espere por uma resposta.]

[Se a criança fizer uma alegação, vá para a pergunta 10.]

[Se a criança fizer uma descrição detalhada, vá para a questão 10a.]

[Se a criança não fizer uma alegação e não houver marcas visíveis, vá para a questão 5.]

[Quando as marcas são visíveis, o investigador viu fotos ou foi informado sobre marcas, ou a entrevista ocorre no hospital ou logo após o exame médico, diga:]

“Eu vejo [ouvi] que você tem [marcas/lesões/contusões] em seu _______. Conte-me tudo sobre isso.”

[Espere por uma resposta.]

[Se a criança fizer uma alegação, vá para a pergunta 10.]

[Se a criança fizer uma descrição detalhada, vá para a questão 10a.]

[Se a criança não fizer uma alegação, prossiga com a questão 5.]

“Alguém tem te incomodado?”

[Espere por uma resposta.]

[Se a criança confirmar ou fizer uma denúncia, vá para a pergunta 10.]

[Se a criança fizer uma descrição detalhada, vá para a questão 10a.]

[Se a criança não confirmar e não fizer uma alegação, prossiga com a pergunta 6.]

“Alguma coisa aconteceu com você em [local/hora do suposto incidente ]?”

[Nota: não mencione o nome do suspeito ou quaisquer detalhes da alegação.]

[Espere por uma resposta.]

[Se a criança fizer uma descrição detalhada, vá para a questão 10a.]

[Se a criança confirmar ou fizer uma denúncia, vá para a pergunta 10.]

[Se a criança não confirmar ou não fizer uma alegação, continue com a pergunta 7.]

“Alguém fez algo com você que você não acha certo?”

[Espere por uma resposta.]

[Se a criança confirmar ou fizer uma denúncia, vá para a pergunta 10.]

[Se a criança fizer uma descrição detalhada, vá para a questão 10a.]

[Se a criança não confirmar ou não fizer uma alegação, vá para a pergunta 8.]

PAUSA. VOCÊ ESTÁ PRONTO PARA CONTINUAR? SERIA MELHOR FAZER UMA PAUSA ANTES DE IR MAIS ALÉM?

CASO DECIDI IR EM FRENTE, VOCÊ DEVERIA TER FORMULADO VERSÕES ESPECÍFICAS DAS QUESTÕES 8 E 9, USANDO OS FATOS DISPONÍVEIS PARA VOCÊ, ANTES DA ENTREVISTA. CERTIFIQUE-SE DE QUE SUGEREM O MENOS DETALHES POSSÍVEIS PARA A CRIANÇA. SE VOCÊ NÃO FORMULOU ESTAS PERGUNTAS, FAÇA UMA PAUSA AGORA PARA FORMULÁ-LAS CUIDADOSAMENTE ANTES DE PROSSEGUIR.

“Alguém [ resumiu brevemente as alegações ou suspeitas sem especificar os nomes do suposto autor ou fornecer muitos detalhes ].” (Por exemplo, “Alguém bateu em você?” ou “Alguém tocou no seu xixi [partes íntimas do seu corpo]?”)

[Espere por uma resposta.]

[Se a criança confirmar ou fizer uma denúncia, vá para a pergunta 10.]

[Se a criança fizer uma descrição detalhada, vá para a questão 10a.]

[Se a criança não confirmar ou não fizer uma alegação, vá para a pergunta 9.]

“Seu professor [o médico/psicólogo/vizinho] me disse/me mostrou [ “que você tocou no xixi de outras crianças”/ “uma foto que você desenhou ”], e eu quero saber se algo pode ter acontecido com você . Alguém [ resumiu brevemente as alegações ou suspeitas sem especificar o nome do suposto autor ou fornecer muitos detalhes ]?” [ Por exemplo: “Alguém da sua família bateu em você?” ou “Alguém tocou no seu xixi ou em outras partes íntimas do seu corpo?”)]

[Aguarde uma resposta]

[Se a criança confirmar ou fizer uma denúncia, vá para a pergunta 10.]

[Se a criança fizer uma descrição detalhada, vá para a questão 10a.]

[Se a criança não confirmar ou não fizer uma alegação, vá para a seção XI.]

V. Investigando os Incidentes
Questões em aberto
10. [Se a criança for menor de 6 anos, REPETIR A ALEGAÇÃO COM AS PRÓPRIAS PALAVRAS DA CRIANÇA sem fornecer detalhes ou nomes que a criança não tenha mencionado.]

[então diga:]

“Conte-me tudo sobre isso.”

[Espere por uma resposta.]

[Se a criança tiver mais de 6 anos, basta dizer:]

“Conte-me tudo sobre isso.”

[Espere por uma resposta.]

10a. “Então o que aconteceu?” ou “Conte-me mais sobre isso”.

[Espere por uma resposta.]

[Use esta pergunta quantas vezes forem necessárias até que você tenha uma descrição completa do suposto incidente.]

[OBSERVAÇÃO: SE A DESCRIÇÃO DA CRIANÇA FOR GENÉRICA, PASSE PARA A QUESTÃO 12 (SEPARAÇÃO DE INCIDENTES). SE A CRIANÇA DESCREVER UM INCIDENTE ESPECÍFICO, CONTINUE COM A PERGUNTA 10b]

10b. “Pense naquele [ dia/noite ] e me conte tudo o que aconteceu desde [ algum evento anterior mencionado pela criança ] até [ suposto incidente abusivo conforme descrito pela criança ].”

[Espere por uma resposta.]

[Nota: Use esta pergunta com a frequência necessária para garantir que todas as partes do incidente sejam elaboradas.]

10c. “Conte-me mais sobre [ pessoa/objeto/atividade mencionada pela criança ].”

[Espere por uma resposta.]

[Nota: Use esta pergunta com a frequência necessária ao longo desta seção.]

10d. “Você mencionou [pessoa/objeto/atividade mencionada pela criança], me conte tudo sobre isso.”

[Espere por uma resposta.]

[Nota: Use esta pergunta com a frequência necessária ao longo desta seção.]

[Se você está confuso sobre certos detalhes (por exemplo, sobre a sequência de eventos), pode ser útil dizer:]

“Você me disse muito, e isso é muito útil, mas estou um pouco confuso. Para ter certeza de que entendi, por favor, comece do início e me diga [como tudo começou/ exatamente o que aconteceu/ como tudo terminou/ etc].”

Perguntas focadas relacionadas às informações mencionadas pela criança.[Se alguns detalhes centrais da alegação ainda estiverem faltando ou não estiverem claros após esgotar as perguntas abertas, use perguntas diretas. É importante combinar ‘convites’ abertos com perguntas diretas sempre que apropriado.]
[Observação: primeiro concentre a atenção da criança no detalhe mencionado e depois faça a pergunta direta.]

Segue o formato geral das perguntas diretas:

11. “Você mencionou [ pessoa/objeto/atividade ], [ Preenchimento da pergunta direta .]

Exemplos
“Você mencionou que estava nas lojas. Onde exatamente você estava?” [Pausa para uma resposta] “Fale-me sobre essa loja.”

“Antes você mencionou que sua mãe ‘bateu em você com essa coisa comprida’. Conte-me sobre essa coisa.”

“Você mencionou um vizinho. Você sabe o nome dele/dela?” [Pausa para uma resposta] Fale-me sobre aquele vizinho.” [Não peça uma descrição.]

“Você disse que um de seus colegas viu isso. Qual era o nome dele/dela?” [Pausa para uma resposta] “Diga-me o que ele estava fazendo lá.”

Separação de Incidentes
12. “Isso aconteceu uma vez ou mais de uma vez?”

[Se o incidente aconteceu uma vez, vá para o intervalo].

[Se o incidente aconteceu mais de uma vez, continue para a pergunta 13. LEMBRE-SE DE EXPLORAR INCIDENTES INDIVIDUAIS RELATADOS EM DETALHE, CONFORME MOSTRADO AQUI.]

Explorando Incidentes Específicos Quando Houveram Vários Questionamentos Abertos
13. “Conte-me tudo sobre a última vez [a primeira vez/a hora em [algum local]/a hora [alguma atividade específica/outra vez que você se lembra bem] que algo aconteceu.”

[Espere por uma resposta.]

13a. “E depois o que aconteceu?” Ou “Conte-me mais sobre isso”.

[Espere por uma resposta.]

[Nota: Use esta pergunta com a frequência necessária ao longo desta seção.]

13b. “Pense naquele [ dia/noite ] e me conte tudo o que aconteceu, desde [ eventos anteriores mencionados pela criança ] até [ suposto incidente abusivo conforme descrito pela criança]. ”

[Espere por uma resposta.]

[Nota: Use variantes desta pergunta com a frequência necessária até que todas as partes do incidente sejam elaboradas.]

13c. “Conte-me mais sobre [ pessoa/objeto / atividade mencionada pela criança ].”

[Espere por uma resposta.]

[Nota: Use esta pergunta com a frequência necessária ao longo desta seção.]

13d. “Você mencionou [pessoa/objeto/atividade mencionada pela criança]. Conte-me tudo sobre isso.”

[Espere por uma resposta.]

[Nota: Use esta pergunta com a frequência necessária ao longo desta seção.]

Perguntas focadas relacionadas às informações mencionadas pela criança.[Se alguns detalhes centrais da alegação ainda estiverem faltando ou não estiverem claros após esgotar as perguntas abertas, use perguntas diretas. É importante combinar ‘convites’ abertos com perguntas diretas, sempre que apropriado.]
[Observação: primeiro concentre a atenção da criança no detalhe mencionado e depois faça a pergunta direta.]

A seguir está o formato geral de perguntas diretas:

14. “Você mencionou [pessoa/objeto/atividade ],

[Como/quando/onde/quem/qual/o que] [ Preenchimento da pergunta direta. ]”

Exemplos
“Você mencionou que estava assistindo TV. Onde exatamente você estava?”

[Aguarde uma resposta]

“Conte-me tudo sobre isso.”

“Anteriormente você mencionou que seu pai ‘bateu em você’. Diga-me exatamente o que ele fez.”

“Você mencionou que um amigo estava lá. Qual é o nome dela/dele?”

[Aguarde uma resposta]

“Diga-me o que ele/ela estava fazendo.”

“Antes você disse que seu tio ‘te tocou com o dedo’ [‘beijei francês’/ ‘fez sexo com você’/ etc] . Diga-me exatamente o que ele fez.”

REPITA TODA A SEÇÃO PARA QUANTOS DOS INCIDENTES MENCIONADOS PELA CRIANÇA DESEJAR DESCRITOS. A MENOS QUE A CRIANÇA TENHA ESPECIFICADO APENAS DOIS INCIDENTES, PERGUNTE SOBRE “O ÚLTIMO”, DEPOIS “O PRIMEIRO” E DEPOIS “OUTRA VEZ QUE VOCÊ SE LEMBRA BEM”.

VI. Pausa
[Diga à criança:]

“Agora quero ter certeza de que entendi tudo e ver se há mais alguma coisa que preciso perguntar. Eu vou apenas [pensar no que você me disse/repassar minhas anotações/ir e verificar com ?]”

[Durante o intervalo, revise as informações recebidas, preencha a Lista de Verificação Forense, verifique se falta alguma informação e planeje o restante da entrevista. CERTIFIQUE-SE DE FORMULAR PERGUNTAS FOCALIZADAS POR ESCRITO.]

Depois do intervalo[Para obter informações adicionais importantes que não foram mencionadas pela criança, faça perguntas diretas e abertas, conforme descrito acima. Volte às perguntas abertas (“Fale-me mais sobre isso”) depois de fazer cada pergunta direta. Depois de terminar essas questões, vá para a seção VII.]
VII. Extrair informações que não foram mencionadas pela criança
[Você deve fazer essas perguntas focadas apenas se você já tentou outras abordagens e ainda sente que alguma informação forense importante está faltando. É muito importante combinar convites abertos (“Conte-me tudo sobre isso”) sempre que possível.]

[Observação: no caso de vários incidentes, você deve direcionar a criança para os incidentes relevantes nas próprias palavras da criança, fazendo perguntas focadas somente depois de dar à criança a oportunidade de elaborar detalhes centrais.]

[ANTES DE IR PARA O PRÓXIMO INCIDENTE, CERTIFIQUE-SE DE OBTER TODOS OS DETALHES QUE FALTARAM SOBRE CADA INCIDENTE ESPECÍFICO.]

O formato geral das perguntas focadas em informações que NÃO foram mencionadas pela criança

“Quando você me contou sobre [ incidente específico identificado por hora ou local ] você mencionou [pessoa/objeto/atividade] . Fez/foi [ perguntas focadas ]?”

[Espere por uma resposta.]

[Sempre que apropriado, siga com um convite; dizer:]

“Conte-me tudo sobre isso.”

Exemplos
“Quando você me contou sobre o tempo no porão, você mencionou que ele tirou as calças. Aconteceu alguma coisa com suas roupas?”

[Espere por uma resposta.]

[Depois que a criança responder, diga:]

“Conte-me tudo sobre isso.”

[Espere por uma resposta.]

“Quando você me contou sobre a última vez, você mencionou que ele tocou em você. Ele tocou em você sobre suas roupas?

[Espere por uma resposta.]

[Depois que a criança responder, diga:]

“Conte-me tudo sobre isso.”

[Espere por uma resposta.]

“Ele tocou em você sob suas roupas?”.

[Espere por uma resposta.]

[Depois que a criança responder, diga:]

“Conte-me tudo sobre isso.”

“Você me contou sobre algo que aconteceu no parquinho. Alguém viu o que aconteceu?”

[Espere por uma resposta.]

[Quando apropriado, diga:]

“Conte-me tudo sobre isso.”

“Você sabe se algo assim aconteceu com outras crianças?”

[Espere por uma resposta.]

[Quando apropriado, diga:]

“Conte-me tudo sobre isso.”

“Você me contou sobre algo que aconteceu no celeiro. Você sabe quando isso aconteceu?”

VIII. Se a criança não mencionar as informações que você esperava
Use apenas os prompts relevantes.

Se você souber de conversas em que a informação foi mencionada diga:

“Ouvi dizer que você conversou com [ ] em [horário/local]. Diga-me sobre o que você falou.”

[Se a criança não fornecer mais informações, faça a pergunta 2; Se a criança der mais alguma informação, diga:]

“Conte-me tudo sobre isso.”

[Acompanhe outros prompts abertos, como “Fale-me sobre isso”. Se necessário.]

Se você souber detalhes sobre divulgações anteriores e as informações não tiverem sido divulgadas a você, diga:

“Eu ouvi [ele/ele me disse] que você disse [resumir a alegação, especificamente, mas sem mencionar detalhes incriminatórios, se possível] . Conte-me tudo sobre isso.”

[Acompanhe outros prompts abertos, como “Fale-me sobre isso”. Se necessário.]

Se algo foi observado, diga:

uma. “Ouvi dizer que alguém viu [ ]. Conte-me tudo sobre isso.”

[Acompanhe outros prompts abertos, como “Fale-me sobre isso”. Se necessário.]

Se a criança negar, vá para 3b.

b. “Alguma coisa aconteceu com você em [local/hora] ? Conte-me tudo sobre isso.”

[Acompanhe outros prompts abertos, como “Fale-me sobre isso”. Se necessário.]

Se a criança tem ferimentos ou marcas, diga:

“Eu vejo [ouvi] que você tem [marcas/contusões] no seu [ ].

Conte-me tudo sobre isso.”

[Acompanhe outros prompts abertos, como “Fale-me sobre isso”. Se necessário.]

“Alguém [resumiu sem nomear o agressor (a menos que a criança já o nomeasse) ou fornecer detalhes mais incriminatórios] ?”

Se a criança negar, vá para a próxima seção.

Se a criança reconhecer algo, diga:

“Conte-me tudo sobre isso.”

[Acompanhe outros prompts abertos, como “Fale-me sobre isso”, se necessário.]

IX. Informações sobre a Divulgação
“Você me disse por que veio falar comigo hoje. Você me deu muitas informações e isso realmente me ajuda a entender o que aconteceu.”

[Se a criança mencionou ter contado a alguém sobre o(s) incidente(s), vá para a pergunta 6. Se a criança não mencionou contar a ninguém, investigue sobre uma possível divulgação imediata dizendo:]

“Diga-me o que aconteceu depois [do último incidente].”

[Espere por uma resposta.]

“E depois o que aconteceu”?

[Nota: Use esta pergunta com a frequência necessária ao longo desta seção.]

[Se a criança mencionar uma revelação, vá para a pergunta 6. Se não, faça as seguintes perguntas.]

“Alguém mais sabe o que aconteceu?”

[Espere por uma resposta. Se a criança identificar alguém, vá para a Pergunta 6.]

[Se a criança confirmar, mas não mencionar o nome, pergunte:]

“Who?”

[Espere por uma resposta. Se a criança identificar alguém, vá para a Pergunta 6.]

“Agora quero entender como outras pessoas descobriram [o último incidente].”

[Espere por uma resposta. Se a criança identificar alguém, vá para a Pergunta 6.]

[Se houver informações faltando, faça as seguintes perguntas.]

“Quem foi a primeira pessoa além de você e [o perpetrador] a descobrir sobre [suposto abuso conforme descrito pela criança]?”

[Espere por uma resposta.]

“Conte-me tudo o que puder sobre como [”a primeira pessoa mencionada pela criança”] descobriu.”

[Espere por uma resposta.]

[Então diga:]

“Conte me mais sobre isso.”

[Espere por uma resposta.]

[Se a criança descrever uma conversa, diga:]

“Conte-me tudo o que você falou.”

[Espere por uma resposta.]

“Alguém mais sabe sobre [suposto abuso conforme descrito pela criança]?”

[Espere por uma resposta.]

[Então diga:]

“Conte me mais sobre isso.”

[Se a criança descreveu uma conversa, diga:]

“Conte-me tudo o que você falou.”

[Espere por uma resposta.]

[se a criança não mencionar que contou a alguém pergunte:]

REPETIR TODA A SEÇÃO CONFORME NECESSÁRIO PARA CADA UM DOS INCIDENTES DESCRITOS PELA CRIANÇA.

X. Fechamento
[Dizer:]

“Você me contou muitas coisas hoje, e eu quero te agradecer por me ajudar.”

“Há mais alguma coisa que você acha que eu deveria saber?”

[Espere por uma resposta.]

“Tem alguma coisa que você queira me dizer?”

[Espere por uma resposta.]

“Há alguma pergunta que você queira me fazer?”

[Espere por uma resposta.]

“Se você quiser falar comigo novamente, você pode me ligar neste número de telefone.” [Entregue à criança um cartão com seu nome e número de telefone.]

XII. Tópico Neutro
“O que você vai fazer hoje depois de sair daqui?”

[Fale com a criança por alguns minutos sobre um assunto neutro.]

“É [especifique a hora] e esta entrevista agora está completa.”

(https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2180422/ )

ASSÉDIO JUDICIAL

PONTOS CHAVE
Os agressores domésticos geralmente exercem controle sobre seus ex-parceiros por meio do sistema legal.
O abuso legal pós-separação tem um tremendo impacto psicológico nas vítimas-sobreviventes e nas crianças.
O sistema legal muitas vezes confunde abuso legal com “divórcio de alto conflito”.

Quando os agressores usam os tribunais para assediar seus ex-parceiros, os juízes às vezes consideram “o casal” como o problema, deixando de identificar as manobras legais como uma forma de abuso continuado.

Guardiões ad litem, avaliadores de custódia e juízes muitas vezes identificam erroneamente disputas de custódia envolvendo um agressor doméstico como “divórcios de alto conflito”. O termo “ divórcio de alto conflito ” sugere uma escalada simétrica e paralela de ambas as partes. No entanto, na maioria dos casos de divórcio de “alto conflito”, o que realmente estamos vendo é uma “parte que é atraída para o conflito, e não para longe dele” (Rosenfeld et al., 2019).

Esses casos são marcados por um “litigante de alto conflito” que exerce poder arrastando seu ex repetidamente ao tribunal. Em outras palavras, um abusador cria uma série de complicações judiciais para tornar um caso de divórcio ou custódia impossível de resolver, então isso continua por anos. O problema não é o casal — o problema é um membro do casal e deve ser tratado de acordo. O agressor quer que o caso se arraste, aproveitando essas oportunidades para continuar a fazer o ex-parceiro sofrer.

Essa tática de controle coercitivo é chamada de abuso legal (Douglas, 2018), litígio vexatório (Fitch & Easteal, 2017), abuso processual (Miller & Smolter, 2011), terrorismo judicial (Tucker, 2021) e perseguição de custódia (Elizabeth, 2017 ). ). Os agressores domésticos desempenham o papel de pais amorosos e atenciosos que desejam passar meio tempo ou mais com seus filhos quando seu verdadeiro objetivo é manter uma rota contínua para assediar seus ex-parceiros.

Frequentemente, o agressor doméstico cria uma narrativa falsa ( gaslighting ) de que o outro pai deve perder muito ou todo o tempo de paternidade porque é “mentalmente instável”. O agressor doméstico também pode alegar que o genitor visado está tentando minar o papel do agressor doméstico na vida das crianças e levantar o espectro da “ alienação parental ”.

O Conselho Nacional de Juízes do Tribunal de Menores e Família observou que “muitas vezes é legítimo para o parceiro de um pai abusivo tentar proteger as crianças da exposição ao abuso, ou tentar garantir sua própria segurança do parceiro abusivo, limitando contato desse parceiro com os filhos” (p. 19).

O agressor mantém ou recupera o controle trazendo a vítima de volta ao tribunal repetidamente. Cada dia no tribunal tem um preço tremendo para a vítima em salários perdidos e honorários advocatícios. Vítimas de abuso doméstico muitas vezes já sofreram abuso financeiro. A batalha judicial pode esticá-los financeiramente além do ponto de ruptura, forçando-os e as crianças a se mudarem para um abrigo ou até mesmo – às vezes – retornar ao agressor. Psicologicamente, o estresse de batalhas judiciais prolongadas pode ser devastador para o pai protetor e para os filhos (Clements et al., 2021).

Chamando os agressores domésticos de “mestres manipuladores”, Campbell (2017) faz as seguintes recomendações aos juízes:

Encontre o agressor por desacato na primeira falta de pagamento de pensão alimentícia ou de alguma outra forma em conformidade com os termos de uma ordem judicial – evitando assim a necessidade de repetidas audiências judiciais.
Familiarize-se com perfis de agressores e padrões de violência doméstica para detectá-los mais facilmente quando eles aparecerem no tribunal.
Observe atentamente os sinais de abuso ao longo dos processos judiciais e de mediação.
Sancione os abusadores que apresentarem moções frívolas.
Desconfie de conceder custódia ou visitação a abusadores. Quando esse contato for concedido, estruturar acordos para reduzir a necessidade de contato entre as partes.
Essas medidas ajudariam muito a proteger as vítimas-sobreviventes que sofrem abusos legais pós-separação. Os tribunais devem proteger alguém que sofreu controle coercitivo em seu relacionamento, em vez de estender o alcance do agressor após a separação.

(https://www.psychologytoday.com/gb/blog/invisible-chains/202201/its-post-separation-legal-abuse-not-high-conflict-divorce?fbclid=IwAR12_Y6LWsx_RyDgotOrbGIE_970X0ATxzoMzdphQBrzUw34gCUNhbgZV_c )

References

Clements, K.A.V., Sprecher, M., Modica, S., Terrones, M., Gregory, K., & Sullivan, C. (2021). The use of children as a tactic in intimate partner violence and its relationship to survivor mental health. Journal of Family Violence, DOI: 10.1007/s10896-021-00330-0

Douglas, H. (2018). Legal systems abuse and coercive control. Criminology & Criminal Justice, 18, 84-99.

Fitch, E. & Easteal, P. (2017). Vexatious litigation in family law and coercive control: Ways to improve legal remedies and better protect the victims. Family Law Review, 7, 103-115.

IGREJA AUSTRALIA…

“… OS PAIS COMERAM UVAS VERDES, E OS DENTES DOS FILHOS É QUE SE EMBOTARAM?” (EZ 18:2)
MELBOURNE, Austrália – O líder da Hillsong, a megaigreja australiana que atrai multidões de jovens e celebridades em todo o mundo, renunciou enquanto se prepara para lutar contra uma acusação criminal de ocultar abuso sexual infantil histórico por seu pai.
O líder da igreja, Brian Houston, disse em um comunicado publicado no site da Hillsong no domingo que concordou em desistir de “todas as responsabilidades do ministério” até o final de 2022 para se concentrar em sua batalha legal seguindo o conselho dos consultores jurídicos da Hillsong.
A polícia australiana acusou Houston em agosto de 2021 com uma acusação de ocultar um crime grave de seu pai, Frank Houston. A polícia alegou que o jovem Houston, agora com 67 anos, “sabia informações relacionadas ao abuso sexual de um jovem na década de 1970 e não conseguiu levar essas informações à atenção da polícia”.
Houston negou vigorosamente a acusação e reiterou em sua declaração no domingo que “essas alegações foram um choque para mim, e é minha intenção defendê-las vigorosamente”.
O Sr. Houston entrou com uma declaração de inocência, de acordo com o tribunal de Sydney onde seu caso está sendo julgado.
A investigação policial ocorreu depois que uma alegação foi feita à comissão real australiana sobre abuso sexual infantil. Em 2014, a comissão ouviu evidências de que seu pai havia abusado sexualmente de um menino de 7 anos décadas antes. Seu pai, que morreu em 2004, nunca foi acusado.
A megaigreja Hillsong surgiu da fusão de duas organizações: Sydney Christian Life Center, fundada por Frank Houston em 1977, e Hills Christian Life Center, fundada por seu filho. Tornou-se um rolo compressor global em um momento em que a religião estava lutando em uma Europa e América do Norte secularizantes. Impulsionada por uma lucrativa gravadora que dominava a música cristã contemporânea, a Hillsong vendeu milhões de álbuns e atraiu grandes multidões para shows de arena.
Usando uma abordagem “sensível ao buscador”, procurou atrair jovens cristãos nas grandes cidades, ou pessoas desconfiadas ou não familiarizadas com igrejas mais tradicionais. Atraiu celebridades como Justin Bieber, Selena Gomez e Kevin Durant. A igreja atraiu, segundo algumas estimativas, 100.000 pessoas para seus bancos a cada fim de semana e acumulou milhões de seguidores nas mídias sociais. Suas canções foram tocadas em igrejas do Uzbequistão à Papua Nova Guiné.
O sermão ideal da Hillsong “deixa as pessoas se sentindo melhor consigo mesmas do que vieram”, disse Brian Houston.
Mas o escândalo e as críticas têm perseguido a igreja.
A igreja foi criticada por adotar uma abordagem hipster ao cristianismo e por se esquivar de uma postura pública firme sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a homossexualidade.
Em novembro de 2020, Houston demitiu Carl Lentz , o pastor-chefe da filial da Hillsong em Nova York, por “questões de liderança e quebras de confiança, além de uma recente revelação de falhas morais”, de acordo com um e-mail para os fiéis. Mais tarde, Lentz escreveu no Instagram que havia sido infiel em seu casamento.
Houston pediu desculpas em junho de 2020 pelos comentários do líder da filial da igreja em Londres, que parecia fazer comentários desdenhosos sobre a morte de George Floyd e os subsequentes protestos antirracismo.
Este mês, a igreja também se desculpou depois que surgiram imagens de fiéis cantando e dançando em um acampamento de jovens na cidade de Newcastle, aparentemente violando as restrições da pandemia.
Depois que ele foi acusado no ano passado, o Sr. Houston se afastou de algumas responsabilidades, mas manteve seu papel como líder da igreja. Então, em dezembro, o advogado da Hillsong aconselhou o conselho da igreja que seria “melhor prática” para o Sr. Houston se afastar completamente da liderança da igreja enquanto os processos judiciais continuassem, disse o comunicado no domingo.
As audiências provavelmente “serão prolongadas” e ocuparão a maior parte do ano, com a pandemia exacerbando o acúmulo de casos, disse Houston.
Dois pastores assumirão os papéis de líderes interinos, e a esposa do Sr. Houston, Bobbie Houston, continuará “permanecendo totalmente engajada na vida da igreja”.
A próxima audiência do caso será em 3 de março.

(https://www.nytimes.com/2022/01/31/world/australia/brian-houston-hillsong.html#:~:text=the%20main%20story-,Leader%20of%20Australian%20Megachurch%20Steps%20Down%20After%20Charge%20Over%20Father’s,died%20and%20was%20never%20charged.)

ESTUDO SOBRE O FILICIDIO

(https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/car.2743 )

Experiências adversas na infância e caminhos potenciais para a perpetração de filicídio: uma busca e revisão sistemáticas

Resumo
Os filicídios, onde as crianças são mortas pelos pais ou padrastos, são ocorrências incomuns, cometidas tanto por agressores paternos como maternos. O objetivo deste artigo é explorar em que medida os antecedentes dos filicídios podem ser rastreados a um dos fatores identificados na literatura – as experiências adversas na infância dos agressores – e o que isso pode significar para a forma como os serviços procuram intervir para salvaguardar e apoiar as crianças em situações precárias. Buscas sistemáticas foram usadas para recuperar artigos relevantes em seis bases de dados eletrônicas: AMED, CINAHL, Criminal Justice Abstracts, Medline (PubMed), PsycINFO e SCOPUS. As principais descobertas foram que vários estudos relataram níveis significativos de experiências complexas, múltiplas e sustentadas de adversidade na infância para muitos perpetradores, e que vários caminhos potenciais para a perpetração de filicídio podem emanar de tais experiências. Esta revisão sugere que as intervenções baseadas em evidências devem ser prontamente disponibilizadas no início da vida para pessoas que vivenciam experiências adversas na infância, juntamente com serviços de apoio para aqueles que se tornam pais e cuidadores. Esse apoio pode ajudar a evitar a acumulação de adversidades ao longo do tempo, reduzindo assim o potencial de risco de danos e possíveis resultados trágicos para seus filhos dependentes. Intervenções baseadas em evidências devem estar prontamente disponíveis no início da vida para pessoas que vivenciam experiências adversas na infância, juntamente com serviços de apoio para aqueles que se tornam pais e cuidadores. As intervenções precisam fornecer ajuda precoce às crianças, ao mesmo tempo em que incorporam uma visão de apoio de longo prazo.

Principais mensagens do praticante

Intervenções baseadas em evidências devem estar prontamente disponíveis no início da vida para pessoas que vivenciam experiências adversas na infância, juntamente com serviços de apoio para aqueles que se tornam pais e cuidadores.
As intervenções precisam fornecer ajuda precoce às crianças, ao mesmo tempo em que incorporam uma visão de apoio de longo prazo.
A atenção às questões de planejamento e coordenação entre diversos serviços e profissionais pode ajudar a superar a fragmentação, a duplicação e as lacunas nos serviços.

INTRODUÇÃO
O filicídio é definido como a situação em que ‘uma ou mais crianças são mortas por um dos pais, padrasto ou tutor equivalente’ (Brown et al., 2018 , p. viii). O filicídio é uma ocorrência incomum, com taxas variando de 0,6 por 100.000 crianças menores de 15 anos na Suécia a 2,5 por 100.000 crianças menores de 18 anos nos Estados Unidos (Putkonen et al., 2009 ). No entanto, a medição eficaz de sua prevalência é limitada porque poucos estudos relatam estatísticas de filicídio em nível nacional (Brown et al., 2019 ) e faltam dados padronizados (Klier et al., 2019 ).

Os filicídios podem ser vistos como ‘chocantes’ e ‘inexplicáveis’ quando a pessoa que deve nutrir e proteger uma criança apresenta o maior risco para ela (Brown et al., p. vii). Os filicídios são cometidos por agressores paternos e maternos, no entanto os neonaticídios (‘o assassinato de uma criança no dia do nascimento’ (p.74)) são quase sempre cometidos pelas mães, assim como os filicídios que ocorrem durante a primeira semana de vida, enquanto os filicídios na infância tardia são frequentemente perpetrados pelos pais ou padrastos (Bourget et al., 2007 ). Evidências emergentes indicam uma relação entre certos fatores na vida dos agressores, incluindo problemas de saúde mental, uso problemático de substâncias, experiências anteriores de violência, ruptura do relacionamento interpessoal e riscos potenciais para as crianças (Klier et al., 2019 ).).

Neste artigo, procuramos explorar em que medida os antecedentes dos filicídios podem ser atribuídos a um dos fatores identificados na literatura – as experiências de infância dos agressores – e o que isso pode significar para a forma como os serviços procuram intervir para proteger e apoiar as crianças em situações precárias.

Para nos ajudar a desenvolver uma maior compreensão da contribuição potencial da adversidade infantil para os riscos de filicídio na vida adulta, usaremos a estrutura de Experiências Adversas na Infância (ACEs) para revisar sistematicamente a literatura para explorar os tipos de experiências adversas da infância relatadas por ou sobre os perpetradores de filicídio e os possíveis ‘mecanismos ou caminhos’ (Grady et al., 2017 , p. 433) que levam de tal adversidade à perpetração de filicídio mais tarde na vida.

O estudo ACEs, um grande estudo epidemiológico de quase 10.000 adultos, foi realizado em meados da década de 1990 no Kaiser Permanente Medical Center em San Diego, Califórnia, para desenvolver a compreensão de como as adversidades da infância podem afetar a saúde na idade adulta (Felitti et al., 1998 ). No estudo, descobriu-se que experiências de adversidade infantil envolvendo abuso infantil e negligência e disfunção doméstica levaram a estratégias de enfrentamento envolvendo comportamentos de risco que contribuem para uma série de problemas sociais e de saúde significativos (Grady et al., 2017 ). Pesquisas subsequentes substanciais reforçaram a principal descoberta de que a experiência de vários ACEs é um fator de risco considerável para esses problemas (Hughes et al., 2017), com os ACEs também sendo associados a uma maior aceitação de abordagens parentais potencialmente prejudiciais, como sacudir bebês (Clemens et al., 2020 ).

Em relação às vias potenciais, conforme indicado por Nurius et al. ( 2015 , p. 144), o processo de ‘proliferação de estresse’ ocorre quando as adversidades se acumulam ao longo do tempo. Aqueles que se tornam vulneráveis ​​por experiências adversas na infância são mais propensos, em sua jornada de vida, a enfrentar mais episódios estressantes, a acumular a carga de estresse, a encontrar dificuldades sociais e comportamentais e a ter maior probabilidade de problemas de saúde mental. Assim, as adversidades no início da vida são estressores primários que estabelecem as condições necessárias para e interagem com estressores secundários na forma de adversidades adicionais. Esses processos proliferam e se conectam em cadeias de risco – uma adversidade levando a outra – que podem potencialmente conectar ACEs e resultados na vida adulta.

As perguntas que serão usadas para guiar esta revisão são:
Qual é a prevalência de experiências adversas na infância na vida dos perpetradores de filicídio?
Que caminhos potenciais dessas experiências adversas da infância podem surgir que podem levar à perpetração de filicídio na vida adulta?
MÉTODOS
Recuperação e seleção de artigos
Esta revisão faz parte de uma pesquisa sistemática mais ampla da literatura em relação ao homicídio infantil (Frederick et al., 2019). Artigos relevantes em periódicos revisados ​​por pares foram identificados por meio de buscas sistemáticas em seis bases de dados eletrônicas: AMED, CINAHL, Criminal Justice Abstracts, Medline (PubMed), PsycINFO e SCOPUS. Os seguintes termos de pesquisa foram usados ​​para recuperar artigos relevantes: (homicídio OR assassinato OR homicídio culposo OR filicídio OR infanticídio OR neonaticídio OR filicídio-suicídio OR familicídio OR abuso infantil fatal OR maus tratos infantis fatais OR morte OR matar OR fatalidade) AND (vítima OR criança OR criança OU bebê OU criança OU pré-escolar OU adolescente OU adolescente) E (autor OU pai OU mãe OU pai OU padrasto OU pai biológico OU cuidador OU guardião OU pai adotivo OU parceiro OU de fato OU amante OU namorado OU namorada OU babá OU babá OU cônjuge OU amigo OU estranho OU assassino OU assassino).08 de agosto de 2020.

Outra estratégia empregada neste processo de busca, conforme recomendado por Greenhalgh e Peacock ( 2005 ), envolveu a busca manual em listas de referências em artigos de filicídio já identificados para determinar se havia outros artigos relevantes. Isso resultou na inclusão de três artigos adicionais de Simpson e Stanton ( 2000 ), Kunst ( 2002 ) e Dekel et al. ( 2020 ), que atenderam a todos os critérios de inclusão, mas não foram identificados na busca nas bases de dados.

Em termos de critérios de inclusão e exclusão, os artigos foram incluídos em nossa seleção final apenas se envolvessem: (a) a coleta de dados empíricos sobre (b) filicídios de (c) uma ou mais pessoas menores de 18 anos, onde (d ) foram consideradas as experiências adversas da infância na vida dos perpetradores do filicídio. A Figura 1 mostra o fluxograma de triagem e seleção. Os dois primeiros autores realizaram triagem e seleção por consenso, com o terceiro autor selecionando um subconjunto dos artigos como uma verificação adicional (sem discrepâncias encontradas).

Codificação e análise
A codificação inicial foi realizada pelos dois primeiros autores. A discussão sobre essa codificação ocorreu então entre os três autores até que o consenso fosse alcançado. As informações foram extraídas em três domínios.

Primeiro, o projeto e os métodos foram registrados, incluindo uma breve descrição do projeto e quaisquer definições e medidas padronizadas usadas. Em segundo lugar, resumimos a amostra em relação à demografia, localização e tamanho. Terceiro, revisamos e resumimos todos os artigos elegíveis para evidências quantitativas e qualitativas de experiências adversas na infância na vida dos perpetradores e possíveis caminhos subsequentes para a perpetração de filicídio na vida adulta. Em seguida, mapeamos essas experiências no quadro de experiências adversas da infância (ACEs), conforme descrito por Dube et al. ( 2003 ), compreendendo:

A. abuso psicológico; B. abuso físico; C. abuso sexual; D. negligência física; E. negligência emocional; F. perda do genitor; G. prisão dos pais; H. violência contra a mãe; I. abuso de substâncias pelos pais; e, J. doença mental dos pais.

Descobertas
Nossa busca inicial resultou em 594 artigos potencialmente elegíveis, dos quais 27 atenderam aos nossos critérios de inclusão. Os artigos incluídos variaram de um caso a 124 casos de filicídio (ver Tabela 1 para uma visão geral). Vinte e quatro desenhos de pesquisa eram séries de casos, dois eram estudos de caso e um era um estudo epidemiológico. Três artigos eram sobre o mesmo estudo – Dekel et al. ( 2018 , 2019 , 2020 ) – e outros dois também envolveram o mesmo estudo – Cavanagh et al. ( 2005 , 2007 ). O maior número ( N = 11) dos artigos incluídos basearam-se em dados dos Estados Unidos; três da Finlândia e da África do Sul; dois da Inglaterra, e da Inglaterra, Escócia e País de Gales como um grupo, e da Itália; um da Áustria e Finlândia como um grupo; e, finalmente, também havia artigos únicos da Austrália, Canadá e Nova Zelândia. Houve uma diversidade substancial entre os vários estudos em termos de fatores como definições, amostras e abordagens de pesquisa, que precisam ser levados em consideração na interpretação desses achados.

TABELA 1. Indicadores de ACEs de abuso infantil, negligência e problemas familiares encontrados entre os agressores

revalência de adversidade
Em resposta à nossa primeira pergunta, uma quantidade significativa de adversidade infantil na vida dos agressores foi encontrada nos estudos revisados.

Esses ACEs são apresentados abaixo na Tabela 1 :

Níveis consideráveis ​​de diferentes formas de experiências abusivas e negligentes na infância foram relatados em muitos estudos, com taxas de até 100% (nove) (entre homens) (Eriksson et al., 2016 ) e 90,9% (20) (Dekel et al., 2018 ) para negligência emocional; 81 por cento (13) (Spinelli, 2001 ) e 70 por cento (sete) (Kauppi et al., 2008 ) para abuso psicológico; 74 por cento (31) por abuso físico e/ou sexual (Crimmins et al., 1997 ); e 66,7% (seis) (homens) tanto para abuso físico quanto para negligência física (Eriksson et al., 2016 ). No entanto, alguns estudos relataram níveis mais baixos do que isso, como: abuso psicológico 14 por cento (seis) (Crimmins et al., 1997); abuso físico 14 por cento (cinco) do sexo feminino e 13 por cento (três) do sexo masculino (Kauppi et al., 2010 ); e abuso sexual 2 por cento (um) (Cavanagh et al., 2005 ). Da mesma forma, as experiências de abuso sexual na infância nem sempre foram especificadas como vivenciadas na família; sete estudos (Bourget & Gagne, 2002 ; Crimmins et al., 1997 ; Dekel et al., 2018 , 2019 ; Kunst, 2002 ; Simpson & Stanton, 2000 ; Smithey, 1997 ) relataram que esse abuso sexual foi perpetrado pelos pais; no entanto, a maioria não forneceu esse nível de informação.

Níveis significativos de problemas familiares também foram encontrados em muitos estudos, por exemplo: violência contra a mãe 77,8% (sete) (para homens) (Eriksson et al., 2016 ) e 37% (25) (Stroud, 2008 ); perda do progenitor 68 por cento (15) (Dekel et al., 2018 ) e 46 por cento (12) (Cavanagh et al., 2007 ); abuso de substâncias pelos pais 60 por cento (25) (Crimmins et al., 1997 ); e, doença mental dos pais 54,5 por cento (30) (Lewis & Bunce, 2003 ) e 33 por cento (26) (McKee & Bramante, 2010 ). Novamente, no entanto, alguns estudos relataram níveis mais baixos do que estes, por exemplo: perda dos pais 17 por cento (sete) (Crimmins et al., 1997); violência contra a mãe 7 por cento (seis) (para mulheres) e 3 por cento (um) (para homens) (Putkonen et al., 2010 ; e, doença mental parental 7 por cento (três) (Cavanagh et al., 2005 ).

Em alguns estudos, o abuso foi categorizado de forma indeterminada, por exemplo, 49,1 por cento de abuso físico/sexual (não especificado) (Lewis & Bunce, 2003 ); 38 por cento abusadas física ou sexualmente (Friedman et al., 2005 ), o que significa que a precisão dos achados em relação às porcentagens nem sempre foi possível.

Além de dados estatísticos, alguns dos artigos relataram dados qualitativos que ajudam a fornecer informações adicionais sobre as experiências dos agressores quando crianças, com descrições vívidas de suas experiências em suas próprias palavras.

A respeito do abuso físico em sua própria infância e depois de infligir essa forma de abuso em seu próprio filho como mãe, Alma disse:
‘Eu não sabia o que fazer porque eu não entendo nada de disciplinar uma criança porque eu fui criado pela minha própria família, como eles abusaram de mim e eu não sabia o que fazer, então eu descontei no meu filho … ele não estava respirando … eu só bati nele duas vezes na cabeça com a minha mão … eu não sabia como amá-lo, porque eu não tinha, não me amava, eu não sabia como amá-lo'( Crimmins et ai., 1997 , p. 58).

Os dados qualitativos também transmitiram a dor da perda e do abandono vivenciados pelos agressores quando crianças; por exemplo, Deidre, filha única, foi abandonada pela mãe aos oito anos:
“Minha mãe saiu de casa e nunca mais voltou. Meu mundo desmoronou quando ela partiu’.

Deidre explicou que seu pai era alcoólatra:
‘Meu pai só queria beber e ter sua própria vida fazendo suas próprias coisas… Eu e meu pai não tínhamos um relacionamento… Eu precisava de alguém para conversar e estar lá para mim quando eu fizesse uma pergunta e meu pai não estava lá’ (Dekel et al., 2018 , pp. 9, 12).

No geral, houve um padrão claro na maioria dos estudos incluídos de perpetradores que tiveram infâncias marcadas por níveis significativos de adversidade.

Caminhos potenciais para a perpetração de filicídio
Vamos agora considerar os resultados em relação à nossa segunda pergunta sobre possíveis caminhos para a perpetração de filicídio na vida adulta que podem surgir dessas experiências adversas na infância. Estes incluem altos níveis de estresse dos agressores, doenças mentais, uso problemático de substâncias, violência por parceiro íntimo, isolamento e falta de apoio, juntamente com possíveis caminhos múltiplos.

Altos níveis de estresse
Os ACEs são considerados estressores primários que podem interagir com estressores secundários na jornada de vida de uma pessoa. Altos níveis de estresse entre os agressores foram relatados em muitos dos estudos revisados ​​(Eriksson et al., 2016 ; Haapasalo & Petaja, 1999 ; Kauppi et al., 2008 , 2010 ; McKee & Shea, 1998 ; Smithey, 1997 ; Stroud, 2008 ), sugerindo que esta pode ser uma via potencial. Stroud ( 2008 ) afirmou que virtualmente todos os 68 perpetradores em seu estudo de perpetradores de filicídio sofreram vidas estressantes, envolvendo tanto estresse anterior quanto contínuo. Kauppi et ai. ( 2010 ) e McKee e Shea ( 1998 )) ambos encontraram altos níveis de estresse entre as mulheres agressoras no período anterior e no momento do filicídio. O estresse foi observado em relação ao cuidado e criação dos filhos (Kauppi et al., 2008 ; McKee & Shea, 1998 ), com Kauppi et al. ( 2008 ) constatando que a falta de apoio foi um fator de estresse em 50 por cento de sua amostra de 10. Kauppi et al. ( 2010 ) também afirmaram que os perpetradores maternos relataram sofrer estresse severo causado por parceiros violentos. Haapasalo e Petaja ( 1999 ) consideraram que um acúmulo de fatores de estresse para algumas mães resultou em uma liberação impulsiva de sentimentos agressivos reprimidos.

Doença mental
Outro caminho possível dos ACEs parece ser a vivência do adoecimento mental na vida adulta. Houve inúmeros relatos de doença mental entre os perpetradores nos estudos (Bourget & Gagne, 2002 ; Eriksson et al., 2016 ; Friedman et al., 2005 ; Haapasalo & Petaja, 1999 ; Kauppi et al., 2010 ; Krischer et al. , 2007 ; Kunst, 2002 ; McKee & Bramante, 2010 ; Putkonen et al., 2010 ; Stroud, 2008 ; Wilczynski, 1995 ). Em seu estudo de 48 perpetradores, Wilczynski ( 1995) descobriram que 50 por cento (14) das mulheres e 45 por cento (nove) dos homens perpetradores receberam tratamento psiquiátrico prévio, com 31,3 por cento (15) no total tendo pensamentos ou tentativas de suicídio anteriores. Putkonen et ai. ( 2010 ) relataram que, no ano anterior ao filicídio, 32 por cento (25) das mães e 29 por cento (13) dos pais haviam solicitado ajuda para problemas de saúde mental. Kauppi et ai. ( 2010, pág. 234) afirmaram que psicose ou depressão psicótica foi o diagnóstico em 51 por cento (19) e 20 por cento (quatro) dos casos maternos e paternos, respectivamente. Outras descobertas neste estudo foram de transtorno de personalidade, incluindo “imaturidade, impulsividade e controle deficiente do afeto”, em 67 por cento (13) dos perpetradores paternos e 41 por cento (16) dos perpetradores maternos. Haapasalo e Petaja ( 1999 , pp. 229, 233) relataram que dois terços das 48 mães perpetradoras em seu estudo tinham ‘problemas psicológicos documentados’ antes do incidente, em particular ‘sintomas de depressão e transtorno de humor’. Além disso, eles descobriram que três mães que eram psicóticas acreditavam que estariam salvando seus filhos do futuro sofrimento imaginário matando-os. Em um estudo sobre perpetradores maternos, Bourget e Gagne (2002 ) relataram que um motivo psiquiátrico foi determinado em mais de 85 por cento (23), e que a maioria havia recebido tratamento prévio para sintomas depressivos ou psicóticos. Friedman et ai. ( 2005 ) afirmaram que 49 por cento (19) das mães em seu estudo haviam sido pacientes em um hospital psiquiátrico, 44 ​​por cento (17) dos perpetradores maternos tiveram tentativas anteriores de suicídio e 56 por cento (22) planejaram o filicídio. suicídios. Além disso, 69 por cento (27) tiveram alucinações auditivas e 78 por cento (30) alucinações de comando, muitas vezes em relação ao assassinato de seus filhos. Stroud ( 2008, pp. 491–492) observou em seu estudo que o problema psicológico mais frequentemente relatado foram delírios, onde as ‘ações e emoções dos perpetradores foram completamente influenciadas por crenças delirantes’, predominantemente ‘alucinações auditivas que ordenam que os indivíduos matem e delírios de perseguição’ .

Uso problemático de substâncias
Um outro caminho possível de ACEs foi o uso problemático de álcool e drogas na vida adulta. O abuso de substâncias foi frequentemente relatado entre os agressores nos estudos (Cavanagh et al., 2005 ; Eriksson et al., 2016 ; Friedman et al., 2005 ; Kauppi et al., 2010 ; Putkonen et al., 2010 ; Simpson & Stanton, 2000 ; Smithey, 1997 ; Wilczynski, 1995 ). Wilczynski ( 1995 ) observou que o abuso de substâncias estava presente entre os perpetradores tanto no momento do incidente 33,3% (16) quanto como um problema de longo prazo 60,4% (29). Cavanagh et ai. ( 2005) descobriram que o abuso de álcool 38 por cento (19) e o abuso de drogas 35 por cento (17) eram características na vida adulta de muitos dos perpetradores do sexo masculino em seu estudo, com 31 por cento (15) tendo bebido no momento da o incidente e 29 por cento (14) ter tomado drogas. Putkonen et ai. ( 2010 ) afirmaram que 39 por cento (18) paternos a mais do que 2 por cento (dois) maternos estavam sujeitos a abuso/dependência de substâncias. No entanto, Friedman et al. ( 2005) relataram que 49 por cento (19) dos perpetradores maternos tinham histórico de abuso de substâncias, mas apenas 10 por cento (quatro) estavam abusando ativamente de álcool e 15 por cento (seis) abusando de drogas na época do incidente. Nas 24 horas anteriores ao incidente, 8 por cento (três) haviam consumido álcool e 13 por cento (cinco) drogas, mas apenas 8 por cento (três) estavam intoxicados no momento (um envolvendo álcool e dois maconha). Kauppi et ai. ( 2010 ) constataram que 45 por cento (nove) dos perpetradores paternos abusaram de álcool, e que 30 por cento (seis) dos pais e 5 por cento (dois) dos perpetradores maternos foram afetados pelo álcool no momento do incidente. Em alguns casos, esse uso problemático de substâncias começou cedo na vida, com Simpson e Stanton ( 2000, pág. 142) afirmando que um perpetrador materno ‘… começou a abusar de substâncias (álcool, cannabis e solventes) a partir dos 13 anos de idade’.

Violência por parceiro íntimo
Um caminho potencial adicional de ACEs envolve experiências de violência interpessoal na idade adulta. Houve muitos achados de violência por parceiro íntimo entre os agressores (Cavanagh et al., 2005 , 2007 ; Dekel et al., 2018 , 2019 , 2020 ; Eriksson et al., 2016 ; Friedman et al., 2005 ; Kauppi et al., 2010 ; Smithey, 1997 ; Stroud, 2008 ; Wilczynski, 1995 ). Entre os artigos revisados, Stroud ( 2008) relatou que a violência por parceiro íntimo era uma característica em 49 por cento (33) dos casos em seu estudo, antes ou no momento do filicídio, com Wilczynski ( 1995 , p. 212) encontrando que em 18,8 por cento (nove ) de seus casos houve um ‘impulso ou tentativa’ de ferir outra pessoa no momento do filicídio, geralmente um parceiro. Nos dois estudos de Cavanagh e colaboradores, a violência contra a parceira estava ocorrendo em 71% (18) (Cavanagh et al., 2007 ) e 69% (34) (Cavanagh et al., 2005) de relacionamentos íntimos. A natureza gráfica dessa violência foi ilustrada em seu estudo de 2007, onde foi relatado que ‘… ele continuou a tratar sua esposa com violência crescente. Eventualmente, seu medo dele minou sua capacidade de denunciar sua violência. Os ataques contra ela resultaram em seu nariz quebrado, provavelmente em mais de uma ocasião, suas pernas sendo cortadas com uma faca Stanley e queimaduras de cigarro. Friedman et ai. ( 2005 ) afirmaram que 23 por cento (nove) das mães que mataram seus filhos relataram ter sofrido violência por parceiro íntimo, porém essa informação não estava disponível em 48 por cento (19) dos casos. Kauppi et ai. ( 2010 ) relataram que os agressores do sexo masculino eram violentos com outros membros da família em 45 por cento (nove) dos casos, e Dekel et al. ( 2018) constataram que 50 por cento (sete) das mulheres em seu estudo foram espancadas por seus parceiros masculinos.

Isolamento e falta de apoio
Outro caminho possível dos ACEs diz respeito ao suporte social limitado na vida adulta. Isolamento e falta de apoio pessoal e social entre os agressores foram comumente relatados (Kauppi et al., 2008 , 2010 ; McKee & Shea, 1998 ; Simpson & Stanton, 2000 ; Smithey, 1997 ; Stroud, 2008 ). Smithey ( 1997 , p. 268) descobriu que as mães em seu estudo “não apenas tinham pouco ou nenhum apoio emocional, mas os relacionamentos que mantinham com os outros tendiam a ser emocionalmente destrutivos”. Em certos casos, a violência entre parceiros íntimos foi a causa do isolamento:
“Ele ficou bem por um tempo, então comecei a me sentir isolada porque ele estava me mantendo presa em casa. Ele chegava em casa [com raiva] e descontava em mim, sabe, me batia. Ele cortou meus amigos e tentou cortar minha família’ (p. 264).

Stroud ( 2008 ) relatou que os participantes não tinham apoio prático ou emocional, não tinham uma pessoa de confiança em quem pudessem confiar e eram socialmente isolados. Wilczynski ( 1995 ) afirmou que os perpetradores tinham contato pouco frequente, ou relacionamentos ruins, com parentes ou amigos e não tinham ninguém que os apoiasse de forma prática ou emocional. Ela acrescentou que o isolamento social era muitas vezes grave, por exemplo, Ray disse:
“Nós nunca saímos, exceto para a casa da minha irmã. Minha mãe morreu… [há seis anos] Eu não me dou bem com meu pai… e os pais [da minha esposa] estão contra nós. A gente não conhece ninguém [na nossa área], nem amigos nem nada” (p. 202).

Vários caminhos
Também ficou evidente a partir das descobertas que múltiplas vias podem de fato ocorrer. Para ilustrar, no caso de Deidre, citado anteriormente (Dekel et al., 2018 ), após sua experiência de abandono pela mãe e a falta de uma relação de carinho com o pai alcoólatra, ela relatou ter sido esfaqueada pela madrasta aos 12 anos de idade e pouco depois ela deixou a escola. Ela disse que se retirou socialmente:
“Eu não era como uma pessoa social. Eu estava sempre sozinho. Nunca estive com amigos’ (p. 6).

Ela se envolveu no crime, foi presa por roubo e, mais tarde na vida, seu bebê de um ano morreu por negligência.

Outro exemplo de múltiplos caminhos de experiências abusivas na infância para perpetração de filicídio, é resumido em Simpson e Stanton ( 2000 )., pág. 140). Quando criança, a perpetradora foi agredida fisicamente e abusada sexualmente pelo pai, e sua mãe foi vítima de violência por parceiro íntimo. Quando ela tinha sete anos, seu pai matou sua mãe e ela foi adotada por uma tia materna. Seu pai mais tarde morreu por suicídio na prisão. Na adolescência tinha poucos amigos e apresentava conduta desordenada. Aos 18 anos, ela entrou em um relacionamento com um homem que foi caracterizado por beber muito e violência. Aos 19 anos, deu à luz uma filha que precisou da intervenção de familiares para protegê-la da violência. Um filho nasceu dois anos depois, mas a relação conjugal se deteriorou. Ela ficou cada vez mais deprimida e seis semanas após o nascimento de seu segundo filho, ela jogou sua filha repetidamente no chão e a matou quando ela não quis comer seu jantar. Como se pode observar, um número significativo de ACEs está presente na infância desse perpetrador – abuso físico, abuso sexual, perda dos pais, prisão parental e violência contra a mãe – com uma série de problemas complexos surgindo então.

Uma ilustração adicional, resumida de Crimmins et al. ( 1997 , pp.65-66) mostra como a experiência de perdas na infância pode se agravar. Os autores descrevem como, para a amostra de mulheres em seu estudo, ‘seus primeiros anos foram caracterizados por vários tipos de perdas que foram seguidas imediatamente por uma grande insensibilidade às suas necessidades emocionais… tipicamente o resultado de parentalidade inadequada e escassez de apoio social’ . Eles então ‘aprenderam formas inadequadas de lidar com danos e traumas (por exemplo, abuso de drogas e álcool)’ que ‘exacerbam as dificuldades das mulheres e as deixam vulneráveis ​​a se envolverem em situações adicionais de danos’ com ‘sentimentos de raiva e desespero’ mais tarde explodindo até ‘em comportamentos agressivos violentos’.

DISCUSSÃO
Em resposta às nossas duas perguntas de pesquisa, descobrimos nesta revisão que:
(1)experiências adversas na infância, geralmente em múltiplos, foram prevalentes entre os perpetradores de filicídio descritos; e,
(2)caminhos potenciais, envolvendo problemas graves, incluindo altos níveis de estresse, doença mental, uso problemático de substâncias, violência por parceiro íntimo e isolamento social e falta de apoio na idade adulta podem ser rastreados a partir dessas experiências da infância para ações prejudiciais para crianças dependentes na vida adulta.
Uma descoberta chave desta revisão é a difusão de ACEs entre os perpetradores de filicídio. Numerosos estudos relataram níveis significativos e perturbadores de experiências complexas, múltiplas e sustentadas de adversidades na infância vividas por muitos perpetradores. Há múltiplas e sérias consequências de tais experiências. Conforme observado por Spratt ( 2012 , p. 1577) ‘múltiplos importam’, ou seja, quanto maior o número de adversidades que uma criança vivencia, maior a probabilidade de encontrar resultados problemáticos na vida adulta. Em uma revisão substancial da pesquisa de ACEs, Hughes et al. ( 2017) descobriram também que múltiplas experiências de adversidade na infância são um fator de risco significativo para inúmeros resultados negativos para as crianças na próxima geração, particularmente em relação à violência, doença mental e abuso de substâncias. Assim, não apenas os resultados ruins como adultos são mais prováveis ​​para os indivíduos que experimentam ACEs, mas há riscos aumentados para seus filhos.

A segunda grande descoberta é o delineamento de vários caminhos potenciais para a perpetração de filicídio que podem emanar da experiência dos ACEs por parte dos perpetradores. Esses caminhos possíveis estão intimamente alinhados com as consequências negativas de vários ACEs. As primeiras experiências de adversidade são estressores primários que podem interagir com estressores secundários mais tarde na vida (Nurius et al., 2015 ), bem como prejudicar a resposta de uma pessoa ao estresse (Merrick et al., 2017 ). Bourget et ai. ( 2007) relatam níveis significativos de estressores de vida entre homens e mulheres perpetradores de filicídio. Dados os resultados perniciosos para adultos e crianças que resultam de suas experiências de adversidade, vários dos estudos de pesquisa incluídos procuraram examinar como as experiências traumáticas podem afetar as práticas parentais e o estresse parental (Lange et al., 2019 ). Em seu estudo de mulheres recebendo terapia para trauma, Lange et al. ( 2019) mostraram que a experiência de maior número de ACEs no início da vida por uma mãe está positivamente associada ao estresse parental atual da mãe, com essa associação seguindo uma relação dose-resposta. Os sentimentos subjetivos de estresse parecem ser exacerbados pela adversidade infantil vivida pelos perpetradores de filicídio, resultando em sua incapacidade de lidar com as demandas da vida, incluindo o comprometimento de seu papel de pai ou mãe.

Há um forte conjunto de evidências que ligam a adversidade na infância a doenças mentais posteriores (Hughes et al., 2016 , 2017 ; Jones et al., 2018 ; Mongan et al., 2019 ; Varese et al., 2012 ). Por sua vez, os indivíduos que vivenciam a doença mental estão sobre-representados entre os perpetradores de filicídio (Stroud, 2008 ). Em uma amostra nacionalmente representativa na Inglaterra e País de Gales, Flynn et al. ( 2013) descobriram que 40 por cento (119) dos perpetradores de filicídio tinham histórico de problemas de saúde mental, com as mães 66 por cento (67) mais propensas do que os pais 27 por cento (52) a ter tal histórico, bem como sintomas no local de nascimento. momento do incidente (53% (42) vs. 23% (22)). Também foi observado que alguns pais tiveram doenças mentais que não estavam sendo tratadas ou gerenciadas (McKee & Shea, 1998 ), com Flynn et al. ( 2013 ) constatando que apenas 20% (58) estavam recebendo serviços de saúde mental e apenas 12% (35) nos 12 meses após o incidente. Em certos casos de filicídio, mesmo sob os cuidados dos serviços, não foram consideradas as potenciais consequências danosas da doença mental dos pais para os filhos (Brandon et al., 2012 ).

O uso problemático de substâncias está fortemente associado à experiência dos ACEs (Hughes et al., 2017 ). No estudo original dos ACEs (Felitti et al., 1998 ), ao comparar indivíduos com ≥4 exposições infantis a ACEs com aqueles sem nenhuma, as razões de chance de desenvolver alcoolismo foram de 7,4 e para uso de drogas injetáveis ​​foram de 10,3. Dube et ai. ( 2003 ) também relataram que o número de ACEs a que um indivíduo está exposto tem uma forte relação graduada com problemas posteriores de uso de drogas e dependência de drogas. Por sua vez, o abuso de substâncias tem sido claramente associado ao filicídio, tanto como um problema de longo prazo quanto no momento do incidente, especialmente entre os agressores do sexo masculino (Cavanagh et al., 2005 , 2007 ; Kauppi et al., 2010; Putkonen et al., 2010 ).

Extensas evidências de violência familiar, tanto contra parceiros quanto contra crianças, também foram aparentes nos estudos. Acredita-se amplamente que o comportamento violento se desenvolve na infância e que, se as crianças testemunharem violência e abuso entre seus pais, provavelmente reproduzirão esse comportamento em um “ciclo intergeracional de violência” quando adultos. Em uma recente revisão da literatura, foram encontrados quatro estudos que acompanharam o desenvolvimento das crianças desde o nascimento até a idade adulta. “Isso mostra que gravidade, duração/cronicidade, tempo de exposição à violência por parceiro íntimo e co-ocorrência com outros tipos de abuso influenciam os caminhos potenciais da exposição infantil a experiências adultas” (Radford et al., 2019, pág. 9). A conexão entre filicídio e violência por parceiro íntimo é mostrada em um estudo sobre filicídio na Austrália entre 2000 e 2001 e 2011 e 2012, onde 30 por cento (57) envolveram violência anterior por parceiro íntimo, incluindo violência perpetrada e/ou vivenciada pelo perpetrador (Brown et al., 2019 ).

Muitos exemplos de isolamento pessoal e falta de apoio social também ficaram evidentes nos artigos revisados. Descobriu-se que os ACEs têm consequências sociais disruptivas, incluindo efeitos negativos no desenvolvimento social e apoio social (Kwong & Hayes, 2017 ) e são um fator de risco para dificuldades interpessoais na vida adulta (Poole et al., 2018 ). Foi observada uma conexão entre a violência do parceiro íntimo e o isolamento (Smithey, 1997 ), que também foi encontrada em várias outras circunstâncias envolvendo filicídio (Sidebotham et al., 2016 ). Isso ilustra como certos fatores e caminhos potenciais podem se sobrepor e interagir.

Ao tentar desenvolver uma compreensão de um fenômeno tão complexo como o filicídio, é importante considerar que quaisquer caminhos possíveis podem de fato ser múltiplos, e não necessariamente mutuamente exclusivos (Haller & Chassin, 2014 ). Sidebotham et ai. ( 2016 ) notaram os ‘riscos acumulados’ produzidos para crianças onde uma mistura complexa de fatores de risco dos pais, como uso problemático de substâncias, violência familiar e doença mental, bem como experiências adversas na infância dos pais, estão presentes (p. 238). ). Em relação aos ACEs, Jones et al. ( 2018) relatam que os possíveis caminhos pelos quais eles exercem influência são complexos e múltiplos, e também diretos e indiretos, mas são consistentes com o conceito de proliferação do estresse que provavelmente se propaga progressivamente ao longo da vida de uma pessoa prejudicando tanto a saúde quanto o funcionamento, destacando o ‘ longo e complexo alcance das adversidades do início da vida” (p. 38).

Caminhos probabilísticos em vez de inevitáveis
No entanto, é necessário algum cuidado ao extrair inferências desses estudos revisados, porque, como Sroufe ( 2013 ) indica, os caminhos potenciais da adversidade precoce são probabilísticos e não inevitáveis, e nossa revisão não permitiu determinar a causalidade. Há também evidências emergentes do impacto moderador das experiências positivas da infância como contrapeso às adversidades na infância (Baglivio & Wolff, 2020 ). Em relação às relações prejudiciais entre pais e filhos, Dekel et al. ( 2018, pág. 15) observam que as experiências adversas dos pais em suas próprias infâncias ‘não são necessárias nem suficientes para desencadear o início do comportamento violento’; no entanto, os participantes em seu estudo de perpetradores de filicídio demonstraram claramente um ‘ciclo intergeracional de padrões parentais adversos’. De acordo com Stroud ( 2008 ), embora a suscetibilidade a problemas psicológicos e de relacionamento possa ser melhorada mais tarde na vida por meio de experiências interpessoais de apoio, geralmente havia uma ausência dessas ocorrências positivas na vida dos perpetradores que ela estudou.

Implicações de políticas e práticas
Esta revisão identifica a importância de considerar cuidadosamente as experiências adversas da infância na vida dos perpetradores de filicídio e as contribuições que eles podem ter feito para as trágicas mortes posteriores de crianças. Vimos que as experiências danosas dos perpetradores em suas próprias infâncias são manifestas e podem ter consequências problemáticas em suas vidas adultas, particularmente no que diz respeito aos riscos para seus próprios filhos dependentes. Para intervir em processos tão complexos ao longo das gerações é necessário considerar a importância de fornecer ajuda precoce às crianças, ao mesmo tempo que incorpora uma visão de apoio a longo prazo. Como afirmado por Frederick et al. ( 2021, pág. 3019), as intervenções precisam levar em conta a ‘genealogia das causas subjacentes’ que tendem a alongar a distância entre experiências adversas e efeitos posteriores.

De acordo com Howe ( 2005 ), os elementos-chave de estratégias eficazes com crianças e pais vulneráveis ​​são que essas intervenções precisam ocorrer com frequência; à longo prazo; em uma atmosfera de apoio; fornecer feedback aos pais; e, abordar as histórias de apego dos próprios pais. Mais importante ainda, as intervenções precoces precisam ocorrer para alcançar o maior efeito. Essa visão é endossada em um estudo recente sobre abuso infantil intergeracional por Armfield et al. ( 2021) que recomendam que, onde há alto risco de abuso infantil, as intervenções para crianças e famílias precisam envolver programas eficazes baseados em trauma, fornecidos no início da vida, antes que as sequelas se desenvolvam. O Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (NICE) no Reino Unido recomenda a intervenção baseada no apego e a psicoterapia entre pais e filhos como abordagens baseadas em evidências que devem estar prontamente disponíveis e rotineiramente oferecidas a todos os pais e cuidadores de crianças menores de cinco anos de idade que sofreram qualquer um de uma série de maus-tratos na infância (NICE, 2017 ).

Em relação aos riscos parentais, como o uso problemático de substâncias e a violência familiar, sua natureza é tal que podem ocorrer por longos períodos de tempo, exigindo, portanto, intervenções que se afastam de modelos episódicos baseados em incidentes para aqueles que envolvem suporte de longo prazo. Sidebotham et al., 2016 ). Da mesma forma, a atenção local às questões de planejamento e coordenação entre diversos serviços e profissionais pode ajudar a superar a fragmentação, duplicação e lacunas nos serviços em relação às necessidades complexas das famílias vulneráveis ​​(Sidebotham et al., 2016). Também é vital que os serviços de adultos, como organizações de saúde mental e médicos, juntamente com serviços judiciais e jurídicos, estejam cientes de que muitos de seus clientes são pais e que atendem cuidadosamente a quaisquer possíveis preocupações de segurança em relação aos filhos desses clientes (Brown et al., 2019 ).

Limitações
Esta revisão tem algumas limitações. As buscas foram originalmente projetadas para considerar apenas artigos revisados ​​por pares e, embora isso forneça uma forma de controle de qualidade, pode impedir certas pesquisas que podem aparecer na literatura cinza. No entanto, pesquisas adicionais sobre experiências adversas da infância na vida de perpetradores de filicídio poderiam considerar esse material. Outra limitação é que é possível que nossas pesquisas não tenham captado experiências adversas na infância que foram relatadas em um artigo, mas não mencionadas no resumo ou título. Além disso, os estudos identificados variaram consideravelmente em relação às definições, amostras e abordagens de pesquisa, restringindo a comparabilidade. A esse respeito, alguns incluíram tipos específicos de amostras, por exemplo, aquelas em que seriam esperadas altas taxas de doença mental, como pacientes em hospitais psiquiátricos. Além disso, alguns estudos deram certa atenção à infância dos agressores, enquanto outros trataram desse aspecto de forma incidental e breve, fornecendo apenas informações circunscritas. De fato, algumas informações sobre ACEs fornecidas por perpetradores de filicídio podem não ser verificadas de forma independente e podem ser influenciadas pela lembrança subjetiva. Por fim, todas as revisões sistemáticas são limitadas por decisões tomadas quanto ao escopo e design, como a inclusão apenas de artigos em inglês. algumas informações sobre ACEs fornecidas por perpetradores de filicídio podem não ser verificadas de forma independente e podem ser influenciadas pela memória subjetiva. Por fim, todas as revisões sistemáticas são limitadas por decisões tomadas quanto ao escopo e design, como a inclusão apenas de artigos em inglês. algumas informações sobre ACEs fornecidas por perpetradores de filicídio podem não ser verificadas de forma independente e podem ser influenciadas pela memória subjetiva. Por fim, todas as revisões sistemáticas são limitadas por decisões tomadas quanto ao escopo e design, como a inclusão apenas de artigos em inglês.

CONCLUSÃO
Nesta revisão, descobrimos que experiências adversas na infância eram prevalentes entre os perpetradores de filicídio e que caminhos potenciais podem ser rastreados dessas experiências angustiantes e traumáticas para as mortes por filicídio de crianças dependentes na vida adulta. Experiências generalizadas de abuso e negligência, juntamente com evidências de problemas familiares substanciais, criaram vulnerabilidade a resultados psicossociais e comportamentais negativos entre muitos perpetradores na infância, com cadeias de risco ligando essas experiências adversas a resultados trágicos na vida adulta. Isso destaca o potencial da adversidade na infância para avançar e causar danos a outra geração.

STJ … JURISPRUDENCIA

Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu ser relevante a palavra da vítima no tocante aos crimes decorrentes de violência doméstica, em vista da circunstância de essas condutas serem praticadas, na maioria das vezes, na clandestinidade.
A decisão teve como relator o ministro Rogério Schietti Cruz:
Ementa
PENAL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. VIOLÊNCIA DOMÉSTICA. LESÃO CORPORAL E AMEAÇA. INSUFICIÊNCIA DA PROVA. AGRAVANTE DO MOTIVO FÚTIL. SÚMULA N. 7 DO STJ. RELEVÂNCIA DA PALAVRA DA VÍTIMA. REGIME INICIAL. SÚMULA N. 83 DO STJ. AGRAVO REGIMENTAL NÃO PROVIDO. 1. O STJ reconhece a relevância da palavra da vítima no tocante aos crimes decorrentes de violência doméstica, em vista da circunstância de essas condutas serem praticadas, na maioria das vezes, na clandestinidade. Precedente. Incidência da Súmula n. 83 do STJ. 2. A verificação sobre a insuficiência da prova da condenação implicaria a necessidade de revolvimento fático-probatório dos autos, procedimento vedado, em recurso especial, pelo disposto na Súmula n. 7 do STJ. 3. A agravante do motivo fútil foi devidamente motivada pelas instâncias ordinárias e, para rever essa conclusão, seria necessária a dilação probatória, inviável na via eleita pelo disposto na Súmula n. 7 do STJ. 4. A presença de circunstâncias judiciais desfavoráveis ou de agravantes justificam a imposição de regime inicial mais gravoso do que aquele previsto tão somente pelo quantum de pena aplicada. Nesse ponto, a pretensão é inviável pelo entendimento da Súmula n. 83 do STJ. 5. Agravo regimental não provido. (AgRg no AREsp 1925598/TO, Rel. Ministro ROGERIO SCHIETTI CRUZ, SEXTA TURMA, julgado em 26/10/2021, DJe 04/11/2021)

CASO ANGELA DINIZ… VIOLENCIA DOMESTICA

Ângela Maria Fernandes Diniz (Curvelo ou Belo Horizonte,[nota 1] 10 de novembro de 1944 — Armação dos Búzios, 30 de dezembro de 1976) foi uma socialite brasileira assassinada em uma casa na Praia dos Ossos, em Armação dos Búzios, no estado do Rio de Janeiro, pelo seu companheiro, Raul Fernando do Amaral Street, conhecido como “Doca Street”.[2] O julgamento de Doca Street foi amplamente divulgado pela mídia[3][4][5] e teve como foco a moral sexual feminina. O assassino foi condenado a dois anos de prisão com sursis e imediatamente solto. A decisão judicial gerou um amplo movimento de protesto feminista, sob o lema “quem ama não mata”, ocasionando um novo julgamento, quando Doca Street foi condenado a quinze anos de prisão.[6] O evento é considerado um marco na história do feminismo no Brasil.[7]

Ângela e Doca namoraram por quatro meses, mas a relação foi marcada por ciúmes e violência doméstica.[12][13] Doca havia abandonado sua esposa e filhos para morar com Ângela, e em dezembro de 1976, ambos estavam veraneando na Praia dos Ossos, em Búzios, em busca de sossego das colunas sociais.[8]

Na noite do dia 30 de dezembro de 1976, Ângela e Doca tiveram uma discussão e ele saiu de casa. Um tempo depois, ele retornou, houve uma nova briga e Doca assassinou a namorada com três tiros no rosto e um na nuca com uma pistola Beretta.[4][14]

Após o homicídio, Doca fugiu e permaneceu semanas foragido. Chegou a dar entrevistas para a TV Globo e para revista Manchete, antes de se entregar a polícia em 18 de janeiro de 1977.[4]

O primeiro julgamento
Doca Street foi julgado em 1979 em Cabo Frio, sendo defendido pelo advogado Evandro Lins e Silva. A defesa foi baseada na tese de legítima defesa da honra, responsabilizando-se a vítima por ter provocado tal violência, em razão do próprio comportamento.[6] Na acusação, a família de Ângela contratou o advogado Evaristo de Moraes Filho para atuar como assistente de acusação.[6][15]

Durante o julgamento, se examinou amplamente a vida de Ângela, questionando sua moralidade sexual, seu envolvimentos com outros crimes, e sua dependência de drogas.[4] O julgamento foi extensamente coberto pela mídia, sendo que só o grupo Globo levou uma equipe de 68 pessoas entre técnicos e repórteres.[16]

O tribunal do júri condenou Doca Street por cinco votos a dois a uma pena de 18 meses pelo crime e seis meses por ter fugido da justiça, com direito à sursis. Por já ter cumprido sete meses preso, ou seja, um terço da pena, Doca foi liberado e pode sair livre do tribunal.[4][6]

O movimento feminista
A escandalosa decisão a favor do assassino de Ângela Diniz produziu o primeiro de uma série de movimentos feministas de protesto contra a violência doméstica sob o lema “quem ama não mata”, slogan tomado como resposta da argumentação da defesa da Doca Street de que ele “matou por amor”.[17][7] A pressão do movimento feminista levou a um novo julgamento de Doca Street.

O segundo julgamento
Em 1981, Doca Street foi submetido a um novo julgamento e condenado a 15 anos de prisão.[15] O julgamento foi acompanhado pessoalmente por ativistas feministas, que organizaram uma vigília e exigiram sentença e prisão para o assassino, explodindo em aplausos quando a sentença foi anunciada.[7] Enquanto que no primeiro julgamento havia predominado uma cobertura machista da mídia a partir da vida sexual da vítima,[3][4] já no segundo julgamento, a pressão do movimento feminista impôs um quadro de sentido baseado no próprio assassinato e na invalidade do argumento emocional para justificá-lo.[7]

Na mídia
A vida de Ângela chegou a ser cogitada como tema de um filme. Seria dirigido por Roberto Farias, e teria Deborah Secco como protagonista.[18] Entretanto o filme nunca foi realizado.

O programa Linha Direta, da Rede Globo, fez a reconstituição do crime e do julgamento no episódio Ângela e Doca.[19]

Em 2006, Doca Street lançou o livro Mea Culpa onde trata o caso com profundidade e dá sua versão aos fatos.[20][5]

Outro livro que descreveu, em parte, a história da socialite, é Mulher Livre de Adelaide Carraro.[21]

Em setembro de 2020, a Rádio Novelo lançou o podcast Praia dos Ossos, onde reconstitui o crime e tenta entender “como uma mulher desarmada é morta por quatro tiros e vira a vilã da história?”.[22]

(https://pt.m.wikipedia.org/wiki/%C3%82ngela_Diniz?fbclid=IwAR17zlwaJuXttqItkca3DsPHg_yzNferGmKEf_59DXBz9hTGtNnbowzo3aU )

CRIANÇAS QUE ESTÃO DO LADO DO ABUSADOR

Várias semanas atrás, escrevi um post sobre crianças que enxergam através do agressor . Para minha surpresa, foi a peça mais popular que montei em muito tempo; muitos dos meus leitores estão tentando ver através dos olhos das crianças. Como os jovens formam sua compreensão do que está acontecendo quando seu pai (ou padrasto) abusa de sua mãe? E como eles podem aprender a ver através das mentiras e manipulações do agressor?

Na discussão que surgiu desse post, muitas mães compartilharam suas histórias de crianças que não estavam vendo através do agressor. Infelizmente, essa experiência também é comum. Vou examinar algumas das razões neste post, que será em duas partes.

(Para manter minha linguagem o mais simples possível, vou me referir ao perpetrador do abuso como um “agressor”, mesmo que seu abuso seja quase inteiramente sobre agressão emocional em vez de violência física ou sexual. termo porque estou discutindo lares onde a principal fonte de trauma para as crianças é o abuso do pai sobre a mãe, não o abuso direto de qualquer um dos pais – o que é um assunto diferente.)

1) A busca pela segurança

As crianças que crescem em torno do abuso doméstico têm medo. A principal coisa que eles temem é a próxima vez que seu pai vai rasgar verbalmente a mamãe em pedaços. Eles odeiam ver isso acontecer; as pessoas que não viveram tendem a subestimar como esses incidentes são terríveis para as crianças. Para a maioria das crianças que vivem com um agressor, a fonte número um de seu trauma é esse acúmulo de atos de crueldade psicológica contra suas mães que eles tiveram que testemunhar. Ele os come por dentro para ver a mãe enviada para a miséria e roubada de sua dignidade uma e outra vez.

Mas eles também têm medo de outras coisas, principalmente perigos emocionais. Eles estão com medo de que papai vá rasgá-los diretamente, ou em um de seus irmãos. Eles estão com medo de que ele arruine as refeições, arruine aniversários, arruine Natais e outros feriados importantes. Eles estão com medo de que ele vá puni-los tirando liberdades importantes, fazendo com que percam coisas das quais realmente queriam fazer parte. (E uma grande proporção de espancadores pune toda a família quando estão bravos com a mamãe ou quando estão bravos com uma das crianças. realmente chateado com.)

Se ele se torna fisicamente assustador às vezes – como a maioria dos agressores domésticos – então as crianças têm todo esse medo adicional. E como acontece com sua crueldade e abuso verbal, as crianças geralmente se preocupam com mamãe acima de tudo, já que ela é seu alvo favorito. Mas eles se preocupam com tudo isso.

Assim, as crianças estão lutando internamente, desesperadas por segurança emocional – e às vezes física ou sexual. E não há lugar seguro para ficar, então eles tendem a continuar tentando posições diferentes ao longo dos anos, na esperança de encontrar uma boa.

Posição 1: Ao lado da mãe

Há duas vantagens principais deste lado. Primeiro, você tem os benefícios emocionais de se sentir mais próximo da mamãe, e em um lar onde o papai é um agressor, ela é sua principal esperança de nutrição e conforto genuíno. (Em oposição à forma de conforto manipuladora e egoísta que vem do agressor).

Segundo, você se sente melhor porque sabe que está fazendo a coisa certa . As crianças se preocupam muito com o certo e o errado , e com o justo e o injusto, desde muito cedo. Permanecer contra a injustiça é importante para eles. Em um nível profundo, as crianças se sentem melhor consigo mesmas se ficarem com a mãe.

Mas também há custos. O agressor deixa de lhe dar muita atenção quando percebe seu vínculo com a mãe e pode ser alvo de insultos diretos e outros maus-tratos. Dói estar de fora com ele, especialmente porque ele é o único com o poder. (O abuso cria um enorme desequilíbrio de poder em favor do agressor.) É ele quem determina quem obtém quais liberdades e privilégios; ele pode fazer o seu dia ir bem ou terrivelmente. Além disso, ele pode te envergonhar por estar perto da mamãe, e se você é um menino, ele pode te chamar de Mama’s Boy.

Se algum de seus irmãos for aliado do agressor, eles começarão a menosprezá-lo. Você é um perdedor, do lado da mamãe; Papai é o legal e poderoso, os vencedores ficam do lado dele.

Posição 2: Lado com o agressor

Então, em algum momento, você provavelmente tentará ficar aqui. Agora você está ligado ao poder, o que é bom; é por isso que as crianças tentam ser aceitas pela Cool Crowd na escola. Algumas coisas concretas provavelmente vão melhorar, porque papai não está mirando em você. Mais liberdade, mais privilégios. Você está sentindo menos medo por si mesmo (embora ainda possa se preocupar com sua mãe ou seus irmãos); se papai ficar assustador ou violento, você sabe que não é provável que seja direcionado a você.

E em um nível superficial (e, portanto, viciante), você está se sentindo bem consigo mesmo. Você é um vencedor agora. E essa dor ardente de testemunhar a injustiça começa a diminuir, porque quando você está no time do papai, você decide que mamãe merece o que ela recebe. Que alivio.

Mas também há perdas. Você sente falta de se sentir mais perto da mamãe e anseia por seu carinho e carinho. Ela não necessariamente retirou essas coisas de você – é muito menos provável que o agressor o rejeite por estar no time errado. Mas você mesmo se retirou, porque não pode se dar bem com o agressor se ele perceber que você ainda está profundamente ligado à mamãe.

Além disso, há um problema se formando com aquela sensação superficial de estar no Cool Team; em um nível mais profundo, talvez inconsciente, mas retumbando em algum lugar lá no fundo, você sabe que está do lado que é mesquinho e egoísta. Você sabe que este lado está errado, isso é injusto. E você está começando a se odiar por estar do lado errado.

Posição 3: Fique no meio

Como ambas as posições acima vêm com preços altos, em algum momento você provavelmente tentará ver se pode estar na boa lista de ambos os lados. Você permanecerá perto da mamãe, mas se esforçará ao mesmo tempo para ganhar a aprovação do papai. Você o ama, atende a ele e vê se consegue se transformar no tipo de pessoa que ele parece gostar. Quando ele está ficando desagradável, você tenta fazer com que mamãe ceda ao bullying dele, porque isso manterá a paz. Você vê se consegue mediar os conflitos deles, vê se consegue ser um terceiro adulto na casa. Você tentará se infiltrar em seus momentos de carinho com a mamãe quando o agressor não estiver por perto ou não estiver percebendo.

E por períodos de tempo isso pode parecer funcionar muito bem.

Mas aqui também há problemas sérios. O estresse é esmagador; é provável que suas entranhas sejam torcidas pela ansiedade. Você está tentando ficar atento ao humor e aos desejos de ambos os pais, antecipar os problemas antes que eles surjam e cuidar também do bem-estar de seus irmãos; a maneira de manter a paz é manter todos felizes. Essa é uma carga esmagadora. Sua infância está desaparecendo na tentativa de ser pai de toda a família.

Além disso, o agressor nem sempre está satisfeito com a maneira como você o atende; há momentos em que ele exige sua total lealdade e exige que você participe da rejeição e humilhação da mamãe. (Ele não dirá essas coisas em voz alta, mas deixará dolorosamente claro o que você deve fazer para evitar ser colocado de volta na lista ruim.)

Como você pode ver, não há um ótimo lugar para se estar . As crianças que testemunham o abuso experimentam todas essas três posições e permanecem nelas por períodos variados de tempo enquanto experimentam as vantagens e as feridas do lugar que estão ocupando.

2) Tentando escapar da dor de como tudo está errado

Referi-me a isso acima, mas quero entrar em mais detalhes. Os adultos em geral, incluindo os profissionais de ajuda, tendem a subestimar muito o quão profundamente as crianças sentem a dor da injustiça. Existe uma crença altamente equivocada – mas amplamente difundida – de que as crianças são autocentradas e, portanto, elas experimentam o mundo principalmente em termos de como as coisas as afetam pessoalmente. Essa visão leva ao apagamento de grandes porções da experiência interior das crianças, incluindo algumas de suas dores mais profundas. As crianças odeiam ver as pessoas sofrerem (e odeiam ver outros animais sofrerem). Seus corações, no sentido emocional, não são menores que os corações dos adultos. E as crianças ficam super chateadas quando percebem que a injustiça está acontecendo com alguém, não apenas com eles pessoalmente. E se essa crueldade ou injustiça está acontecendo com alguém que eles amam, isso os devora por dentro.

Além disso, as crianças experimentam suas mães quase como extensões de si mesmas. Então, quando ela está sendo tratada de forma errada, eles sentem essa dor tanto como um mal para ela quanto como um mal diretamente para eles. Dói-los duplamente.

Nesse contexto de grave angústia, torna-se potencialmente tentador para as crianças decidir que a mãe é em grande parte, ou mesmo principalmente, culpada pelo que está sendo feito com ela. Se eles optarem por ver dessa forma, eles podem aliviar um pouco dessa dor intensa, porque se ela merece, então não é injustiça.

E o agressor nunca para de lembrá-los – sem dizer isso diretamente, é claro, mas ele sempre tem maneiras de transmitir suas mensagens – que esse caminho de fuga está aberto para eles. Sua mensagem tácita é: Olhe para mim, não sinto a dor de sua mãe, então você também não precisa. Apenas junte-se a mim e você estará longe de tudo isso.

Esse alívio vem em cima de todos os outros benefícios de ficar do lado do agressor.

Portanto, observe este ponto marcante: uma das principais razões pelas quais as crianças estão do lado do agressor é porque elas sofrem muito com o que ele fez . Isso parece contraditório na superfície, mas quando você usa sua imaginação para se colocar no lugar da criança, começa a fazer sentido. E isso ajuda a explicar por que algumas crianças que são aliadas da mamãe há anos vão abruptamente – e desoladoramente – passar para o lado negro, um tópico ao qual voltarei.

(https://lundybancroft.com/kids-who-side-with-the-abuser-part-1/?fbclid=IwAR11K63SqAb47q91GIwJWFzK4Rc4rWdQflapVXZ1NWdRIjOP8QWzDIJuHwI
KIDS WHO SIDE WITH THE ABUSER, PART 1)

16/08/2021 … AS VARAS DE FAMILIA IMPENDEM REFORMAS

A consideração primordial do Tribunal de Família se torna clara e está impedindo a reforma
16 de agosto de 2021

O juiz do tribunal de família resolve disputas entre pais separados e considera o bem-estar da criança como sua consideração primordial ao decidir os arranjos da criança. Ou assim a sociedade é levada a acreditar.

Pode surgir uma imagem estereotipada de casais em guerra com mais dinheiro do que bom senso ou pais injustiçados forçados a levar o ex-parceiro à justiça para ter contato e relacionamento com o filho. Você pode imaginar uma mãe hostil, cujas últimas palavras para seu ex foram:

“Você nunca mais verá as crianças”.

Essa imagem estereotipada foi cuidadosamente elaborada e apresentada à sociedade nas últimas duas décadas, desde que os ativistas de Fathers For Justice vestiram fantasias de super-heróis e subiram em telhados com faixas dizendo ‘Tribunal de Família Faz o Mal’. Para ver através dos disfarces, é preciso entender como o controle coercitivo e perpetrador de abuso doméstico opera; eles invertem a vítima e o ofensor para assumir o papel de ‘falsamente acusado’ e ‘vítima’. Quando uma criança resiste ao contato com um pai abusivo, o agressor move-se para reunir apoiadores para defendê-los contra um inimigo percebido; seu ex-companheiro. Isso desvia a atenção e impede que os outros observem atentamente seu comportamento. O pai com maior probabilidade de fazer ameaças vingativas para remover uma criança é o autor do controle coercitivo.

Para entender por que eles negam seu comportamento, culpam e desviam, devemos olhar por trás da máscara – um lugar doloroso para muitos. A maioria dos perpetradores de abuso doméstico não são doentes mentais, eles escondem sentimentos de vergonha profundamente enraizados adquiridos através do comportamento e condicionamento social de seus pais. Conforme discutido no podcast revolucionário do jornalista e pesquisador Jess Hill , The Trap, a vergonha se manifesta em fúria humilhada. Quando os perpetradores escolhem ferir os outros, eles acreditam que é seu direito fazê-lo; sentem-se no direito e não aceitam que o que fizeram é errado. A máscara permite que eles se afirmem na sociedade como um pai forte e admirável e esconde o trauma de infância que se esconde por baixo. Para alguns seres é mais fácil negar, coagir, culpar e envergonhar os outros do que ir fundo, encarar a verdade incômoda e falar sobre ela.

A campanha em torno dos direitos dos pais e da alienação parental foi bem sucedida até hoje; os tribunais de família defendem com veemência as crenças patriarcais e apresentam a vítima como o vilão, o perpetrador como o super-herói e a vítima, e descartam as visões da criança. Os tribunais não consideram se um pai abusivo deve ter contato não supervisionado com seu filho; eles consideram como um pai abusivo pode ter contato não supervisionado, e onde há vontade, há uma maneira. O inferno conserta aqueles que levantam alegações de abuso nos tribunais de família, principalmente se uma criança se machuca.

As decisões dos tribunais de família em muitos casos estão fazendo mais mal do que bem ; os pais que se concentram em suas necessidades e não têm vontade ou capacidade de atender às necessidades da criança inevitavelmente prejudicam . Ao negar o abuso doméstico, deixar de abordar problemas comportamentais e conceder papéis iguais ou às vezes únicos de pais a pais inseguros, os tribunais de família estão condicionando as crianças a acreditar que não há problema em um dos pais estar no controle e machucar os outros sem consequências. Eles estão expondo outra geração a danos emocionais e físicos.

Os perpetradores e a maioria dos tribunais de família não responderão voluntariamente à questão do abuso doméstico. Aqueles que o fazem são a exceção, não a norma. A negação geral do abuso doméstico reforça o desequilíbrio de poder nas relações e perpetua o ciclo de abuso. É claro para ver qual é a consideração primordial dos tribunais de família e por que eles priorizam a relação entre um pai e seu filho sobre a segurança da criança; eles também não gostam de encarar a verdade incômoda.

A sociedade, no entanto, está começando a ver, entender, aceitar e responder ao controle coercitivo e ao abuso doméstico à medida que os governos pressionam para reduzir a violência . A ideologia que empodera os perpetradores e descarta os pontos de vista e prejudica as crianças viola muitos direitos humanos. É uma ideologia que é inaceitável hoje. A resposta ao controle coercitivo em famílias em nosso sistema de justiça criminal é firme e informada sobre traumas. Isso contrasta com a suspeita e a negação que as vítimas enfrentam nos tribunais de família .

Um sistema contraditório que opõe agressores violentos e controladores contra suas vítimas protetoras traumatizadas como gladiadores em uma arena para o entretenimento dos espectadores de saúde mental e legal dos agressores não é do melhor interesse das crianças. Gladiadores lutaram até a morte, um resultado que não é assustadoramente incomum.

O perpetrador tem uma equipe alinhada para guiá-los pelo caro caminho até a custódia. A vítima luta para encontrar uma equipe ou não tem condições financeiras para adquiri-la. ‘Kill The Bitch’ foi um manual escrito para ajudar homens controladores e violentos a obter a custódia de seus filhos, para prejudicar seu ex em seu núcleo. ‘Como aniquilar um narcisista na Vara de Família’ foi escrito como uma resposta estratégica, um guia de sobrevivência para mulheres assustadas e protetoras, exasperadas e justificadamente irritadas com o abuso simultâneo de dois opressores, seu ex-parceiro e o tribunal de família.

Os pais que se separam não devem precisar de manuais de autoajuda para disputar os arranjos infantis em uma arena, principalmente quando o abuso doméstico é um fator. Esses livros por si só mostram quão prejudicial é o sistema adversário; ele exacerba os problemas em questão e não resolve o problema em sua raiz. Os pais precisam de um sistema que entenda e aceite o controle coercitivo e o abuso doméstico, lide adequadamente com problemas comportamentais e entenda como o comportamento controlador afeta os pais e os filhos. Os pais precisam de um sistema que se esforce para acabar com o desequilíbrio de poder, não um que o reforce. Eles precisam de uma revisão radical e precisam disso logo.

Fonte: https://www.rachelwatsonbooks.com/books

(https://www.rachelwatsonbooks.com/blog1/the-uncomfortable-truth?fbclid=IwAR0M9wFT8s_FytCSa7sr2yOBg2zeOEfatG23zAUS9GQzRMaNQkkVN3YLu9s
“The Family Court’s Paramount Consideration becomes Clear and It’s Holding Back Reform )