LEGISLAÇÃO AMERICANA PARA INVESTIGAR O INSTITUTO KINSEY

HR 2749 IH

104º CONGRESSO

1ª Sessão

HR 2749

Para determinar se ‘Comportamento Sexual no Homem Humano’ de Alfred Kinsey e / ou ‘Comportamento Sexual no Sexo Feminino’ são o resultado de qualquer fraude ou irregularidade criminal.

NA CASA DE REPRESENTANTES

7 de dezembro de 1995

Sr. STOCKMAN (para si, Sr. DELAY, Sr. DREIER, Sr. LIVINGSTON, Sr. COOLEY, Sr. DORNAN, Sr. BONO, Sr. HANCOCK, Sr. COBURN, Sr. BARR da Geórgia, Sra. SMITH de Washington , Sr. SALMON, Sr. BRYANT do Tennessee, Sr. HILLEARY, Sr. RIGGS, Sr. GRAHAM, Sr. PARKER, Sra. MYRICK, Sr. LARGENT, Sr. WICKER, Sr. DICKEY, Sr. LEWIS de Kentucky, Sr. LATOURETTE, Sr. HOEKSTRA, Sr. ENSIGN, Sr. HAYWORTH, Sr. SMITH de Nova Jersey, Sr. SMITH de Michigan, Sr. ROGERS, Sr. HUNTER, Sr. SOUDER, Sr. YOUNG do Alasca, Sr. BARTLETT de Maryland, a senhora CHENOWETH, o Sr. CREMEANS, o Sr. WELDON da Flórida, a Sra. CUBIN, o Sr. JONES, o Sr. RADANOVICH, o Sr. HUTCHINSON e o Sr. PACKARD) apresentaram o projeto de lei a seguir; encaminhado ao Comitê de Oportunidades Econômicas e Educacionais

UMA CONTA

Para determinar se ‘Comportamento Sexual no Homem Humano’ de Alfred Kinsey e / ou ‘Comportamento Sexual no Sexo Feminino’ são o resultado de qualquer fraude ou irregularidade criminal.

Seja ele promulgado pelo Senado e pela Câmara dos Representantes dos Estados Unidos da América no Congresso reunido,
SEÇÃO 1. TÍTULO CURTO.
Esta lei pode ser citada como a “Lei de Proteção à Criança e Ética I em Educação de 1995”.
SEC. 2. DADOS.

O Congresso encontra o seguinte:
A ‘Tabela 34’ em ‘Sexualidade no homem humano’, de Alfred Kinsey, fornece razões significativas para o Congresso exigir que seja realizado um estudo aprofundado para determinar se Kinsey e seus colegas pesquisadores empregaram abuso sexual sistemático de crianças para obter os dados tabulados em ‘ Tabela 34 ‘e outras partes do estudo.

SEC. 3. ESTUDO DO GABINETE CONTÁBIL (GAO) DE USO ERRADO POR AGÊNCIAS E ESCOLAS DE DINHEIRO FISCAL PARA PROMOVER INFORMAÇÕES ERRÔNAS E FRAUDULENTES SOBRE COMPORTAMENTO SEXUAL COM BASE NOS RELATÓRIOS KINSEY E SEUS DERIVADOS.
(a) EM GERAL – Com relação a agências, universidades ou escolas de ensino fundamental e médio que recebem fundos federais para fins educacionais, a Controladoria Geral dos Estados Unidos deve conduzir um estudo com o objetivo de determinar o seguinte:
(1) Se programas, palestras, textos ou outros materiais pedagógicos que envolvem sexualidade (por exemplo, Prevenção à Aids, Educação para a Vida Familiar, Educação para Diversidade, Educação Sexual) usados ​​por essas instituições dependem significativa ou particularmente da bolsa de estudos, consistindo direta ou indiretamente em , ou com base nos estudos intitulados “Comportamento sexual no homem humano” e “Comportamento sexual no sexo feminino”, de autoria de Alfred Kinsey e sua equipe de pesquisadores e publicados em 1 948 e 1953 (‘Kinsey Reports’).
(2) O GAO pode avaliar se o conteúdo dos Relatórios Kinsey é incorreto e / ou obtido indevidamente por motivo de fraude ou irregularidade criminal (ou seja, abuso sexual sistemático de crianças).
(b) RELATÓRIO DO CONGRESSO – Até 1º de maio de 1996, o Controlador Geral dos Estados Unidos deverá concluir o estudo na subseção 1 e enviar ao Congresso um relatório descrevendo as conclusões do estudo.
SEC. 4. RELATÓRIOS KINSEY; PROIBIÇÃO CONTINGENTE RELATIVA AO FINANCIAMENTO FEDERAL PARA UNIVERSIDADES, FACULDADES UNIVERSITÁRIAS, FACULDADES ELEMENTARES E SECUNDÁRIAS E AGÊNCIAS RELEVANTES.
(a) Se a determinação feita pelo Controlador Geral dos Estados Unidos nos termos do parágrafo 3 (a) (2) for afirmativa, o Secretário da Educação garantirá que, para o exercício fiscal de 1997 e exercícios fiscais subsequentes, não haja fundos federais são fornecidos a quaisquer agências, pessoas, universidades ou escolas de ensino fundamental e médio para qualquer finalidade educacional que instrua no trabalho de Kinsey e / ou acadêmicos e / ou bolsa de estudos Kinseyan derivados, sem indicar a natureza antiética e contaminada dos relatórios Kinsey. O diretor executivo do Estado envolvido deve certificar ao Secretário que tais agências ou programas escolares citam os referidos materiais.

https://www.govtrack.us/congress/bills/104/hr2749/text

MULHERES PEDÓFILAS

Traços de psicopatologia e personalidade de pedófilos

Lisa J. Cohen, PhDIgor I. Galynker, MD, PhD
8 de junho de 2009

Por causa de escândalos recentes, a pedofilia é um dos poucos distúrbios psiquiátricos amplamente conhecidos pelo público em geral. Classificada no DSM-IV e DSM-IV-TR como parafilia, a pedofilia é caracterizada por atração sexual persistente por crianças pré-púberes. Embora os pacientes com tendências pedofílicas sejam geralmente vistos por especialistas em distúrbios sexuais, muitos outros clínicos provavelmente também encontrarão esses pacientes. Este artigo fornece uma visão geral da literatura atual sobre psicologia e psicopatologia da pedofilia, para que os médicos que encontram pacientes pedofílicos estejam melhor preparados para fazer uma avaliação e decidir sobre o curso apropriado do tratamento. Além disso,Diagnóstico O DSM-IV e o DSM-IV-TR definem a pedofilia como “fantasias recorrentes e intensas de excitação sexual, impulsos sexuais ou comportamentos envolvendo atividades com uma criança ou crianças pré-pubescentes (geralmente 13 anos ou menos)”. Esses sentimentos, impulsos ou comportamentos devem persistir por pelo menos 6 meses. O critério do DSM-IV de que tais impulsos devem causar sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo funcional foi alterado no DSM-IV-TR, de modo que fantasias ou excitações pedofílicas recorrentes não precisem ser experimentadas como angustiantes. Essa correção reflete a natureza ego-sintônica dos desejos e / ou comportamentos sexuais de muitos pedófilos.

Segundo o DSM-IV, a pedofilia pode ser diagnosticada na ausência de qualquer comportamento pedofílico. No entanto, devido aos possíveis riscos legais das inclinações pedofílicas autorreferidas, a maioria das pesquisas sobre pedofilia é conduzida com participantes identificados pelo seu comportamento, na maioria das vezes por meio do contato com o sistema de justiça criminal.

Existem 2 problemas inerentes a esse pool de pesquisa. Por um lado, os criminosos sexuais condenados ou presos podem diferir consideravelmente dos indivíduos pedofílicos que não agiram sob seus impulsos ou que agiram contra eles, mas não foram pegos. Segundo, nem todo mundo que molesta sexualmente uma criança é na verdade um pedófilo; isto é, essa pessoa pode não ter uma atração sexual persistente por crianças pré-adolescentes. Apesar dessas dificuldades, a pesquisa atual revela padrões suficientemente consistentes para fornecer uma visão geral das características psicológicas comuns associadas à pedofilia.

Pedófilos masculinos e femininos
A maioria dos agressores sexuais contra crianças é do sexo masculino, embora as agressoras possam representar de 0,4% a 4% dos agressores sexuais condenados. Com base em uma série de relatórios publicados, McConaghy 8 estima uma proporção de 10 para 1 de molestadores de crianças de homem para mulher. No entanto, a maioria dos pesquisadores assume que as estimativas disponíveis sub-representam o número real de pedófilos do sexo feminino. 9 Várias razões para isso foram propostas, incluindo a tendência social de descartar o impacto negativo das relações sexuais entre meninos e mulheres adultas, bem como o maior acesso das mulheres a crianças muito pequenas que não podem denunciar seus abusos.9 Por causa do baixo número de mulheres em amostras pedófilas, a maioria dos estudos discutidos abaixo será extraída de amostras exclusivamente masculinas.

Subgrupos de pedofilia
A questão diagnóstica mais importante para os médicos que encontram um possível pedófilo é o perigo que o paciente pode representar para as crianças, embora o DSM-IV não lide diretamente com esse problema. Vários subgrupos estão listados no diagnóstico de pedofilia do DSM-IV:

Indivíduos que são sexualmente atraídos por homens, mulheres ou ambos os sexos
• Aqueles cujo comportamento é limitado ao incesto
• Pessoas que são atraídas apenas por crianças – exclusivas versus não exclusivas

Embora não esteja listada no DSM-IV, a distinção entre pedófilos verdadeiros e oportunistas é possivelmente de maior importância diagnóstica. Termos relacionados incluem pedófilos fixos versus regressivos ou pedófilos preferenciais versus situacionais.

Pedófilos verdadeiros são aqueles que mostram atração sexual persistente e focada em crianças pré-adolescentes. Eles mostram excitação específica a estímulos pedofílicos em medidas fisiológicas de excitação sexual e têm repetidos encontros sexuais com ou impulsos sexuais recorrentes em relação às crianças. Pedófilos oportunistas têm menos atração sexual por crianças. Seu envolvimento sexual com crianças pode depender de circunstâncias, como a disponibilidade de uma criança vítima, desinibição secundária ao abuso de substâncias ou dificuldade em se conectar com um parceiro sexual adulto.

Há alguma controvérsia se essa distinção reflete categorias distintas ou um continuum. Claramente, sugere que pessoas que molestam crianças podem ter motivações distintas. Por exemplo, pedófilos verdadeiros podem ser mais motivados por desejo sexual anormal, enquanto pedófilos oportunistas podem ser melhor caracterizados pela falha em inibir seus impulsos. Consequentemente, a distinção entre pedófilos verdadeiros e oportunistas pode ser importante quando se considera os achados freqüentemente conflitantes sobre vários aspectos psicológicos da pesquisa em pedófilos. Talvez mais importante, a pesquisa apóia a noção de que pedófilos “verdadeiros” apresentam um risco maior de reincidência. Portanto, essa distinção pode valer a pena ser abordada no DSM-V.

É extremamente importante que os médicos entendam que nem todos os pedófilos são iguais; de fato, eles podem diferir amplamente. Em essência, os médicos devem avaliar se a atração por crianças pré-adolescentes reflete um desejo sexual desviado de longa data ou um problema circunscrito de mais curto prazo que se desenvolveu em resposta às circunstâncias ou à psicopatologia comórbida. As implicações de tratamento e prevenção, bem como o risco para o público, variam de acordo, pois a pesquisa sugere que pedófilos “verdadeiros” representam o maior risco de reincidência.

Características psicológicas da pedofilia
Diferentes características psicológicas dão pistas sobre os mecanismos subjacentes ao comportamento pedofílico e oferecem possíveis alvos de tratamento. Mais especificamente, a pessoa que molesta sexualmente crianças tem motivação e inibição prejudicadas. Possíveis fatores motivacionais incluem ansiedade social e a “teoria dos abusadores / abusadores”. Possíveis fatores inibitórios incluem impulsividade, distorções cognitivas e psicopatia. Além disso, anormalidades neurobiológicas podem pertencer a disfunção motivacional ou inibitória. Todos esses fatores podem entrar em jogo em qualquer pessoa, mas os pedófilos individuais podem diferir amplamente em seu perfil psicológico.

Motivação desviante
Os pedófilos têm a hipótese de buscar relações sexuais com crianças em resposta a ansiedade social, baixa autoconfiança ou outros traços de personalidade que inibem relações sexuais apropriadas com adultos. Embora alguns estudos tenham documentado a presença de níveis elevados de traços de transtorno de personalidade do cluster C, baixa auto-estima e assertividade comprometida, é improvável que esses traços sejam específicos da pedofilia. Há também o problema da direção da causalidade.

Em nosso próprio estudo recente de pessoas pedofílicas, os dados narrativos revelaram que alguns se voltam para crianças em resposta a suas habilidades interpessoais prejudicadas. Outros relataram sentimentos de vergonha, baixa auto-estima e evasão social como resultado de seus impulsos pedofílicos.

A teoria dos abusadores de abusadores oferece outro modelo de motivação pedofílica. Isso sugere que a própria história de um pedófilo de abuso sexual infantil predispõe-o a tendências pedofílicas. De fato, esse é o fator etiológico proposto que recebeu forte apoio na literatura. As estimativas da incidência de abuso sexual infantil na história dos pedófilos variam de 40% a 100%. As agressoras podem ter uma incidência ainda maior de abuso sexual na infância. Além disso, os agressores pedofílicos têm uma incidência maior de abuso sexual na infância do que os agressores sexuais contra grupos etários mais velhos e agressores não-sexuais. Finalmente, em uma amostra selecionada aleatoriamente de homens que vivem na comunidade, homens que relataram vários eventos de contato sexual na própria infância tiveram quase 40 vezes mais chances de relatar ter contato sexual com crianças de 13 anos ou menos do que homens que não relataram sexo abuso na infância (0,2% vs 7,7%).

Assim, o abuso sexual infantil parece desempenhar um papel importante no desenvolvimento de tendências pedofílicas. O mecanismo subjacente para isso não é claro. Foram propostos processos psicológicos, como identificação com o agressor e normalização da atividade sexual adulto-criança. 19 Sugerimos que os abusos sofridos durante a primeira infância podem resultar em anormalidades no desenvolvimento neurológico que predispõem ao desejo sexual pedofílico.

No entanto, a maioria dos estudos sugere que uma proporção considerável de pedófilos não foi abusada quando crianças. Embora isso possa refletir uma subnotificação devido a negação e / ou emoções inadequadamente processadas sobre traumas passados, os dados sugerem que o abuso sexual infantil não é necessário nem suficiente para o desenvolvimento da atração sexual por crianças. No entanto, também é possível que as histórias de abuso na infância sejam mais características dos pedófilos “verdadeiros” do que os “oportunistas”.

Vários estudos investigaram os correlatos neurobiológicos ou neuropsicológicos da pedofilia. Alguns estudos mostraram QI reduzido em pedófilos em comparação com controles saudáveis. Anormalidades corticais nas regiões frontotemporais também foram documentadas usando ressonância magnética, tomografia por emissão de pósitrons, tomografia computadorizada e eletroencefalografia, assim como anormalidades subcorticais na amígdala e nas estruturas límbicas relacionadas.

Podemos especular que a disfunção frontal pode estar subjacente à desinibição, enquanto anormalidades temporolímbicas podem estar relacionadas à motivação anormal através de padrões aberrantes de excitação sexual. No entanto, nem todos os estudos documentaram esse comprometimento e a literatura neurobiológica e neuropsicológica tem sido contraditória. Em nosso estudo com 20 pedófilos e 24 controles saudáveis ​​pareados demograficamente, não encontramos diferença nos testes de função executiva, apesar das diferenças altamente significativas nas medidas de personalidade.

Comprometimento na inibição
No que diz respeito à disfunção inibitória, três áreas a considerar incluem impulsividade, distorções cognitivas e psicopatia. A impulsividade pode impedir a inibição por meio da consideração inadequada das consequências, distorções cognitivas por meio do mal-entendido das implicações do comportamento pedofílico e psicopatia pela preocupação inadequada com o dano causado a outras pessoas, particularmente jovens vítimas.

Dados consideráveis ​​apontam para altos níveis de impulsividade ou distúrbios no controle de impulsos em amostras pedófilas. No entanto, esses achados não são consistentes e podem refletir psicopatologia comórbida naqueles pedófilos com a psicopatologia mais grave e / ou com maior probabilidade de serem pegos. Além disso, os resultados podem caracterizar pedófilos no lado oportunista do espectro.

No estudo de Gebhard de 1967, 25 a maioria dos crimes pedofílicos (70% a 85%) foram premeditados e não impulsivos. Da mesma forma, em nosso estudo, os pedófilos apresentaram pontuações mais baixas em uma escala de impulsividade do que um grupo de controles dependentes de opiáceos. Além disso, as pontuações dos pedófilos eram praticamente indistinguíveis das dos controles saudáveis. A prevalência relativamente alta de pedófilos que mantêm empregos exigentes com altos níveis de responsabilidade, como padres pedófilos, também argumenta contra um papel central da impulsividade. Assim, a impulsividade pode caracterizar alguns pedófilos, mas não todos.

Uma descoberta que tem um apoio robusto é a tendência a um pensamento grosseiramente distorcido. Os pedófilos comumente experimentam seus impulsos sexuais como ego-sintônicos. Presumivelmente, em um esforço para justificar um comportamento amplamente socialmente condenado, os pedófilos frequentemente racionalizam, minimizam e normalizam sua interação sexual com crianças, às vezes a ponto de se iludirem. De maneira semelhante, vários estudos observaram altos níveis de traços esquizotípicos e outros traços de personalidade do grupo A nessa população.

Por fim, o envolvimento em atividades sexuais com crianças viola tabus fortemente mantidos, bem como o direito penal. Assim, podemos prever que a participação no abuso sexual infantil pode estar associada a traços psicopáticos elevados. De fato, muitos estudos apoiaram esse achado. No entanto, o grau de traços psicopáticos parece variar entre os subgrupos. Um estudo de padres pedofílicos descobriu que esse subgrupo apresentava níveis mais baixos de psicopatia do que uma amostra de pedófilos não escleróticos.

Em suma, a pesquisa mostra evidências altamente consistentes para distorções cognitivas e histórias de abuso sexual, evidências bastante consistentes para traços psicopáticos e evidências mistas para traços de personalidade evitáveis, impulsividade e comprometimento neurobiológico ou neuropsicológico. Pesquisas futuras são necessárias para determinar até que ponto:

• Essas características pertencem à disfunção motivacional ou inibitória.
• Elas são características dos pedófilos verdadeiros versus oportunistas

Consequentemente, ao avaliar um paciente pedofílico, os médicos devem considerar o nível de impulsividade comórbida, inibição social, disfunção neurocognitiva, traços psicopáticos e distorções cognitivas. Essas características podem fornecer uma imagem mais completa dos fatores motivadores, bem como impedimentos à inibição dos impulsos pedofílicos.

Avaliação
Como os pedófilos nem sempre são verdadeiros, é melhor realizar uma avaliação completa da pedofilia com várias modalidades e múltiplas fontes de informação. Quando o sistema de justiça criminal está envolvido, o exame dos registros do tribunal é fundamental. Da mesma forma, medidas objetivas dos estilos de resposta sexual são muitas vezes necessárias porque os pedófilos minimizam rotineiramente suas tendências pedofílicas.

A metodologia objetiva mais comum envolve medidas pletismográficas, nas quais é registrada a resposta erétil a alvos de diferentes idades e sexos. 5 Medidas de resposta galvânica da pele e taxa de respiração também podem acompanhar medidas pletismográficas. A Avaliação Abel para Interesses Sexuais (AASI) oferece uma medida alternativa de comportamento observável, registrando o tempo de reação visual a uma série de imagens. O AASI também vem com um longo questionário de autorrelato. Dois outros instrumentos de autorrelato, o Clarke Sexual History Questionnaire – Revised e o Multifhasic Sex Inventory, contêm escalas de validade para detectar a mentira.

Tratamento
Embora a pedofilia seja comumente vista como resistente ao tratamento, muitas pesquisas sugerem que esse não é o caso. Maletzky e colegas 7 relataram uma taxa de falha no tratamento de apenas 9% durante um período de 20 anos com pedófilos em tratamento abrangente e (freqüentemente) mandatado pelo tribunal. No entanto, dadas as graves consequências de qualquer recaída e a possibilidade de recaída mesmo décadas após a avaliação original, os médicos que encontrarem um paciente com tendências pedofílicas seriam bem aconselhados a consultar um especialista em distúrbios sexuais ou até encaminhá-lo a uma clínica especializada . Infelizmente, há muito menos centros especializados do que o necessário. A Associação para o Tratamento de Abusos Sexuais (ATSA) ( www.atsa.com ), no entanto, pode ser um recurso útil.

O tratamento da pedofilia é mais eficaz quando é multimodal, a longo prazo e, talvez, exigido pelo tribunal. 7 Os tratamentos cognitivo-comportamentais têm sido utilizados para reduzir o desejo sexual pedofílico, aumentar o comportamento sexual e afiliativo adequado à idade e fortalecer a inibição do comportamento pedofílico. Técnicas de condicionamento associativo, como sensibilização encoberta e condicionamento aversivo, bem como biofeedback pletismográfico e saciedade masturbatória, são usadas para reduzir a excitação pedofílica. 5,7,29

Com o feedback pletismográfico, os pacientes pedofílicos podem receber evidências objetivas de seus padrões de excitação sexual e da eficácia de qualquer intervenção para reduzir a excitação pedofílica. Isso pode ajudar a eliminar a negação e a minimização que são um problema tão grande para essa população. Abordagens mais recentes enfatizaram um modelo de prevenção de recaídas, baseado em um modelo de dependência de pedofilia. 5 O treinamento em habilidades interpessoais, assertividade e empatia também é usado para melhorar o relacionamento com os adultos.

Finalmente, confronto de negação, particularmente em formato de grupo; reestruturação cognitiva de distorções cognitivas; e o treinamento em empatia pelas vítimas é usado para fortalecer a inibição do comportamento pedofílico. 3 Dada a alta taxa de abuso infantil nas próprias histórias dos pedófilos, também é necessária a exploração de seus próprios abusos e sua relação com o comportamento pedofílico do adulto.

Nos casos em que o risco de reincidência é alto e o perigo para o público é motivo de grande preocupação, podem ser indicados anti-andrógenos ou outros tratamentos hormonais. O agente anti-androgênico acetato de ciproterona é amplamente utilizado na Europa e no Canadá, mas não está disponível nos Estados Unidos. Também são utilizados agentes hormonais, como a medroxiprogesterona e análogos do hormônio liberador do hormônio luteinizante (LHRH). Análogos de LHRH, como leuprolide, triptorelina e goserelina, têm ação prolongada e podem ser administrados por injeção. Como esses tratamentos reduzem o apetite sexual global e não apenas pedofílico , a adesão ao tratamento pode representar um problema sério e depender de pressões externas, como o tratamento ordenado pela justiça.

SSRIs, como fluvoxamina, fluoxetina e sertralina, também foram utilizados no tratamento de pedófilos. Com um perfil de efeito adverso mais favorável que os anti-andrógenos, a adesão ao tratamento com ISRS pode ser um problema menor. Alguns estudos mostraram alguma eficácia. No entanto, não está claro se eles funcionam com a redução da depressão, com o comportamento compulsivo ou com a função sexual geral.

Conclusão
Devido às muitas complicações legais e éticas envolvidas, alguns médicos podem optar por não tratar indivíduos com pedofilia. No entanto, é importante que todos os médicos estejam familiarizados com a literatura básica sobre pedofilia, porque esses pacientes se apresentam em uma ampla gama de contextos clínicos. Além disso, dada a alta incidência de abuso sexual na infância e seus efeitos perniciosos e duradouros, pesquisas, avaliações e tratamentos de pedofilia de alta qualidade são de grande importância pública. Felizmente, as técnicas atuais são promissoras. Com um melhor apoio do público, há oportunidades para avanços significativos no tratamento e prevenção desse distúrbio incapacitante e destrutivo.

https://www.psychiatrictimes.com/psychopathology-and-personality-traits-pedophiles
https://www.psychiatrictimes.com/psychopathology-and-personality-traits-pedophiles/page/0/1
https://www.psychiatrictimes.com/psychopathology-and-personality-traits-pedophiles/page/0/2
https://www.psychiatrictimes.com/psychopathology-and-personality-traits-pedophiles/page/0/3
https://www.psychiatrictimes.com/psychopathology-and-personality-traits-pedophiles/page/0/4

KINSEY…ANOTE AI

ALFRED KINSEY (1894-1956) MORREU AOS 62 ANOS DE IDADE DE OSTITE (INFLAMAÇÃO NOS TESTICULOS)
OS “ESTUDOS” DE KINSEY SOBRE SEXUALIDADE HUMANA DUROU 15 ANOS, LOGO, KINSEY COMEÇOU SEUS PRIMEIROS EXPERIMENTOS AOS 47 ANOS.

FOI COLETADO INFORMAÇÕES SOBRE SEXO:

5300 HOMENS
6000 MULHERES
2035 CRIANÇAS

Quanto as crianças, nos seus experimentos criminosos Kinsey assim descreve que:

-1 bebe de 11 meses teria tido 10 orgasmos em 1 hora.
-1 menina de 7 anos teria tido 3 orgasmos em 1 hora.
-1 menino de 13 anos teria tido 19 orgasmos em 1 hora.

“É difícil compreender por que uma criança, se não fosse por seu condicionamento cultural, devia sentir-se incômoda por lhe tocarem os genitais, ou incômoda por ver os genitais doutras pessonas, ou mesmo por contatos sexuais mais específicos.“ – Alfred Kinsey

“Sobre a pedofilia, Kinsey afirmou:

Se estas relações sexuais forem levadas a cabo em circunstâncias adequadas, ou seja, se o adulto sente genuinamente afeto pela criança, tal como sentiria um pai ou outro parente, tais relações poderiam ser uma experiência saudável para a criança (…). Os resultados são desfavoráveis só quando as autoridades públicas ou os pais fizeram crer à criança que este comportamento é imoral ou incorreto.”

A história da medicina prova que, na medida em que o homem busca conhecer a si mesmo e enfrentar toda a sua natureza, ele se libertou do medo confuso, da vergonha desanimada ou da hipocrisia. Enquanto o sexo for tratado na atual confusão de ignorância e sofisticação, negação e indulgência, supressão e estímulo, punição e exploração, sigilo e exibição, ele será associado a uma duplicidade e indecência que não levam à honestidade intelectual nem à dignidade humana. . ” – Comportamento Sexual de Alfred Kinsey no Homem Humano (1948)

https://citacoes.in/autores/alfred-kinsey/

Pedofilia: as origens intelectuais do ativismo pela “quebra dos tabus” (parte I)

ALFRED KINSEY E FRITZ VON BALLUSECK

O CIENTISTA QUE PROTEGEU E HABILITOU PEDÓFILOS

Se você já se perguntou como as sanções penais nos EUA por pedofilia passaram por um período de sentenças extremas a sentenças relativamente curtas, e como pedófilos do final da década de 1950 até os últimos anos receberam sentenças de porta giratória apenas para atacar crianças novamente, você pode se perguntar cujo trabalho orientou aqueles que redigiram o Código Penal Modelo em 1955, que promoveu a redução de sentenças de prisão para pedófilos e outros criminosos sexuais.

Se você adivinhou que eram os bispos da Igreja Católica, adivinhou errado. A recomendação de reduzir sentenças para pedófilos e outros criminosos sexuais foi feita juntamente com libertários civis por um ateu e um cientista da Universidade de Indiana, Alfred C. Kinsey (1894-1956), o mesmo Kinsey, homenageado no filme homônimo de 2004, produzido por Francis Ford Coppola , dirigido por Bill Condon e estrelado por Liam Neeson, o mesmo Kinsey financiado por anos pela Fundação Rockefeller e por Hugh Hefner, o mesmo Kinsey com uma foto da capa da Time Magazine de 1953, o mesmo Kinsey cuja ciência defeituosa é citada há décadas por críticas. juristas em numerosos tribunais principais, incluindo a Suprema Corte dos EUA, decisões.

O filme de Kinsey em 2004 marcou o auge da reputação de Kinsey. Desde então, caiu:

Bolsa de estudos recente que revela o papel de Kinsey na proteção de pedófilos que relataram cuidadosamente a Kinsey centenas de vítimas,
um crescente consenso científico que reafirma a crítica original de 1952 do psicólogo humanista Abraham H. Maslow ao “viés voluntário” nos estudos de Kinsey,
o desenvolvimento de regulamentações éticas, políticas e práticas éticas federais e profissionais para pesquisas com “populações vulneráveis”, como crianças e prisioneiros, além de “denúncias obrigatórias” de pedofilia em muitos estados, especialmente em Indiana, que forneceram um contraste moderno com o de Kinsey. prática científica antiética,
e além disso, a compilação de informações biográficas sobre Kinsey que indicavam sua depravação pessoal envolvendo assédio / coerção sexual de membros de seu círculo para participar de filmes sexuais em seu sótão e seu interesse tópico particular em sexo adulto com crianças,
–Todos serviram para minar permanentemente a posição do caráter pessoal e do trabalho científico de Kinsey entre aqueles cujo conhecimento se estende para além de assistir filmes e esquetes de comédia ou folhear as citações de “conteúdo social redentor” de Kinsey em revistas pornográficas, para leitura acadêmica e investigação científica .

Para alguns membros da comunidade de libertários civis, com quem Kinsey trabalhou de perto na revisão do Código Penal Modelo de 1955, Kinsey é sustentado há anos como “grande demais para falir”. Mas, como a maré virou em todo o mundo contra a pedofilia, a reputação de Kinsey também ficou irreparavelmente manchada.

A mudança de perspectiva em Kinsey demorou a chegar, mas foi ajudada primeiro pela globalização da mídia e depois pelo poder de visualização da Internet.

Entre os primeiros grandes golpes públicos à reputação pública de Kinsey no mundo de língua inglesa, veio o programa de televisão da BBC de 1998, Secret History: Kinsey’s Pedophiles, que retratou uma entrevista com uma mulher de Indiana que afirmou ser criança vítima da pesquisa de pedofilia de Kinsey.


http://www.youtube.com/watch?v=gfSDljk7yxE&feature=related

Uma segunda fenda na armadura de Kinsey veio com a revelação da correspondência de Kinsey com o Dr. Fritz Von Balluseck, um pedófilo condenado nazista e notório investigado pela polícia alemã após o assassinato de uma jovem em 1957, um ano após a morte de Kinsey. Enquanto o conhecimento da conexão de Kinsey com o bestial Dr. Von Balluseck ficou confinado ao mundo de língua alemã por anos, ele entrou no mundo de língua inglesa quando o trabalho obstinado do inimigo acadêmico independente de Kinsey, Dr. Judith Reisman, foi destacado no Seção de filmes do New York Times em 2004–

Seguiram-se mais más notícias para a reputação de Kinsey, quando foi revelado que ele havia protegido o anonimato de um pedófilo americano chamado Rex King, que reivindicou centenas de vítimas ao longo de várias décadas. A seção intitulada “Pedofilia” no artigo da Wikipedia citada logo abaixo contém mais informações sobre a conexão Rex King.

Em relação à reputação de Kinsey como cientista, as críticas acadêmicas dirigidas à propensão de Kinsey ao “viés voluntário” em sua metodologia científica pelo eminente Abraham H. Maslow em seu artigo de 1952–

Maslow, AH e Sakoda, J. (1952). Erro voluntário no estudo Kinsey, Journal of Abnormal Psychology. Abril de 1952; 47 (2): 259-62.

Nunca foi efetivamente refutado pelo círculo de Kinsey.

Antropóloga Margaret Mead, no seguinte artigo:

Margaret Mead, “Um antropólogo analisa o relatório”, Problemas de comportamento sexual (Nova York: American Social Hygiene Association, 1948)

– observou notoriamente que o relatório de Kinsey de 1948 “sugere nenhuma maneira de escolher entre uma mulher e uma ovelha”.

Talvez a crítica científica mais reveladora das estatísticas de Kinsey, sob uma perspectiva puramente científica, tenha vindo da American Statistical Association , quando um eminente grupo de estatísticos, incluindo o estatístico escocês fundador William Gemmell Cochran , o eminente estatístico de Harvard Frederick Mosteller , o renomado estudioso americano WO Jenkins , e o distinto estatístico americano e cientista da computação fundador John W. Tukey (Tukey inventou o termo computador “bit” e foi a primeira pessoa a usar a palavra “software” impresso)) editou uma crítica ao relatório de Kinsey de 1948 sobre o homem humano , em que declararam:

“Os críticos têm justificativa em suas objeções de que muitas das declarações mais interessantes e provocativas do livro [Kinsey 1948] não se baseiam nos dados aqui apresentados, e não fica claro ao leitor quais evidências as declarações se baseiam. Além disso, as conclusões tiradas dos dados apresentados no livro são frequentemente declaradas pelo KPM [Kinsey, Pomeroy e Martin] de uma maneira muito ousada e confiante. Tomadas cumulativamente, essas objeções significam dizer que grande parte da redação do livro fica abaixo do nível de uma boa redação científica. ”

Cochran, William Gemmell, WO Jenkins, Frederick Mosteller e John Wilder Tukey. 1954. Problemas estatísticos do Relatório Kinsey sobre Comportamento Sexual no Homem Humano. Associação Estatística Americana, Conselho Nacional de Pesquisa (EUA). Comitê de Pesquisa em Problemas Sexuais – Psicologia

O biógrafo de Kinsey, James H. Jones, observou em seu retrato de Kinsey em 1997 (Jones, James H. 1997. Alfred C. Kinsey: uma vida pública / privada. 1ª ed. Nova York: WW Norton, pp. 656-665) como a equipe de Kinsey elaborou a primeira crítica de 1952 por esses eminentes estatísticos com a imprensa, como a imprensa prestou pouca atenção à crítica estatística e como foi John W. Tukey que insistiu que a Associação Estatística Americana publicasse o relatório quase dois anos depois em 1954 para a registro, quando novamente a imprensa o ignorou.

Devido à atual integração mundial da mídia de informação, uma crítica tão importante de uma proeminente associação profissional científica do trabalho de um cientista famoso não seria ignorada hoje, nem os juristas teriam citado tão livremente Kinsey em suas opiniões subseqüentes. Mas em 1952 e 1954, era ainda mais fácil “girar” a imprensa do que é hoje.

Agora, desde que a crítica estatística de 1954 do trabalho de Kinsey produzida por alguns dos melhores estatísticos do mundo é conhecida e disponível, hoje não há desculpa para nenhum jornalista, cientista ou jurista citar as estatísticas de Kinsey pelo valor de face.

Uma recapitulação de outras críticas científicas, éticas e jurídicas ao trabalho de Kinsey, juntamente com um resumo de como Kinsey influenciou a revisão de 1955 do Código Penal Modelo, está contida no seguinte artigo do Zenit de 2005 que resume o trabalho de Susan Brinkmann, co-autora Judith Reisman, de The Kinsey Corruption: Exposicione o cientista mais influente de nosso tempo , um pequeno livro de uma perspectiva religiosa que foi publicado logo após o lançamento do filme de Kinsey em 2004. O artigo do Zenit resume:

A boa notícia é que, em abril de 2004, após cinco anos de estudo, o Conselho de Intercâmbio Legislativo Americano, um grupo de 2.400 legisladores de 50 estados, concluiu que o trabalho de Kinsey era uma fraude e continha “estatísticas fabricadas”.

O relatório descreveu a influência desses números falsos no enfraquecimento de 52 leis sexuais que antes protegiam mulheres, crianças e casamento. Atualmente, estão sendo estudados métodos para desfazer os danos aos sistemas sociais e jurídicos dos Estados Unidos.

http://www.zenit.org/article-13022?l=english

Juristas e legisladores, após legislatura, compraram as falhas de Kinsey nas décadas de 1940 e 50 de que pedófilos e outros criminosos sexuais não eram um perigo grave; portanto, em vez de manter esses indivíduos perigosos segregados da sociedade, muitos foram libertados depois de apenas alguns anos. Também a Igreja Católica, entre muitas outras organizações religiosas, através de vários bispos diocesanos e outros líderes, ouviu psicólogos influenciados por Kinsey e seguiu o conselho de profissionais de que a separação e a terapia relativamente breves eram a resposta para a pedofilia.

Sem instrução nas metodologias para criticar más ciências, religião e direito (para não mencionar os militares) em geral, levaram Kinsey e outras pesquisas psicológicas ruins muito a sério.

Como cientista, podemos comparar Kinsey àqueles arqueólogos pioneiros que descobriram locais históricos importantes, os arruinaram para as gerações futuras de cientistas por sua metodologia superficial e colocaram na mente popular suas falsas conclusões que levam gerações a pesquisadores mais rigorosos – se é que alguma vez –Para corrigir e desfazer.

Assim como o trabalho de Kinsey não resiste aos padrões atuais de rigor científico, certamente não resiste à ética científica de hoje.

Os cientistas que preparam pesquisas em seres humanos nos EUA precisam participar de um treinamento em ética em pesquisa para obter conhecimento dos requisitos exigidos pelo governo federal de acordo com os regulamentos federais aplicáveis. Portanto, quando eles enviam seus protocolos de pesquisa em seres humanos para serem revisados ​​por seus próprios Institutional Review Boards (IRBs) ) para aprovação antes de levar a pesquisa com seres humanos para a fase ativa, uma forte rubrica para a pesquisa ética é estabelecida.

Durante esses treinamentos, os cientistas revisam uma série de grandes delitos éticos na pesquisa científica americana, incluindo o Experimento de Tuskegee Syphilis (1932-1972), no qual homens afro-americanos infectados não foram tratados por sua doença, e os experimentos de Milgram sobre obediência à autoridade, relatado pela primeira vez em 1963, em que sujeitos científicos foram manipulados a pensar que estavam prejudicando outros com choques elétricos que foram ordenados pelos pesquisadores a administrar. O experimento de Milgram foi famoso por o personagem do comediante Bill Murray, Dr. Peter Venkman, no filme Ghostbusters .

That Kinsey’s unethical conduct in his study of pedophiles and prisoners is still not included along with the Tuskegee Experiments on standard lists of famous scientific ethical violations as part of ethical training at some universities and research hospitals for those preparing to protect the rights of human subjects indicates the last reluctance on the part of the final cohort in the scientific community blindly loyal to Kinsey to officially recognize that Kinsey’s work with these vulnerable populations was unethical in the extreme.

Se algum cientista da Universidade de Indiana tentasse hoje repetir a pesquisa em pedofilia de Kinsey da mesma maneira antiética que ele praticava para não proteger os sujeitos da pesquisa, todas as pesquisas nessa universidade seriam fechadas pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA até a Universidade entrar em atividade. total conformidade com os regulamentos federais. Os cientistas modernos sabem que a ética em pesquisa de Kinsey é indefensável. Daí o silêncio mudo sobre esse assunto entre seus devotos.

O reconhecimento de que as infames tabelas 30-34 de Kinsey sobre crianças em seu comportamento sexual de 1948, excedem claramente os limites da ética em pesquisa, está tácito no atual comportamento de pesquisa, que proíbe esse tipo de relatório de pesquisa sobre o comportamento de crianças sem fornecer consentimento informado legalmente aplicável e que, de acordo com as leis estaduais, exigem a denúncia de abuso infantil às autoridades. Especialmente em Indiana, hoje todos os cidadãos são “repórteres mandatados”.

Para alguns dos regulamentos federais e estaduais aplicáveis, consulte:

http://www.hhs.gov/ohrp/humansubjects/guidance/45cfr46.htm

e-

http://www.ai.org/legislative/ic/code/title31/ar33/ch5.html#IC31-33-5-1

Quanto mais se lê as biografias de Kinsey, mais se descobre um professor que violou a maioria dos princípios éticos do atual Manual do Corpo Docente de quase todas as principais universidades de pesquisa. Imagine o que a universidade de pesquisa de hoje faria com um professor que violou diretrizes sobre:

Integridade científica
Conflito de interesses
Proteção dos sujeitos da pesquisa
Assédio sexual
Relatórios obrigatórios?
Como eu mesmo continuo lendo mais detalhadamente o registro de Kinsey e adicionando detalhes a este blog, dando exemplos das infrações acima, não ficaria surpreso ao encontrar apenas a única violação ética importante não listada no “desfile de hits” acima: Plágio de estudantes ou de colegas.

Nenhuma das violações acima é protegida pela liberdade acadêmica. Um professor titular famoso, ou até não tão famoso, que cometeu tantas infrações acima como Kinsey parece ter causado, causaria uma grande crise de integridade em uma determinada universidade. Os administradores e comitês do corpo docente seriam convocados para a sessão e os relatórios obrigatórios para as agências reguladoras e patrocinadoras federais teriam que ser arquivados. Monitores federais podem visitar. Multas podem ser impostas. Os fundos também podem precisar ser devolvidos. No final, o membro do corpo docente seria disciplinado e / ou demitido e, com essas múltiplas infrações, não em silêncio.

É justo avaliar o comportamento de um professor das décadas de 40 e 50 pelos padrões atuais? Certamente é instrutivo fazê-lo. Se estamos dispostos a avaliar o clero das décadas de 1940 e 50 pelos padrões éticos de hoje, é justo e consistente avaliar os cientistas da mesma forma. A universidade de pesquisa de hoje não obedeceria a um professor Kinsey. O comportamento docente de Kinsey parece hoje não apenas inapropriado, mas abominável.

Vários anos atrás, após o suicídio de Bruno Bettelheim, escritor de psicologia infantil, em 1990, foi revelado que ele maltratava crianças em sua escola de ortopedia associada à Universidade de Chicago – quando, antes dessas revelações, a comunidade literária, científica e de mídia fazia o Dr. Bettelheim caminhar na agua. Apesar dos esforços hercúlicos de libertários civis, artistas e colegas científicos de Kinsey, sua reputação – em todas as frentes – está em queda semelhante.

Ainda não se sabe se Kinsey recebe um “passe” permanente como ícone cultural, semelhante ao de Elizabeth I da Inglaterra, que, apesar de sua tortura e perseguição a seus súditos católicos, continua sendo uma figura amada. Entre muitos na comunidade da liberdade civil e da liberdade sexual, Kinsey é considerado um emancipador fundamental, embora defeituoso, sexual, algo como um Lincoln sexual. A memória de Kinsey em artes e letras provavelmente o ajudará a garantir seu “passe”. Kinsey em 2005 já recebeu seu próprio especial da PBS e, além do filme de Kinsey, houve várias peças e romances.

Se os registros de entrevistas ou correspondência com pedófilos reivindicando centenas de vítimas fossem armazenados, digamos, em uma chancelaria católica romana em vez de em um centro de pesquisa universitário, as vans de satélite da mídia seriam acampadas pelas dezenas, sem mencionar uma multidão de moradores da cidade com com o equivalente moderno de tochas e forquilhas – iPhones, Droids e contas no Twitter – lideradas pelos advogados das vítimas.

De fato, se as racionalizações para a proteção de Kinsey à privacidade de pedófilos oferecidos por seus colegas e apoiadores científicos fossem colocadas, digamos, na boca do clero, esses cientistas soariam positivamente episcopais, e talvez esses cientistas fossem elegíveis para uma grande ver. As racionalizações “científicas” oferecidas para o comportamento antiético de Kinsey na pesquisa em pedofilia são tão inaceitáveis ​​quanto as oferecidas anteriormente pelo clero antes de começarem a se comprometer com a “tolerância zero” na pedofilia.

Além disso, os defensores de Kinsey nos pedem que cometamos o mesmo erro ingênuo em aceitar sua defesa dele feita por gerações de clérigos e juristas ao assumir que existe uma pessoa como pedófilo inativo e que, de alguma forma, apenas pedófilos inativos – ainda que em pseudo excruciante. – detalhes científicos cronometrados em alguns casos pelo cronômetro – relatados a Kinsey. Aparentemente, os cientistas podem ser tão ingênuos quanto à capacidade dos pedófilos de mudar de atitude, tanto quanto os clérigos – e os juízes.

Se e quando todos os estatutos de limitação do crime de pedofilia forem abolidos, será interessante ver se os registros de pedofilia do Instituto Kinsey também estão incluídos no resumo, ou se apenas as instituições religiosas sentirão a força total de a lei e se as vítimas da Tabela 34 de Kinsey verão justiça, mesmo aos olhos da história.

Assim como os críticos do Vaticano pediram que o Vaticano abrisse seus arquivos – aos quais o Vaticano tem cumprido constantemente com um atraso de 50 a 80 anos -, o mesmo deveria acontecer com o Instituto Kinsey de Pesquisa em Sexo, Gênero e Reprodução em Indiana. A Universidade compromete-se a liberar adequadamente os arquivos e dados Kinsey em algum momento razoável no futuro. Nesse ponto, a avaliação científica real do trabalho e da ética de Kinsey pode começar.

A má ciência do professor Kinsey levou a más leis que libertaram criminosos perigosos que causaram – e continuam a causar – sofrimento humano incalculável entre inúmeras vítimas inocentes. Essa proliferação de violência sexual é o verdadeiro legado do Prof. Kinsey, e não é algo pelo qual a Universidade de Indiana deva ser comemorativa ou orgulhosa.

As universidades fariam bem em dedicar mais recursos de pesquisa para testar e desenvolver estratégias para a redução da violência sexual, e menos tempo no solipsismo da política de identidade sexual, ou seja, o financiamento do corpo docente para falar principalmente sobre si. A Universidade de Indiana pode considerar assumir a liderança nessa mudança de agenda de pesquisa, que pelo menos de alguma forma pode reverter alguns dos danos que Kinsey causou aos inocentes na sociedade.

Quanto mais se sabe sobre Kinsey, mais a “marca” Kinsey é danificada. O que não agrega valor a uma universidade é primeiro esquecido silenciosamente e depois apagado.

Quanto mais se sabe sobre Kinsey, e mais sua sombra interfere no trabalho de seu centro, maior a probabilidade de que qualquer centro de Sexo, Gênero e Reprodução que exista na Universidade de Indiana remova o nome Kinsey de sua marquise. Essa mudança de nome é apenas um grande doador longe de se tornar realidade. Agora é apenas uma questão de tempo e a verdade encontra inevitavelmente o caminho a seguir.

Para uma palestra recente da psiquiatra americana Miriam Grossman, MD, à Comissão das Nações Unidas sobre o Status das Mulheres, que toca na influência negativa de Kinsey na saúde pública, consulte:

http://www.davidperryfilms.com/media/03-08-10_Dr_Grossman.wmv

Toda pessoa educada deve aprender algo sobre estatística. Aqui é um bom lugar para começar.

http://www.learner.org/resources/series65.html?pop=yes&pid=139

Também recomendo vivamente a seguinte meditação da co-fundadora da Catholic Worker Dorothy Day em seu primeiro encontro com as idéias de Kinsey em 1948–

http://www.cjd.org/paper/sex.html

http://sanityandsocialjustice.net/?tag=fritz-von-balluseck

*********************************************************

O CIENTISTA QUE PROTEGEU E HABILITOU PEDÓFILOS
Alfred C. Kinsey: colaborador nazista de pedófilos
Um colaborador pedófilo de Kinsey era um ex-oficial nazista da Segunda Guerra Mundial, Dr. Fritz von Balluseck.
Friedrich “Fritz” Karl Hugo Viktor von Balluseck (nascido em 7 de setembro de 1908 em Potsdam , † 28 de junho de 1989 em Berlim ) era advogado administrativo alemão. Na era do nacional-socialismo, ele era CHEFE DO Distrito de Tomaszów Mazowiecki e Jędrzejów . Suas jovens vítimas polonesas tiveram que escolher entre estupro ou “a câmara de gás”. Após a Segunda Guerra Mundial, ele foi preso por estupro de crianças.
Kinsey incentivou os relatos de estupro infantil e advertiu seu colaborador a “tomar cuidado” com as autoridades.
Quando Fritz foi preso, ele foi interrogado pelo Juiz Dr Berger.
O Juiz Presidente, Dr. Berger, leu as cartas entre von Balluseck e Kinsey e exclamou:
Juiz Berger: “Isso não é mais humano! Para que isso era tudo? Para falar a Kinsey? Eu tive a impressão de que você tinha as crianças para impressionar Kinsey e entregar-lhe material “.
Von Balluseck: “O próprio Kinsey me pediu isso.”
Juiz Berger: “Isso seria típico para Kinsey e seu trabalho. Deve ser um cientista estranho que confiaria em relatos de experiência com conteúdo tão nojento”.
“Kinsey pediu ao pedófilo especificamente o material de suas ações perversas. Assim Frededick Fritz fez estatísticas e as enviou. Ao pesquisador americano de sexo Kinsey. [A quem] denunciou repetidamente e explicitamente seus crimes perversos. [Eles] correspondiam. às vezes.”
A imprensa alemã considerou von Balluseck o pior criminoso sexual desde o final da Segunda Guerra Mundial. Os jornais alemães tiveram a colaboração Kinsey-Balluseck na página um. A imprensa americana ficou em silêncio e todos os biógrafos de Kinsey encobriram firmemente a conexão nazista de Kinsey.

https://de.wikipedia.org/wiki/Friedrich_von_Balluseck
http://www.drjudithreisman.com/old/nazi.htm
http://sanityandsocialjustice.net/?tag=fritz-von-balluseck
https://super.abril.com.br/historia/kinsey-fala-de-sexo/
https://en.wikipedia.org/wiki/Kinsey_Reports

MASCULINISMO E A “LEI DO PAI”

Em nome dos filhos ou “o retorno da lei do pai”:
(entrevista com Martin Dufresne)

Publicar a entrevista de um homem numa revista feminista não é tarefa isenta de tensões e de desafios. Não que os homens estejam banidos do campo feminista, ao contrário: os estudos de gênero, particularmente no Brasil, desde há muito têm chamado atenção para o caráter sempre relacional da categoria, tema que envolve as pesquisas sobre masculinidade, e têm revelado suas complexidades, uma vez que o conceito também abarca hierarquias, poderes, hegemonias.2

Mas a tensão resiste na medida em que, ao adentrar no campo de estudos de gênero e dos movimentos feministas, muitos homens carregam junto com suas boas intenções os seus habitus de dominantes, contando, muitas vezes, com o beneplácito das mulheres, desejosas de acabar de uma vez por todas com as desigualdades e buscando a parceria dos homens na laboriosa e contraditória tarefa de transformar as relações entre os gêneros. Advertida desses riscos, ainda mais em se tratando de dar voz a um homem branco, intelectual e primeiro-mundista, gostaria de sublinhar que enfrentar essa discussão, justamente por toda a complexidade que comporta, e por acreditar que a temática da guarda compartilhada (ou conjunta), também abordada, é de grande importância para manter sob suspeita medidas institucionais e ‘novos’ comportamentos fartamente divulgados pela mídia, repleta de matérias entusiastas sobre a entrada em cena dos homens ditos cuidadores e/ou sensíveis. Isso conta com grande simpatia de setores influenciados pelo ethos contracultural, pelo feminismo difuso e pelo discurso da importância das relações sócio-afetivas no âmbito da família, o que é compartilhado sobretudo pelas camadas médias urbanas, já que aponta para uma maior eqüidade entre homens e mulheres e o desejo de igualdade entre os sexos. Foi, sobretudo, nesse meio social que se fizeram os primeiros experimentos da guarda compartilhada, a partir de decisões judiciais nas varas de família e tribunais, que parecem, cada vez mais, estar aderindo, no caso do Brasil, a essas demandas, não sem articular tais propostas com a noção de medição e/ou de negociação, bastante apreciadas por operadores do direito e seus assessores/as, que tratam de assuntos relacionados a família. Esse sistema de guarda, que muitas vezes carrega consigo o fim do sistema clássico de pagamento de alimentos (pensão), tem sido apoiado por muitos juízes e desembargadores como Maria Berenice Dias,3 do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, que recomenda a guarda compartilhada, mas não sem trazer algumas advertências: a importância de analisar cada caso, de não haver rancores entre os ex-cônjuges para que a guarda seja, de fato, benéfica aos filhos, advertência que também aparece em outros estudos e/ou decisões judiciais. Maria Berenice Dias traz, ainda, recomendações acerca de possíveis problemas decorrentes de uma alternância (quando a guarda é, além de conjunta, alternada) entre modelos familiares e de educação diferenciados, um dos aspectos que muitas vezes provoca o divórcio ou se consolida após as reorganizações familiares de cada progenitor. Isso tem chamado atenção de estudiosos e profissionais que acompanham casos concretos que vêm ocorrendo nos países onde esse arranjo familiar é mais antigo, particularmente, na França e no Canadá.

A entrevista que segue, com o jornalista e ativista do movimento de homens pró-feminista no Canadá Martin Dufresne, foi feita durante o 4º Congresso de Pesquisadoras Feministas Francófonas, que aconteceu em Ottawa, em julho de 2005, após a apresentação do documentário In Nomine Patris – Ce que veulent les mouvements de pères.4 Dufresne também faz parte desse filme, como um dos profissionais entrevistados e como um dos divulgadores do trabalho no Canadá.

No Brasil, são recentes as mudanças no Código Civil no sentido de uma maior eqüidade entre direitos das mulheres e dos homens no que tange ao Direito de Família. O novo código foi promulgado em 20025 e legitimou um conjunto importante de mudanças que já vinham ocorrendo há décadas na sociedade, particularmente no que se refere à moral e à organização familiar, na qual se inserem o divórcio e a situação dele decorrente, a definição da guarda dos filhos.6 Já a recente sanção da Lei 9.099/20087 faz eco a algumas das reivindicações históricas do feminismo, a saber, a des-naturalização da equação mãe-nutriz, pai-provedor, e a busca por uma divisão eqüitativa do trabalho doméstico e familiar, decorrente dessa desconstrução. Porém, cabe destacar que essa lei permite ao juiz definir, quando não há acordo dos pais e em nome do suposto bem-estar dos filhos, a guarda compartilhada.

O argumento dos direitos da criança, cada vez mais naturalizado em nossa sociedade, é central, por exemplo, nos discursos da humanização do parto e da amamentação natural, e é muito similar ao que é utilizado pelos discursos dos movimentos de pais, como podemos acompanhar nas várias matérias da mídia e nos sites da Internet que divulgam a temática. Ao que tudo indica, essa é a base de argumentação da lei recentemente promulgada no Brasil.

No caso do Québec, a institucionalização de uma série de demandas feministas, entre elas o direito ao divórcio, esteve no centro da chamada “Revolução Tranqüila”, ocorrida nos anos 1960 e que influenciou sobremaneira o modo de vida e as relações entre os gêneros naquele país. No entanto, a reação a essas conquistas não tardou por se manifestar e teria, segundo Dufresne, no ramo do masculinismo (os simpáticos grupos de pais) uma das expressões mais fortes.

A visão de Dufresne, que aparece claramente aqui nesta entrevista, é representativa de um grupo de feministas, entre as quais Denyse Côté,8 que desenvolveu uma pesquisa pioneira sobre o assunto mostrando a complexidade envolvida na questão da guarda compartilhada: de um lado, representa a consolidação de um novo modelo de família, mais favorável ao desenvolvimento pessoal das mulheres; de outro, apesar desse igualitarismo ideológico, pode, muitas vezes, significar uma reestruturação patriarcal,9 sobretudo quando não foi feita em comum e livre acordo entre os ex-cônjuges, mas sim com a imposição da Justiça ou do juiz, em nome do bem-estar das crianças. Essa advertência parece ser fundamental no Brasil, já que a Lei 9.099/2008 justamente outorga esse direito ao juiz.

A propósito, os estudos críticos que têm florescido no Brasil em decorrência dessa nova forma de gerir as famílias dialogam com essa tradição de pensamento, na qual estão presentes antropólogos/as, psicólogos/as, psicanalistas, assistentes sociais e advogados/as.10 O que muitos dos autores e das autoras problematizam é que, em muitos casos, essa igualdade formal, mais facilmente incorporada, não corresponde a mudanças concretas no cotidiano e nas subjetividades: não raro, é ressignificada a partir de velhas estruturas patriarcais e acaba por legitimar o poder masculino sobre a sua ex-mulher, através do chamado direito de paternidade. Em nome dos filhos, muitos desses simpáticos movimentos de pais11 representariam, antes, uma reação conservadora ao avanço dos diretos destes ‘novos’ sujeitos contemporâneos: mulheres e crianças.

Martin Dufresne não hesita em referir-se a esse braço paternal do masculinismo como um movimento de direita, chamando atenção para as correlações diretas entre a não-aceitação do direito de escolha da mulher quanto à manutenção do casamento (já que a guarda conjunta não pode ser analisada sem considerar direito ao divórcio) e as violências que, enquanto fenômeno social, seguem produzindo maridos agressores e mulheres agredidas. Essas violências, muitas vezes, se aprofundam após a separação e por ocasião das ‘visitas’ e ‘vistorias’ feitas pelo pai ao domicílio da mãe, como mostra o estudo de Denyse Côté,12 e se dão num plano não necessariamente físico, mas naquele nível mais sutil pelo qual o poder se exerce, o da violência simbólica, para o qual conta, infelizmente, com a cumplicidade de muitos mediadores, psicólogos e operadores do direito, imbuídos da defesa incondicional dos direitos das crianças, direitos esses, ao que me parece em países como o Brasil, mais palatáveis do que os direitos das mulheres.

Espero que a entrevista possa contribuir com a necessária reflexão, crítica e cautelosa, sobre a temática dos movimentos de homens (do masculinismo ao Laço Branco), bem como sobre a guarda conjunta, que enfatizamos nesta apresentação. Esta última requer bem mais do que notícias jornalísticas e análises superficiais que apenas celebram as virtudes dos pais cuidadores, e que não dão voz às análises a partir de um ponto de vista feminista, ainda que incipientes em nosso país, de como as decisões e acordos judiciais são vivenciados no cotidiano das famílias recompostas, sobretudo num momento em que, na América Latina em particular, a reação conservadora atinente ao corpo das mulheres e aos seus direitos humanos está mais uma vez, e violentamente, colocada no centro da cena política.

Carmen Susana Tornquist: Você é conhecido por suas atividades como pesquisador e militante. Poderia falar sobre elas?

Martin Dufresne: Na verdade, sou mais um militante que um pesquisador universitário. Minha formação acadêmica é em ciências puras, mas, no fundo, foi em meu trabalho como cenarista de televisão que comecei a pesquisar sobre as mulheres e relações de sexo, o que me levou à pesquisa participante, a participar mais que simplesmente escrever ficção – porque uma verdadeira revolução estava então em curso no Québec. O movimento feminista já tinha mais de 30 anos quando comecei a me envolver; eu simplesmente me juntei às lutas. E logo a palavra de ordem que as mulheres nos davam, aos poucos homens que participavam do movimento, era esta: “falem aos homens, façam um trabalho de educação mas também de análise do que representa a condição masculina dos dominantes para desconstruí-la”. Isso quer dizer que nós executávamos um trabalho tático, logístico, de modo voluntário para alguns homens pró-feministas, aceitando prestar contas ao movimento das mulheres sobre a questão da dominação masculina, o modo de fazê-la recuar e a análise das novas formas de controle, de apropriação e de violência simbólicas e físicas impostas às mulheres individual e coletivamente.

CST: No Brasil, nos últimos anos, temos tido contato com o Movimento Laço Branco (White Ribbon Campaign), que teve origem aqui no Canadá. Poderia nos falar sobre esse movimento?

MD: É necessário lembrar que em 1989, no Canadá, um homem de 25 anos, que teve sua inscrição para a Escola Politécnica de Montreal rejeitada por causa de insuficiência de notas, decidiu fazer do movimento feminista o bode expiatório. Alimentado pela propaganda masculinista cheia de rancor, no dia 6 de dezembro de 1989 investiu com uma metralhadora contra a Universidade de Montreal e matou o maior número possível de estudantes e uma funcionária do serviço de admissões, acusando-as de serem feministas. Para ele, o fato de mulheres terem podido ingressar numa faculdade de gênios, e ele ter sido rejeitado, era o símbolo do fato de os homens terem perdido muitas prerrogativas, de que as mulheres haviam adquirido demasiadas, e que era hora de efetivar um gesto clamoroso para intimidar as mulheres, para fazê-las se retirarem, enfim, de lugares como essa faculdade e também do exército, dos serviços policiais e dos bombeiros, que eram, em sua opinião, fundamentalmente masculinos. Ele deixou um manifesto muito claro a esse respeito, um texto que, durante muito tempo, esteve afixado com comentários favoráveis na Web em sites masculinistas internacionais e quebequenses. Embora fosse proclamado que o gesto tinha sido deplorável, no fundo, as pessoas mostravam sua concordância com a motivação de um crime no qual 14 mulheres haviam sido assassinadas e 29 mulheres e homens feridos por esse militante anti-feminista, Marc Lépine. Esse acontecimento chocante foi como que o ponto de partida para uma guerra aberta contra o feminismo no Canadá por pessoas que ainda lá, sem acatar abertamente o gesto de Lépine, têm assim mesmo encarado seu crime sob o pretexto de que “é verdadeiro em todo o caso, foi-se longe demais, os homens sofrem, os homens têm depressão”. Há nisso todo um discurso psicologizante de queixa dos homens, que ainda cerca não só as feministas, como também qualquer mulher de hoje, para intimidá-las e incitá-las a serem mais sensíveis e respeitosas diante da raiva crescente que o masculinismo insufla entre os homens.

A Campanha do Laço Branco, criada no dia seguinte ao massacre da Escola Politécnica – recuperando um símbolo da paz escolhido por mulheres durante uma cerimônia -, representa, desse ponto de vista, uma reação bem minoritária de homens que, paradoxalmente, se dizem pró-feministas e usam o 6 de Dezembro de cada ano para apresentar os homens como não-violentos e bem intencionados: eles não têm mais que usar um laço azul nesse dia para comprová-lo. Eu sou muito cético: os líderes desse movimento manifestam igualmente uma ideologia paternalista, com uma homenagem anual aos pais. Uma pesquisa aprofundada de Roberta Spark demonstrou que os criadores dessa campanha esbanjaram muito dinheiro – que eles tinham recolhido para o movimento das mulheres, em seu início, mas do qual elas não viram um vintém, infelizmente.

CST: Em sua opinião, haveria uma especificidade do Canadá ou do quebequense na questão do feminismo? Se a gente considerar a chamada “Revolução Tranqüila”, à qual você se referiu antes…

MD: No Québec – porque houve ali uma assim chamada “Revolução Tranqüila”, certamente uma reforma muito rápida das instituições – vivenciou-se uma aceleração, ao longo dos anos 60, que instigou o feminismo quebequense. Vários feminismos se desenvolveram no final dos anos 60 em diferentes países ao mesmo tempo, mas o feminismo do Québec beneficiou-se do impulso desse movimento de reforma das instituições, do sistema de ensino, do casamento, da justiça, da sociedade em geral. Por exemplo, as mulheres não tinham direito de assentar-se em um júri até 1973 no Québec. Assim, o feminismo quebequense nutriu-se, em parte, da Revolução Tranqüila; de outra, do fato de muitas reformas sociais terem sido conduzidas pelo aparelho de Estado, porque esse aparelho foi de repente constituído por pessoas egressas de universidades no fim dos anos 60. Dessa forma, muitas reformas que, em muitos outros países, foram realizadas bem ou mal contra o Estado aqui foram feitas com e pelo Estado, embora nem sempre de modo harmonioso; ainda assim, o Estado financiou, autorizou e permitiu aos pesquisadores e militantes a instauração de uma rede de serviços e uma rede de grupos comunitários que, do ponto de vista prático, deram ao feminismo quebequense um dinamismo incomum em todo nosso planeta. Nesse sentido, pode-se dizer que o feminismo no Québec estava suficientemente afastado, não muito distante, penso eu, para constituir uma espécie de farol, de prova do que era verdadeiro e possível para muitos pesquisadores e para o movimento das mulheres. Por outro lado, o Canadá e o Québec são sociedades menos politizadas que muitos outros países, os quais, desde muito tempo, fizeram justamente e com mais facilidade a distinção entre os interesses das classes populares, os interesses das classes dominantes e o jogo do Estado, fato que se reflete em partidos políticos de tendências várias. No Québec, onde vivo, nenhum partido de centro-esquerda ou de esquerda tem o poder atualmente, o que significa dizer que se trata de uma sociedade praticamente familiar fundada sobre valores tomados como coletivos. O feminismo, pois, impôs-se bem mais no nível dos valores e de um consenso buscado pela população do que a partir de um enfretamento explícito contra instâncias estabelecidas há tempo, ou forças políticas, como nos países europeus ou sul-americanos, onde se distinguem mais claramente as forças de esquerda e de direita.

No que diz respeito ao masculinismo, o quebequense, a meu ver, está menos desenvolvido que nos Estados Unidos ou no Reino Unido, mas o quebequense também desfruta de certas subvenções e apoios das mídias de direita para influenciar a coletividade em função de interesses de homens violentos ou corruptos. Então, existe de algum modo um impacto quanto ao masculinismo que não é negligenciável. Aliás, os masculinistas canadenses estão conectados com organizações equivalentes nos Estados Unidos, na Austrália, na Nova Zelândia e em alguns outros países que se organizam para impor atualmente seus objetivos à Europa. Na França, na Bélgica, na Suíça, na Alemanha e na Itália há grupos que envolvem os homens em torno de certas intolerâncias, as quais, infelizmente, com muita facilidade, são aceitas pelo Estado, tais como suprimir ou reduzir as obrigações dos homens que se casam novamente em relação aos filhos do primeiro casamento, instituir a guarda compartilhada estatutária e paralisar toda intervenção judicial contra os cônjuges agressores ou pais agressores em relação a seus filhos. Observa-se o desenvolvimento de um plano de ação masculinista, retomado de país em país, para fazer regredir, no fim das contas, o direito das mulheres e das crianças de se livrar da violência e do poder desses homens.

CST: Você não usa a expressão “homem feminista”, mas “pró-feminista”. Poderia explicar o sentido dessa categoria?

MD: Há alguns homens que se dizem “feministas” que utilizam a expressão “homem feminista” para manifestar o caráter integral dessa implicação, o que é louvável. É isso que faz, por exemplo, John Stoltenberg, que escreveu vários textos importantes do movimento (Refusing to Be a Man, The End of Manhood). Quanto a mim, julgo que “pró-feminista” é mais claro porque coloca, de modo bem explícito, nosso apoio a um movimento autônomo, inteiramente livre em suas escolhas. Há homens demais se dizendo feministas ditando ao movimento das mulheres aquilo que elas deveriam fazer – e isso eu mesmo fiz tempos atrás. E ainda hoje em alguns processos controvertidos, como a prostituição, por exemplo, é muito delicado não lançar mão da autoridade masculina, de um tom de voz bem masculino para tentar impor uma leitura – a qual, de tanto ouvir as mulheres, tornou-se para mim uma evidência, a saber, que a prostituição é uma violência masculina dirigida contra as mulheres, mas, ao mesmo tempo, respeitar o fato de que as mulheres buscam obter consenso entre elas mesmas para distinguir aquilo que é poder masculino e aquilo que é resistência das mulheres e estratégia das mulheres. Evitou-se, sobretudo, essas escolhas controversas para concentrar em todo o caso o que representava a função e os interesses masculinos nessas questões. De certo modo, nossa análise do movimento anti-feminista, o masculinismo, forneceu o terreno onde se podia analisar a organização do poder masculino e sua reprodução. Isso nos permite talvez mesmo resolver certas controvérsias ou contradições, mostrando que os homens agem conscientemente em seus componentes sexistas e deles tiram cotidianamente benefícios.

CST: Há muitos homens nesse movimento?

MD: Infelizmente há poucos; na verdade, é uma micro-rede. Fala-se em uma dezena de homens no Québec, mas é algo pontual, quando há uma causa que a mídia difunde, na qual está claro que o patriarcado procura endurecer uma de suas posições, e então nós vamos procurar ajuda de muitos outros homens. Por exemplo, o lobby masculinista tentou faz pouco derrubar o Conselho do Estatuto da Mulher, que, no Québec, é uma instância de promoção dos direitos das mulheres à igualdade. Nesses momentos, a gente dirige apelos a todos, nos meios comunitários, sindicatos, nos jornais, na Internet; coletam-se assinaturas de homens progressistas, solidários com as mulheres. A primeira vez que fizemos isso foi em 1989, quando um homem tentou impedir sua companheira de fazer um aborto, obtendo um mandado nas Cortes Superiores, a fim de impedi-la de abortar depois de tê-la forçado a abandonar os anti-concepcionais. Enquanto as mulheres se mobilizavam, nós fizemos um apelo aos homens, e várias centenas deles concordaram em subscrever uma carta de solidariedade à senhora Chantal Daigle, a mulher visada no processo, que era sustentado pelo lobby anti-aborto. Mais recentemente, contra a extinção do Conselho do Estatuto da Mulher, foram colhidas 750 assinaturas de homens, a maior parte deles sindicalizados ou participantes do movimento comunitário. Somos solidários com o trabalho de promoção da igualdade das mulheres que é desenvolvido pelo Conselho do Estatuto da Mulher e fazemos oposição ao movimento masculinista que pretende representar os homens.

Esse é também um dos aspectos simbólicos importantes de nossa função, quer dizer, impedir os homens de direita de pretenderem representar a coletividade masculina e insistir no fato de que os homens se afastem das fratrias patriarcais que têm as mulheres sob controle e combatem o movimento delas. Nossa presença não invalida uma análise feminista radical; nós participamos dela: nós pensamos que os homens operam, no fundo, como um grupo de dominantes solidários que se valem de diferentes estratégias para a manutenção de seus privilégios, mas nós insistimos, nós incitamos até, os homens a optar pela dissidência, por um apoio ativo às mulheres, evidentemente trabalhando para reduzir seu próprio sexismo.

CST: Como reagem as feministas à atuação do movimento dos homens pró-feministas do Canadá?

MD: O movimento dos homens pró-feministas está muito pouco desenvolvido, infelizmente. Buscam-se em ocasiões especiais alguns nomes importantes quando há um processo particularmente quente, uma causa célebre, mas se a gente fala sobre os homens que fazem no dia-a-dia esse trabalho de vigilância, de análise estratégica das agendas e de preparação de intervenções, então se fala de uma dezena de homens. Somos um grupo pouco numeroso. Por outro lado, nossos atos de solidariedade com as mulheres são muito positivos. Recebo um número incontável de manifestações de reconhecimento de mulheres, e de apreço que, aliás, vão bem além de meus méritos reais. Evidentemente, permanecem algumas controvérsias importantes. Por exemplo, as mulheres sofrem muita pressão para se afastarem do trabalho não misto. Muitos homens querem lhes impor a própria presença, e algumas mulheres sustentam essa presença em nome do “humanismo”. Ocorre que algumas pessoas tentam se valer de nosso movimento para forçar as mulheres a abrir seus espaços e suas instâncias aos homens. É-lhes dito: “Vejam bem! Já que existem homens pró-feministas, vocês estão erradas, vocês são sectárias quando exigem trabalhar entre mulheres”. Essa, de maneira alguma, é minha posição. Nós observamos muito entrismo da parte dos homens anti-feministas: esses homens se inscrevem em movimentos mistos e tiram proveito da demanda de apoios vindos das mulheres para desviar as prioridades dessas organizações – organizações de progenitores (pais e/ou mães) que vivem sós, por exemplo – em proveito das prioridades masculinas. Nesse sentido, nós temos sempre defendido o direito das mulheres de trabalharem em grupos não mistos, se for escolha delas. Em nossas interações com as mulheres, ficam evidentes essas tensões porque existem mulheres que preferem trabalhar em grupos não mistos, enquanto que nós não podemos trabalhar no cotidiano, a não ser com os outros. Haverá sempre tensões porque, entre outros motivos, mesmo os bem intencionados têm ainda hábitos masculinos de controle, de violência verbal, de desatenção, de falta de cumprimento a compromissos assumidos. Uma de nossas prioridades é de ser aqueles que resistem aos masculinistas, que impõem, às vezes, formas de enfrentamento grosseiramente violentas, provocativas sem motivo, uma tática de intimidação. Ao mesmo tempo, não é dito que as mulheres não possam também optar pela provocação. Então, é sempre para nós trabalhoso retomar o questionamento e distinguir se nós cometemos erros enquanto homens ou se nosso comportamento foi suficientemente responsável e levado em conta por nossas aliadas. A solução é aceitar sermos accountable, de sermos devedores, prestar contas às mulheres. Num encontro de homens organizado pela Universidade de Montreal por masculinistas europeus e quebequenses, trabalhou-se aproximadamente 30 dias em coalizão mista e ainda hoje estamos tentando analisar os momentos mais difíceis nos quais alguém, como eu, que sou mais velho e tenho a experiência com a palavra, pode desviar a fala das mulheres presentes, respondendo rapidamente a oponentes quando eu teria por obrigação dar prioridade da palavra às feministas presentes. A gente não se falou suficientemente, o que criou um mal-estar. É, pois, um exemplo do fato de que um homem feminista continua sendo considerado portador de um poder masculino tradicional. Ele tem ainda mais poder, uma vez que se mostra mais progressista que os outros homens, e é uma questão muito delicada chegar a tentar encontrar coletivamente modos de agir para que a força da análise, o agenciamento político das mulheres permaneça no primeiro plano, mais que simplesmente restabelecer os hábitos tradicionais de controle masculino do discurso público. As interações entre mulheres e homens nesses processos são verdadeiramente portadoras de progresso. Para mim, é onde aprendo a maior parte das coisas. Se houvesse mais homens pró-feministas, nós teríamos desenvolvido uma análise mais avançada… Mas não se deve também atribuir ao fato de sermos poucos homens não haver um expressivo desenvolvimento teórico, porque a realidade é muito simplesmente esta: a maioria dos homens permanece solitária, silenciosa, senão cúmplice ante o sexismo e, em todo caso, eles continuam a eleger governos majoritariamente masculinos que tomam decisões que continuam a proteger os privilégios masculinos. Nesse sentido, para mim nossa experiência – já faz ao menos 30 anos que eu trabalho nessa área, e 25 dentro de um grupo organizado – valida plenamente a análise feminista radical de uma solidariedade da fratria masculina como composta de dominantes que protegem benefícios por razões interesseiras. Minha experiência contradiz a análise liberal que sugere que os homens seriam, sobretudo, vítimas inconscientes do sexismo, e que é necessário nos congratularmos por eles se organizarem para promover seus interesses.

CST: No filme In Nomine Patris: o que querem os movimentos de pais, há testemunhos de homens que participam do movimento masculinista em diferentes países. Poderia nos dizer alguma coisa sobre esse movimento na América do Norte e em países europeus?

MD: Seria muito ampla a resposta a essa questão, mas digamos que sempre existiu uma fratria masculina de solidariedade em torno de certos privilégios de apropriação das mulheres, de seu trabalho, de seus filhos, e esse movimento utilizou diferentes táticas, em diferentes momentos, sobretudo no momento em que o movimento das mulheres crescia ou tentava crescer. Então, havia da parte dos homens discursos naturalistas ou, pelo contrário, referências a uma pretensa discriminação sofrida pelos homens devido ao progresso das mulheres, para mobilizar os homens e intimidar o poder público para que não se dessem ouvidos à reivindicação de igualdade por parte das mulheres. Hoje esse movimento está particularmente ativo no campo do direito da família, porque obtém facilmente apoios entre os homens que tentam entravar uma iniciativa de sua cônjuge, recusam-se a pagar uma pensão alimentícia, tentam controlar a vida da família que continua, ou tentam escapar a toda e qualquer sanção à violência conjugal ou incestuosa que exerçam contra a família. Esse movimento encontra apoio também junto ao patronato, para lutar contra medidas de eqüidade salarial, e junto à Igreja Católica, para se contrapor à legalização do aborto.

No fim das contas, se examinarmos cada reivindicação das mulheres, cada um dos problemas de sexismo que elas levam à praça pública, podemos balizar uma oposição sistemática destes grupúsculos de homens. São anti-feministas e, apesar de sua violência e seus atos ilegais, eles encontram uma platéia naturalmente complacente junto a governantes e a mídias que resistem ao avanço das mulheres. Vê-se o poder utilizar esses homens de certa forma como símbolos, mercenários incumbidos de desacreditar, mais uma vez, as mulheres, seja o movimento das mulheres, sejam mulheres individualmente. Trata-se de restaurar formas bem tradicionais de poder masculino e de misoginia, mas o masculinismo quer também criar novas formas de poder masculino, novos privilégios masculinos, como, por exemplo, o de generalizar e liberalizar o acesso das mulheres ao mercado da prostituição e da pornografia, do mesmo modo que cessar os interditos sobre o incesto e outras formas de violência masculina que se agravam na atualidade.

CST: Você tem sido uma das muitas pessoas que analisam, de forma bastante crítica, a questão da guarda compartilhada ou da guarda conjunta de filhos/as, decorrente dos processos de recomposição familiar que se tornaram correntes com a formalização do divórcio. Poderia nos falar sobre esses processos, tendo por foco o contexto do Canadá?

MD: O divórcio não estava autorizado até 1968 no Canadá. Na verdade, as instituições religiosas controlavam muito estreitamente os direitos das mulheres e, apesar de os homens poderem abandonar suas mulheres, estas não tinham o direito de mandar anular seu casamento e de conseguir o sustento de seus filhos, o que criou situações sociais extremamente penosas. Com a chegada de um regime público de assistência social e com a relativa baixa da influência da religião cristã, o divórcio foi instituído em 1968 e permitiu, evidentemente, o reconhecimento da guarda dos filhos àquele ou àquela que a desejasse ou que fosse reconhecidamente capaz de exercê-la, mas às vezes sem a autoridade parental correspondente. A interação das competências provinciais e federais é bastante complexa no Québec; por exemplo, no caso de separação, a autoridade paterna permaneceu até 1982. Isso significa que, mesmo se uma quebequense tivesse a guarda exclusiva de seus filhos e lhes assegurasse a educação, ela deveria, mesmo assim, colher a assinatura do ex-cônjuge para toda decisão importante relativa às crianças, fato que criava situações intoleráveis. Em 1982, uma autoridade parental conjunta foi instituída oficialmente no Québec, deixando, mesmo assim, o problema da busca de um acordo com um parceiro intolerante, ou vingativo, autorizado a fazer obstruções. Quando as pessoas se divorciavam, o que decorre de lei federal, era mais simples porque nesse momento decidia-se quanto à guarda física da criança, à responsabilidade das principais decisões concernentes a ela. Mas isso está mudando. A reivindicação masculinista atual de uma guarda compartilha-da estatutária, da supressão mesma de todo reconhecimento de guarda, isto é, a responsabilidade das principais decisões aí implicadas, isto é, o trabalho correspondente à guarda física da criança, marcaria um grave retrocesso. Recairíamos na situação tradicional em que o homem pode ser violento, ou completamente ineficiente e mesmo perigoso como pai, e conservar, se o desejar, para além de toda separação ou divórcio, a possibilidade de agir sobre qualquer decisão de sua ex-parceira, fato que dissuadiria muitas mulheres violentadas a se divorciar. Além disso, pode-se entender muito claramente no discurso masculinista sua oposição absoluta, visceral ao direito das mulheres ao divórcio. Evidentemente, os homens vão sempre poder conservar o direito de fugir ou de ignorar suas responsabilidades, mas as mulheres perderiam esse direito de fugir do par disfuncional se quiserem proteger seus filhos, porque os pais conservariam a mão pronta a agir em toda decisão de sua parte em relação às crianças. Sua questão, portanto, sobre o direito ao divórcio é muito apropriada, porque é isso que está hoje ameaçado pelo putsch masculinista que tenta instaurar, com bases naturalistas, o poder absoluto do pai sobre a mãe biológica de seus filhos, sem atentar para seus méritos ou defeitos.

CST: Nesse sentido, a guarda compartilhada de hoje poderia ser considerada uma nova estratégia masculinista?

MD: Ancorado nos supostos “direitos dos homens”, o masculinismo investiu muito nas fórmulas da guarda das crianças e da autoridade parental conjunta. É importante estabelecer a diferença entre uma residência alternada e uma verdadeira parceria simétrica dos deveres parentais, o que é raro, e uma simples autoridade parental conjunta, o que, afinal, significa um direito de veto masculino, a manutenção da autoridade paterna sobre a família independentemente de quem assegura a maior parte ou a totalidade dos cuidados com as crianças. O que os masculinistas tentam impor em todos os lugares é um regime estatutário de guarda conjunta. Para um bom número de mulheres, é preciso entender que isso equivale, na prática, a suprimir o direito ao divórcio, quer dizer, o direito de romper com um parceiro violento ou toxicômano ou completamente desinvestido de seu papel parental e que, por uma ou outra razão, não permite à família atingir e manter um nível mínimo de bem-estar. Parece-me muito importante assegurar o direito ao divórcio que as mulheres conquistaram após longas lutas contra as instituições religiosas. O movimento masculinista tenta, na verdade, colocar o poder dos homens a abrigo da separação ou do divórcio, porque o modelo de autoridade parental conjunta é de não exigir das duas partes uma participação igual nos cuidados das crianças e suas necessidades. Para a lei, trata-se simplesmente da autoridade do não-guardador. O que está em jogo é também a divisão ou não dos recursos financeiros materiais (bens domésticos e pensões alimentares para as crianças ou a ex-parceira). No plano da imagem, da ideologia, vêem-se esses homens apropriarem-se, com a cumplicidade das mídias liberais, daquilo que fora, de início, uma reivindicação das mulheres: a partilha igualitária da atenção às crianças para impor às mulheres, via Estado e tribunais, um retorno da autoridade masculina e, por vezes, uma abolição da partilha dos recursos financeiros dos homens, porque, justamente, a ideologia nos leva a acreditar que o homem, tendo a guarda conjunta, vai dividir os cuidados com as crianças. Assim, o mito da igualdade é usado para restaurar a iniqüidade tradicional segundo a qual o homem controla o dinheiro, controla os bens e tem igualmente acesso a certos níveis de vantagens atribuídas aos pais, e isso independentemente do trabalho que ele vai fazer ou não com as crianças. Penso, pois, que, quando se considera uma solicitação de guarda conjunta, antes de mais nada é necessário ter isto muito claro: será que cada um dos pais deseja mesmo essa fórmula? Porque, se um dos dois pais não a deseja realmente ou a deseja apenas para evitar o pagamento da pensão, é injusto para o guardador e isso não funcionará.

Veja-se, pois, que há duas excelentes razões para resistir à tentativa de fazer da guarda compartilhada uma norma a ser sistematicamente aplicada pelo Estado ou por tribunais ou por mediadores. Mas, infelizmente, é isso que está sendo produzido no Canadá e na Europa sob pressão do movimento masculinista, embora determinados estados americanos como a Califórnia e Nova Iorque reconheçam hoje as imperfeições dessa tendência da qual foram os pioneiros.

Na verdade, há ainda outras questões importantes a levantar. Por exemplo: serão os dois ex-cônjuges igualmente capazes e respeitosos para com a criança para receberem a atribuição como pessoas que terão direitos sobre as decisões fundamentais de proteção dos interesses dessa criança? Se a gente acaba cometendo o erro, como acontece cada vez mais no Canadá, de confiar as crianças a homens violentos, toxicômanos, depressivos ou homens que não aceitam o divórcio e que se servem das crianças para se vingar da parceira, promete-se às crianças um futuro muito triste. A situação pode mesmo chegar ao assassinato, porque isto está acontecendo: homens incompetentes ou perigosos obtêm a guarda compartilhada ou ‘direitos’ de visita e matam as crianças. Isso acontece no Québec duas a três vezes por ano, desde que esse tipo de fórmula começou a ser aplicada quase sistematicamente. Bem, homens matavam seus filhos antes, e não quero valer-me de um argumento muito pesado do que pode parecer relativamente episódico, mas o princípio de uma avaliação caso a caso, em vista do interesse da criança e da competência de cada um dos pais postulantes, é uma vitória da eqüidade. As mulheres conseguiram tirar o poder e a violência intra-familiar da esfera privada para levá-la à praça pública e impor à sociedade a responsabilidade de decidir coletivamente e de proteger as pessoas vulneráveis dessas pressões. É uma regressão muito rápida desse princípio o que se vê atualmente porque, ao se instaurar a guarda partilhada sistemática, no fundo, reenviam-se ao privado e remetem-se a negociações que, em geral, têm lugar entre dominante e dominado, sem intervenção de uma instância objetiva, decisões que podem ter conseqüências pesadas em termos de segurança das pessoas e de eqüidade.

CST: Desde quando a guarda compartilhada é aceita pela justiça do Canadá?

MD: Ao contrário da França, onde a residência alternada era interditada e vista como nociva para a criança até 15 anos atrás, observou-se sempre no Canadá a aceitação pelos tribunais das distribuições de guarda que representassem um consenso entre os pais. Temos mesmo no Canadá um sistema no qual as pessoas podem acordar divórcio ou separação sem necessidade de recorrer ao tribunal, se não estiverem em litígio. Quanto aos julgamentos de atribuição da guarda compartilhada, estes datam do começo da legislação sobre o divórcio de 1968. Mas tratava-se mais freqüentemente de uma guarda exclusiva, resultado de um acordo, porque quando os pais recorrem ao tribunal é comum estarem em litígio, e os tribunais reconheciam, até duas décadas atrás, que, havendo grande animosidade entre os pais, eles raramente poderiam dividir harmoniosamente a guarda das crianças. Quando a guarda compartilhada começou a ser objeto de promoção muito ativa, por diferentes razões, em geral financeira para o homem, mas também porque o poder paternal tornava-se uma estratégia política para ambos, alguns quiseram manter o controle sobre a ex-parceira; é, pois, a partir dos anos 80, penso eu, que tais acertos começaram a ocorrer. Mas foi então que os masculinistas – primeiro nos Estados Unidos, depois em vários outros países – investiram na estratégia de fazer valer, em nome da humanização do processo, uma manobra diversionista aos precedentes e às garantias do direito da família, a conciliação ou a mediação. Trata-se de um projeto de privatizar o direito de família, desejado pelos homens que têm muito a perder em julgamentos apoiados na eqüidade e no interesse da criança, decisões que os obrigam ao pagamento da pensão alimentar e à divisão dos bens.

Eles visam a uma ‘desjudiciarização’ para poupar gastos com advogados, para ter o Estado a seu lado e para forçar as mulheres a entendimentos consensuais, nos quais evidentemente o devedor tem todo o interesse de se mostrar inflexível. Isso é o mesmo que dar a ele uma faca afiada. Quando a mediação começou a ser instituída e cada vez mais regulada pelo Estado em relação aos pais em instância de separação, surgiram mediadores a recomendar sistematicamente a guarda compartilhada aos casais que vinham se aconselhar com eles – mesmo casais em conflito aberto -, e em certos casos, quando autorizada, era recomendada ao tribunal. E chegou-se mesmo a ver tribunais impondo a guarda compartilhada a pais que não a queriam, habitualmente à mãe que não a queria contra o pai que a queria. Era o que se configurava mais freqüentemente, mas foram até o ponto de impô-la quando não a queria nem um nem outro. Cada um dos ex-cônjuges postulava uma guarda exclusiva e o magistrado se permitia despachá-los sem decidir, dizendo: “Procurem entendimento; cada um de vocês tem o direito de impedir o outro de ser pai”. E isto se transformou no discurso dominante: a noção de que um pai, tendo uma guarda compartilhada, tinha o privilégio incluído, mesmo se a iniciativa fosse de um parceiro que o abandonava! Era apesar disso uma inversão da realidade quando se conhece a dimensão de trabalho que envolve a educação das crianças. Poder-se-ia mesmo analisar por que essa inversão de costumes é tão sedutora e convincente. Penso que existe aí implicado um fantasma do pai que nos impede de ter a honestidade de ver a pessoa não implicada e sua estratégia como um elemento de peso nessas situações. Em suma, tem-se começado a impor guardas compartilhadas sem o acordo dos dois genitores, o que tem permitido ao movimento masculinista ir mais longe e postular que a guarda compartilhada se torne o modo estatutário, salvo em casos de verdadeira força maior em que é evidente que um dos progenitores está ausente, ou é de tal modo violento que não se possa esperar que queira mudar. Mas, mesmo em situações de violência familiar, sobraria o encargo, àquele que já exerceu a guarda e que vai continuar a exercê-la, de provar que o outro não merece ser considerado como um co-parente de controlar todas as decisões do genitor que realmente exerça a guarda. É infelizmente o sistema que se corre o risco de ver imposto em definitivo no Canadá. Vai ser muito difícil resistir a essa fórmula, porque ela já foi instaurada na França, na Bélgica, na Nova Zelândia, e em certos estados dos Estados Unidos da América, e isso apesar das pesquisas que têm demonstrado o caráter disfuncional dessas soluções impostas contra o desejo dos pais. Infelizmente, é muito cômodo para o Estado e para os tribunais lavar as mãos sobre decisões que eles devem enfrentar; são pais orgulhosos de sua indignação masculina. É um modo indireto de restaurar o patriarcado e de varrer para debaixo do tapete os direitos das mulheres e das crianças que estão envolvidas.

CST: Um dos depoimentos destacados pelos diretores do filme In Nomine Patris é o do deputado europeu Alain Lipietz, no qual ele chama atenção sobre o fato de os movimentos de pais reivindicarem seus DIREITOS sobre os filhos (e não seus DEVERES enquanto progenitores), argumentando que, no limite, trata-se de um regresso à velha condição patriarcal, centrada na noção de que os filhos ao homem pertencem. O que você acha desse argumento?

MD: As reivindicações desse tipo de movimento fazem da criança uma espécie de propriedade do pai, o que nos leva de novo à velha noção fantasmática de que embrião é uma simples extensão do pai colocada no ventre da mulher que se torna sua propriedade. Sim, essa na verdade é uma regressão quanto ao reconhecimento dos direitos das mulheres de controlarem seu próprio corpo, e poder-se-ia falar também do direito das crianças de não serem apropriadas como um bem que pertença a seu genitor. Em lugar da partilha desejada, que seria, em tese, justa, há muitos elementos de regressão essencialista e biologizante no discurso masculinista, elementos que são facilmente banalizados na psicologia popular e numa certa romantização do papel dos pais como figuras de autoridade, muito mais que de partilha eqüitativa.

Nossa sociedade heterossexista parece estar aberta a reivindicações de qualquer homem desde que ele acione o discurso do direito das crianças. Talvez porque isso corresponda a uma heterossexualidade ameaçada pelas novas liberdades das mulheres e pelo reconhecimento dos direitos das minorias sexuais. Essa nova romantização do papel do pai reflete talvez também nossa inquietude diante de um egoísmo e de um individualismo crescente dos homens, que violentam ou abandonam freqüentemente mulheres e filhos em nome de seus interesses privados. Isso torna mais sedutora a promessa masculinista de uma humanização dos homens e de uma partilha igualitária das tarefas parentais. Eles exploram habilmente a demanda do feminismo liberal, que buscava na implicação individual dos homens a solução do problema da opressão sistêmica das mulheres a quem a sociedade delega o trabalho não assalariado de ocupação com as crianças e, enfim, da gestão da vida cotidiana. É oportuno lembrar que as feministas mais radicais não tinham feito esse cerco individual aos homens. Elas queriam mais uma revolução social, como a criação de creches, de guardas, de uma contrapartida mínima assegurada e de um salário verdadeiro para o trabalho de cuidado do outro. E nesse sentido a recuperação masculinista soa talvez como um apelo à vigilância ante o cerco romântico e heterossexista que sugere que somente a aliança com um homem e a benevolência de um homem em relação à mulher possa trazer soluções aos problemas sistêmicos que vivem os pais autônomos, os pais isolados com os filhos e mesmo os casais com seus filhos. Penso que existe uma responsabilidade do Estado em reconhecer a reprodução e a educação das crianças como funções sociais essenciais que devem ser protegidas e financiadas tanto quanto os investimentos logísticos nas estradas, nas pontes, o sistema de educação, etc. É necessário resistir a uma reprivatização nesse sentido: pode-se ver que os objetivos masculinistas refletem os objetivos neoliberais, onde se tenta convencer as pessoas de que a privatização e a boa vontade dos dominantes é a resposta aos problemas de iniqüidade e de opressão sistêmica que se observa no mundo. Nesse sentido, o masculinismo é verdadeiramente um movimento de direita.

Ottawa, julho de 2005.

https://mail.google.com/mail/u/1/#search/masculinismo/QgrcJHsNqMDRTnLJkZtlgfxhDGDGMsdwTqQ

VACINAS COVID 19 – ID 2021 – A NOVA ORDEM MUNDIAL QUER AS CRIANÇAS

😱 O QUE ERA UMA SUSPEITA, AGORA É CERTEZA EM RELAÇÃO A VACINA 😱

Mercúrio, vacinas e o pior pesadelo do CDC

Lenda ambiental e humanitária RFK, Jr., grande mídia e o CDC muito corrupto
Entrevista por Rita Shreffler, Diretora de Advocacy & Outreach do CHD

Por mais de três décadas, Robert F. Kennedy Jr. foi um dos principais defensores do meio ambiente do mundo. Ele é o fundador e presidente da Waterkeeper Alliance , o grupo guarda-chuva de 300 organizações locais de waterkeeper, em 34 países, que localizam e processam poluidores. Sob sua liderança, Waterkeeper cresceu e se tornou a maior organização de defesa da água potável do mundo.

Por volta de 2005, os pais de crianças feridas pela vacina começaram a encontrar os discursos e escritos de Kennedy sobre o conservante tómero com base em mercúrio tóxico. Eles abraçaram uma nova esperança de que esse defensor ambiental finalmente expusesse a verdade sobre ferimentos por vacina e ganhasse justiça para crianças feridas. Kennedy é conhecido por sua feroz e implacável marca de ativismo ambiental e por defender um governo transparente e uma ciência rigorosa. Ele agora está aplicando suas energias tenazes e estratégias sofisticadas para expor a fraude e a corrupção no CDC e na indústria farmacêutica. No mês passado, ele lançou sua nova organização sem fins lucrativos, a Children’s Health Defense, com os advogados de segurança de vacinas Lyn Redwood e Laura Bono, lendas entre os pais de crianças feridas pela vacina. Arquivo de autismo A editora executiva Rita Shreffler conversou com Kennedy sobre corrupção no CDC, ganância na indústria farmacêutica, negligência na mídia e sua visão para a Defesa da Saúde da Criança.

Rita Shreffler: Como você se envolveu na controvérsia sobre autismo / vacina?

Robert F. Kennedy: Eu fui arrastado chutando e gritando nessa briga. No início dos anos 2000, eu estava lutando com vários processos em nome da Riverkeeper e da Waterkeeper contra usinas a carvão. Eu estava em turnê pelo país falando sobre, entre outras coisas, os perigos das emissões de mercúrio, que, naquela época, haviam contaminado praticamente todos os peixes de água doce da América. Após muitas dessas aparências, as mães se aproximavam de mim. Seu tom era sempre respeitoso, mas levemente repreendendo. Eles disseram que, se eu levava a sério a eliminação dos perigos do mercúrio, precisava examinar o timerosal. Segundo eles, as vacinas eram o maior vetor de exposição ao mercúrio em crianças. Eu realmente não queria me envolver porque as vacinas estavam bem distantes da minha casa do leme. Eu sempre fui pró-vacina. Vacinei todos os meus filhos e recebi minha vacina anual contra a gripe todos os anos. Mas fiquei impressionado com essas mulheres. Muitos deles eram profissionais: médicos, advogados, cientistas, enfermeiros e farmacêuticos. Eles eram esmagadoramente sólidos, instruídos, extraordinariamente bem informados, racionais e persuasivos.

RS: Houve uma dessas mães em particular que finalmente levou você a morder a isca?

RFK: Sim, a esposa do meu irmão Max, Vicky Strauss Kennedy, me apresentou a uma psicóloga chamada Sarah Bridges. Seu filho Porter foi ferido pela vacina e posteriormente diagnosticado com autismo. Após uma batalha legal de oito anos, ela finalmente recebeu uma indenização do tribunal de vacinas, que reconheceu que Porter teve autismo, convulsões e danos cerebrais com as vacinas contra timerosal e coqueluche. Ela me convenceu a começar a investigar a ciência.

RS: Esse foi um pedido assustador!

RKF: Eu sempre amei ciência e estou confortável em lê-la. Até então, eu havia lidado com muitas centenas de casos ambientais. Quase todos eles envolveram controvérsias científicas. Quando comecei a ler sobre o timerosal, fiquei impressionado com o abismo entre a realidade científica e o consenso da mídia. Todos os âncoras da rede e os médicos da televisão estavam assegurando ao público que não havia um único estudo que sugerisse que o timerosal não era seguro ou que poderia causar autismo. Após um breve período no PubMed, identifiquei muitas dezenas de estudos sugerindo que o timerosal causa autismo e uma rica biblioteca de literatura revisada por pares – mais de 400 estudos publicados – atestando sua toxicidade mortal e sua conexão causal a um longo inventário de informações neurológicas. lesões e danos a órgãos.

RS: O que sabemos sobre os testes de segurança do timerosal?

RFK: Antes de tudo, as vacinas não estão sujeitas aos rigores de segurança sofridos por outros produtos farmacêuticos no processo de aprovação da FDA. Não há estudos em larga escala, duplo-cegos, controlados por placebo. E, no único estudo de 1930 com timerosal que antecedeu seu uso em vacinas, todos os indivíduos injetados com timerosal morreram. Em 2004, um funcionário da FDA reconheceu em depoimentodiante de um comitê do Congresso, que nenhum estudo governamental ou privado jamais demonstrou a segurança do timerosal. Por outro lado, há muita ciência sugerindo que o timerosal NÃO é seguro. Várias centenas de estudos disponíveis no PubMed vinculam a exposição ao timerosal às doenças do neurodesenvolvimento e do sistema imunológico que agora são epidêmicas na geração de crianças americanas nascidas após o CDC aumentaram dramaticamente a exposição ao timerosal na infância a partir de 1988. Meu livro, Thimerosal – Let the Science Speak, resume esses estudos. A literatura científica incorpora aumento da exposição ao timerosalcomo culpado da explosão de DDA, TDAH, atraso na fala, narcolepsia, SMSI, TEA, distúrbio convulsivo, tiques e anafilaxia, incluindo asma e alergias alimentares. Segundo o CDC, uma em cada seis crianças americanas – a chamada “geração timerosal” – agora sofre de uma deficiência no desenvolvimento. Publicamos um compêndio de 80 estudos publicados, revisados ​​por pares, que sugerem fortemente uma ligação entre a exposição ao timerosal e o autismo.

RS: O CDC começou a aumentar o esquema de vacinas no final dos anos 80 e todas essas doenças, incluindo o autismo, começaram a aumentar entre as crianças em meados dos anos 90. Foi quando os pais começaram a ver crianças perfeitamente saudáveis ​​regredirem ao autismo após receberem suas vacinas.

RFK: Sim. Um coro crescente de reclamações de pais e pediatras vinculou o novo esquema vacinal pesado de timerosal a uma explosão no autismo. Em resposta, o CDC, em 1999, contratou um pesquisador belga, Thomas Verstraeten, para estudar o Vaccine Safety Datalink, o maior repositório americano de registros de saúde e de vacinas infantis, coletado por HMOs. Os dados da HMO mostraram claramente que as doses maciças de mercúrio no novo esquema ampliado de vacinas estavam causando epidemias descontroladas de distúrbios neurológicos – ADD, ADHD, atraso na fala, distúrbios do sono, tiques e autismo entre as crianças americanas. A análise original de Verstraeten desses conjuntos de dados descobriu que as exposições ao timerosal aumentavam o risco de autismo em 760%. O CDC agora conhecia a causa da epidemia de autismo.

RS: Como o CDC reagiu às revelações do estudo Verstraeten?

RFK: O ramo de vacinas convocou uma reunião de emergência de reguladores da OMS, FDA, partes interessadas do setor de vacinas e da Academia Americana de Pediatria no Centro de Conferências e Retiros Simpsonwood em Norcross, Geórgia. Eles teriam realizado a reunião fora do campus do CDC para proteger as deliberações contra pedidos de liberdade de informação. Durante um debate frenético de dois dias, esse grupo decidiu embargar o estudo de Verstraeten. O CDC então afastou a Verstraeten e reuniu uma equipe de cientistas da indústria e do CDC para refazer o estudo usando dispositivos estatísticos esquivos para fazer desaparecer o sinal de autismo. Após quatro iterações cada vez mais enganosas, essa equipe conseguiu eliminar o sinal que liga o timerosal ao autismo e meia dúzia de outros distúrbios do desenvolvimento neurológico. O CDC publicou essa versão e disse ao público que o timerosal era seguro.

RS: Certo, foi quando o CDC começou a criar seus notórios estudos epidemiológicos falsos?

RFK: Exatamente. Nos dois anos seguintes, o CDC trabalhou com a indústria farmacêutica para iniciar sete estudos epidemiológicosque pretendem exalar o timerosal de causar a epidemia de autismo. Nenhum desses estudos finge ser estudos de segurança. Cada um deles simplesmente procurou a presença de um pequeno número de doenças designadas em populações específicas expostas ao timerosal. Todos eles são fatalmente falhos devido a metodologias inadequadas ou fraude deliberada. No entanto, esses são os estudos que o CDC lista em seu site – e que seus porta-vozes citam regularmente – para defender o mercúrio nas vacinas. Vale ressaltar que o CDC em si tem tão pouca fé nesses estudos que descarrilou uma revisão programada de 2012 de sua ciência subjacente pelo Instituto de Medicina (OIM) e matou uma revisão de 2006 da segurança do timerosal pelo Programa Nacional de Toxicologia. Sob pressão do CDC, o Institute of Medicine fez a surpreendente declaração, em 2004, de que, Com base nesses sete estudos falhos, a ciência foi estabelecida e nenhum novo estudo sobre a relação causal entre timerosal e autismo deve ser realizado ou financiado. Essa declaração efetivamente interrompeu o apoio a qualquer cientista que queira investigar o link.

RS: O CDC apresenta esses sete estudos epidemiológicos em todo o mundo como evidência da segurança do timerosal.

RFK:Sim, e os funcionários do CDC e da OIM deixaram para trás uma trilha de e-mails muito preocupante que deixa claro que esses estudos foram deliberadamente fabricados para exonerar o timerosal. Quando os encontrei, estava acostumada a dissecar trabalhos de pesquisa e detectar ciência inútil. Na minha linha, chamamos isso de “ciência do tabaco” e as armas contratadas que a geram “bioestitutas”. O principal gerenciador de dados do CDC em seus estudos dinamarqueses amplamente divulgados era um notório vigarista e bio-estatuto profissional chamado Poul Thorsen, que na verdade embolsou o milhão de dólares que o CDC lhe pagou para fazer a pesquisa. Atualmente, ele está sob acusação de 22 acusações de fraude eletrônica e lavagem de dinheiro pelo Departamento de Justiça dos EUA e é a estrela da Lista de Mais Procurados do OIG. Thorsen está fugindo do FBI na Europa. Mesmo assim,

RS: Além de ler a ciência, você fez algum tipo de pesquisa?

RFK : Eu também conversei com os principais pesquisadores, como o [Boyz Haley, Departamento de Química da Universidade de Kentucky, Presidente, Toxicologista], e liguei para pesquisadores e especialistas das agências federais para obter ajuda para entender o que estava lendo. Falei com a Dra. Kathleen Stratton da OIM e com o porta-voz da indústria farmacêutica, Dr. Paul Offit.

RS: Bem, há um par de vilões! Como foram as conversas?

RFK: amigavelmente. Eu não tinha antipatia por nenhum deles naquele momento. Eu não tinha idéia do papel central que ambos desempenharam para enganar o público sobre a segurança do timerosal. Ambos falaram comigo de bom grado. Offit expressou admiração por meu pai, que é uma maneira eficaz de me irritar. Perguntei-lhes a pergunta óbvia: “Por que aconselhamos as mulheres grávidas a evitar peixes por causa do mercúrio neurotóxico e ainda injetar doses muito maiores de mercúrio nas mulheres grávidas e nos recém-nascidos?” Os dois repetiram para mim o papel comum da indústria, que o “etil-mercúrio nas vacinas não é tão perigoso quanto o metil-mercúrio nos peixes”, que todo mundo admite ser altamente neurotóxico. Offit me explicou que o etil mercúrio não era tóxico porque deixa o corpo humano tão rapidamente.

RS: Qual foi sua reação?

RFK: Até então, eu li os estudos com macacos de Burbacher que confirmaram a afirmação de Offit de que o mercúrio etílico das vacinas deixava rapidamente o sangue. Mas Burbacher havia mostrado que o etil mercúrio não estava sendo excretado do corpo, como Offit sugeriu durante nossa conversa por telefone. Em vez disso, entrava diretamente no cérebro, onde rapidamente se metabolizava em mercúrio inorgânico altamente tóxico e depois se alojava ali, criando inflamação e danos cerebrais. Burbacher havia mostrado que o mercúrio inorgânico permanece no cérebro por anos. Em vez de evidenciar sua segurança, como representava Offit, a propensão do etil mercúrio por desaparecer rapidamente do sangue era um testemunho de seu extremo perigo; estava desaparecendo devido à facilidade com que atravessava a barreira hematoencefálica! O etil mercúrio usado nas vacinas era muito mais persistente e muito mais tóxico do que o metil mercúrio encontrado nos peixes. O estudo Guzzi, em 2012, mostrou que o etil mercúrio era 50 vezes mais tóxico para as células. Quando mencionei o estudo de Burbacher para Stratton e Offit, os dois ficaram em silêncio. Era óbvio que eles estavam cientes do estudo. Ambos sabiam que a ciência havia refutado o que eles estavam me dizendo. Eles estavam acostumados a conversar com jornalistas que parecem ter alergia a ler ciências e se contentam em papagaio suas garantias.

RS: O que Offit disse quando você o confrontou?

RFK: Bem, ele claramente sabia que estava mentindo e agora sabia que eu sabia que estava mentindo. Houve uma longa pausa embaraçosa. Então ele teve esse tipo de porco Porky “Epity, epity, epity, what?” momento após o qual, ele iniciou o que é agora, para mim, uma rotina familiar de sapatos macios de Paul Offit. Ele disse: “Bem, você está certo, Robert, não há estudo definitivo. É realmente um mosaico inteiro de estudos … ”. E então, ele teve que ir.

RS: Qual foi a reação de Stratton?
RFK: Stratton foi muito mais sincero. Ela acabou de sair e disse: “Bem, obviamente é tóxico. Quando você dá para ratos, coisas ruins acontecem e, quando você dá para ratos, eles fazem coisas estranhas. Não pode ser bom para humanos. É por isso que estamos retirando todas as vacinas! ” Tomei a precaução de gravar essas duas conversas, a propósito.

RS: Então, qual foi sua resposta?

RFK: Em um único dia, conversei com os dois principais defensores do uso do timerosal em vacinas e peguei os dois mentindo. Alguns dias depois, ouvi Offit repetir sua mentira “bom mercúrio / mau mercúrio” durante uma entrevista na NPR. Pensei comigo mesmo: “Este homem é um charlatão completo, um vendedor de óleo de cobra e todos estão em chamas”. Isso me deixou com raiva. Depois disso, soube que ele também era venal.

RS: O que você quer dizer com “venal”?

RFK: Bem, minha suposição original era que ele estava servindo ao programa de vacinas. Mais tarde soube que as vacinas eram um empreendimento ricamente lucrativo para o dr. Offit.

RS: Como assim?

RFK: Ele está retendo permanentemente a Merck para “corrigir os erros da vacina”. E a Merck e o CDC recompensaram seu serviço com oportunidades extraordinariamente lucrativas. Em 1999, o CDC permitiu que ele participasse do comitê que votou a vacina contra rotavírus dentro do cronograma, mesmo que ele estivesse trabalhando em sua própria patente de rotavírus. Optando por não se recusar, ele votou para adicionar rotavírus à agenda. Essa versão da vacina contra o rotavírus causou tantas mortes agonizantes na infância por intussuscepção que o CDC teve que retirá-la um ano depois, abrindo espaço para a versão de Offit, uma série de eventos que o tornaram um magnata da vacina. Sua patente da vacina contra rotavírus foi vendida por US $ 182 milhões; seu corte foi de pelo menos US $ 29 milhões. Quando soube dessa alcaparra e de outros esquemas de dinheiro, pensei: “Bem, ele é um trapaceiro”.

RS: Ele também é um misógino e um valentão.

RFK: É perturbador porque a mídia o adora como uma divindade. E, como todos os valentões, ele é um covarde. Ele descarta as mulheres que o questionam como histéricas supersticiosas. Ele lança bombas violentas contra as mães de crianças com lesões cerebrais nas páginas editoriais e nos programas de TV nacionais que lhe dão uma plataforma para o seu veneno. Mas ele se recusa a debater comigo ou com qualquer outra pessoa que sabe do que está falando.

RS: Você acha que, quando Paul Offit diz que os bebês podem receber 10 mil vacinas com segurança ao mesmo tempo, que ele realmente acredita nisso?

RFK:Não me sinto competente para psicanalisar Offit. É difícil olhar para a mente de outra pessoa. E o cérebro de Offit deve ser um código postal realmente sombrio e assustador, onde eu realmente não quero gastar tempo. Em sua defesa, todos nós temos alguma capacidade de auto-ilusão e é possível que Offit seja tão talentoso em se enganar quanto em enganar o público. Upton Sinclair observou que: “É difícil fazer um homem entender alguma coisa, quando o salário dele depende de ele não entender”. Mas acho que é mais provável que ele saiba que o que está dizendo é desonesto. Por anos, ele alegou que o estudo de Bill Thompson em 2004 era “a prova definitiva” da segurança do timerosal. Ele está calado sobre isso desde que Thompson negou seu próprio estudo. Isso sugere uma mentira proposital. Como muitas outras pessoas,

RS: Isso é mesmo um cálculo moral legítimo?

RFK: Você quer matar um filho para salvar cinquenta? Éticos e teólogos poderiam argumentar a respeito. Mas esse não é o verdadeiro dilema moral de Offit. Donnybrook, moral da Offit, é sua defesa absolutista da posição da indústria de que todas as vacinas são sempre seguras para todas as pessoas e que a segurança do timerosal é inatacável. Essa abordagem danificou desnecessariamente subgrupos vulneráveis ​​que poderiam ser facilmente protegidos. É uma teologia infundada que sacrificou milhões de crianças, não pelo bem maior, mas pelo lucro. Como líder da indústria de vacinas para o timerosal, a Offit tem sido extraordinariamente bem-sucedida em criar uma alternativa persuasiva à realidade baseada em fatos e em vendê-la como um ladrão de carnaval. Ele se tornou o sumo sacerdote do dogma estranho de que é seguro injetar mercúrio nos bebês.

RS: Você descreveu a epidemia de autismo como um holocausto. Essa caracterização fez muitos pais sentirem que alguém finalmente entendeu sua experiência.

RFK: Sim. Mais tarde, pedi desculpas porque a imprensa transformou meu uso dessa palavra em uma distração. Meu pedido de desculpas foi sincero. Há um argumento legítimo de que o termo é proprietário das vítimas de Hitler. A campanha de Hitler para exterminar propositalmente uma corrida inteira com eficiência industrial. Apropriei o termo para descrever a epidemia de autismo depois de procurar em vão outras analogias com o poder de capturar a magnitude e monstruosidade dessa tragédia global. Basta passar algum tempo com uma criança com autismo grave. A vida para essas crianças é uma progressão agonizante e interminável de crepúsculo e terror. As dores atormentadoras do intestino, sensibilidades sensoriais excruciantes, a cabeça em série batendo e gritando, o isolamento e a eterna falta de alegria. Toda a família está permanentemente arrasada. Agora multiplique isso por dez milhões. Achei que deveríamos às crianças feridas e suas famílias serem corajosas ao descrever sua tragédia em linguagem que expressava o horror de seu sofrimento e a vontade de seus arquitetos. Offit é o principal engenheiro e figura central de um sistema que feriu milhões de crianças. O rabino William Handler caracteriza regularmente a epidemia como um holocausto, o que, suponho, ele tem o direito de fazer, uma vez que é um sobrevivente do holocausto.

RS: Então você acha que esse é o dinheiro da Offit?

RFK: Eu não sei. Vi esses personagens ao longo da minha carreira – esses setores contrataram armas. Murray Walker, do Tobacco Institute, que foi a inspiração para o canalha Nick Naylor, em Thank You for Smoking, Donna Farmer da Monsanto, Fred Singer para a indústria do carbono, Brooke Alexander para o American Petroleum Institute, Myron Ebell, da Competitive Enterprise Instituto. O Offit provavelmente ganhou mais dinheiro com a Pharma do que todos eles juntos. Do meu ponto de vista, todos esses xelins parecem ter algum impulso além da ganância pura.

RS: Você quer dizer como um sociopata ou um sádico?

RFK: Não tenho certeza. Eu sei que, para os pais de crianças feridas, parece que tudo tem que ser uma malevolência proposital. Mas pode ser tão simples quanto arrogância. Eles assumem esse poder impressionante de tomar essas decisões de vida ou morte em grandes populações e até de tomar decisões de pais longe de pais e mães. Deve fazer uma pessoa se sentir como Deus. Considere o efeito corruptor desse poder semelhante a Deus. Offit sugeriu publicamente, ele acredita que não há problema em mentir; não há problema em médicos e cientistas mentirem para proteger o programa de vacinas. Ele fica indignado quando as pessoas discutem a segurança das vacinas que não são médicos ou cientistas. Ele fica furioso quando as pessoas o questionam. No mês passado, ele disse aos pais de uma criança ferida que “f *** off.Mais tarde, ele disse que não sabia que estava sendo gravado. Esse é o pecado original, não é orgulho? O desejo de se tornar uma divindade. Essa foi a armadilha no Éden e depois em Babel.

RS: Então essa conversa com Offit foi um ponto de virada para você?

RFK: Sim, e então, o que me levou ao limite foi quando Lyn Redwood me deu uma cópia das transcrições de Simpsonwood. Publiquei trechos simultaneamente na Rolling Stone and Salon em 2005. Como mencionei anteriormente, Simpsonwood foi uma convocação secreta das principais autoridades de saúde pública da América, do CDC, FDA, OMS, AAP e todas as empresas farmacêuticas que se reuniram para discutir estratégias para lidar com as revelações condenatórias de Tom Verstraeten. Ainda não está claro se os participantes sabiam que alguém estava gravando sua conferência em fita. E, ao ler esta transcrição, você pode sentir medo e horror quando esses burocratas da saúde pública percebem o que fizeram. E então, você pode ver como todos começam a conspirar freneticamente sobre como esconder seu erro! Foi surpreendente! Eu não podia acreditar no que estava lendo.

RS: Fiquei realmente empolgado ao ouvir sobre a Defesa da Saúde da Criança. Você pode contar aos nossos leitores como a organização surgiu?

RFK: A Defesa da Saúde da Criança surgiu da promoção que estávamos fazendo para o filme Trace Amounts. Eu havia viajado para uma dúzia de cidades, com o diretor Eric Gladen, para exibir o programa, falar e combater a onda de mandatos de vacinas em 2015, quando a indústria farmacêutica tentou alavancar um surto de sarampo na Disneyland em uma nova corrida ao ouro na Califórnia. Quando nosso trabalho com o filme chegou ao fim, eu reconheci que mesmo um movimento comprometido de ativistas extraordinariamente talentosos nunca mexeria na agulha nessa questão. As forças reunidas contra nós eram poderosas demais. Precisávamos de uma equipe profissional remunerada que despertasse todas as manhãs pensando em nada, exceto como resolver esse problema. Como forçar um debate nacional e expor a ciência falsa e a corrupção do CDC. Como usar as mídias sociais mais sofisticadas e o marketing na Internet e o que Martin Luther King chamou de “ferramentas de advocacia”: agitação, legislação, litígio, educação,

RS: E fiquei pessoalmente muito animado ao ver que você fez uma parceria com Lyn Redwood, que agora é diretora executiva de Defesa da Saúde da Criança. Como isso aconteceu?

RFK: Trabalho com Lyn Redwood de uma forma ou de outra desde cerca de 2005. Ela é uma defensora extraordinária. Lyn é uma enfermeira. Seu filho foi um dos primeiros a experimentar autismo regressivo após uma série de vacinas contra o timerosal. Sua defesa inclui seu testemunho perante o Congresso e seu trabalho no livro seminal Evidence of Harmcom David Kirby. Ela co-fundou e dirigiu o SafeMinds. Ela ajudou a construir as primeiras organizações de base que mobilizaram os pais de crianças feridas em torno da questão do timerosal. Ela foi consultora do HHS e do Departamento de Defesa e possui conhecimento enciclopédico da história do timerosal e das leis, regulamentos e processos judiciais relevantes. Ela é disciplinada, baseada na ciência e extremamente bem organizada, com bom senso e uma mente estratégica astuta. Lyn teve alguns problemas de saúde. Quando os problemas foram resolvidos, oito meses depois, montamos rapidamente uma equipe, levantamos algum dinheiro e montamos uma campanha muito forte e agressiva que, acredito, finalmente expõe a verdade.

RS: Remover o mercúrio das vacinas nos garantiria vacinas seguras?

RFK: Não. Existem outros ingredientes de vacina altamente tóxicos que devem ser removidos. O alumínio é um exemplo. Mas o maior problema é que todo o programa de vacinas está em desordem. Como o cientista sênior de segurança de vacinas do CDC, Dr. William Thompson, apontou, uma das principais conseqüências do debate sobre o mercúrio / autismo é que paralisou a ciência no CDC. Portanto, sabemos muito pouco sobre segurança ou eficácia de vacinas nesse assunto. É inegável que as vacinas podem causar ferimentos terríveis e até a morte de subgrupos vulneráveis. Há também uma suposição de que eles fazem mais bem do que mal. Isso pode não ser verdade para todas as vacinas. Certas vacinas podem causar mais danos – a gripe carregada de timerosal e as vacinas contra hepatite B vêm à mente. Mesmo com o Gardasil e o MMR, que não contêm timerosal, é muito difícil apoiar as reivindicações da indústria por sua segurança ou eficácia. Ninguém pode responder a essas perguntas honestamente. Os estudos de eficácia e segurança que precisaríamos responder a essas perguntas nunca foram realizados e a ciência que foi feita levantou muitas bandeiras que devem fazer com que pessoas razoáveis ​​se preocupem. A maioria dos americanos supõe que o CDC tenha feito esses estudos e respondido a essas perguntas. As pessoas ficariam chocadas se soubessem como a ciência do CDC é realmente ruim.

RS: O que você acha que aconteceria com as taxas de autismo se o CDC removesse o timerosal das vacinas americanas?

RFK: Na Dinamarca, as taxas de ASD caíram 30% quando o governo dinamarquês ordenou a remoção do mercúrio em 1992. Portanto, esse é um indicador importante. A queda provavelmente seria mais dramática neste país porque os dinamarqueses tinham uma quantidade muito pequena de vacinas contendo timerosal. Usamos muito mais timerosal do que os dinamarqueses jamais permitiram. Katie Wright sugere que os dinamarqueses nunca tiveram o tipo severo de autismo que agora é comum na América. Dito isto, precisamos lembrar que existem muitas outras fontes de mercúrio no meio ambiente, incluindo amálgamas dentárias e emissões de usinas de energia, ambas com ligações bem documentadas ao autismo. Ainda existe muito timerosal nos medicamentos. As maiores taxas de autismo nos EUA estão entre os imigrantes somalis em Minnesota. Essa terrível epidemia provavelmente está relacionada a cremes para clarear a pele que são onipresentes nessa comunidade. Esses cremes são carregados com mercúrio. Além disso, existem outras toxinas que podem causar danos nas mesmas partes do cérebro que o mercúrio – glifosato, por exemplo – ou que podem ter uma relação sinérgica com o mercúrio no desencadeamento do autismo.

RS: Por que ninguém estuda as causas do autismo?

RFK: Isso faz parte da reação dos esforços do CDC para cobrir suas faixas no timerosal. Ninguém – nem o FDA, CDC, OIM, NIH ou EPA, nem as universidades – sequer fingem estudar as causas ambientais da epidemia em distúrbios do desenvolvimento neurológico pediátrico ou alergias alimentares. O ex-presidente da divisão de vacinas da Merck me reconheceu recentemente que as vacinas são provavelmente culpadas pela epidemia de alergia alimentar, mas ele me disse que ninguém a está estudando. Como pode isso ser possível? RS: Bem, deixe-me perguntar isso. Como isso é possível? RFK: O CDC fez todo o possível para garantir que ninguém realize estudos que possam, inadvertidamente, expor a ligação entre timerosal e autismo. Em 2004, o CDC torceu o braço da OIM para fazer a declaração extraordinária de que quaisquer dúvidas sobre os vínculos entre as vacinas e essas doenças haviam sido resolvidas e nunca deveriam ser estudadas novamente. Quando um cientista diz algo assim? Na ciência, nada está resolvido. Tudo é uma hipótese sujeita a revisão quando surgem evidências contrárias. A ciência diz que você sempre investiga e questiona suposições. Essa declaração da OIM era o oposto da ciência. Era como a Igreja Católica silenciar Copérnico por temer que o conhecimento científico pudesse pôr em risco a instituição. O CDC, em seguida, efetivamente fechou o acesso ao link Vaccine Safety Data – o maior repositório de informações de segurança de vacinas da América – e forçou o FDA e a OIM a abandonar seus próprios estudos programados de toxicidade do timerosal. O CDC efetivamente impediu todo mundo de estudar os links. Os cientistas que tentam fazer a pesquisa ficam bloqueados e os periódicos ficam intimidados demais para publicar pesquisas que levantam questões sobre a segurança da vacina ou do timerosal.

RS: Sim, parece estranho dizer: “Nenhum estudo disso deve ser feito.”

RFK:É extraordinário. É por isso que a maior parte da boa ciência agora vem do exterior. Para dar trabalho aos cientistas norte-americanos, o NIH os encoraja a estudar a genética do autismo – para que haja muito dinheiro desmoronando. Ou eles fazem apenas estudos tolos. Eles analisam a idade paterna ou o consumo materno que não mudaram o suficiente para explicar os números de epidemia que estamos vendo nos últimos 30 anos. Dessa forma, o CDC, o NIH e as empresas farmacêuticas comprometeram todas as grandes universidades e centros de pesquisa – MIT, UC Davis, Simons Foundation, Princeton e Yale, entre muitos outros. Então, todos esses pesquisadores recebem o dinheiro da subvenção. Mas, é claro, eles nunca encontrarão a causa. Sabemos que a epidemia é causada por toxinas ambientais. Como o Dr. Boyd Haley diz, “os genes não causam epidemias. Os genes podem fornecer vulnerabilidades, mas você precisa de uma toxina ambiental. No entanto, ninguém está procurando a toxina. É como estudar as causas genéticas das queimaduras solares sem olhar para o papel do sol! Tudo foi projetado para nos impedir de aprender respostas que possam embaraçar o CDC.

RS: E o beneficiário final é a Pharma?

RFK: As vacinas se tornaram um prêmio de US $ 30 bilhões para farmacêuticos e fabricantes de vacinas. Assim como as indústrias de tabaco, petróleo e química, a Pharma emprega estratégias para publicar uma ciência falsa e bloquear o tipo de ciência que ameaça os resultados finais. A indústria de alimentos e a agricultura corporativa usam as mesmas táticas e, freqüentemente, os mesmos cientistas e empresas de relações públicas. Esses companheiros nos fazem nadar em uma sopa tóxica! As revistas científicas e as universidades foram corrompidas. A ciência hoje raramente é uma busca pela verdade existencial. Não há muito dinheiro nisso. Sabemos muito pouco sobre o glifosato, mesmo que ele tenha se infiltrado em nosso suprimento de alimentos e em nosso corpo. Stephanie Seneff, do MIT, mostrou que o glifosato opera nas mesmas vias de toxicidade que o mercúrio no cérebro.

RS: Por que os pediatras não se opõem?

RFK:Bem, existem muitos pediatras que têm sérias dúvidas sobre a segurança do timerosal e gostariam de uma ciência melhor. Conheço muitos pediatras que são reticentes quanto ao horário e viram danos à vacina em seus pacientes, mas têm medo de falar. Eles sabem que enfrentarão a intimidação de seus colegas. Há um nome para esse fenômeno. É chamado de “reflexo de Semmelweis”. Ignaz Semmelweis foi o obstetra que primeiro propôs procedimentos anti-sépticos. Seu trabalho implicava que os médicos que usavam os protocolos atuais estavam deixando as pessoas doentes. A comunidade médica o ridicularizou e o marginalizou, e retirou sua prática médica. Mostro em meu livro timerosal como a comunidade médica destruiu da mesma forma a carreira da médica e epidemiologista britânica Alice Stewart, quando ela demonstrou que a prática rotineira de radiografar mulheres grávidas estava causando câncer em seus filhos. Herbert Needleman e Rachel Carson receberam o mesmo tratamento. Da mesma forma, os médicos de hoje, que são corajosos o suficiente para falar sobre preocupações com a segurança de vacinas, geralmente são punidos. Veja o que aconteceu com Andy Wakefield, Mark Geier, Bob Sears e Anju Usman. Todos eram médicos corajosos, do tipo que eu gostaria que cuidassem dos meus filhos. Cada um cometeu o erro de carreira de defender seus pacientes, agir como curandeiros, questionar a autoridade e falar a verdade ao poder. O estabelecimento médico fez exemplos deles. os médicos de hoje, que são corajosos o suficiente para falar sobre preocupações com a segurança de vacinas, muitas vezes são punidos. Veja o que aconteceu com Andy Wakefield, Mark Geier, Bob Sears e Anju Usman. Todos eram médicos corajosos, do tipo que eu gostaria que cuidassem dos meus filhos. Cada um cometeu o erro de carreira de defender seus pacientes, agir como curandeiros, questionar a autoridade e falar a verdade ao poder. O estabelecimento médico fez exemplos deles. os médicos de hoje, que são corajosos o suficiente para falar sobre preocupações com a segurança de vacinas, muitas vezes são punidos. Veja o que aconteceu com Andy Wakefield, Mark Geier, Bob Sears e Anju Usman. Todos eram médicos corajosos, do tipo que eu gostaria que cuidassem dos meus filhos. Cada um cometeu o erro de carreira de defender seus pacientes, agir como curandeiros, questionar a autoridade e falar a verdade ao poder. O estabelecimento médico fez exemplos deles.

RS: Mas por que mais pediatras não se levantam e falam?

RFK: A maioria dos pediatras não está lendo a ciência da pesquisa. Em minha própria experiência, acho que mesmo os que recebem os periódicos não lêem além dos resumos, que raramente contêm os achados controversos. Os pediatras estão sobrecarregados, por isso confiam no CDC e na AAP para lhes dizer o que a ciência diz. A AAP é totalmente cooptada por dólares da Pharma. E médicos individuais estão sujeitos a incentivos econômicos perversos da Pharma e das seguradoras para mantê-los alinhados.

RS: O que você quer dizer com incentivos perversos?

RFK:Algumas semanas atrás, alguém me deu um programa de remuneração e bônus Blue Cross Blue Shield para pediatras. O programa forneceu um bônus de US $ 40 ao pediatra por cada vacina pontual de até US $ 400 por criança. Uma prática típica pode incluir 1500 crianças. Portanto, esse é um bom incentivo anual de meio milhão de dólares para vacinar de acordo com o cronograma e não fazer muitas perguntas sobre segurança. Pior ainda, o programa pune médicos que não vacinam totalmente pelo menos 63% de sua prática a tempo. Esses médicos perdem 100% do bônus. O sistema foi projetado para pressionar pediatras a vacinarem mesmo quando houver contra-indicações. Explica por que os pais vacilantes da vacina encontram hostilidade aberta dos pediatras quando expressam reticência ou preocupação.

RS: O que você e a equipe de Defesa da Saúde da Criança esperam realizar?

RFK: Nosso objetivo final é obter mercúrio e outros metais das vacinas e produtos médicos, incluindo amálgamas dentárias. Também visamos reduzir ou eliminar outras exposições a mercúrio da indústria, mineração, produção de energia e produtos de consumo. Queremos vacinas seguras, ciência transparente robusta e uma agência reguladora honesta e independente, focada estreitamente na saúde pública e não no lucro da indústria.

RS: Como você espera avançar isso estrategicamente?

RFK: Nossos esforços imediatos se concentram em forçar um debate na imprensa – fazendo os repórteres realmente olharem para a ciência e perceberem que eles foram enganados e enganados pelos vendedores ambulantes do CDC.

RS: Qual seria o custo da mudança para vacinas não timerosais?

RFK: Vi estimativas da indústria de 20 centavos por vacina, que é um preço relativamente trivial. Mas o professor José Dórea acabou de publicar uma resposta revisada por pares para esta questão na edição de novembro da Environmental Research. Ele estima o custo em menos de 1 centímetro por vacina. O custo global total seria menor que os US $ 2 milhões anuais para vacinas para as 100 milhões de crianças que atualmente recebem vacinas contendo timerosal. Isso é menor do que o custo da vida de cuidar de uma única criança com autismo. A indústria já produz versões não timerosais de todas essas vacinas, portanto a troca seria rápida.

RS: Eu ouvi você falar sobre agências reguladoras em cativeiro. Você quer dizer o CDC?

RFK:O CDC é uma subsidiária da indústria farmacêutica. A agência possui mais de 20 patentes e compras de vacinas e vende US $ 4,1 bilhões em vacinas anualmente. O congressista Dave Weldon apontou que a principal métrica para o sucesso em todo o CDC é quantas vacinas a agência vende e com que sucesso a agência expande seu programa de vacinas – independentemente de quaisquer efeitos negativos na saúde humana. Weldon expôs como o Escritório de Segurança de Imunização, que deveria garantir a eficácia e a segurança da vacina, tornou-se incluído nessa métrica. Os cientistas daquela parte da agência não devem mais ser considerados parte do setor de segurança pública. Sua função é promover vacinas. Como atestou o Dr. Thompson, eles são rotineiramente ordenados a destruir, manipular e ocultar evidências de reações adversas à vacina, a fim de proteger essa métrica final. O CDC não deve ser a agência em que estamos confiando para supervisionar o programa de vacinas. É a galinha que guarda a casa dos lobos. Não é apenas o CDC. Praticamente todas as instituições que deveriam ficar entre uma indústria voraz e crianças vulneráveis ​​foram comprometidas.

RS: Quando você diz que todas as instituições foram comprometidas, de quem você realmente está falando?

RFK: Congresso, agências reguladoras, FDA e CDC, OIM, NIH, AAP, revistas científicas, departamentos de ciências da universidade e imprensa. Pharma tem um amplo alcance.

RS: Você está dizendo que a Pharma também corrompe os legisladores de nossa nação?

RFK: A Pharma é o maior lobista em Washington. Agora, há mais lobistas no Capitólio do que pessoas do Congresso. A indústria gasta o dobro em lobby como petróleo e gás e quase quatro vezes mais que as indústrias de defesa e aeroespacial. Imagine isso! O Congresso já estava afogando o dinheiro da Pharma em 1986, quando deu às empresas farmacêuticas imunidade a processos judiciais decorrentes de ferimentos por vacina. Dessa forma, os fabricantes de vacinas se livram dos tribunais e dos advogados. Com o Congresso e as agências reguladoras já capturados, a Pharma conseguiu assim eliminar a verificação final e o equilíbrio contra o mau comportamento corporativo em um mercado livre. Uma vez liberadas da responsabilidade, as vacinas se tornaram um importante centro de lucro da indústria. Foi essa legislação que lançou a bonança da vacina que começou em 1988.

RS: Qual tem sido o papel da imprensa?

RFK: A mídia é cúmplice no cataclismo. Pelo menos parte do motivo é financeiro. A América é uma das únicas duas nações do mundo que permite anúncios farmacêuticos na televisão. As empresas farmacêuticas são os maiores anunciantes na TV e no rádio. Eles gastam US $ 3 a US $ 5,4 bilhões anualmente para saturar as ondas de rádio com 80 anúncios a cada hora. Quem assiste às notícias da rede rapidamente entende que ela se transformou em um veículo para vender produtos farmacêuticos. Esse lucro parece ter neutralizado as divisões de notícias da CNN, ABC, NBC e CBS. A Fox News por si só não é corrompida, mas apenas porque seu objetivo descarado, desde o início, foi promover a ascensão do poder corporativo. O ex-CEO da Fox, Roger Ailes, era solidário com a causa, mas ele me disse que teria que demitir qualquer um de seus anfitriões que me permitisse em sua rede discutir mercúrio em vacinas ou autismo se eu lhes custasse um anunciante. Ele disse: “Bobby, se eu deixar você falar sobre vacinas, Rupert estará ao telefone comigo em dez minutos.”

RS: E os grupos ambientais nacionais?

RFK: Infelizmente, AWOL.

RS: Você mencionou as revistas científicas?

RFK: As revistas científicas também estão corrompidas. É comum que esses periódicos recebam metade ou mais de sua receita de anúncios da Pharma e reimprima pedidos. Muitos deles são de propriedade de empresas farmacêuticas. Marcia Angell, ex-editora do New England Journal of Medicine e Richard Horton, atual editor-chefe do The Lancet, os dois periódicos científicos mais importantes do mundo, declararam recentemente que metade de seus artigos é falsa – inventada por autores comprometidos por “flagrantes conflitos de interesse”. O domínio da Pharma nas revistas impede que a ciência independente de segurança de vacinas seja publicada. Apenas neste mês, a revista suíça Frontiers in Public Health cancelou a publicação do primeiro estudo vacinado / não vacinado. O estudo mostrou que as crianças vacinadas tinham menos sarampo e rubéola, mas quatro vezes mais distúrbios neurológicos – incluindo autismo – e 30 vezes a incidência de alergias. A Frontiers entrou em pânico depois que publicou o resumo e obteve 78.000 visualizações em um dia e, presumivelmente, muito calor da Pharma. Eu poderia dar a você um desfile de outros exemplos de ótimos estudos que não conseguem encontrar um editor ou são publicados e retirados assim que os periódicos sentem o calor. Como se vê, as pessoas que administram esses diários não são corajosos. A autopreservação é a principal motivação. ou seja publicado e retirado assim que as revistas sentirem o calor. Como se vê, as pessoas que administram esses diários não são corajosos. A autopreservação é a principal motivação. ou seja publicado e retirado assim que as revistas sentirem o calor. Como se vê, as pessoas que administram esses diários não são corajosos. A autopreservação é a principal motivação.

RS: Existe uma conspiração entre as agências governamentais e a imprensa?

RFK: Certamente, existe uma conspiração aberta por um pequeno grupo dentro da divisão de vacinas do CDC. É explícito. Você pode assistir ao desenrolar se ler as transcrições de Simpsonwood e os e-mails relacionados que podem ser encontrados no site de Defesa da Saúde da Criança. É arrepiante. Você tem todos esses burocratas e funcionários do setor sentados olhando para o estudo interno do CDC que prova que o timerosal causou a epidemia de autismo. Seu foco rapidamente se afasta de uma preocupação de saúde pública para um encobrimento – como esconder o que eles fizeram do público. Um dos participantes de Simpsonwood, imunologista da Universidade do Colorado, Dr. Robert Johnson, declara ao grupo que não permitirá que seu neto recém-nascido receba vacinas contendo timerosal. No entanto, nenhum dos participantes da reunião chegou a avisar o público sobre os riscos para a saúde de suas crianças! Em vez disso, todos concordam em manter o estudo em segredo. Conhecemos os nomes dos conspiradores. Todos esses caras em particular deveriam jogar Rock Hockey em Spandau com três hots e uma cama na suíte Albert Speer. Não sei como eles vivem com isso. Eu acho que eles apenas rezam para que Deus não exista e justiça divina. Sabemos o que Jesus disse sobre pessoas que prejudicam crianças pequenas. Foi o único pecado que ele considerou imperdoável. Eu acho que eles apenas rezam para que Deus não exista e justiça divina. Sabemos o que Jesus disse sobre pessoas que prejudicam crianças pequenas. Foi o único pecado que ele considerou imperdoável. Eu acho que eles apenas rezam para que Deus não exista e justiça divina. Sabemos o que Jesus disse sobre pessoas que prejudicam crianças pequenas. Foi o único pecado que ele considerou imperdoável.

RS: Mas certamente é um pequeno grupo que conspirou?

RFK: Direita. Mas havia muitos centros de poder – a indústria, a mídia, os líderes políticos, a comunidade médica – que consideravam, por seu próprio interesse, não examinar de perto a narrativa questionável do CDC. Dessa forma, uma pequena conspiração explícita deu o salto evolucionário para a ortodoxia generalizada. O alcance ilimitado e a riqueza da Pharma ajudaram a consolidar o consenso. Essa proliferação do evangelho varreu os outros reguladores, a imprensa, os grupos ambientais, as revistas científicas, a AAP, a AMA e outras associações médicas e os pediatras, em uma espécie de dogma de consenso muito maior que a conspiração explícita. É semelhante ao que aconteceu com a Igreja Católica durante o escândalo de pedofilia. De repente, a instituição se tornou mais importante do que as crianças que deveria proteger. Apenas um número relativamente pequeno de indivíduos se envolveu ativamente no estupro de crianças e na transferência de padres pedófilos conhecidos para dioceses inocentes. Mas todos se tornaram cúmplices – dos bispos e padres, dos médicos, da imprensa e da polícia. Você pode julgar o poder da ortodoxia pela maneira como ela varria os pais de crianças vítimas de abuso e até as vítimas. Era do interesse de todos manter a boca fechada. Ortodoxias não exigem conluio aberto. O mesmo aconteceu com a NFL no escândalo de concussão. Era do interesse de todos manter a boca fechada. Ortodoxias não exigem conluio aberto. O mesmo aconteceu com a NFL no escândalo de concussão. Era do interesse de todos manter a boca fechada. Ortodoxias não exigem conluio aberto. O mesmo aconteceu com a NFL no escândalo de concussão.

RS: Você usa o termo ortodoxia – e de certa forma isso é como uma religião, não é?

RFK:É exatamente como religião. Certamente não é ciência. É uma fé cega na palavra do CDC sobre o que a ciência diz. É como na Idade Média, quando a Igreja Católica mantinha as escrituras em latim, uma língua que Jesus nunca falava, para que ninguém pudesse lê-las, exceto os sacerdotes, e todos tiveram que aceitar sua palavra para o que Deus diz. Entre os jornalistas americanos, esse papagaio parecido com um culto às garantias de segurança do CDC se tornou um tipo de ciência do homem preguiçoso. Nunca há verificação de fatos. Existe essa insistência generalizada de que não falamos sobre segurança de vacinas e nunca questionamos o governo. Em vez de argumentos científicos, o debate se deteriorou em “argumento por credencial”. Os repórteres citam garantias de segurança do governo como se o CDC fosse uma autoridade divina. Além disso, seu corolário “argumento por insulto. “Cientistas e celebridades e mães enlutadas que questionam a segurança das vacinas são envergonhadas, marginalizadas e de bola preta. É como a Inquisição queimou hereges religiosos. Como outras teologias, esta vem com seu próprio conjunto de tabus, superstições e mitologias. Você as ouve repetidas vezes como um canto gregoriano. “Não há mercúrio nas vacinas.” “O mercúrio saiu e as taxas de autismo continuaram subindo”. “Vários estudos provaram que é seguro.” “O etil mercúrio não é tóxico.” “A histeria começou com o Dr. Andrew Wakefield e seu estudo retraído no The Lancet.” Certamente, todos esses artigos de fé são patentes e comprovadamente falsos. Eles tiveram que fazer disso uma religião, porque os fatos não confirmavam suas afirmações. E, como em todas as ortodoxias, é cruel e ocasionalmente letal.

RS: Como a imprensa ajuda a reforçar a ortodoxia?

RFK: Jornais e meios de comunicação eletrônicos suprimiram o debate legítimo sobre a segurança das vacinas ou os escândalos de corrupção em andamento no CDC. Eles permitem que Paul Offit e outras empresas farmacêuticas usem o uso quase ilimitado das ondas de rádio para divulgar propaganda da indústria farmacêutica – sempre inquestionável e sem resposta. Os jornais não publicarão anúncios de opinião ou cartas ou comentários de advogados de segurança de vacinas. Mesmo a imprensa alternativa – como Huffington Post, Drudge Report, Salon, Slate e Mother Jones não permitirá discussões – e estes são supostamente o antídoto para uma mídia controlada por empresas. Surpreendentemente, muitos jornalistas defendem abertamente a censura de qualquer discussão sobre segurança de vacinas.

RS: Quando os pais começaram a conversar com a mídia sobre o timerosal por volta de 2002, conseguimos uma boa cobertura. Agora é quase impossível obter qualquer grande imprensa, mesmo em nível local. Como tem sido sua experiência em obter cobertura sobre a ligação entre timerosal e autismo?

RFK: É kafkaesco. É um casulo impenetrável de censura. Conversar com os repórteres sobre isso é como lidar com os Borg. A repórter investigativa Sharyl Attkisson a chama de a história mais censurada do século. É desconcertante para mim ver a imprensa americana intimidada diante de funcionários do governo. Deveria ser humilhante. Daniel Schulman apontou na Columbia Journalism Review que toda essa reticência jornalística está enraizada no medo. Ele chamou a polêmica de “fim de carreira” para jornalistas. Os repórteres sabem que se falam sobre isso, vão perder o emprego. Ninguém lê a ciência. Os repórteres nem lêem os resumos. Ainda não encontrei um repórter – mesmo os chamados repórteres científicos como Keith Kloor, que escreve sobre esse assunto regularmente – que leu a ciência relevante. É realmente muito assustador. O apagão está completo, como DeNiro aprendeu quando tentou rastrear Vaxxed no SoHo. Eles aboliram a discussão da praça pública. A imprensa americana tem muitas explicações a fazer e, com sorte, muita busca pela alma.

RS: Você experimentou pessoalmente a censura ao falar sobre ferimentos causados ​​por vacinas contendo timerosal?

RFK: Sim, muitas vezes. Eu poderia passar toda a entrevista narrando as histórias. Logo soaria como choramingar. A maior decepção foi o The New York Times. Eu amo esse papel; é uma instituição tão crítica para nosso país e nossa democracia! Eles cometeram o terrível erro, liderando a corrida até a Guerra do Iraque. Eles foram manipulados por funcionários do governo que não mereciam. Eles tiveram que se desculpar por liderar nosso país naquele atoleiro caro. O erro deles na questão do timerosal tem sido ainda mais caro. Eu me encontrei e me correspondi repetidamente com repórteres, colunistas, editores de ciências, conselho editorial e editor público. Eu escrevi letra após letra. Trouxe um esquadrão de cientistas e arrastei uma pilha de estudos científicos para uma reunião com o conselho editorial do jornal. Eles me deram a reunião, mas todos eles eram sombrios e impermeáveis. Eles se recusaram a olhar para os estudos. É trágico porque a disciplina da mensagem evangélica sobre a suposta segurança do timerosal ungiu a narrativa do CDC com autoridade moral entre os meios de comunicação menos rigorosos.

RS: É tudo sobre o dinheiro da publicidade, então?

RFK: É mais complexo. O silêncio da mídia sobre esse assunto não é apenas uma contrapartida de bilhões de dólares em publicidade farmacêutica anual. Muitos repórteres e meios de comunicação aceitam o focinho porque pensam estar protegendo a saúde pública. Eles acreditam que permitir debates sobre segurança de vacinas e corrupção do CDC pode levar o público a parar de vacinar.

RS: Você acha que essa é uma lógica legítima?

RFK: Não é preto e branco. Houve momentos na história americana em que os jornalistas concordaram, legitimamente, em manter histórias por breves períodos por razões de segurança nacional, mas é sempre uma ladeira escorregadia. E, essa situação é única. O embargo durou uma década. O jornalismo está entrando em um campo minado quando os meios de comunicação assumem a responsabilidade de proteger os americanos de conhecimentos perigosos. A democracia é confusa e difícil, mas acho que os jornalistas quase sempre precisam ficar do lado da transparência. E eu não acho que uma limpeza irá destruir o programa de vacinas. Como disse a falecida diretora do NIH, Bernadine Healy, “os americanos são mais espertos que isso”. Healy acreditava que um debate aberto e vigoroso não diminuiria, mas fortaleceria o programa de vacinas.

RS: Há alguma evidência de que o isolamento do escrutínio tenha realmente fortalecido o programa de vacinas?

RFK: Essa é a ironia. Em vez de fortalecer o apoio público às vacinas, as leis que protegem o setor de vacinas de processos judiciais combinados com a ausência de escrutínio político e da imprensa incentivaram o CDC a sancionar condutas cada vez mais imprudentes dos fabricantes de vacinas. Como a imprensa não cobre a corrupção do CDC, agora temos uma agência desonesta que é completamente irresponsável. Seu cientista sênior de segurança de vacinas acaba de se apresentar para admitir que o CDC destrói rotineiramente dados. Seus principais estudos são fraudulentos. Se o que o Dr. Thompson está dizendo é verdadeiro, as implicações são monumentais. Isso significa que as autoridades do CDC sancionaram conscientemente a injeção desnecessária de veneno para matar o cérebro em uma geração inteira de crianças americanas e crianças em todo o mundo.

RS: E as empresas de vacinas?

RFK: As empresas farmacêuticas sabem que nada do que fizerem será questionado quando se trata de vacinas. Olha, apenas use o bom senso. Todo ano, vemos milhões ou até acordos bilionários de litígios contra a Merck, Pfizer, Novartis, Glaxo, Abbott e Lilly por marketing falso, usos fora de rótulo, produtos adulterados, falsificação de ciência, propinas e dados de segurança fraudulentos em seus produtos farmacêuticos . Apenas alguns meses atrás, a fabricante de vacinas Glaxo Smith Kline pagou US $ 20 milhões à SEC para pagar as acusações de canalizar US $ 489 milhões em propinas a médicos na China. Vemos travessuras como essa o tempo todo nos Estados Unidos e há toda essa indústria de advogados de julgamento obtendo meios de vida muito bons contando essas histórias para os júris. Como você imagina que essas mesmas empresas se comportariam se de repente se livrassem dos advogados, dos tribunais, os depoimentos, os processos de ação coletiva e os litígios multidistritais? O que aconteceria se eles se livrassem da imprensa? Por que no mundo pensamos que essas mesmas empresas de alguma forma deixaram seus programas de vacinas fora dos limites dessas estratégias tortas? É uma ficção cômica. Você tem que ser quase intencionalmente ingênuo para acreditar. E, no entanto, os meios de comunicação mais prestigiados dos Estados Unidos foram todos engolidos.

RS: Como fazemos com que a grande mídia finalmente cubra essa questão honestamente?

RFK: Temos que fazer disso uma presença tão potente nas mídias sociais que dê aos repórteres tradicionais a sensação de que agora eles podem agir com segurança. Só precisamos de alguns jornalistas para desmembrar, olhar para a ciência e escrever a verdade. No momento em que forçarmos o debate, toda essa pretensão entrará em colapso. Todo mundo verá que o imperador não tem roupas. Empilhando fraude sobre fraude sobre fraude, o CDC criou um edifício tão alto, tão instável e tão frágil que uma leve brisa de escrutínio fará com que tudo desmorone. Você pode realizar a mesma coisa – forçar o debate – com uma ação judicial ou pode fazê-lo com um único veículo de notícias corajoso. Se o Atlanta Journal-Constitution fez uma série sobre corrupção do CDC ou se 60 minutos um segmento investigou honestamente as alegações do Dr. Thompson? Fim de jogo! O CDC não tem ciência para apoiar sua posição que não é flagrantemente fraudulenta. Esses estudos epidemiológicos fabricados são cômicos. Tudo o que precisamos fazer é forçar o debate.

RS: Você tem certeza de que venceria esse debate?

RFK: Sim. Eu os obliterarei. Não é porque sou um grande debatedor, é só que eles não têm base factual para suas afirmações. Li praticamente toda a ciência – de ambos os lados – e conheço a fragilidade do junco sobre o qual repousam sua teologia.

RS: Você disse que esta é a geração mais doente da história. Isso é hipérbole?

RFK: Pergunte a qualquer enfermeira da escola que já existe há algumas décadas. Além do autismo, agora temos epidemias de outros distúrbios neurológicos como DDA, TDAH, tiques e narcolepsia, SMSI e distúrbios convulsivos. O CDC diz que uma em cada seis crianças americanas agora sofre de um distúrbio do desenvolvimento. Isto não é normal. Asma e alergias alimentares também estão subitamente explodindo na mesma geração exposta ao timerosal. Enfermarias escolares têm armários inteiros para as canetas e inaladores Epi. Todas essas condições estão associadas na literatura científica a vacinas, mercúrio e timerosal especificamente. Pense em quando você estava na escola. Quantas pessoas você conhecia com alergia a amendoim e autismo? Os cientistas da EPA descobriram que o maior aumento na prevalência de TEA ocorreu em coortes nascidas entre 1987 e 1992.

RS: O fato de principalmente os meninos serem feridos é uma evidência adicional do papel central do mercúrio?

RFK: O mercúrio afeta desproporcionalmente os meninos porque a testosterona amplifica os efeitos neurotóxicos do mercúrio. Por outro lado, o estrogênio envolve a molécula de mercúrio e protege o cérebro feminino. É por isso que esses distúrbios tendem a afetar seletivamente homens e mulheres com testosterona excepcionalmente alta. Qualquer cientista que realmente procure a causa dessa epidemia deve começar identificando uma toxina que subitamente aumentou em todas as demografias de 1988 e afeta os meninos na proporção de 4 para 1.

RS: Os pais de crianças feridas pela vacina ficaram animados ao saber que você e seu parceiro jurídico estão tentando intimar o denunciante do CDC, Dr. William Thompson, no caso de Hazlehurst, no Tennessee. Você pode informar nossos leitores como está indo?

RFK:Sim, Bryan Smith, do Morgan and Morgan, é o tipo de advogado extraordinário dos queixosos que faz a Pharma tremer. Nosso cliente, Yates Hazlehurst, regrediu ao autismo depois de receber vacinas que incluíam timerosal. O caso de Yates sobreviveu à demissão dos outros 5.000 casos no Processo de Autismo Omnibus. Esse é o único caso em 30 anos que foi autorizado a alegar que as vacinas podem causar autismo. Seu caso sobreviveu porque os pais de Yates processaram não apenas a empresa farmacêutica, mas também o pediatra de Yates por violar seu padrão de atendimento. Os maiores impedimentos contra o prevalecente de Yates são a declaração da OIM de 2004 de que as vacinas não estão ligadas ao autismo e a exploração de Bruesewitz da Suprema Corte, que dependia da OIM. Essas decisões se basearam fortemente no estudo de Pediatria do Dr. Thompson publicado em 2004. O Dr. Thompson agora diz que o estudo foi o produto de fraude, manipulação de dados e destruição de dados. Esse estudo foi citado em pelo menos 110 estudos subsequentes publicados no PubMed e é a base principal da ortodoxia de que as vacinas não estão causando autismo. Pedimos a intimação do Dr. Thompson porque seu testemunho mostrará que a pedra fundamental da ortodoxia é fraudulenta. De acordo com a lei federal, você não pode intimar um funcionário de uma agência federal, a menos que possa mostrar que o testemunho dele não pôde ser obtido de nenhuma outra fonte. Claro, isso é verdade neste caso, porque havia apenas quatro pessoas que testemunharam o despejo de dados do CDC e ninguém mais está falando. No entanto, a lei federal exige que o primeiro passo nesse processo seja solicitar ao chefe da agência e pedir permissão para intimar o funcionário. Diretor do CDC Dr. Thomas Friedan negou nosso pedido, o que não foi uma surpresa. O CDC tem muito a perder com o verdadeiro testemunho de Thompson. Agora, estamos recorrendo dessa decisão no tribunal federal.

RS: Como as pessoas que querem ajudar com seus esforços podem se envolver?

RFK:Eles podem ir ao nosso site e se inscrever para serem membros da Defesa da Saúde da Criança. Além disso, como vamos entrar em ação contra o CDC e certos comissários estaduais de saúde, precisamos de membros para permanecerem em pé. Se você deseja ser um membro de pé e tiver um filho ferido por timerosal ou se você mesmo foi ferido por timerosal, informe-nos. Mesmo se você não tiver lesões de vacina conhecidas em sua família, podemos usá-lo. No momento, estamos tentando inscrever mulheres grávidas e pais com crianças pequenas para litígios planejados em Nova York, Califórnia, Iowa, Missouri, Illinois e Delaware. Gostaríamos muito de o inscrever como membro. Isso não significa que você estará envolvido no litígio. Na maioria dos casos, precisaríamos apenas de receber uma declaração de você. Precisamos inscrever o maior número possível de pais de crianças feridas pela vacina.

RS: Existe algo que nós, pais, possamos fazer?

RFK: A Defesa da Saúde da Criança também tem um esforço que estamos chamando de Projeto Virtual de Audição do Senado, onde estamos levando mães e pais a contar suas histórias sobre seus filhos feridos pela vacina. Estamos trabalhando com a equipe da Vaxxed neste projeto. Precisamos de vídeos caseiros curtos, menos de dois minutos. Queremos que os pais contem suas histórias como se estivessem falando em uma audiência no Senado. Congratulamo-nos com a participação de qualquer pessoa que tenha uma história de lesão por vacina para contar. Queremos criar um arquivo de histórias da geração do autismo. Basta ir ao site para obter instruções.

RS: Anteriormente, você mencionou o pesado tributo que leva a cientistas e celebridades que questionam a segurança das vacinas. Você tem preocupações com sua própria carreira e reputação ou segurança ao falar sobre lesões por vacina?

RFK: Essas coisas são irrelevantes para mim. Os ferimentos que sofri com uma década de ataques dos trolls e dos farrapos da Pharma são diminuídos pelas agonias sofridas por uma criança autista e sua família durante uma única hora de qualquer dia. Não sei o que pensar dos inúmeros jornalistas, cientistas e médicos que me disseram que não podem falar por causa de suas carreiras … ou talvez sim. Einstein disse que “o mundo é um lugar perigoso não por causa dos que praticam o mal, mas por causa dos que olham e não fazem nada”.

Mercury, Vaccines and the CDC’s Worst Nightmare

ABUSO SEXUAL … INTERPRETANDO DESENHO INFANTIL NA INVESTIGAÇÃO

Abuso sexual: a importância da análise e interpretação do desenho infantil na investigação

O abuso sexual nem sempre deixa vestígios físicos mas quando pegam num lápis, as crianças revelam muito do seu mundo. Através do desenho, nós profissionais conseguimos acessar a pistas sobre os medos e traumas pois a criança organiza as ideias predominantemente através de imagens e o desenho permite que consiga fazer uma transposição direta daquilo que está pensando e sentindo.
Por isso posso dizer com certeza absoluta que quando existe alguma coisa que está perturbando, a criança, irá expor e o desenho é uma das ferramentas e meios que pessoalmente mais utilizo para análise e chegar a essas conclusões. A técnica de avaliação do desenho infantil é complexa e não pode e nem devem fazer-se deduções precipitadas a partir de partes isoladas por este motivo costumo sempre analisar mais de um desenho antes de tirar minhas conclusões.
É preciso entender, que a criança reflete aquilo que vive, e normalmente muitas pessoas associam o desenho de uma criança somente á conteúdos com algo colorido, cheio de alegria e com personagens como a família e amigos sempre juntos e felizes. Mas não é sempre assim e muitas vezes os desenhos revelam realidades assustadoras e garanto que para nós profissionais o impacto é forte. Se sair deste contexto feito de cores lindas, figuras com sensação de alegrias etc, algo de errado pode estar acontecendo. Quando a criança faz, por exemplo, desenhos com coisas em formato de pênis,dentes afiados, rabiscos fortes e sem significado aparente, isso já representa uma alerta. Se você perceber que de uma hora para outra este pequeno ficou mais tímido, isolado, agressivo, ou começou a chorar sem causa aparente, é sinal que é preciso pensar que algo realmente aconteceu ou está acontecendo.
Os desenhos das crianças vítimas de abusos sexuais, tem uma simbologia muito própria, características comuns que se repetem, e que se manifestam nas suas produções gráficas, através de elementos erotizados e dos conteúdos sexualizados.
Tecnicamente falando, as partes mais interessantes da análise do desenho infantil são aquelas sobre a energia e pressão no desenhar, e como aquela sobre a análise geométricas das figuras e formas. A análise do desenho infantil representa sem duvidas um dos melhores e mais eficazes meios forenses para detectar sinais de abuso e violência em crianças principalmente em crianças com autismo e síndrome de down, pois é por meio do desenho, que a criança cria individualmente formas expressivas, integrando percepção, imaginação, reflexão e sensibilidade, assim, através da possibilidade de brincar o desenho marca o desenvolvimento da infância e em cada estágio e assume um caráter próprio.
Como profissional posso dizer que a ANÁLISE DO DESENHO INFANTIL representa hoje um dos principais meios forenses na detecção de sinais de abusos e violências em crianças (especialmente em crianças com autismo e com síndrome de down).Há mais de 2 anos utilizo esta ferramenta em muitos dos casos envolvendo crimes de abuso sexual infantil e violência doméstica contra crianças, e os resultados são sim positivos (pela detecção dos crimes) mas ao mesmo tempo são assustadores pelo simples fato que o desenho revela fatos, detalhes e confirma duvidas sobre a suspeitas de violência sexual em crianças.
Nota importante: estes desenhos em anexo a esta matéria fazem parte de material que analisei e a publicação destes 2 desenhos nesta matéria pelo Correio Nogueirense foi possível através da exclusiva e autorização oficial da mãe da criança que nós concedeu a possibilidade de publicar estes 2 desenhos que demonstram que a criança destaca os os órgãos genitais do abusador que é o mesmo sujeito representado nos 2 desenhos.
Nunca esqueçam que os desenhos infantis em inúmeros casos são pistas de estupros contra crianças e verdadeiro exemplo de expressão infantil da violência, pois as crianças sempre “avisam”, de diversas maneiras, que estão vivenciando situações de maus-tratos e abuso sexual, quase sempre de forma não verbal. Contudo, é importante lembrar que tais evidências são compostas não somente por um único sinal, mas por um conjunto de indícios exibidos por crianças! TODOS UNIDOS CONTRA A PEDOFILIA, ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL INFANTIL!

Abuso sexual: a importância da análise e interpretação do desenho infantil na investigação

COMO FOI APROVADA A LEI DA ALIENAÇÃO PARENTAL NO BRASIL – PAIS POR JUSTIÇA

sexta-feira, 27 de agosto de 2010
Uma história de cidadania: como conseguimos aprovar a Lei da Alienação Parental

É impossível aqui, dar o nome de todos os homens e mulheres que participaram ativamente do processo de elaboração da Lei de Alienação Parental. Mas foram muitos, num esforço cidadão de transformar a nossa sociedade e proteger milhões de crianças brasileiras de um dos mais sórdidos tipos de maus tratos: o abuso e manipulação psicológica.
A nova lei nasceu sem dono, muito embora a inciativa e o texto final do anteprojeto seja do juiz Elízio Peres. Muita gente nas redes sociais como o Orkut, nas listas de discussão dos e-groups e integrantes das associações como o Pai Legal, SOS Papai e Mamãe, AMASEP, APASE, Pais Por Justiça e Participais. Juntas, pessoas comuns e que não se conheciam trabalharam arduamente. Nós enfrentamos pessoas que usaram de estratégias maldosas, nos bastidores para derrubar o projeto ou se promover. Pior: tivemos de amargar o fogo amigo de pretensos aliados – alguns tiveram até coragem de tentar assumir a autoria do projeto. Ou tentar sabotá-lo porque não atendia aos interesses de suas vaidades
Mas o saldo foi mais que vitorioso. Entre as lições aprendidas, a de que o Congresso Nacional é realmente a casa do povo. Nunca, em nenhum momento, deixamos de ser recebidos pelos deputados e senadores. E olha que foram procurados cada um que compunham as comissões em que o PL tramitou. A proposta angariou apoio indistinto dos parlamentares de várias colorações partidárias – PSC, DEM, PTB, PC do B, PT, PMDB,

Agora, quem tentar manipular o filho terá de enfrentar a Justiça. Consolida-se o instituto da guarda compartilhada como a melhor forma de dividir as responsabilidades entre pai e mãe, mesmo nas situações de litígio. E o melhor: finalmente, os filhos terão direito de conviver com eqüidade tanto com a família da mãe como com a do pai.

O relato abaixo traz boa parte da história. Obviamente, não é um relato preciso porque muitos mais homens e mulheres atuaram decisivamente para que a lei se tornasse realidade. Os parlamentares foram bombardeados por emails e relatos de pessoas que contaram suas histórias tristes.

Como tudo começou

11/05/ 2008 – O juiz Elizio Perez procurou todos os movimentos que lutavam pela igualdade parental e tentavam esclarecer as autoridades sobre alienação parental. Ele preparou uma proposta de anteprojeto de lei e estava procurando sugestões para aprimorá-lo. Fez uma intensa pesquisa junto a advogados, magistrados, psicólogos, assistentes sociais, vítimas de alienação e associações de peso como o Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM). A data marca o envio do primeiro email para o movimento Pais Por Justiça.

12/06/2008 – O administrador Celso G. Dias, integrante de movimentos que lutam pela igualdade parental, procurou o deputado Regis Oliveira (PSC-SP) que na ocasião já demonstrava interesse em encampar a idéia.

Setembro/2008 – Começou o trabalho de mobilização “corpo-a-corpo” no Congresso Nacional com a participação de Elizio Perez, Igor Xaxa e Karla Mendes. Fora de Brasília, várias pessoas estavam procurando os parlamentares, em suas representações estaduais, para apresentarem o anteprojeto.

07/10/2008 – O deputado Regis Oliveira (PSC-SP) sai na frente e apresenta o PL que ganha o número 4053/08. Na semana seguinte, o grupo formado por Elízio, Igor e Karla vão ao Congresso entregar material informativo aos parlamentares. O PL terá tramitação de urgência, o que significa que pode ser aprovado rapidamente somente passando pelas comissões da Câmara e do Senado.

Dezembro de 2008 – De novo nosso grupo vai ao Congresso, dessa vez para conversar com o presidente da Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF), deputado Jofran Frejat (PTB-DF) e o relator nomeado para o PL, José Aristodemo Pinotti (DEM-SP). Várias pessoas começam a mandar emails aos parlamentares pedindo apoio ao projeto.

Fevereiro de 2009 – O deputado Pinotti se licenciou da Câmara por problemas de saúde e o PL, que estava pronto para ser votado, teria de ter um novo relator designado.

01/04/2009 – É lançado oficialmente o documentário A Morte Inventada do cineasta Alan Minas. O filme traz relatos de vítimas de alienação parental e especialistas no tema (magistrados, advogados, assistentes sociais, psicólogos e promotores). E ajudou a divulgar o problema em todo o país.

15/04/2009 – Nosso grupo vai ao Congresso Nacional visitar o novo relator do PL, deputado Acélio Casagrande (PMDB-SC). Fomos muito bem recebidos mas, apesar de ter sido já designado há três semanas relator da proposta, o deputado não havia recebido o texto oficialmente e nada podia fazer para agilizar a tramitação. Novamente, homens e mulheres começam a enviar emails para a presidente da comissão, deputada Elcione Barbalho (PMDB-PA) cobrando agilidade.

20/05/2009 – Nosso grupo volta ao Congresso para conversar com os deputados Regis Oliveira e Acélio Casagrande. A partir daí iniciam uma série de contatos bem sucedidos.

A primeira grande decepção

24/06/2009 – Projeto ia ser votado naquele dia na Comissão de Seguridade Social e Família mas foi retirado de pauta a pedido da Deputada Federal Jo Moraes (PC do B). A manobra nos pegou de surpresa porque tínhamos feito inúmeras visitas aos deputados, desde o início da tramitação do projeto, e não tínhamos tido nenhuma resistência. Igor Xaxá estava acompanhando a reunião e passou rapidamente a informação. A partir daí pais, mães e as associações e movimentos que lutam pela punição para a alienação parental começam a enviar emails para a deputada cobrando explicações.

01/07/2009 – A morte do deputado Aristodemo Pinotti suspendeu a sessão deliberativa da Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF) para as homenagens póstumas. O atual relator do PL da SAP fez questão de lembrar que Pinotti fora o primeiro relator do projeto que tem o consenso na Comissão e o interesse da sociedade.

Encerrada a sessão, o deputado Acélio Casagrande nos convidou para um bate papo em seu gabinete juntamente com a deputada Jo Moraes. A deputada nos contou que fora procurada pelo Rodrigo Dias (presidente e fundador do Movimento Pais Para Sempre) e por uma ONG ligada ao movimento de mulheres porque teriam pontos que discordavam do PL da SAP. Juntamente com o deputado Acélio Casagrande dissipamos as dúvidas da deputada. Prontamente nos colocamos a disposição da deputada para conversar com o movimento de mulheres. A reunião ficou marcada para as 14h30.
Em seguida fomos ao gabinete do deputado Regis Oliveira que garantiu não só a sua participação na próxima reunião da CSSF como disse que está tratando das costuras políticas em torno do projeto tanto na CSSF como na CCJ. Nos garantiu aprovação fácil nas duas comissões. Seu otimismo realmente nos contagiou.

Do gabinete do deputado Régis Oliveira, fomos conversar com a deputada Cyda Diogo, parlamentar ligada aos movimentos femininos e aliada de primeira hora do PL da SAP. Ela nos orientou na conversa sobre o PL da SAP e também pediu que sua chefe de gabinete nos acompanhasse na reunião com o pessoal do movimento de mulheres – ela tinha compromisso no horário da reunião.

Às 12h20, Rodrigo Dias passa um email (o inteiro teor pode ser conferido aqui) aos gabinetes dos deputados alertando-os e se posicionando contra o PL da SAP. O email do Rodrigo Dias distorceu o texto do PL e não foi fiel nem ao texto nem ao espírito da lei.

A reunião com o pessoal do movimento de mulheres transcorreu em clima de entendimento. As resistências e dúvidas foram dissipadas. Conseguimos demonstrar que o PL da SAP tem o foco na proteção da criança, que é a maior vítima de alienação parental, e não na figura do pai ou da mãe. Trocamos cartões e telefones. A deputada Jo Moraes saiu feliz da vida e, no final das contas, nos proporcionou este momento ímpar de entendimento. Claramente, houve um ruído de comunicação que criou a resistência inicial.

02/07/2009 – A reação inesperada do presidente do Pais Para Sempre levou os demais movimentos e associações – Participais, Pai Legal, SOS Papai e Mamãe, Pais Por Justiça, AMASEP e Apase – se unirem num esforço comum pela aprovação da lei. Todos enviaram notas oficiais aos gabinetes dos parlamentares e colocaram o texto em seus sites .

07/07/209 – Igor, Elizio e Carlos Dias Lopes, assessor de imprensa do Participais, foram pessoalmente ao Congresso Nacional para entregar a nota assinada pelos movimentos.

A primeira vitória

15/07/2009 – No filme acima, as cenas da primeira vitória do PL. O substitutivo do Deputado Acélio Casagrande foi aprovado por unanimidade na Comissão. Não sem antes sofrer uma tentativa de obstrução. Mas o nosso grupo estava lá e esclareceu o deputado que por pouco não ingressa com um novo pedido de vistas.

6/08/2009 – É nomeada a relatora do PL na Comissão de Constituição Justiça e Cidadania (CCJC), Maria do Rosário (PT-RS).

12/08/2009 – O nosso grupo volta ao Congresso Nacional para falar com a deputada e distribuir material informativo sobre a alienação parental. Do nosso kit fazia parte o documentário A Morte Inventada e o livro da Maria Berenice Dias, Síndrome da Alienação Parental – A Tirania do Guardião.

13/08/2009 – O gabinete da deputada Maria do Rosário começa a receber emails anônimos de pessoas contrárias ao PL. A obscuridade foi uma marca constante das pessoas que discordavam da lei. O que nos chamava a atenção é que ninguém topou participar do debate democrático, preferindo emails e os bastidores. Talvez estivessem envergonhadas por discordarem. Para contrapor o jogo sujo, adotamos a estratégia de transparência total: municiamos os parlamentares (todos eles) de informações sobre a alienação parental.

27/08/2009 – A deputada Maria do Rosário apresenta requerimento solicitando a realização de uma audiência pública para discutir o PL.

Momento tenso

01/10/2009 – A audiência pública na Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania foi um dos momentos mais tensos da tramitação do PL. Compuseram a mesa o juiz Elizio Perez, a psicóloga Sandra Baccara, a representante do CFP, Cynthia Ciarralo, a ex-desembargadora Maria Berenice Dias, a jornalista Karla Mendes e a deputada Maria do Rosário. A “representante” do Conselho Federal de Psicologia tentou desqualificar o PL dizendo que tratava de questões apenas restritas ao campo da disputa de guarda. Entre as pérolas ditas por ela, estava que o “Estado não pode invadir assim o território da família” (ela só esqueceu que hoje o Estado, por meio da legislação feita pelos representantes da sociedade e da aplicação da lei pelo Judiciário, já regula da gestação ao óbito). Claramente não se deu ao trabalho de ler o projeto mas tinha em mãos uma espécie de relatório onde repetia os velhos argumentos que vimos anteriormente em textos dos obscuros detratores do PL. Sustentou que a discussão sobre “alienação parental” acirraria a rivalidade entre os pais e estava ofuscando o instituto da Guarda Compartilhada.

Sandra Baccara, doutora em Psicologia e professora emérita da Escola da Magistratura, foi enfática em desconstruir os argumentos falaciosos. Contou que em 30 anos de profissão tinha visto muitas atrocidades cometidas, destruindo famílias, simplesmente porque um dos genitores decide usar os próprios filhos como instrumentos de vingança de uma relação amorosa que não deu certo. E, com toda educação e elegância que lhe é característica, ressaltou que aquela posição trazida pela “representante” do CFP não era a posição do conjunto dos profissionais de psicologia e sugeriu que o CFP discutisse o assunto e auxiliasse na formação/informação dos profissionais para atuar em casos de alienação visto que hoje os profissionais têm de ser praticamente autodidatas.

Quando voltou a palavra à desembargadora, perfeita na explicação da realidade dos tribunais e dos danos causados pela alienação, foi o tiro de misericórdia na “representante” do CFP. Com a sagacidade de uma magistrada experiente perguntou à “representante” do CFP se ela estava expressando uma posição isolada ou se o CFP estava se manifestando oficialmente contrário ao projeto. Resultado: a “representante” do CFP teve de confessar que o PL não fora discutido pela entidade e não existia um posicionamento formal a respeito. Aí, ela mudou um pouco o discurso para dizer que o CFP tinha interesse no PL porque simplesmente tratava do trabalho do Psicólogo. Pleiteou uma nova audiência pública para que fosse ouvido o Conanda. Nesse momento foi interrompida pela deputada Maria do Rosário, relatora do projeto, que ressaltou que atuava junto ao Conanda e é vice-presidente da Frente Parlamentar de Defesa da Criança e do Adolescente. Enfim, o saldo foi mais que positivo: ganhamos o apoio incondicional do IBDFAM, a defesa veemente da desembargadora Maria Berenice Dias (que defendeu a existência dessa nova legislação para coibir a alienação parental), destruímos os argumentos falaciosos dos opositores do projeto (que ainda não descobrimos as verdadeiras intenções e razões) e conseguimos incutir na cabeça dos parlamentares que o projeto visa prevenir atos lesivos a criança e adolescentes antes de tudo. Na platéia estavam também Marcos Quezado, Igor Xaxá e Alaúde Soares. Para ouvir a audiência pública basta clicar aqui.

15/10/2009 – O presidente do Participais, Robinson Neves organiza um debate sobre alienação parental na OAB/DF. Participaram o desembargador do Tribunal de Justiça do DF Arnoldo Camanho, a juíza da 1ª Vara de Família Ana Maria Louzada, o assessor da Secretaria de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça Tiago Macedo, o presidente da associação ParticiPais, Robison de Neves Filho, a psicóloga Sandra Baccara e a integrante da Comissão de Mediação e Arbitragem da OAB/DF Fabíola Orlando.

23/10/2009 – Elizio Perez participa do Congresso Internacional Psicossocial do TJDF e defende o PL da SAP.

10/11/2009 – Apresentado o substitutivo da deputada Maria do Rosário.

14/11/2009 – O grupo formado por Elízio; Paulo Stangler, Presidente da ANER; Sr. Ronaldo Simões, Diretor de Comunicação da ANER; Luciana Aguiar, secretária Executiva da ANER e Representante do Projeto Criança Feliz RS em Brasília; Luiz Otávio Daloma – Assessor da Deputada Maria do Rosário Marcos Quezado participam de uma reunião com o deputado Tadeu Filippelli (presidente da CCJC) e pedem que o parecer da deputada Maria do Rosário seja colocado na pauta de votações.

19/11/2009 – Aprovado por unanimidade o PL na Comissão de Constituição Justiça e Cidadania da Câmara.

O Senado e a segunda grande decepção

30/03/2010 – O PL é encaminhado ao Senado.

6/04/2010 – As advogadas Melissa Telles e Jamile Dala Nora representando a Associação Criança Feliz, Elizio Perez e Sandra Baccara vão ao Senado Federal para reiniciar o trabalho de mobilização junto aos parlamentares. Na oportunidade tem uma reunião com senador Demóstenes Torres (DEM-GO).

07/04/2010 – Sergio Moura, Alexsandro Beatrici e Guto Caminha iniciam uma série de contatos com o senador Paulo Paim e sua assessoria para convence-los da importância de agilizar a tramitação do PL.

08/04/2010 – Em Porto Alegre, Sergio Moura, Alexsandro Beatrici e Guto Caminha conseguem a adesão do senador Pedro Simon (PMDB-RS) ao Projeto de Lei.

13/04/2010 – Nomeado o relator do PL na Comissão de Direitos Humanos: senador Paulo Paim (PT-RS).

20/04/2010 – A assessoria de imprensa do senador Paulo Paim publica uma nota avisando que convocaria uma audiência pública. Na nota, apenas declarações do presidente da APASE, Analdino Rodrigues Paulino Neto, e a informação inverídica de que o PL seria uma proposta encaminhada ao Congresso Nacional pela APASE. A manobra novamente une os movimentos para que não ocorra nenhuma manobra de usurpação de um trabalho que sempre foi de cunho coletivo.

23/04/2010 – Diante da reação indignada dos representantes de todos os movimentos que lutam pela alienação parental e dos envolvidos na elaboração do PL, a assessoria do senador corrige a informação com pedidos de desculpas. Entretanto, permanecia a disposição do senador em fazer a audiência pública, o que atrasaria a tramitação da matéria por ser ano eleitoral.

24/04/2010 – É divulgada uma nota pelo então dirigente da APASE solicitando que a audiência pública não fosse realizada.

03/05/2010 – A pedido do presidente do Pai Legal, Daniel Ogando, Nélia Freitas vai pessoalmente ao gabinete do Paulo Paim e entrega mais um kit informativo sobre alienação parental. Ela sai de lá com a garantia de que não haveria mais audiência pública.

06/05/2010 – O gabinete do senador Paulo Paim informa que o senador voltara atrás a pedido de psicólogos ligados ao Conselho Federal de Psicologia.

13/05/2010 – A assessoria do senador Paulo Paim avisa oficialmente que ele desistiu da audiência pública. Uma das razões é que o CFP não formalizara nenhum pedido de audiência ou indicara representantes.

9/06/2010 – A Comissão de Direitos Humanos do Senado aprova por unanimidade o PL que pune a alienação parental. Não houve emendas ao texto aprovado pela Câmara.

30/06/2010 – O senador Pedro Simon (PMDB-RS) é nomeado relator do PL na comissão de Constituição e Justiça do Senado.

Julho de 2010 – Alexandre Alamino entrega um kit com informações sobre Alienação Parental ao prefeito de Paranaguá (PR), José Baka Filho. O prefeito conversa com vários senadores

07/07/2010 – O PL é aprovado por unanimidade, sem alterações ao texto original. Dessa forma, pode ser remetido diretamente à sanção do Presidente da República.

30/07/2010 – Recomeçam os trabalhos de disseminação sobre a alienação parental. Só que dessa vez, o nosso público alvo é a Subsecretaria de Assuntos Jurídicos da Presidência da República. Foram encaminhados um dossiê contendo o documentário A Morte Inventada, o artigo de Elizio Perez destacando os aspectos jurídicos do PL e o artigo de Sandra Baccara analisando a matéria sob o enfoque da Psicologia.

26/08/2010 – O presidente Lula sanciona o PL, que vira a lei 12.318/10. São vetados dois artigos por recomendação do Ministério da Justiça. Confira a explicação pelos vetos aqui.

27/08/2010 – Entra em vigor a lei 12.318/10 que dispõe sobre a alienação parental e altera o Estatuto da Criança e do Adolescente de forma a proteger os filhos dessa espécie de maus tratos.

http://paisporjustica.blogspot.com/2010/08/uma-historia-de-cidadania-como.html
http://paisporjustica.blogspot.com/search/label/PL%20da%20SAP

https://www.facebook.com/marco.almeidapcf/videos/2213681885545167/

A ALIENAÇÃO PARENTAL É DEFINITIVAMENTE EXCLUÍDA DA CID 11

A alienação parental é definitivamente excluída da CID 11!

por Av. Michela Nacca

A alienação parental está definitivamente fora da CID 11!

(CID 11: Classificação Internacional de Doenças 11ª Revisão O padrão global para informações sobre saúde em diagnóstico) A

alienação não é uma patologia, nem foi reconhecida como causa de patologia psíquica, não tem base científica!

Palavra da OMS, expressa através das declarações da Team3 WHO!

A ALIENAÇÃO PARENTAL é, portanto, e continua sendo apenas uma estratégia processual inteligente, freqüentemente usada para defender pais abusivos e abusivos, oferecer-lhes um ALIBI e vencer facilmente nas causas de custódia de menores, mesmo com o custo de continuar expondo os filhos à perpetuação. SÉRIOS RISCOS DE VIOLÊNCIA E ABUSO DO PAI ABUSANTE, considerado alienado, apesar da separação dos pais!

Foi isso que foi IMPLICITAMENTE ADMITIDO pela OMS graças à sua escolha de exclusão da CID 11 e explicitamente explicado nos esclarecimentos expressos pela TEAM3 em 15 de fevereiro de 2020!

Lutamos uma batalha longa, diária, silenciosa e oculta.
Nós a preparamos extensivamente, estudando e nos comparando todos os dias com professores universitários de todo o mundo, especialistas nos setores jurídico-forense, sociológico e psicológico-psiquiátrico ( Joan Mejer , Linda Neilson , Simon Lapierre , Danielle Pollack , Julie Doughty, David Corwin, da APSAC, Adrienne Barnett, Ruth Halperin Kaddari, Brenda Kilgour, Jean Mercer, Elspeth Mcinnes, Nancy Erickson, Susan Boyd, Peter Jaffe, Pamela Cross, Pamela Cross, o grupo CSMS da Holanda, Daniel Saunders , Unidi Infancia e muitos outros ……).

Uma batalha na qual também tentamos envolver outros colegas italianos.

Para dizer a verdade, poucos coletaram o pedido de ajuda e colaboração.

Quase zero na Itália! Exceto pelo sempre presente e combativo Doutor Mazzeo e outra pessoa ….

Uma comparação que ocorreu quando, em abril de 2019, Linda Neilson e Joan Meier publicaram o Memorando Coletivo, assinado por centenas de acadêmicos, acadêmicos, associações, incluindo a Maison Antigone.

Tínhamos que lutar todos os dias na plataforma da CID 11 , entrando no sistema da Web preparado, citando centenas de estudos científicos e artigos acadêmicos internacionais, indicando as inúmeras investigações jornalísticas de denúncia, que se multiplicaram em todo o mundo e destacaram as situações muito sérias. conseqüências devido ao uso da teoria histriônica da alienação parental nos tribunais, muitas vezes renomeada de outras maneiras enganosas . O último caso que indicamos foi o de Thomas Valva , em NY, morto pelo pai abusivo a quem ele fora confiado exclusivamente, paradoxalmente roubado da mãe protetora que nunca parou de denunciar os abusos do homem e pediu em vão ajuda para seus filhos em sério perigo.

Na plataforma da CID, indicamos julgamentos italianos, americanos, brasileiros, ingleses e franceses dos Supremos Tribunais que, ao longo dos anos, expuseram a Alienação Parental da ciência lixo, alertando sobre os perigos aos quais o uso dessa estratégia expõe as vítimas de violência doméstica, rivitimizzandole e confundindo os juízes e operadores despreparados para reconhecer a ciência do lixo!

Nós combatemos, discutimos, explicamos, motivados racionalmente e em bases científicas ….. para que a ciência inútil, um “lixo” na verdade, a chamada “parapsicologia” e o “pináculo da loucura” (como Parental Alienation era). definidos por toda a comunidade científica e acadêmica internacional séria, bem como por juízes que permaneceram bem ancorados nos princípios legais e não se deixam enganar pela psicologia infundada e enganosa) não encontraram acesso a ele!

E quando os apoiadores da AP já não tinham argumentos válidos para se opor aos nossos comentários, havia aqueles que não evitavam insultos e ameaças (todas as capturas de tela … não se preocupe!).
Um sinal da fraca base científica de suas reivindicações , mas também da personalidade daqueles que apoiaram a UC nesse contexto e das razões subjacentes aos pedidos de inclusão na CID: certamente não científicos e longe de qualquer razoabilidade ou necessidade de proteção autêntica de menores!

Tivemos que travar essa batalha na plataforma da Web porque a OMS optou por revisar suas vozes na CID 11 também por meio de um VOTO POPULAR (sim, você leu certo!) Para ser expresso nessa plataforma ad hoc preparada, onde alguém tem poderia ter acesso e enviar propostas para inserção, comentário, argumentação e, acima de tudo, VOTE!
Ah, sim … porque na era da web, notícias falsas e instâncias falsas / modalidades democráticas, mesmo a ciência corre o risco de sucumbir a métodos que não têm nada científico e menos que democrático, mas têm a ver com manipulações em massa, sempre não científicas, falsas e irracionais, além de antidemocráticas. E assim também são pelo fato de usar métodos facilmente suscetíveis à manipulação em massa … porque vice-versa, se não fossem, não precisariam desse instrumento!

A organização internacional PASGroup, em apoio à ciência lixo (altamente organizada, muito rica e poderosa) depois de tentar em vão trazer o Pas e depois o Pa (Alienação Parental) de volta ao DSM 5, depois de ter tentado, sem sucesso, a CID 10, ativada em massa e literalmente bombardeou a plataforma da CID 11 nos últimos 5 anos, apoiando a inserção da Alienação Parental de todas as formas, em todas as formas, com mutações histriônicas das definições, seguindo cada um de nossos argumentos impeditivos válidos.
Chegando a publicar comunicados de imprensa vitoriosos em maio de 2019,segundo a qual a AP foi aprovada pela OMS e, portanto, implica que ela havia sido reconhecida como uma patologia ou causa de patologia e já incluída na CID 11 como tal.

Relatórios enganosos que negamos imediatamente, mas que fizeram com que o Pasgroup se sentisse até autorizado a iniciar o processamento de protocolos para futuras trocas a serem usadas nas salas de emergência em todo o mundo: para induzir os operadores do hospital a diagnosticar, em vez de postar sintomas traumáticos de abuso sexual , ferimentos e maus-tratos domésticos a menores, uma patologia inexistente e infundada (veja o caso descrito com os mesmos sintomas de abuso e maus-tratos sexuais, mas reinterpretados de forma diferente como Alienação!), tornando também o sistema de saúde – depois de poluir o sistema judicial – involuntariamente, um cúmplice de álibis construídos artisticamente em favor de agressores e até de pais pedófilos!

AGORA ESTÁ CLARO QUANTO NÃO FOI VERDADEIRO TUDO!
NÓS GANHAMOS!
A ALIENAÇÃO PARENTAL NÃO ESTÁ NA CID 11, na verdade foi recusada e as descrições dadas foram rejeitadas .
O PA não é uma patologia nem causa de patologia psíquica, não tem base científica!
” A alienação parental foi removida da classificação da CID 11 por ser um termo e um problema judiciais. Sua inclinação para fins de codificação na CID-11 não contribuirá para estatísticas válidas ou significativas da saúde ” .

ou seja, “A alienação parental foi removida da classificação da CID 11 como um termo e uma questão judicial. Sua inclusão para fins de codificação na CID-11 não contribuirá para estatísticas de saúde válidas ou significativas”.

Então, sentenciou a equipe WHo em 15 de fevereiro de 2020

A ALIENAÇÃO PARENTAL EXISTE E SÓ PERMANECE UMA ESTRATÉGIA PROCEDIMAL FURBA E ANORMAL PARA GANHAR FÁCILMENTE NAS CAUSAS DO CUSTODIO INFANTIL, MESMO AO CUSTO DE CONTINUAR A EXPOSIÇÃO DAS CRIANÇAS A RISCOS GRAVES DE VIOLÊNCIA E ABUSO … ALIENAÇÃO AS VÍTIMAS ESTÃO CONFIADAS EM PAIS ABUSANTES E SUBSTITUÍDAS DE PAIS PROTETORA, QUE SÃO CONSIDERADOS COMO FALSOS ALIENANTES!

Michela Nacca Presidente da Maison Antigone

(https://studiolegaledonne.webnode.it/l/la-parental-alienation-viene-definitivamente-esclusa-dal-icd-11/)

SEJA A RESISTENCIA…

Madeleine Riffaud – Uma Heroína da resistência

Heroína da resistência francesa, lembra: “Coloquei duas balas na cabeça dos nazistas”
Antes de se tornar jornalista, Madeleine Riffaud ajudou a libertar Paris em 1944 com ataques ousados ​​e conseguiu sobreviver apesar de ter sido pega pela Gestapo.

Num domingo ensolarado de verão de 1944, Madeleine Riffaud pulou da bicicleta e seguiu um oficial alemão que passeava em uma das pontes mais pitorescas do rio Sena, em Paris.

Ele observava o Louvre e os jardins das Tulherias quando Riffaud, então com apenas 19 anos e parteira estagiária, afugentou um garotinho e tirou a pistola.

Madeleine Riffaud, 94, fala sobre a libertação de Paris em 1944 durante uma entrevista com a AFP em seu apartamento em Paris, em 26 de julho de 2019. (Natalie Handel / AFP)
“Tudo aconteceu muito rapidamente”, disse ela à AFP. “Eu não queria atirar nas costas dele … queria que ele me visse, para que ele tivesse tempo de sacar sua arma.

“Ele se virou e eu coloquei duas balas na cabeça dele. Ele caiu como uma pedra. Ele não sofreu. Não foi feito com ódio, se alguma coisa me causou dor por ter que fazer isso – ela disse, com os olhos fechados quando se lembrou do momento.

Mas ela quase não viveu o suficiente para vê-lo. Tendo andado de bicicleta, membros da milícia francesa colaboradora a perseguiram e a mataram com o carro.

Sabendo que provavelmente seria abusada sexualmente e torturada antes de matá-la, ela estendeu a mão para a arma que havia sido batida na calçada. Mas eles chegaram lá primeiro.

Os combatentes locais da resistência francesa agitam seus rifles no alto enquanto cumprimentam as tropas britânicas que chegam à sua aldeia Quillebeuf, na França, em agosto de 1944. (Foto AP)
Tive sorte porque eles poderiam ter me matado ali mesmo”, e ela teve “sorte” novamente porque a entregaram à Gestapo para que seu líder pudesse receber uma recompensa por ela, e não pelos interrogadores da milícia – que tendiam a estuprar. suas prisioneiras.

“Como era uma tarde de domingo, os especialistas em tortura da Gestapo estavam de folga, então fui interrogado por alguns membros brutalmente brutais da SS que me nocautearam, mas não tinham a sutileza dos verdadeiros especialistas.

“Não contei nada a eles e esperava levar um tiro na manhã seguinte”, disse Riffaud, segurando uma cigarrilha.

Em vez disso, ela foi entregue à polícia francesa. Enquanto estava detido, Riffaud ajudou uma judia a dar à luz um bebê. Era natimorto. Um notório oficial de acusações chutou repetidamente a mãe no estômago para tentar fazer com que traísse o pai da criança. Depois de envergonhá-lo por permitir que a mulher com hemorragia fosse para o hospital, o policial espancou Riffaud e a devolveu à Gestapo, dizendo que “furariam meus olhos e me cortariam em pequenos pedaços”.

Mas, de alguma maneira, Riffaud – que adotou o codinome “Rainer” depois do poeta austríaco Rainer Maria Rilke – sobreviveu, evitando por pouco o esquadrão de fuzilamentos antes de escapar brevemente, quando estava sendo deportada para um campo de concentração. Ela foi libertada em uma troca de prisioneiros em 19 de agosto, uma semana antes de Paris ser libertada.

EMBOSCADA DE TREM DE ARMAS ALEMÃ
Um ou dois dias depois, Riffaud estava de volta à ação comandando um grupo de combatentes da classe trabalhadora a nordeste de Paris, quando uma revolta popular contra os nazistas eclodiu em toda a cidade. Ela já era considerada uma veterana endurecida da Resistência, apesar de ter ingressado na luta armada no inverno anterior.

Naquela época, os ataques e bombardeios que ela e seus companheiros realizavam eram pouco mais que missões suicidas. Agora as pessoas estavam se reunindo para se juntar à Resistência “que não havia feito nada durante a guerra. Eles estavam despejando nas ruas e aprenderam muito rapidamente como manusear um rifle. “Foi alegre”, lembrou Riffaud. “As pessoas estavam se apaixonando e se beijando sem se conhecerem. Depois de anos fazendo tudo em segredo, poderíamos lutar em campo aberto. ”

Sua maior façanha foi capturar um trem de armas e suprimentos alemão e levar os 80 soldados a bordo de prisioneiros com apenas três homens e um heróico ma Depois de uma feroz batalha em que atiraram todas as granadas e explosivos que tinham no trem, Riffaud usou fogos de artifício para enganar os alemães, pensando que estavam em menor número e em menor número de armas.

“Fizemos uma quantidade incrível de barulho e isso aterrorizou os pobres alemães e eles voltaram para um túnel. A locomotiva ainda estava do lado de fora e conseguimos convencer um maquinista de trem aposentado que estava lavando a louça com a esposa para descer com a gente para retirá-la.

“Ele era um homem corajoso. Nós o avisamos de que ele seria um alvo perfeito, mas ele nos disse para não nos preocuparmos, e rastejou embaixo do motor, soltou-o e o afastou, e depois voltou para casa. Nem pensamos em agradecê-lo.

Até então, os poucos felizes de Riffaud haviam sido reforçados por bombeiros locais e até pelo prefeito. “Foi tudo muito festivo”, ela admitiu.

Isolados dentro do túnel, os alemães que se refugiaram acabaram desistindo. Foi só então que Riffaud percebeu que era seu aniversário de 20 anos e eles festejaram com o presunto, geléia e salsichas secas que encontraram no trem.

Dois dias depois, enquanto o resto de Paris comemorava a libertação, ela estava lutando contra o último batalhão de fanáticos soldados da SS escondidos na cidade.

Seus homens carregaram o último lutador da Resistência a morrer em Paris, seu velho camarada violinista Michel Tagrine, mas ela não pôde fazer nada por ele.

Mais tarde, Riffaud tentou se juntar ao exército francês, mas não foi permitida por causa de seu sexo e idade. “Você tinha que ter 21 anos”, disse ela.

Nos meses que se seguiram, ela lutou contra a depressão, mas felizmente o jovem comunista se encontrou com escritores e artistas como Paul Eluard, Louis Aragon e Picasso, que desenharam seu retrato.

“Eles me impediram de entrar, porque muitos combatentes da Resistência se mataram após a guerra.”

Riffaud voltou à linha de frente após a guerra como jornalista radicalmente engajado, encontrando o líder vietnamita Ho Chi Minh, cobrindo a Guerra da Independência da Argélia e vivendo com os guerrilheiros vietcongues que combatiam os americanos no Vietnã do Sul antes de retornar à França.

Lá, ela assumiu a causa dos trabalhadores mal remunerados, tornando-se ela mesma, escrevendo uma exposição best-seller da labuta de assistentes em hospitais parisienses.

Fonte The Time Of Israel

Madeleine Riffaud – Uma Heroína da resistência

CONVENCIÓN BELÉM DO PARÁ (MESECVI) MESECVI/CEVI/DEC.4/14 Undécima Reunión del Comité de Expertas/os 19 de septiembre 2014 Practicar las diligencias periciales teniendo en cuenta los derechos fundamentales de inviolabilidad e integridad física y moral de las mujeres, niñas y adolescentes víctimas de violencia, observando los criterios de razonabilidad y proporcionalidad, siempre bajo la existencia de consentimiento previo e informado de las víctimas; Reducir la cantidad de intervenciones de las mujeres, niñas y adolescentes víctimas de violencia sexual en el proceso a una declaración o denuncia única, en la medida de lo posible, e interrogando a las víctimas únicamente sobre el hecho denunciado en búsqueda de obtener la información mínima e imprescindible para la investigación, en aras de evitar la revictimización; Realizar investigaciones prontas y exhaustivas teniendo en cuenta el contexto de coercibilidad como elemento fundamental para determinar la existencia de la violencia, utilizando pruebas técnicas y prohibiendo explícitamente las pruebas que se sustentan en la conducta de la víctima para inferir el consentimiento, tales como la falta de resistencia, la historia sexual o la retractación durante el proceso o la desvalorización del testimonio con base al presunto Síndrome de Alienación Parental (SAP), de tal manera que los resultados de éstas puedan combatir la impunidad de los agresores; Prohibir los mecanismos de conciliación o avenencia entre el agresor y las víctimas de violencia sexual contra las mujeres, y las causas eximentes o excluyentes de responsabilidad en esos casos, que mandan un mensaje de permisividad a la sociedad, refuerzan el desequilibrio de poderes y aumentan el riesgo físico y emocional de las mujeres que no se encuentran en igualdad de condiciones en la negociación