Rozanski:” A aplicação de um protocolo de abuso sexual infantil não alcança “

Para Rozanski, “é verdade que os regulamentos avançaram, mas não tanto a prática. A psicologia avançou, não a lei “, comparou ele. “Sempre, todos os avanços sociais positivos geraram reações negativas, geraram a resistência dos reacionários. E na Argentina, os avanços nesse assunto geraram reações muito violentas “.

Nesse sentido, o ex-juiz falou sobre as estratégias de defesa dos acusados ​​de abuso. “Até alguns anos atrás, a reação era dizer ‘as crianças estão mentindo’. Isso funcionou por um longo tempo. Mais tarde, quando foi necessário defender-se de forma diferente na Justiça, aqueles que os defendiam se dedicaram a pensar estratégias destrutivas, não defensivas. Eles pensaram sobre como eles conseguiram destruir a vítima e sua família, eles pensaram em destruir as pessoas que acompanham as vítimas. Isso não é difícil de detectar por um tribunal. O surgimento de estratégias destrutivas foi o que marcou as vítimas durante os últimos 20 anos na história judicial. Por que eles aplicam estratégias destrutivas? Porque com isso eles conseguem que as vítimas mudem seus testemunhos, conseguem que suas vítimas duvidem, que se retratem em suas declarações. E do ponto de vista da lei tradicional, que acaba beneficiando o acusado, por exemplo, para questões como o benefício da dúvida. É assim que eles conseguem não ser condenados “, explicou.

http://www.analisisdigital.com.ar/noticias.php?ed=1&di=0&no=264646

MÃES AFASTADAS DOS FILHOS SE UNEM PARA QUESTIONAR ALIENAÇÃO PARENTAL

Lei de 2010 para punir interferência na formação da criança mobiliza diferentes correntes

Assustada após relatos do filho, machucados em partes íntimas e alertas da terapeuta, uma mãe denuncia o pai da criança por abuso sexual e, depois de um processo judicial extenuante, é acusada de ter problemas mentais, perde a guarda e até o direito de ver o menino, que é entregue definitivamente ao pai.

O roteiro é igual para dezenas de mães que, afastadas de seus filhos pela Justiça após denúncias de agressões ou abusos sexuais, criaram um coletivo contra as decisões.

No início do mês, elas organizaram um ato em Brasília contra a lei da alienação parental, base de muitos dos processos. Uma mãe levou seu caso para a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, que vai analisar a petição.

Criada em 2010, a lei da alienação parental é controversa. O Conselho Federal de Psicologia sempre se opôs à medida, por considerar que acirrava os conflitos familiares e por avaliar que a teoria carece de sustentação científica.

Segundo a lei, a alienação parental é uma “interferência na formação psicológica da criança” promovida por um dos pais (ou figura de autoridade) contra o outro genitor. Na época, convencionou-se dizer que a lei impedia o pai ou a mãe de falar mal do outro para a criança. Como exemplos, a lei cita: realizar campanha de desqualificação, dificultar a convivência e apresentar falsa denúncia.

Caso comprovada, a alienação pode ser punida com multa, alteração da guarda e mudança de visitas, por exemplo.

A questão da falsa denúncia é uma das mais polêmicas e afeta várias das 103 integrantes do coletivo Mães na Luta.

Dentre elas, Adriana, 47, que foi proibida pela Justiça de ver o filho por um ano (seu nome foi alterado para preservar a criança). Os processos correm em segredo de Justiça.

Segundo ela, em 2014, quando estava casada com o pai do menino, a criança, que tinha dois anos, lhe contou sobre “brincadeiras no banho” e descreveu a presença de outro homem. “Ele disse que o ‘papai fez ginástica no pipi do irmão’. Só que o pai dele é filho único”, afirma Adriana, que gravou as conversas.

Ela confrontou o ex-marido, o casal brigou e Adriana registrou boletim de ocorrência para acusá-lo de agressão. “Ele me deu socos e chutes”, afirma a psicóloga, que trabalhava como diretora de RH.

Uma juíza concedeu uma medida cautelar, obrigando o marido a se afastar da casa.

Durante o processo, um laudo psicológico afirmou que a criança não teria sofrido abuso sexual. Além disso, peritas avaliaram que Adriana tinha problemas psiquiátricos, como transtorno esquizotípico, com alucinações e delírios.

“Fiquei chocada, dizia que eu era alienadora em grau severo e tinha abusado do meu filho para incriminar o pai.”

Para se defender, Adriana buscou outros profissionais, como o psiquiatra Jorge Adelino Rodrigues da Silva, então chefe de Psiquiatria e Medicina Legal da UFRJ. Ele contestou o diagnóstico e apontou a normalidade psíquica dela.

Ainda assim, como Adriana reiterou as denúncias, a guarda unilateral foi concedida ao pai em 2016. Adriana foi proibida de ver o filho por um ano.

Em 2017, uma sentença permitiu que a mãe fizesse visitas supervisionadas no fórum. Adriana diz, porém, que não tem notícias do filho há dois anos. “Como ele está? Como sobrevive? Não tem um único dia que eu não choro”, afirma ela, que perdeu o emprego, vendeu carro e casa para pagar dívidas dos processos.

Segundo a advogada Sandra Vilela, que defende o pai da criança, as acusações contra seu cliente foram descartadas. “Ela já podia estar vendo o filho dela há um ano. Por que ela não vem atrás?”, diz Vilela.

A advogada de Adriana, Noêmia Fonseca, afirma que as visitas ainda não ocorreram porque é preciso pedir o cumprimento da sentença, o que elas devem fazer em breve. 

A arquiteta Solange, 42, também denunciou o pai do filho por suspeitas de abuso sexual e perdeu a guarda por alienação parental em 2015. Ela (cujo nome também foi alterado) só pode ver o menino em visitas supervisionadas. Hoje, coordena o coletivo Mães na Luta. “É um crime de Estado, um atentado à vida das crianças entregá-las para abusadores.”

Para a psicóloga Iolete Ribeiro, do Conselho Federal de Psicologia, a lei da alienação parental deveria ser revogada. “Tem contradição de base, a lei pune o alienador com alienação. Não ajuda a criança.”

A promotora Valéria Scarance, coordenadora do Núcleo de Gênero do Ministério Público de São Paulo, está acompanhando os processos e afirma que a lei, única no mundo, inibe as denúncias. “Crianças são entregues a homens investigados por abuso sexual, e a mãe que denuncia é considerada alienadora. Há casos em que revertem a guarda antes do fim da investigação.”

Ela diz que o crime é difícil de comprovar, porque o abusador não costuma deixar vestígios ou testemunhas. Por isso, um processo arquivado não significa necessariamente que o crime não ocorreu.

Já o advogado Nelson Sussumu, presidente da Comissão de Direito de Família da OAB-SP, é favorável à lei. “Tem homens que não abusaram e ficaram anos sem ver o filho. Até concluir a investigação, a criança já se esqueceu dele”. 

A vice-presidente do Instituto Brasileiro de Direito de Família, Maria Berenice Dias, considera a legislação pedagógica. “Há uma visão machista na sociedade e no Judiciário de que o filho é da mãe. A lei ajudou a refletir sobre isso.”

Analdino Paulino, presidente da Apase (associação de pais que apoiou a lei), diz que a Justiça tende a favorecer a mãe. “O pai é visto mais como provedor do que cuidador.”

Outra corrente, no entanto, defende que o machismo das instituições torna mais fácil desqualificar o depoimento feminino. “A mulher que reclama é vista como desequilibrada, louca”, afirma Ribeiro.

Uma pesquisa inédita da psicóloga e doutora pela Uerj Analícia Martins aponta que a lei é mais usada por homens.

Em 63% dos processos, pais acusam mães de alienação —o contrário ocorre em 19% dos casos. Em 89%, a alienação não é comprovada. Foram avaliados 404 acórdãos entre 2010 e 2016, na BA, MG, RS, SP.

Para ela, que é autora de livros sobre o tema, não há uma resposta fácil. “A legislação pode ser usada tanto por abusadores quanto por pais que buscam ter contato com os filhos. Não dá para generalizar.”

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/08/maes-afastadas-dos-filhos-se-unem-para-questionar-alienacao-parental.shtml?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=compfb
https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/08/entenda-a-lei-da-alienacao-parental-e-as-punicoes-previstas-a-pais-e-maes.shtml

A PERSISTÊNCIA DA ‘SÍNDROME DA LOLITA’

Desde que os detalhes do caso Jimmy Savile começaram a aparecer, eu tenho, como um detetive filosófico, investigando a possível origem intelectual de sua mentalidade. Em outras palavras, tenho procurado o que tem sido chamado de “cultura do abuso”, que pode ou não ter sido um fator na BBC, ou o que Michel Foucault teria chamado de “epistémé” – um tipo de conspiração ao nível da linguagem e ideias e metáforas que (neste contexto) poderiam promover ou justificar a exploração sexual de raparigas. (Juntamente com sua contínua “revisão Savile”, a BBC também prometeu examinar o caso de Stuart Hall, outro radialista, que se declarou culpado de agredir indecentemente 13 meninas ao longo de três décadas.)

Detectei uma congruência significativa entre “Lolita” e a autobiografia de Savile.

Eu acredito que agora houve um avanço. Naturalmente, é perfeitamente possível objetar desde o início que toda essa investigação é fútil, que não há origem intelectual em coisa alguma, que a própria idéia de um whodunit – além da referência ao perpetrador real – é irrelevante em comparação com a predominância biológica. imperativos. É a economia libidinal, idiota! Mas esse argumento é em si parte integrante da conspiração.

Examinando a lista de suspeitos do costume, eu dificilmente poderia evitar considerar “Lolita”, romance clássico de Nabokov – virtuoso, provocador, indescritível, complexo, irônico – que foi publicado em 1955 e coincide nitidamente, historicamente, com a ascensão da revista Playboy de Hugh Hefner ( primeira edição: 1953). A voz insistente, retórica e retórica do narrador, Humbert Humbert, é contraposta à figura quase sem voz da própria Lolita, a menina de 12 anos (como é no começo do romance) que Humbert seqüestra. Eu estava prestes a escrever “seduz”, mas a chave para entender a narrativa é que é a própria Lolita quem seduz. Pelo menos, segundo Humbert. A narrativa é, em termos judiciais (lançada, como é, em um júri imaginário), uma recusa ou diminuição de responsabilidade em nome do acusado, ou uma reatribuição de responsabilidade. O argumento é que a “ninfeta” já é sexualmente aventureira. “Entre os limites de idade de 9 e 14 ocorrem donzelas que, para certos viajantes enfeitiçados, duas ou muitas vezes mais velhas do que elas, revelam sua verdadeira natureza que não é humana, mas nórdica (que é demoníaca).”

Detectei uma congruência significativa entre “Lolita” e a autobiografia de Savile, “As It Happens”, publicada em 1974, cujo capítulo 10 é lido como uma carta de pedofilia. O equivalente de “ninfeta” de Savile é “teentype” ou “sirene” (ou “bolinho”). Sempre procurando enganar os pais irados ou preocupados, ele é confuso por eras em razão de seu “tipo desconexo de teoria de que todas as garotas, em relação aos seus opostos masculinos, têm 2000 anos quando nascem”. Savile, uma católica, pode estar fazendo algum ponto sobre o pecado original aqui. Mas o tropo que trança juntos Nabokov e Savile é a imagem de Hugh Hefner, repetida com variações, de um homem mais velho (repleto, idealmente, com paletó e cachimbo de tweed – Savile prefere o charuto) enfeitado com ninfetas / sirenes / “companheiros” foram claramente atraídos para ele, como as abelhas para algumas plantas altamente polinizadas. Todos os três insistem em algum tipo de imperativo categórico que rege o comportamento das meninas. Savile também argumenta que “as meninas me ensinaram, apararam e me treinaram até os padrões olímpicos”. Foram eles que cuidaram de mim.

O primeiro trabalho de um filósofo (que eu saiba) que reuniu alguns desses tópicos foi “Brigitte Bardot and the Lolita Syndrome” de Simone de Beauvoir, um ensaio publicado pela primeira vez na revista Esquire em agosto de 1959. Deve ser dito que o interesse de Beauvoir Nesses assuntos não era puramente teórico (na verdade, é difícil conceber que os pensamentos de qualquer filósofo sejam puramente teóricos). Como investigadora diligente, sou obrigada a dizer que foi demitida de seu trabalho como professora em 1943 por “comportamento que levou à corrupção de um menor”. O menor em questão era um de seus alunos em um liceu de Paris. Está bem estabelecido que ela e Jean-Paul Sartre desenvolveram um padrão, que chamaram de “trio”, no qual Beauvoir seduzia seus alunos e depois passava para Sartre. (Veja, por exemplo, “A Disgraceful Affair”, de Bianca Lamblin,

A “síndrome de Lolita” de Beauvoir (seu favorito pessoal, segundo ela, entre seus ensaios) oferece uma defesa evangélica da emancipação sexual dos jovens. Eles foram amarrados em correntes por muito tempo: Bardot é apresentado como o Harry Houdini que vai tirá-los do cativeiro. Bardot é uma contraparte cinematográfica da própria Beauvoir, a Sócrates de Saint Tropez, que é falsamente condenada por “corromper a juventude da França”. Ela é uma “mulher-criança” – uma garçon manqué érotique – cuja diferença de idade é capaz de reacendendo o desejo queimado: “ela mantém a inocência perfeita inerente ao mito da infância”. Beauvoir postula Bardot como a encarnação de “autenticidade” e natural, puro “desejo”, com sexualidade “agressiva” desprovida de hipocrisia. O autor de “The Second Sex” faz questão de enfatizar a igualdade e autonomia sexual,

Em uma retórica que é meio-francófona, meio marxista, Beauvoir coloca sua heroína como uma libertadora moderna, liderando as gerações mais jovens, quebrando os tabus, “capaz de incinerar os pobres disfarces. essa realidade de camuflagem. ”“ As crianças perguntam incessantemente: Por quê? Por que não? Vamos sufocar as perguntas que o BB levantou?

Talvez no fundo haja todo um gênero do que foi descrito como “pedofilia pedagógica feminina”, fixado no despertar sexual das alunas. Mas provavelmente o trabalho chave desta geração, publicado na década de 1930, mas que se tornou um manual da década de 1960, foi “Coming of Age in Samoa”, de Margaret Mead.

Mead foi pós-graduada em antropologia em Columbia quando foi para Samoa pesquisar a tese que acabaria se tornando o livro. Mead foi, de certa forma, a americana Beauvoir, expoente e apóstola de temas feministas. Mas ela também foi precursora da Lolita de Nabokov (e dos primeiros Bardot). Suas garotas samoanas estão sempre à procura de aventuras sexuais “sob as palmeiras”, curiosas para experimentar antes de serem amarradas no casamento. Quer ela tenha sido fraudada ou não (como foi argumentado), a narrativa da síndrome de Lolita permitiu que ela desse uma reviravolta antropológica a Freud, retratando o hemisfério sul como o reino do id irrestrito, com o norte – norte – americano em particular – ainda confuso sublimação e repressão. Restava apenas para a brisa sufocante do Sul, com o pé da grama, soprar para o norte.

Savile retoma o mesmo argumento, na última página de “As It Happens”, aguardando ansiosos os “admiráveis ​​polinésios” que se juntam à Europa e trazendo “jolly goings on” à sua nativa Yorkshire: “Por que eles deveriam ter tudo?”

Tanto Beauvoir quanto Mead remontam aos precursores da liberação sexual do século XVIII ou início do século XIX. Sartre e Beauvoir usaram a palavra “fundamental (e)” para descrever um ao outro – o “necessário” outro significativo em suas vidas em contraste com os amantes “contingentes”. Eles estavam aludindo aos trabalhos de Charles Fourier, o pensador utópico pós-revolução (que forneceu um modelo para o futuro ao início de Marx e Engels). O “falanstério” de Fourier oferece (no “Le Nouveau monde amoureux” de 1805) um “mínimo sexual” que tende ao máximo: o cronograma rigoroso do futuro esboça uma Olimpíada sexual permanente envolvendo orgias públicas de massa, assuntos múltiplos e serviço de call-out sexual AAA para emergências.

Tédio e frustração – a insatisfação de qualquer uma das 12 principais “paixões” – tornam-se os pecados principais desta sociedade e a raiz de todo mal. A “civilização” tem sido (como Freud argumentaria) construída sobre a repressão, e não funciona: o objetivo é satisfazer todos os desejos, erradicando assim o conflito e a violência e introduzindo o estado conhecido como “Harmonia”.

Tanto Mead quanto Fourier (e Freud, mais criticamente) referem-se às viagens de descoberta, e notavelmente Bougainville e Tahiti em 1768. Essa foi a década de 1960 do século XVIII e o Taiti proporcionou uma cultura alternativa. O tema da “Viagem” de Bougainville foi que seus homens foram abordados e seduzidos – “conquistados” por “jeunes filles” (garotas jovens, possivelmente virgens). Os marinheiros franceses haviam se tornado objetos do desejo do outro. E a ninfeta sexualmente voraz, ou “Vênus”, recebe algum tipo de documentação histórica / antropológica pela primeira vez. A subseqüente tomada satírica de Diderot sobre o assunto sugere como esse estado de coisas aparentemente idílico poderia dar errado e como tudo estava inevitavelmente ligado ao exercício do poder colonial.

Leia as contribuições anteriores para esta série.

O modelo original da narrativa de Bougainville é Jean-Jacques Rousseau. Bougainville era um ávido leitor do “Discurso sobre a origem da desigualdade”. Mas o mais crucial para a Síndrome Lolita é “Emile”, datado de 1762, notável pela teoria de Rousseau de “educação negativa”. A educação formal, como tal, só pode estragar a criança em crescimento. As crianças devem ser mantidas longe de bibliotecas, escolas e professores pelo maior tempo possível. Eles já sabem tudo o que eles praticamente precisam saber. Eles são (como poderíamos dizer agora) geneticamente pré-programados. Rousseau, em um movimento que talvez seja a base do romantismo, inverte a clássica relação pedagógica e sugere que é a criança que nos ensina, e não o contrário. Tudo o que podemos fazer é corromper e distorcer o software embutido.

Percebi que, quando voltei a Emile, encontrei aqui o precursor intelectual de Humbert Humbert e Savile, de Nabokov. Para Savile, é o “teentype” quem “me ensinou, cortou e treinou”. Humbert Humbert, o acadêmico inglês, é derrubado pelo conhecimento carnal superior da ninfeta. Beauvoir encontra a salvação na figura do ingênuo e ingênuo BB; Mead vê o futuro do norte no sul primitivo. Em cada caso, supõe-se que a educação não mais serve a nenhum propósito real. A educação, como diria Rousseau, é apenas uma maneira de prender a criança em ferros. A criança sempre tem 2.000 anos de idade, educada automaticamente.

A ironia de minha investigação sobre o paradigma da orgia perpétua é que estou argumentando que o estilo de pensamento que fez uma diferença real sustenta que o pensamento não faz diferença real. Rousseau foi o distante padrinho dos argumentos contemporâneos que implicam que a educação é, com efeito, irrelevante, uma vez que o gene egoísta (ou “natureza”) é primordial e a sociobiologia governa. Mas o ponto que emerge da análise de Beauvoir em “The Lolita Syndrome” é que a liberação e a “autenticidade” são indistinguíveis da coerção porque transformam a própria noção de “liberdade” em um imperativo categórico. Como Rousseau argumenta em “O Contrato Social”, o cidadão (jovem / velho, masculino / feminino) tem que ser “forçado a ser livre”. Como tantas vezes, a liberdade coincide com o que eu quero que você faça por mim.

Talvez o falanstério de Fourier já esteja aqui, com sua satisfação ininterrupta de paixões. Mas há certamente uma convergência irônica entre crentes e ateus. Savile por um lado, fixado na mãe e explicitamente convencido de sua própria pecaminosidade, esperava se livrar do apelo final e póstumo ao “Chefe”. E, em uma imagem espelhada estranha, os secularistas são perfeitamente capazes de dissolver qualquer noção de responsabilidade em uma invocação de padrões de comportamento antigos, até mesmo pré-humanos. Para Savile, há predestinação; para outros, existe a desculpa abrangente do fatalismo genético.

SIMONE DE BEAUVOIR: O DEFENSOR DA PEDOFILIA QUE ESTABELECEU OS FUNDAMENTOS DA IDEOLOGIA DE GÊNERO

Ela foi demitida por corromper um aluno menor

O endosso de Beauvoir da legalização da pedofilia não foi acidental. Como Andy Martin relembrou no The New York Times (também mídia progressista) em 19 de maio de 2013, a ideóloga feminista foi demitida de seu emprego como professora em 1943 por corromper um aluno menor. Alguém poderia pensar que a demissão foi devida a causas políticas, mas o fato é que Beauvoir havia colaborado com a Rádio Vichy, uma estação do regime colaboracionista de Pétain ; um fato que ela reconheceu em suas memórias. Martin também lembra que, sendo um parceiro sentimental do escritor, “Jean-Paul Sartre desenvolveu um padrão, que eles chamaram de” trio “, no qual Beauvoir seduziu seus alunos e depois os passou para Sartre.”Por outro lado, em agosto de 1959, a revista Esquire publicou um ensaio polêmico de Beauvoir intitulado “Brigitte Bardot e a síndrome Lolita” , no qual o escritor feminista era fascinado pelo aspecto infantil da atriz.

Em suma, se esta é a referência do feminismo de gênero em termos de pensamento, muitas famílias têm razões suficientes para se sentirem alarmadas.

Simone de Beauvoir: The Pedophilia Supporter Who Laid the Foundations of Gender Ideology

Brasil é o campeão em número de pedófilos

Apesar de todas as campanhas, cerca de mil novos sites de pedofilia são criados todos os meses no Brasil.. Dados apresentados pelo deputado Luiz Eduardo Greenalgh (PT), à embaixada norte-americana em Brasília dão conta que  52%  desses sites tratam de crimes contra crianças com idades que variam de 9 a 13 anos e 12% deles  expõem  até crianças de zero a três meses.

O levantamento mostra ainda que  76% dos pedófilos do mundo estão no Brasil, o que mostra de acordo com a deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB-Ac), que só será possível combater esse mal com o envolvimento de toda a sociedade.

Consciente disso a parlamentar acreana mantém sua campanha de esclarecimento nas escolas . Uma prática que já dura 9 anos e que já percorreu o estado, inclusive com o apoio da atriz global Brenda Hadad.

Na manhã desta sexta-feira (29), a palestra com distribuição das cartilhas de combate a pedofilia, aconteceu na escola da Fundação Bradesco, para uma platéia de estudantes do ensino infantil à 5ª série e contou com a colaboração do promotor  de justiça da Infância e Juventude Francisco Maia e dos membros do Conselho Tutelar.

Os palestrantes motivaram as crianças a contar tudo aos pais, incentivando o aumento da confiança e na ausência dela a buscar ajuda no Conselho Tutelar e na própria escola. Em côro as crianças decoraram os números. Dos telefones úteis em caso de perigo. “Na vida da gente, tudo tem um tempo. vocês precisam absorver isso. E nossa função, enquanto pais, professores, poder público é protegê-los até que vocês tenham idade para se cuidarem sozinhos  explicou o promotor.

O diretor da escola, Marcondes Montysuma aproveitou para alertar as crianças a não aceitarem nada de estranhos, nem água e muito menos carona.

A deputada Perpétua Almeida chamou a atenção das crianças para os riscos que correm na internet com homens se passando por garotos de 14 e 15 anos para seduzir as crianças que pensam estar conversando com alguém de idade próxima da sua. “ Na  CPI da  pedofilia.eu chorei ao ouvir alguns relatos e prometi a mim mesma combater esse mal com todas as armas possíveis. Cada criança que conseguirmos salvar será uma vitória”.

De acordo com o relatório apresentado à embaixada norte-americana, o mundo da pedofilia está crescendo e o uso da internet facilita isso, porque os pedófilos trocam informações sobre empregos, como em colônias de férias por exemplo, para descobrir maneiras de ficar mais perto das crianças.

A exemplo das outras vezes, todos os estudantes receberam um exemplar da cartilha e a exortação para que mostrem , discutam e leiam com os pais, para que possam se manter alertas contra os criminosos que rondam a infância. Paralelo a isso, a deputada Perpétua Almeida renovou o pedido para que os professores debatam o assunto com as crianças em sala de aula: “Nossas crianças tem que ficar espertas para aprender a reconhecer o abusador e não cair nas garras dele e também para identificar sinais de abuso em algum colega e pedir ajuda”

Brasil é o campeão em número de pedófilos

“VIOLENTADAS PELO AMOR”…

Muitos referem ao AMOR DE MÃE, e realmente nada se compara ao Amor de Mãe.
Quando nasce uma Mulher, nasce com ela o desejo da maternidade. É bem verdade, que ao crescer muitos desejos são minimizados, entretanto, qual Mulher não brincou de boneca?
Qual Mulher já não ninou em seus braços, quando criança, uma boneca imaginando um dia engravidar, amamentar, e ter em seus braços uma parte de si?
Esse amor materno que existe antes mesmo de virarmos gente grande, já é inerente a todas nós.
Na realidade, desde quando “viramos gente” já amamos aqueles que afagaremos em nossos braços e consequentemente nos tornamos “refens do amor”.
Não mexa com a nossa cria que viramos Leoas, sim! Não maltratem, mao machuquem, não os deixem triste, que acima de tudo, esquecemos qualquer compromisso assumido, e realmente esquecemos de nós mesmo para proteger aqueles que são carne da nossa carne: nossos filhos!
Refens do Amor, muitas Mulheres ao ver seus filhos não sendo criados da forma que deveriam, ou até sofrendo na pele a tão conhecida “Violencia Domestica”, abdicam do conforto, da estabilidade seja ela economica ou social, e resistem as relações tóxicas, doentias, atormetandoras e abusivas de cada dia.
Agora não mais refem da Violencia Domestica de forma direta, mas sim, perpetuando a mesma em forma de papéis e informações “arranjadas” na forma de manipuladas “denuncias” tudo com o fim de sabotar a relação materno-filial preconizada por gerações mas agora na pecha de “Alienação Parental”.
Inumeras são as “Denuncias” que apimentadas como “Alienação Parental” podem fazer uma Mulher torna-se refem do AMOR.
Vai desde maus tratos, passando pela “Mãe não presente”, até mesmo na maioria das vezes e não poucas, chamando-as de “Vaca, Vadias e Vagabundas”.
Tudo sob o olhar do Judiciário e que na sua grande maioria não reelava a crime de Calunia e Difamação, Aliás a Sociedade cala-se diante disso, e assim, ao calar-se, inconscientemente está normatizando que todas são “Vacas, Vadias e Vagabundas”.
Sim, todas mesmo, tanto as ex-conjuge, sogras, maes, filhas e até mesmo as concubinas, pois cada dia mais a Justiça não tomando providencia todas “indistintamente” tornan-se as “VADIAS DA PENHA” (como já li em uma reportagem).
E a Justiça ao receber esse tipo de Denuncia, rapidamemente chama a Mulher em audiencia e a adverti para que mude sua conduta, pois qualquer “escorregão” é “alienação parental”.
Se muda de emprego, porque mudou?
Se muda de residencia, porque mudou?
Se sobe de cargo, porque subiu?
Se perdeu emprego, quer viver as custas do ex-conjuge, e perde o filho por “incapacidade financeira”.
Se trabalha muito, perde o filho por ser uma “mãe ausente”.
Se cuida em demasia do filho, perde-o porque tem uma “simbiose doentia” pelo filho.
Enfim, apesar de toda “mordenidade” apregoada, nunca retrocedemos tanto, nunca fomos tão refens, e nunca estivemos escravizadas pelo sitema.
“Alienação Parental” sempre será um jogo com uma só parte que terá poder de mando, aliás, esse poder de mando sempre será do abusador, e sempre se dará “ALIENAÇÃO PARENTAL” com inversão de guarda para o homem.
Feminista eu?
Não, de forma alguma, sou só realista.
Basta olhar os inumeros homicidios de pais matando ex-esposas e filhos e verão que tenho razão.
Se em 2006 comemoramos a instalação da Lei Maria da Penha no Brasil, entretanto nos descuidamos e em contrapartida os homens tiveram a “Alienação Parental”, e nessa quebra de braço quem está perdendo são as crianças.
Somos o 5º pais do Mundo em feminidicio, o 10º em pornografia e o 1º em pedofilia.
Para voce não diz nada? Pois bem para mim diz muita coisa, e só posso te dizer uma coisa: “Enquanto não revogar a Lei da Alienação Parental, a Mulheres que se cuidem, mas muito mais, cuidem de seus filhos, pois Eles descobriram o nosso ponto franco e nos tornamos “REFENS DO AMOR”!
Dra Patricia Alonso – Advogado, Historiadora, Escritora.

LEVANTAMENTO REVELA CAOS NO CONTROLE DE DENÚNCIAS DE VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS

DENUNCIAS DE ABUSO SEXUAL INFANTIL
– 2016 –  foram 15.707.
– 9 mil denúncias no primeiro semestre de 2017
– Os dados são do Ministério dos Direitos Humanos, que mantém o serviço do Disque 100 sendo que o serviço só recebe retorno sobre o andamento da apuração em 16% dos encaminhamentos na média
– Em 2016, o sistema de saúde registrou 22,9 mil atendimentos a vítimas de estupro no Brasil. Em mais de 13 mil deles – 57% dos casos – as vítimas tinham entre 0 e 14 anos. Dessas, cerca de 6 mil vítimas tinham menos de 9 anos.
– “Crianças e adolescentes de até 14 anos são mais vulneráveis à ocorrência de estupro principalmente na esfera doméstica. Os autores da violência, na maioria das vezes, são familiares e pessoas conhecidas”, afirma a médica Fátima Marinho, da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde.
https://www.bbc.com/portuguese/brasil-43010109?ocid=socialflow_twitter

Síndrome da Memória Falsa: Controle da Mente e Pedofilia

https://steemit.com/pizzagate/@whitedeer9217/false-memory-syndrome-mind-control-and-pedophilia


http://aconstantineblacklist.blogspot.com/2009/09/ritual-abuse-cia-mind-control-false.html
http://archive.is/6MnaG
http://archive.is/iWUtd
http://archive.is/IF8Mf
http://tedgunderson.info/index_htm_files/US%20Customs%20Service%20Report%20of%20Investigation%20FINDERS.pdf
http://archive.is/m4YB2
http://archive.is/spotlightonabuse.files.wordpress.com
http://archive.is/auyvh
http://archive.is/syPgb
http://archive.is/wUD6p

https://www.amazon.com/Search-Manchurian-Candidate-Behavioral-Sciences/dp/0393307948
http://archive.is/kE93c
https://isgp-studies.com/false-memory-syndrome-foundation-fmsf
http://archive.is/s3j7Q#selection-1379.0-1383.1
http://archive.is/7GCRt#selection-537.1-540.0
http://archive.is/lIpNw
http://archive.is/h5tvj#selection-965.1-965.156
http://archive.is/s3j7Q#selection-1231.0-1239.1
http://archive.is/s3j7Q
http://archive.is/h0ESl
http://archive.is/s3j7Q#selection-1723.0-1727.1
https://archive.is/nE3Vi#selection-385.10-393.1
http://archive.is/EAM8L#selection-97.0-97.402
http://archive.is/WVVUz#selection-1341.0-1341.228
http://archive.is/EkgYO#selection-564.1-564.3
http://archive.is/10jI6#selection-896.5-896.21
https://archive.is/tHcAR
http://archive.is/7XwIK#selection-2017.0-2253.13
http://archive.is/7XwIK#selection-1745.135-1745.672
http://archive.is/7XwIK#selection-1757.140-1757.417
http://archive.is/IynN9
http://archive.is/FN4HR

VARREDURAS CEREBRAIS FORNECEM PISTAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA PEDOFILIA

Resumo: Um novo estudo revela que homens pedófilos têm atividade aumentada no córtex insular anterior esquerdo quando visualizam imagens de animais jovens.

Fonte: Universidade de Kiel.

Por que alguns adultos desenvolvem um interesse sexual em crianças ainda não é cientificamente compreendido. Uma equipe de pesquisa do Instituto de Medicina Sexual e Psiquiatria Forense e Psicoterapia da Universidade de Kiel e do Centro Médico Universitário Schleswig-Holstein (UKSH) Campus Kiel, juntamente com cientistas de outras universidades do norte da Alemanha, encontrou novas pistas sobre as possíveis causas de pedofilia nos homens. Em um estudo financiado pelo Ministério Federal de Educação e Pesquisa, os cientistas foram os primeiros a identificar uma falha no chamado sistema nutricional no cérebro como uma possível explicação. Suas descobertas foram publicadas na revista científica Frontiers in Human Neuroscience .

Na busca de explicações para os distúrbios pedófilos, numerosos estudos prévios concentraram-se principalmente no sistema de acasalamento, ou seja, as reações do cérebro a estímulos sexuais, os mecanismos associados de controle de impulsos e possíveis aberrações anatômicas cerebrais. A equipe de pesquisa da Kiel, no entanto, concentrou-se nas funções cerebrais que controlam o chamado comportamento nutridivo. Os homens são diferentes da maioria dos mamíferos machos, na medida em que são capazes de realizar um alto grau incomum de atividades de nutrição, o que significa que possuem uma ampla gama de habilidades sociais com as quais podem cuidar de seus filhos. Nos mamíferos – incluindo humanos – esse comportamento está associado a uma regulação hormonal específica.

Com base em seu trabalho anterior, a equipe de pesquisa da Universidade de Kiel suspeitou de uma possível superatividade do sistema de nutrição em pedófilos masculinos. “Em nosso estudo, investigamos inicialmente mecanismos nos cérebros dos afetados, que não estão relacionados à sexualidade. As causas da pedofilia são mais complexas do que se supunha anteriormente, e possivelmente também podem estar relacionadas a uma sexualização de carinho ”, enfatizou o psicólogo Dr. Jorge Ponseti, chefe do estudo de Kiel.

Os cientistas investigaram respostas cerebrais de homens pedófilos a imagens de animais jovens e adultos por meio de ressonância magnética (MRI). Como tal, eles usaram um método que funciona independentemente dos estímulos sexuais, onde a fofura dos animais jovens representada causa ativação do sistema de nutrição.

Verificou-se que a percepção subjetiva desses quadros por homens pedófilos não foi diferente da de um grupo controle saudável. No entanto, a ressonância magnética mostrou que a atividade cerebral das pessoas afetadas aumentou significativamente quando se olha para os animais jovens. O aumento da atividade foi encontrado em áreas específicas do cérebro, como o córtex insular anterior esquerdo, que geralmente é ativado quando as mães olham para o próprio filho, por exemplo. Os pesquisadores da Kiel concluíram que a pedofilia também pode estar relacionada a um mau funcionamento do sistema de nutrição masculino. Os cientistas agora querem verificar essas correlações recém-descobertas em estudos subseqüentes.

Uma abordagem que eles querem seguir diz respeito à concentração de certos hormônios nas fêmeas, que diminui no início da menopausa. Isso causa uma mudança no sistema de nutrição das mulheres e, por exemplo, reduz sua reação à fofura. A equipe de pesquisa planeja testar se a regulação hormonal médica tem um efeito similar nos homens afetados. “Esta abordagem terapêutica proporcionaria a oportunidade de tratar tendências pedófilas de uma maneira muito mais direcionada do que é possível hoje”, disse um otimista Ponseti.

https://neurosciencenews.com/mri-pedophile-brain-8548/

A NEUROBIOLOGIA E A PSICOLOGIA DA PEDOFILIA: AVANÇOS E DESAFIOS RECENTES

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4478390/

CONVENCIÓN BELÉM DO PARÁ (MESECVI) MESECVI/CEVI/DEC.4/14 Undécima Reunión del Comité de Expertas/os 19 de septiembre 2014 Practicar las diligencias periciales teniendo en cuenta los derechos fundamentales de inviolabilidad e integridad física y moral de las mujeres, niñas y adolescentes víctimas de violencia, observando los criterios de razonabilidad y proporcionalidad, siempre bajo la existencia de consentimiento previo e informado de las víctimas; Reducir la cantidad de intervenciones de las mujeres, niñas y adolescentes víctimas de violencia sexual en el proceso a una declaración o denuncia única, en la medida de lo posible, e interrogando a las víctimas únicamente sobre el hecho denunciado en búsqueda de obtener la información mínima e imprescindible para la investigación, en aras de evitar la revictimización; Realizar investigaciones prontas y exhaustivas teniendo en cuenta el contexto de coercibilidad como elemento fundamental para determinar la existencia de la violencia, utilizando pruebas técnicas y prohibiendo explícitamente las pruebas que se sustentan en la conducta de la víctima para inferir el consentimiento, tales como la falta de resistencia, la historia sexual o la retractación durante el proceso o la desvalorización del testimonio con base al presunto Síndrome de Alienación Parental (SAP), de tal manera que los resultados de éstas puedan combatir la impunidad de los agresores; Prohibir los mecanismos de conciliación o avenencia entre el agresor y las víctimas de violencia sexual contra las mujeres, y las causas eximentes o excluyentes de responsabilidad en esos casos, que mandan un mensaje de permisividad a la sociedad, refuerzan el desequilibrio de poderes y aumentan el riesgo físico y emocional de las mujeres que no se encuentran en igualdad de condiciones en la negociación