CONSTELAÇÃO FAMILIAR- MEDIAÇÃO – JUSTIÇA RESTAURATIVA

CONSTELAÇÕES FAMILIARES, UM PERIGOSO MÉTODO PSEUDOCIENTÍFICO

O método Constelações familiares foi desenvolvido pelo filósofo, teólogo, educador e auto-intitulado “psicoterapeuta” Bert Hellinger. Seu objetivo é livrar as pessoas de suas “tensões / conflitos” que normalmente vêm de “gerações passadas e têm suas raízes nos eventos da história da família”, tais como os conflitos armados, violência familiar ou doméstica, a morte prematura de pais ou filhos, abortos, separações ou violações. Isso pode se manifestar no presente como depressão, psicoses, medos, dores de cabeça, fadiga crônica ou problemas de relacionamentos. Em resumo, eventos emocionalmente intensos (conflitos não resolvidos) dos nossos ancestrais familiares que são transmitidos de geração em geração.
Para que serve? Seus defensores dizem que podem tratar quase tudo, desde traumas de infância, depressão, tristeza e melancolia, superar acontecimentos trágicos como a perda ou a tristeza, lidar com doenças, problemas de relacionamentos de casais, relacionamentos atuais ou passados, problemas de fertilidade ou adoções, problemas com as crianças (qualquer tipo), dificuldades nos relacionamentos familiares ou nas relações sociais. Como se dá a constelação? No site da Associação Espanhola de Constelações Familiares Bert Hellinguer publica seu método e diz : Para resolver os problemas que herdamos, a constelação pode ser feita em grupos ou individualmente. No grupo você pode se envolver em 3 níveis : Como um cliente expondo um assunto pessoal que pretende resolver .. Como um representante, se colocando a serviço do outro , e assim passando a representar algum membro de sua família. Ou como participante observando e ajudando com energias durante o transcorrer da constelação. Em seguida, o constelador, que direciona e comanda a dinâmica, faz com que o cliente exponha o seu problema, e então depois escolhe as pessoas que irão representar a família atual ou a de origem. Vão te colocando e pedem que se movam ou atuem de acordo com as energias que recebem enquanto estão interpretando o papel. O orientador constelar por intermédio dos representantes que estão no palco participando da sessão e expressando os seus sentimentos,procura ajudar com frases de cura. Ele geralmente acaba incluindo o cliente pedindo-lhe para tomar o seu lugar e que participe dessa nova imagem curativa da nova família. Também se pode constelar individualmente. Para isso se usam figuras ou bonecos, tapetes ou papéis que são usados para configurar o sistema familiar. O trabalho de percepção de energias se faz unicamente entre o cliente e o constelador . De acordo com seu guru, possuímos “conexões inconscientes com o destino de nossos antepassados” que devem ser reveladas para se ter a cura. Defende a ideia de ressonância mórfica de Rupert Sheldrake para explicar como o nosso destino está ligado com nossos antepassados . Campos de energia com memória que influenciam e nos ligam no presente com pessoas, lugares ou animais do passado. Algo parecido com aqueles que defendem e praticam Reiki. O que ela (Constelação Familiar) não é ? Ela não é uma terapia com evidência científica . Não há nenhum tipo de estudo medianamente rigoroso que confirme sua eficácia. As Constelações familiares nunca estiveram sob qualquer protocolo experimental sério que confirme aa eficácia dessa terapia em todos. Os resultados positivos podem ser atribuídos aos processos de sugestão e de empatia. Ela não tem um modelo explicativo da realidade científica, coerente ou medianamente realista. Sua teoria ou modelo teórico é uma mistura de bases pseudocientíficas capturadas de outras terapias ou modelos de duvidosa ou nenhuma eficácia como a psicanálise, a Primal Therapy, o Psicodrama,a hipnose, a análise transacional, de Gestalt , a programação neurolinguística (PNL) e a terapia familiar sistêmica (a que o autor considera uma derivação). Ela está cheia de conceitos pseudocientíficos como o da ressonância mórfica ou o misticismo quântico. Energias que a ciência não descobriu e que unem todos os seres humanos uns aos outros para além do tempo ou espaço. Algo assim como a força,expressão falada por Yoda em Star Wars, que eles agora chamam de Cosmic Power (Poder Cósmico), onde o cliente não tem necessidade de falar. Dá para se ver que,tudo é muito científico e sério como “fórmulas matemáticas” que suportam o absurdo. Não é necessário uma formação especializada para a prática das Constelações. Possivelmente uma das razões por proliferar tão bem em qualquer lugar do mundo. Qualquer um pode se tornar um “facilitador” e não exigem que estes indivíduos possuam uma ampla formação ou ser psicólogos. Não é uma prática ética. Nenhum psicólogo licenciado deve empregar as constelações familiares em consulta. Se você fizer isso, violando o artigo 18 do código de ética: “Sem prejuízo da legítima diversidade de teorias, escolas e métodos, ele /ela psicólogo /a não utilizará meios ou procedimentos que não são já utilizados suficientemente, dentro dos limites do conhecimento científico atual. ” Elas não se adaptam às necessidades atuais. Como boa pseudoterapia que é , ela está ancorada aos preceitos que pouco ou nada tiveram evolução ou foram alteradas ou modificados desde que seu criador a concebeu e que visa perpetuar uma visão familiar e social arcaica e reacionária. Em conclusão, as constelações familiares são uma forma de pseudopsicoterapia cujo modelo teórico é baseado em idéias extraídas de outras pseudoterapias e crenças pseudocientíficas ou mágicas. Defende uma visão conservadora e muito antiga da família, uma prática profissional muito pouca especializada e umas “técnicas” altamente sugestivas sem evidências científicas e “técnicas” cujo efeito não vai além do placebo, podendo tornar-se contraproducente para seus participantes. Se você tem qualquer tipo de problema procure ajuda de um profissional, porque a sua saúde física ou mental não é um jogo de performances teatrais, força cósmica ou estatuetas de brinquedo.

https://alagoasreal.blogspot.com/2017/07/constelacoes-familiares-um-perigoso.metodo.pseudocientifico..html?m=1

Constelaciones Familiares: lo que no se cuenta
As constelações familiares estão na moda. Na internet pode-se encontrar centenas de centros e pessoas que os oferecem para tratar e entender todos os tipos de transtornos e doenças indeterminadas. Mesmo alguns psicólogos bastante sérios às vezes surpreendem seus clientes com essa técnica que, quando analisada, causa uma mistura de surpresa e estupefação.Embora sejam muito difundidas e sua análise seja de interesse tanto para os psicólogos profissionais quanto para os pensadores críticos ansiosos por desvendar a maguéfada de plantão, é que atraíram pouca atenção em nosso ambiente. A verdade é que praticamente não há nada publicado em espanhol criticando os fracos fundamentos das constelações familiares, apesar do fato de que na Alemanha, seu país de origem, a literatura sobre o assunto é abundante e convincente.

Neste texto eu gostaria de analisar essa prática. Começando contando sua história bizarra, algumas de suas fundações e terminando com os problemas apresentados nos níveis científico e ético. Com isso, pretendo começar a prestar atenção a uma prática pseudoterapêutica que é teoricamente desprezível e que também tem certos perigos na prática. Uma prática que, como é usual no mundo surreal das psicoterapias folclóricas , geralmente corre à vontade sem qualquer regulação ou oposição crítica.

A constelação familiar de constelações familiares

A história das constelações familiares é muito semelhante à da Nova Medicina Alemã e está intimamente relacionada à biodecodificação. O trailer é um filme de mil vezes visto: um iluminados não treinados … um maluco idéias a partir da manga … problemas legais em todos os lugares … e um bando de idiotas que seguem … logo no pior dos teatros e centros xamanismo seu cidade

Vamos para o começo. Porque no princípio de tudo Deus criou o céu e a terra; e no começo das constelações familiares ele era: Bert Hellinger. Era uma vez um cavalheiro alemão cujos seguidores gostavam de se apresentar como defensores da liberdade e dos direitos humanos desde a infância. Mas a verdade é que, que jovem louco ele era, lutou no lado nazista na frente ocidental. De fato, e à luz de suas intervenções curtas subseqüentes, ele permaneceu um pouco nazista até hoje. Durante esses anos jovens ele foi preso pelos aliados na Bélgica, onde ele acabou em um campo de prisioneiros de guerra do qual ele escapou.

Depois de sua experiência como lutador nazista, Bert decidiu se tornar padre. Ele estudou teologia, um pouco de filosofia que é o que todo bom sacerdote deve saber, e um pouco de pedagogia para trazer descarreados negritos e mau para o rebanho do Senhor. E assim foi, porque Bert estava destinado a África do Sul a se converter ao catolicismo para os Zulus, que na época eram um pagãos pecadores que este cavalheiro alemão acreditava deve iluminar com o dom da civilização ocidental e da palavra de Deus. A verdade é que, de acordo com as fofocas, Bert não foi muito eficaz, e de fato acabou engolida pelo panteísmo dos Zulus, deixando de lado a Bíblia em troca de uma visão ainda mais mística das escrituras realidade. Talvez o resultado dos alucinógenos e transes hipnóticos dos rituais em que ele participou, Não está totalmente claro. O fato é que ele acabou deixando a ordem a que pertencia e retornou à Alemanha após sua expulsão africana.

O cavalheiro alemão vai a Viena, onde estuda psicanálise e se torna um fervoroso seguidor da versão junguiana dessa prática pseudo-terapêutica . Bert também viaja para os EUA, onde participou da dinâmica de grupo de Ruth McClendon e Les Kadis. Bert viu um nicho de mercado. Um termo tirado de Adler -‘constelaciones familiares’-, um pouco de Virginia Satir, alguns psicanálise junguiana, uma série de princípios fictícias, uma dinâmica de grupo que dão origem a uma sugestão forte, e pronto: Habemuspseudoterapia. Hoje, este cocktail com adições de ‘campos mórficos’ de Rupert Sheldrake e alguma memória não celular ir a menos que ficar complementos anticuados-, e é chamado as constelações com hiperpomposo nome’ abordagem trans-sistêmico-fenomenológica ‘

O macho das cavernas e a origem de todo o mal

Como toda teoria maluca desse tipo, não poderia haver muita palavreado pseudocientífico faltando. Neste caso, o que encontramos são distorções da história evolutiva humana, arqueologia e antropologia cultural. A idéia básica é que os conflitos não resolvidos de nossos ancestrais são transmitidos de geração em geração, causando problemas no presente a serem somatizados na forma de distúrbios e doenças. Assim, para resolver e entender esses problemas, seria necessário fazer uma série de dinâmicas e exercícios – que geralmente envolvem dramatizações ou representações com figuras ou letras -, para representar nossa família até várias gerações atrás. Depois de um teatro com um forte conteúdo de sugestão em que as pessoas choram e são submetidas, por vezes, a exercícios dignos de Tony Kamo, nós localizamos o problema que nos afeta. Este problema, por exemplo, um aborto de nossa avó ou um duelo maltratado pelo nosso tio seria aquele que está causando o nosso casamento não vai bem, temos depressão ou até mesmo ter um tumor, e poderia ser resolvido com um pouco mais teatro e rostos sérios.

Esta ideia baseia-se na organização tribal dos grupos humanos paleolíticos. Essa estrutura social, supõe Hellinger, baseava-se em patriarcados fortes, em que o filho mais velho era o herdeiro e a ordem social era pré-definida de acordo com a linhagem de cada um. Este é o “estado da natureza”. Um momento feliz em que todos estavam em seu lugar e não havia conflito. Supõe-se que neste momento histórico os grupos humanos estavam totalmente isolados um do outro – o que contradiz a evidência arqueológica, que mostra a existência de grandes culturas paleolíticas – até a chegada do neolítico neolítico. Aqui os grupos se juntaram, as cidades foram geradas, a discórdia nasceu, as inas de querer mais e o individualismo. Isso quebra o estado da natureza e a tragédia começa.

Então haveria uma tensão inerente em nossas famílias. De um lado a ordem ‘natural’, paleolítica e, de outro, o atual modelo de família que nos empurra para romper com a família, entrando em dinâmicas que perturbam a ordem e geram todo tipo de desordens, inclusive médicas. Como vemos, há uma clara falácia naturalista no argumento de Hellinger, um “é, então deve”. A família paleolítico tem sido tão -algo altamente duvidoso, dada a enorme plasticidade das estruturas sociais humanas- Hellinger serve para justificar família conceito obsoleto, e responsabilizar aqueles que transgridem a culpa por seus problemas e doenças.

A maneira como os problemas são transmitidos de geração em geração é uma idéia bastante rara, dado que seria um mecanismo mágico estranho à ciência. É um tipo de telepatia metafísica que permite que membros de grupos familiares sejam comunicados, compartilhando propósitos e sentimentos. Estaríamos conectados com nossos parentes dessa maneira e, por esse motivo, mesmo que nem nós nem alguém da família saiba de nada, o aborto de nossa avó aos 21 anos de idade poderia nos afetar igualmente. A partir deste ponto nasce o elo atual das constelações com as idéias de Sheldrake e memória celular – lembre-se que a única evidência que sustenta a “memória celular” é o processo de diferenciação celular em culturas histológicas, que faz com que algumas das cópias geradas na mitose tenham certos fatores de transcrição que os levam a expressar genes que seus clones não expressam; um fenômeno muito estudado em culturas celulares e embriologia, que nada tem a ver com memórias de ancestrais e muito com a especialização celular.

A concepção de Hellinger da família ideal é digna de Game of Thrones. De fato, resta dizer que o segundo filho tem que ir para a guerra, o terceiro para ser um monge e as filhas para manter a virgindade para arranjos familiares. A partir desta noção de família medieval desenvolve alguns princípios que devem governar o que deveria ser uma família modelo com indivíduos saudáveis. Por exemplo, quem tem mais tempo tem prioridade; que o pai seja o chefe da família e tome as rédeas; que não estar em um lugar adequado na hierarquia familiar enfraquece todo o grupo; que todos devem subordinar seus interesses ao interesse do grupo, mesmo tendo que sacrificar ou sacrificar os outros. Desta forma, os indivíduos arrogam, compensam e expiam seus parentes, atuais ou ancestrais, consciente ou inconscientemente.

Mulheres culpadas, criminosos de guerra e muitos julgamentos

constelações familiares Hellinger tornaram-se moda em todo o mundo, onde são realizados por pessoas não qualificadas para trabalhar em ambientes de cuidados de saúde, não colegial e, portanto, não regido por qualquer código de ética ou supervisionado por qualquer instituição de saúde. Isso gera que não há defesa do consumidor dessa suposta terapia, já que não podemos esquecer que, afinal, o terapeuta está oferecendo um produto na forma de um ato médico. Devemos lembrar que o próprio guru, Hellinger, não tinha nenhum treinamento de saúde e, apesar disso, ele tem um centro onde ele trata centenas de pessoas e pontifica impunemente.

Embora seja verdade que muitas pessoas que realizam constelações familiares indicam que, como terapia, elas só são aplicáveis ​​a pessoas saudáveis ​​com doenças indeterminadas – caso em que o uso do termo “terapia” não é lícito – há um grande número deles que tentam doenças graves. E não apenas depressão. Eles oferecem constelações como suplementos à quimioterapia e como uma forma de ‘entender’ o câncer, e até como um tratamento para a anorexia. No caso da anorexia, por exemplo, explicações que vão desde o jovem somatizes fome passaram por suas ancestrais até que ele desenvolve esse distúrbio alimentar, porque ele quer salvar um membro da família que tem uma doença que ainda não se desenvolveu, mas ela já percebem inconscientemente.

As constelações familiares não estão isentas de controvérsias e problemas legais. Hellinger é conhecido na Alemanha por sua exculpação de Hitler – na verdade, vários de seus alunos neonazistas seguiram em sua esteira, com livros como Souls Confused . E o fato é que as constelações familiares baseiam seu grande sucesso, afinal, na total descarga de responsabilidades do indivíduo: ninguém é culpado de seus problemas. Você tem câncer de pulmão? Não é por causa do fumo, infelizmente, é porque seus avós tiveram uma separação desagradável. Não consegue encontrar um parceiro? Não é que eu esteja fazendo algo errado, é que você está expiando uma falha amorosa da juventude de sua mãe. A posição de Hellinger é que Hitler não era uma pessoa má, mas uma vítima de sua constelação familiar.

constelações familiares consideram a homossexualidade uma doença causada por um mal fechada no problema da família, estigmatizar um traço de personalidade não-patológica como sentir sexualmente atraído por pessoas do mesmo sexo. Como se isso não bastasse, outro dos principais problemas desta pseudoterapia é a enorme quantidade de misoginia e machismo que ela apresenta. Em terapias de casais com constelações familiares é quase sempre ela quem está fazendo as coisas erradas. Um exemplo extremo é encontrado no modo como o abuso sexual de um pai para sua filha é caracterizado. Vamos ler o próprio Hellinger em um dos seus fragmentos mais perturbadores:

” Se você foi confrontado com uma situação de incesto, uma dinâmica muito comum é que a mulher não conheceu seu marido, ela se recusa a fazer sexo. Então, como compensação, a filha toma seu lugar … Como você pode ver, no incesto, há dois perpetradores, um na sombra e outro no aberto. Não pode resolver o problema a menos que o criminoso oculto apareça … A filha diz à mãe: “Eu fiz isso por você”. E ela pode dizer ao pai “Eu fiz isso pela mamãe” … Se você quiser parar (incesto) , esse é o melhor jeito, sem acusações. Se o perpetrador for levado à justiça, a vítima expiará o que foi feito ao perpetrador. ”

E é assim que as constelações familiares desculpam um pai que abusa sexualmente de sua filha, levando a culpa da mãe – caracterizada como uma esposa má e frígida. Pregando que para resolver a situação o estuprador não ser levado perante um tribunal, e que a única terapia que a criança precisa é assumir que “ela fez”, também carregando a sua culpa e, aliás, humilhando-a.

É tão extremo que a terapia para esses casos envolve uma dramatização pública em que alguém personifica o estuprador. A mulher que foi estuprada tem que se ajoelhar na frente dela, para agradecer seu agressor por ter vivido aquela experiência com ele, e se desculpar por tê-lo culpado. O escritor Elisabeth Reutter, que sofreu abuso na infância, diz que quando ele foi submetido a este desempenho sentiu que estava sendo despojado dos últimos resquícios de dignidade humana nas palavras de Hellinger: “O autor deve receber” o devido respeito “antes que a vítima pode estabelecer um relacionamento com outra pessoa “.

As pessoas que se sentiram indignadas com o desempenho das constelações familiares, tendo sido sugeridas para fazer coisas que minaram sua dignidade, chegam aos milhares. Há muitas decisões judiciais, especialmente na Alemanha, onde tudo isso está sendo levado muito a sério. Existem até casos documentados de suicídio, graças à falta de experiência de saúde daqueles que brincam dessa maneira com a mente e os problemas do povo.

Comentários finais

Recordemos el punto 18 del código deontológico de los psicólogos: “Sin perjuicio de la legítima diversidad de teorías, escuelas y métodos, el/la Psicólogo/a no utilizará medios o procedimientos que no se hallen suficientemente contrastados, dentro de los límites del conocimiento científico vigente. En el caso de investigaciones para poner a prueba técnicas o instrumentos nuevos, todavía no contrastados, lo hará saber así a sus clientes antes de su utilización.”

Constelações familiares nunca foram, sob qualquer protocolo experimental sério, contrastadas como uma terapia. Nem como uma atividade que vai além de uma masturbação mental baseada em idéias peregrinas de um homem sem treinamento em saúde que, além disso, pode ser contraproducente e até mesmo humilhante. Por essa razão, nenhum psicólogo colegial pode usá-los em consulta . Isso constituiria uma violação do código deontológico pelo qual sua profissão é governada e causa do processo perante a comissão deontológica da escola. Pode ser uma causa, inclusive, de afastamento da escola, sendo excluída do exercício legal em contextos de saúde.

As constelações familiares não têm endosso científico. Eles não curam nada. Eles são desagradáveis Eles são o resultado de uma doutrinação sectária formada em torno de um guru. Perpetuar uma família reacionária e visão social. E seu uso é proibido por profissionais competentes. Portanto, tenha cuidado. Se a pessoa com quem você está fazendo terapia para resolver um problema propõe este tipo de prática, não hesite em deixar a consulta e se colocar nas mãos de um verdadeiro profissional: você está diante de um golpista.

Justiça Restaurativa e mediação podem se tornar sinônimo de revitimização, alerta profa. Soraia Mendes

Em entrevista ao Portal Compromisso e Atitude, a professora de Direito Soraia Mendes ressalta: diante das características da violência doméstica e familiar contra as mulheres, o foco do Sistema de Justiça deve estar sempre no acolhimento e fortalecimento da vítima e responsabilização do agressor, conforme previsto na Lei Maria da Penha.

Doutora em Direito, Estado e Constituição pela Universidade de Brasília, a especialista destaca que práticas que podem ser efetivas em outras áreas, como a Justiça Restaurativa e mediação, podem se tornar sinônimo de revitimização nos casos em que a violência se perpetua baseada na diferença de poder entre os gêneros, que é histórica e ainda muito presente na sociedade em que vivemos. “Enquanto não conseguirmos nos despir completamente dessas cargas de gênero que carregamos, vamos falar de que tipo de restauração? Vamos falar, na verdade, do silenciamento”, aponta.

Confira a entrevista:

Considerando as peculiaridades da violência de gênero, é recomendada a abordagem pela Justiça Restaurativa para casos que envolvem violência doméstica e familiar contra as mulheres? Por que?

Um ponto que eu gostaria de deixar muito claro desde o começo, até porque temos vários colegas muito bons que trabalham com a Justiça Restaurativa e obtêm resultados importantes, é que esta questão não se trata de uma contraposição em princípio – ou seja, não é sobre ser contra ou a favor, mas de avaliar as condições para sua aplicação.
Nesse sentido, considerando o nosso contexto e as características da violência doméstica e familiar, pensar a justiça restaurativa em uma situação que claramente coloca a mulher em hipossuficiência – ou seja, em condição de desigualdade de poder por seu gênero – é colocá-la dentro de um novo expediente que só vai fazer aumentar a possibilidade de que outras violências aconteçam. Nesse sentido, não é nem um pouco recomendável esta prática – e, mais uma vez, ressalto que isto não significa desconsiderar de forma alguma a importância da justiça restaurativa, do debate sobre a despenalização, mas se trata de evitar a revitimização de mulheres no contexto que vivemos hoje em dia.

Sobre essa questão da revitimização, diversos profissionais e especialistas que atuam no enfrentamento a esta forma de violência apontam que a tendência do ciclo de violência é de agravamento, existindo inclusive o risco de feminicídio. Quais cuidados são necessários adotar nos atendimentos às mulheres em situação de violência de modo a não banalizar estes riscos, inclusive naqueles casos em que ainda não há violências físicas, mas ameaças e violências psicológicas?

Uma das questões que aprendemos com áreas como a psicologia e as outras ciências é que os diversos tipos de violência estão entranhados nesse ciclo e são, sim, crescentes na maior parte dos casos. Isso não quer dizer que devemos adotar uma postura determinista no sentido de afirmar que o ciclo sempre vai evoluir da violência moral, psicológica, para a física e depois para o feminicídio – até porque as violências não são um contínuo uma da outra e, na maioria das vezes, acontecem de modo combinado –, mas reconhecer que o risco existe.

Já atendi mulheres, por exemplo, que sofriam violências físicas terríveis, mas só se perceberam no ciclo quando sofreram uma violência psicológica. Ou seja, não há regras, mas há um contexto de múltiplas violências, cuja tendência é chegar em um ponto máximo que é o ato de ceifar mesmo da vida das mulheres. Então, não podemos ser deterministas, mas os olhos precisam estar sempre abertos para que uma violência aparentemente ‘pequena’ chegue a um feminicídio, como infelizmente ainda acontece muito.

Quais conhecimentos de outras áreas podem ser úteis aos operadores do Direito para que seja identificado o requisito ‘vulnerabilidade’ na configuração da violência de gênero?

A Lei Maria da Penha nos impôs a conhecer e aplicar outras áreas do conhecimento, inclusive a psicologia. Mas aí é preciso cuidado para não usar o discurso psicologizante que pode acabar revitimizando também. Muitas vezes, a violência que é perpetrada de forma moral e psicológica traz a afirmação de que as mulheres em situação de violência são ‘loucas’ e que aquilo que está acontecendo é absolutamente normal dentro de um casamento. E essa mulher pode ser colocada em um espaço em que não é devidamente ouvida pela rede de atendimento e o juiz pode decidir encaminhar os dois – vítima e agressor – ao serviço psicológico. Esse processo pode acabar reforçando a postura do agressor de acusá-la de ‘louca’, por exemplo. Aqui no Distrito Federal, e em outros lugares do Brasil, têm sido utilizadas tentativas de recomposição da família em que há violência doméstica com procedimentos como o da ‘constelação familiar’. Por vezes, encaminha-se o agressor para atendimento psicológico, ou para atendimento por drogadição e alcoolismo, o que é importante e que sabemos ser um fator de risco – mas que não são a causa da violência.

Então se pensa que ambos estão encaminhados e que se resolveu a questão. Mas aquele conflito não está solucionado e não será se não houver acolhimento e fortalecimento da mulher. A questão por trás dos cuidados em relação a todos esses procedimentos é que a Lei Maria da Penha e o acúmulo que temos nesta área mostram muito claramente que os serviços psicológicos e de assistência social têm que atuar com uma postura acolhedora em relação à mulher. Claro que não devemos desconsiderar os agressores – o que inclusive está na lei – mas, por outro lado, temos uma Lei que traz uma preponderância em relação à vítima. É importante também lembrar sobre a laicidade do Estado, porque muitas vezes esse discurso da harmonia no lar vem imbuído de uma carga religiosa e moral muito forte. E o juiz ou juíza tem que cumprir o papel de garantidor de direitos e compreender que as mulheres em situação de violência doméstica e familiar não são as ‘ovelhas’ das quais eles são ‘pastores’.

O serviço deve ser orientado pelo acolhimento e fortalecimento a essa vítima para que ela possa viver sem violência e reconstituir sua vida – e não pela preservação da família. É claro que, se é possível fazer um serviço junto ao agressor para que ele entenda os papeis de gênero, entenda a violência que pratica e se responsabilize por ela, iniciando uma mudança, esse cenário é muito bom, mas não podemos perder a preponderância da vítima. E é preciso ter em mente sempre o nosso contexto e nosso histórico, porque, a culpa que se constrói nas mulheres é milenar, vem sendo construída em nós todas ao longo dos séculos e nós carregamos a culpa e a responsabilidade do cuidado. É preciso pensar o quanto nossas práticas podem reforçar essas construções que alimentam desigualdades e refletir se a justiça criminal atua com foco em resolver o processo ou a violência.

Sabemos que o enfrentamento a violência contra as mulheres, muitas vezes, não recebe a prioridade que deveria das instituições, que existem poucos juizados especializados diante da demanda, que faltam orçamento e equipe para promover a capacitação e para garantir a presença das equipes multidisciplinares. Sabemos que nesse contexto os juizados estão sobrecarregados e que é cobrado um índice de produtividade. Isso pode atrapalhar esse foco em resolver o conflito e não o processo?

Esse é um dos meus maiores temores. Vivemos dentro de uma lógica eficientista em que os números de processos encerrados são apresentados como se fossem resolução de conflitos – mas na verdade os números são do fim de um processo. Às vezes, apresentar um número alto pode parecer muito mais importante do que o conflito em si e é preciso saber que resolver um conflito complexo como a violência doméstica e familiar demanda tempo. Isso precisa estar muito claro no Judiciário para não assumirmos uma lógica produtivista sem refletir que é preciso tempo para a maturação, para a compreensão do conflito, um tempo de acolhimento da mulher, para o atendimento de que a mulher precisa, tempo de trabalho com o agressor para a compreensão da violência de gênero e a responsabilização. Quando pensamos em tudo isso vemos que mostrar que tantos processos foram resolvidos em um curto espaço de tempo não é sinônimo de eficiência. É assustador, na verdade.

Considerando que a prevenção de novas violências requer a desnaturalização de papéis de gênero muito enraizados em nossa cultura e sociedade, os programas de responsabilização dos agressores com perspectiva de gênero são um caminho mais indicado do que as práticas de mediação em casos de violência doméstica e familiar?

Não tenho dúvida de que o trabalho de responsabilização do agressor é mais indicado que mediação e constelação familiar, que acabam reproduzindo o discurso da harmonia do lar – e, diante de todo esse contexto de que falamos, sabemos que a paz em casa que nós, mulheres, conhecemos ao longo dos milênios e séculos é a paz do silenciamento e, muitas vezes, a paz do cemitério. Enquanto não conseguirmos nos despir completamente dessas cargas de gênero que carregamos, vamos falar de que tipo de restauração? Vamos falar, na verdade, do silenciamento dentro da sala de audiência.

A Lei Maria da Penha acaba de completar 11 anos, sendo reconhecida como uma das mais completas e avançadas do mundo. O que essa Lei tem a nos dizer nesse contexto?

O fundamental é a implementação da Lei antes de pensar em qualquer outra alternativa mágica de solução rápida de conflitos. Antes de trazer instrumentos que sequer estavam previstos da Lei Maria da Penha, que tal implementá-la? E é preciso ter em mente que implementar a Lei significa fazer com que ela esteja prevista nos orçamentos dos tribunais nos Estados, para que os magistrados tenham estruturas adequadas, equipes multidisciplinares etc. Os tribunais têm que se colocar em uma posição de dar o foco necessário para essa questão dentro dos seus orçamentos e de suas prioridades.

É importante também que o magistrado ou magistrada que se dedica de corpo e alma para essa causa tenha reconhecimento e estrutura para a implementação da Lei Maria da Penha. E isso inclui ter tempo para resolver o conflito e não simplesmente o processo, ter estrutura física, ter formação das equipes. Também é preciso que o fato de se ocupar a posição de juiz da violência doméstica e familiar não seja visto como castigo ou passagem de início de carreira. É preciso prestigiar essa atuação e garantir que atue nessa área o profissional que tenha uma formação nesse aspecto, que tenha afinidade com o tema.

A violência nas relações íntimas e de afeto carrega demandas e especificidades, dores e sofrimentos que são apostas diferenciadas: vamos pensar, por exemplo, em um processo por lesão corporal. Uma coisa é alguém que levou um soco em uma discussão no campo de futebol; outra coisa é a agressão cotidiana daquela pessoa que você escolheu para ser um companheiro de vida, pai dos filhos. As apostas emocionais neste último caso são muito maiores e por isso é tão importante ter olhares diferenciados, não podemos enxergar tudo como uma mesma lesão corporal.

Justiça Restaurativa e mediação podem se tornar sinônimo de revitimização, alerta profa. Soraia Mendes

Constelações familiares: técnica de Psicologia?

As constelações familiares estão na moda. Na internet há centenas de centros e de pessoas que as oferecem para tratar de todos os tipos de distúrbios e doenças.

Até mesmo psicólogos medianamente sérios surpreendem às vezes seus pacientes com essa técnica que, quando analisada, provoca uma mistura de surpresa e espanto.

Há poucas abordagens críticas sobre as constelações familiares, embora na Alemanha, seu país de origem, haja farta documentação que coloca em xeque essa picaretagem.

Trata-se de uma pseudoterapêutica tecnicamente desprezível e que, por isso, coloca em risco quem a ela recorre.

É uma prática que, como de costume no mundo surreal de psicoterapias populares, está se expandindo em todo o mundo, sem qualquer regulamentação ou oposição crítica.

A história das constelações familiares é muito semelhante ao da Nova Medicina Alemã.

É um filme mil vezes visto: um iluminado não treinado… umas ideias malucas sacadas da manga … problemas legais em todos os lugares … e um bando de idiotas que seguem.

No começo de tudo, Deus criou o céu e a terra; e no princípio das constelações familiares estava ele: Bert Hellinger (foto acima).

Era uma vez um cavalheiro alemão cujos seguidores gostam de apresentá-lo como um defensor desde a infância da liberdade e dos direitos humanos.

Mas a verdade é que, como jovem selvagem que foi, lutou no lado nazista na Frente Ocidental e apresenta indícios de que até hoje permanece fiel à ideologia de Hitler.

No começo da guerra, os aliados na Bélgica pegaram Hellinger, que conseguiu escapar de um campo de prisioneiros.

Após sua experiência como combatente nazista, Bert decidiu se tornar um sacerdote católico.

Ele estudou teologia, filosofia e um pouco de pedagogia, de modo a trazer os ímpios para o rebanho do Senhor.

Bert foi destinado para a África do Sul com a finalidade de converter os zulus, que eram na época pagãos pecadores.

O cavalheiro alemão acreditava que devia iluminar esses africanos com a civilização Ocidental e a palavra de Deus.

Hellinger deixou a África do Sul para estudar psicanálise em Viena, tornando-se seguidor fervoroso de uma versão junguiana.

Bert também viajou para os Estados Unidos, onde participou de uma dinâmica de grupo de Ruth McClendon e Les Kadis faziam.

Bert viu então um nicho de mercado.

Ele adotou um termo do psicólogo Alfred Adler —“constelações familiares” — e alguma coisa de teorias da psicoterapeuta Virginia Satir e inventou princípios de dinâmica de grupo e pronto: habemus pseudoterapia.

Hoje, esse coquetel com adições de ‘campos mórficos’ de Rupert Sheldrake e alguma memória celular é chamado pomposamente “abordagem fenomenológica sistêmica transgeracional’.

Como qualquer teoria maluca, não poderia faltar falseamentos.

Há, nesse caso, distorções da história evolutiva humana, da arqueologia e da antropologia cultural.

A ideia básica é que os conflitos não resolvidos de nossos ancestrais são transmitidos de geração em geração, causando problemas somatizados em distúrbios e doenças.

Para resolver esses problemas, pela maluquice de Hellinger, o paciente de exercícios dinâmicos, que, normalmente, envolvem a teatralização de papéis ou representações com figuras ou letras para representar a nossa família, voltando a várias gerações.

Depois de uma encenação com forte conteúdo da sugestão, em que as pessoas chegam a chorar, o pseudoterapeuta localiza a origem dos problemas.

Um problema pode ser, por exemplo, o aborto feito pela avó do paciente ou o luto mal tratado de um tio, tendo como consequência conflitos no casamento do paciente ou a ocorrência de uma depressão ou ao surgimento de um tumor. É tudo isso pode ser resolvido com um pouco mais de teatro.

Essa ideia é a base da organização tribal dos grupos humanos do paleolítico, que começou há 2,5 milhões de ano, no tempo de artefatos de pedras lascadas.

Essa estrutura social, conjecturada por Hellinger, foi baseada em patriarcados fortes, onde o filho mais velho é o herdeiro, e na ordem social definida previamente segundo a linhagem de cada um.

Esse é o ‘estado de natureza’. Um momento feliz onde cada um estava em seu lugar e não havia conflito.

Supõe-se que, neste momento histórico, grupos humanos foram completamente isolados um dos outros, o que contraria a evidência arqueológica que prova a existência de grandes culturas paleolíticas, até a chegada do nefasto neolítico, quando grupos se reuniram e criaram as cidades — e a discórdia nasceu, a partir do individualismo e da presunção de sempre querer mais.

Assim houve quebra do estado de natureza e a tragédia começa.

Haveria então uma tensão inerente em nossas famílias. Por um lado a ordem ‘natural’, o paleolítico, e, de outro, o modelo da atual família, que nos empurra contra o natural a romper com a família do bem, entrando em dinâmicas destrutivas que geram todos os tipos de transtornos, incluindo médicos.

Há no argumento de Hellinger uma evidente falácia naturalista,

Que a família paleolítica tenha sido assim — algo altamente duvidoso, dada a enorme plasticidade das estruturas sociais humanas — serve a Hellinger para justificar seu conceito obsoleto de família.

É uma espécie de telepatia metafísica que faz com que os membros de grupos familiares possam se comunicar, compartindo fins e sentimentos.

Assim, estaríamos conectados com a nossa família e, por essa razão, embora ninguém saiba que a avó da paciente fez um aborto quando tinha 21 anos, isso pode todos dos descendentes.

A concepção que Hellinger tem da família ideal é digna de Game of Thrones.

As constelações familiares do alemão tornaram-se moda em todo o mundo.

Pessoas não qualificadas são colocadas para trabalhar em saúde, não são, portanto, regidas por qualquer código de ética ou supervisionadas por instituição oficial.

Lembre-se que o próprio guru, Hellinger, não tinha nenhuma formação médica, e, no entanto, possui um centro onde trata impunemente de centenas de pessoas.

Hellinger é conhecido na Alemanha por sua absolvição de Hitler, e, de fato, vários de seus estudantes seguem o neonazismo, com livros como “Almas Confundidas”.

E é visível que as constelações familiares têm grande sucesso, porque, afinal, para essa pseudociência, ninguém é culpado por seus problemas.

Você tem câncer de pulmão? Não é por fumar desaforadamente, é porque seus avós tiveram uma separação desagradável.

Não consegue encontrar um parceiro? Não é porque você está fazendo algo errado, é que você está expiando um fracasso amoroso da juventude de sua mãe.

As constelações familiares consideram a homossexualidade uma doença causada por algum problema não resolvido da família, estigmatizando quem sente atraído pelo mesmo sexo.

Se isso não bastasse, outros problemas dessa pseudoterapia são a misoginia e machismo.

Em terapia de casais, a mulher é quase sempre apontada como a responsável pela coisa errada.

Um exemplo é a maneira como a pseudoterapia caracteriza os abusos sexuais de um pai a sua filha.

Vamos ler o próprio Hellinger, em um de seus textos mais preocupantes e perturbadores:

“Se você é confrontado com uma situação de incesto, uma dinâmica muito comum é que as mulheres não têm cumprido com suas obrigações sexuais com o marido. Então, como compensação, a filha toma o seu lugar.

“Como se vê, no incesto há dois autores, um na sombra e um ao descoberto. Você não pode resolver o problema, a menos que veja à luz do perpetrador escondido É como se a filha dissesse a sua mãe: ‘Eu fiz isso por você’. E ela pode dizer a seu pai ‘Eu fiz isso por mamãe’.

Se você quer parar o [incesto], esta é a melhor maneira, sem acusações. Se por acaso levar o agente à justiça, a vítima vai sofrer pelo que foi feito ao agressor. ”

Nas palavras de Hellinger: “O autor [do incesto] deve receber” o devido respeito “antes que a vítima possa estabelecer uma relação com outra pessoa”, procurando ajuda.

As pessoas que se sentiram ultrajadas pelas performances das constelações familiares, e que foram sugestionadas a fazer coisas que tiveram sua dignidade injuriada, estão na casa dos milhares.

Há uma série de decisões judiciais, especialmente na Alemanha, onde tudo isso é levado muito a sério.

Há casos até mesmo documentados de suicídios devido a nenhuma experiência em saúde daqueles que jogam com a mente e os problemas das pessoas.

As constelações familiares nunca estiveram sob qualquer protocolo experimental sério. Apesar disso, é uma atividade que vai além de uma masturbação mental com base em ideias bizarras de um homem sem formação médica e que também pode ser contraproducente e até mesmo humilhante.

As constelações familiares não têm nenhum respaldo científico. Não curam nada.

Elas são o resultado de uma doutrinação sectária formada em torno de um guru. Perpetuam uma visão familiar e social reacionária.

Quem estiver fazendo esse tipo de terapia, não hesite em deixar o tratamento, porque está diante de um trapaceiro.

Esse texto foi publicado originalmente no site de Angelo Fasce. Ele se dedica principalmente ao estudo sobre a natureza da ciência como processo cognitivo e ao desenvolvimento de critérios de demarcação entre ciência e pseudociência.

https://www.paulopes.com.br/2018/03/constelacao-familiar-eh-picaretagem-em-ascensao.html#.WuM7EC7waUl

CARTA DE HELLINGER – POEMA A HITLER
(Escrita por Bert Hellinger para Adolf Hitler, página 247 do último livro de Bert chamado” Gottesgedanken”(“Reflexões Divinas”) publicado em 2004.)

Hitler,
Eu vejo você como um ser humano
Assim como eu,
Com um pai, com uma mãe
E com um destino definido.

Você é superior a mim?
Ou você é inferior?

Você é melhor que eu
ou pior que eu?

Se você é superior, então eu também sou.
Se você é inferior, então eu também sou.
Se você é melhor que eu ou pior,
então eu também sou.

Pois eu sou um ser humano assim como você.
Se eu fosse respeitar você, então eu me respeitaria.
Se eu te detesto, então eu me detesto.

Ouse eu te amo?
Eu sou obrigado a amar você?
Porque se eu não fizer,
então como eu poderia ter permissão
para me amar?

Se eu reconhecer que você era humano
Assim como eu
Então devo olhar para algo
Que criou nós dois

Igualmente —
Algo que criou você assim como eu —
Algo que até determina
Como somos ambos destruídos.

Como eu poderia me excluir de
nossa fonte suprema comum?
Todo o tempo eu estou excluindo você?

Como eu poderia culpar essa causa final?
E me elevar muito acima dela
Enquanto eu estiver culpando você?

No entanto, não me atrevo a ter pena de você.

A causa final de sua ascensão e queda
Não é diferente da minha.

Eu honro isso em você
Como eu honro em mim mesmo,
E eu me rendo a tudo
O que criou em você

E a tudo que criou em mim,
assim como a tudo que criou
em todos os outros seres humanos.

Posted by Patricia Alonso – Conservadora on Thursday, September 20, 2018

Posted by Patricia Alonso Advogada on Friday, September 21, 2018

CONVENCIÓN BELÉM DO PARÁ (MESECVI) MESECVI/CEVI/DEC.4/14 Undécima Reunión del Comité de Expertas/os 19 de septiembre 2014 Practicar las diligencias periciales teniendo en cuenta los derechos fundamentales de inviolabilidad e integridad física y moral de las mujeres, niñas y adolescentes víctimas de violencia, observando los criterios de razonabilidad y proporcionalidad, siempre bajo la existencia de consentimiento previo e informado de las víctimas; Reducir la cantidad de intervenciones de las mujeres, niñas y adolescentes víctimas de violencia sexual en el proceso a una declaración o denuncia única, en la medida de lo posible, e interrogando a las víctimas únicamente sobre el hecho denunciado en búsqueda de obtener la información mínima e imprescindible para la investigación, en aras de evitar la revictimización; Realizar investigaciones prontas y exhaustivas teniendo en cuenta el contexto de coercibilidad como elemento fundamental para determinar la existencia de la violencia, utilizando pruebas técnicas y prohibiendo explícitamente las pruebas que se sustentan en la conducta de la víctima para inferir el consentimiento, tales como la falta de resistencia, la historia sexual o la retractación durante el proceso o la desvalorización del testimonio con base al presunto Síndrome de Alienación Parental (SAP), de tal manera que los resultados de éstas puedan combatir la impunidad de los agresores; Prohibir los mecanismos de conciliación o avenencia entre el agresor y las víctimas de violencia sexual contra las mujeres, y las causas eximentes o excluyentes de responsabilidad en esos casos, que mandan un mensaje de permisividad a la sociedad, refuerzan el desequilibrio de poderes y aumentan el riesgo físico y emocional de las mujeres que no se encuentran en igualdad de condiciones en la negociación