Arquivo da categoria: ARTIGOS SOBRE A SAP

“VIOLENTADAS PELO AMOR”…

Muitos referem ao AMOR DE MÃE, e realmente nada se compara ao Amor de Mãe.
Quando nasce uma Mulher, nasce com ela o desejo da maternidade. É bem verdade, que ao crescer muitos desejos são minimizados, entretanto, qual Mulher não brincou de boneca?
Qual Mulher já não ninou em seus braços, quando criança, uma boneca imaginando um dia engravidar, amamentar, e ter em seus braços uma parte de si?
Esse amor materno que existe antes mesmo de virarmos gente grande, já é inerente a todas nós.
Na realidade, desde quando “viramos gente” já amamos aqueles que afagaremos em nossos braços e consequentemente nos tornamos “refens do amor”.
Não mexa com a nossa cria que viramos Leoas, sim! Não maltratem, mao machuquem, não os deixem triste, que acima de tudo, esquecemos qualquer compromisso assumido, e realmente esquecemos de nós mesmo para proteger aqueles que são carne da nossa carne: nossos filhos!
Refens do Amor, muitas Mulheres ao ver seus filhos não sendo criados da forma que deveriam, ou até sofrendo na pele a tão conhecida “Violencia Domestica”, abdicam do conforto, da estabilidade seja ela economica ou social, e resistem as relações tóxicas, doentias, atormetandoras e abusivas de cada dia.
Agora não mais refem da Violencia Domestica de forma direta, mas sim, perpetuando a mesma em forma de papéis e informações “arranjadas” na forma de manipuladas “denuncias” tudo com o fim de sabotar a relação materno-filial preconizada por gerações mas agora na pecha de “Alienação Parental”.
Inumeras são as “Denuncias” que apimentadas como “Alienação Parental” podem fazer uma Mulher torna-se refem do AMOR.
Vai desde maus tratos, passando pela “Mãe não presente”, até mesmo na maioria das vezes e não poucas, chamando-as de “Vaca, Vadias e Vagabundas”.
Tudo sob o olhar do Judiciário e que na sua grande maioria não reelava a crime de Calunia e Difamação, Aliás a Sociedade cala-se diante disso, e assim, ao calar-se, inconscientemente está normatizando que todas são “Vacas, Vadias e Vagabundas”.
Sim, todas mesmo, tanto as ex-conjuge, sogras, maes, filhas e até mesmo as concubinas, pois cada dia mais a Justiça não tomando providencia todas “indistintamente” tornan-se as “VADIAS DA PENHA” (como já li em uma reportagem).
E a Justiça ao receber esse tipo de Denuncia, rapidamemente chama a Mulher em audiencia e a adverti para que mude sua conduta, pois qualquer “escorregão” é “alienação parental”.
Se muda de emprego, porque mudou?
Se muda de residencia, porque mudou?
Se sobe de cargo, porque subiu?
Se perdeu emprego, quer viver as custas do ex-conjuge, e perde o filho por “incapacidade financeira”.
Se trabalha muito, perde o filho por ser uma “mãe ausente”.
Se cuida em demasia do filho, perde-o porque tem uma “simbiose doentia” pelo filho.
Enfim, apesar de toda “mordenidade” apregoada, nunca retrocedemos tanto, nunca fomos tão refens, e nunca estivemos escravizadas pelo sitema.
“Alienação Parental” sempre será um jogo com uma só parte que terá poder de mando, aliás, esse poder de mando sempre será do abusador, e sempre se dará “ALIENAÇÃO PARENTAL” com inversão de guarda para o homem.
Feminista eu?
Não, de forma alguma, sou só realista.
Basta olhar os inumeros homicidios de pais matando ex-esposas e filhos e verão que tenho razão.
Se em 2006 comemoramos a instalação da Lei Maria da Penha no Brasil, entretanto nos descuidamos e em contrapartida os homens tiveram a “Alienação Parental”, e nessa quebra de braço quem está perdendo são as crianças.
Somos o 5º pais do Mundo em feminidicio, o 10º em pornografia e o 1º em pedofilia.
Para voce não diz nada? Pois bem para mim diz muita coisa, e só posso te dizer uma coisa: “Enquanto não revogar a Lei da Alienação Parental, a Mulheres que se cuidem, mas muito mais, cuidem de seus filhos, pois Eles descobriram o nosso ponto franco e nos tornamos “REFENS DO AMOR”!
Dra Patricia Alonso – Advogado, Historiadora, Escritora.

LEVANTAMENTO REVELA CAOS NO CONTROLE DE DENÚNCIAS DE VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS

DENUNCIAS DE ABUSO SEXUAL INFANTIL
– 2016 –  foram 15.707.
– 9 mil denúncias no primeiro semestre de 2017
– Os dados são do Ministério dos Direitos Humanos, que mantém o serviço do Disque 100 sendo que o serviço só recebe retorno sobre o andamento da apuração em 16% dos encaminhamentos na média
– Em 2016, o sistema de saúde registrou 22,9 mil atendimentos a vítimas de estupro no Brasil. Em mais de 13 mil deles – 57% dos casos – as vítimas tinham entre 0 e 14 anos. Dessas, cerca de 6 mil vítimas tinham menos de 9 anos.
– “Crianças e adolescentes de até 14 anos são mais vulneráveis à ocorrência de estupro principalmente na esfera doméstica. Os autores da violência, na maioria das vezes, são familiares e pessoas conhecidas”, afirma a médica Fátima Marinho, da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde.
https://www.bbc.com/portuguese/brasil-43010109?ocid=socialflow_twitter

Síndrome da Memória Falsa: Controle da Mente e Pedofilia

https://steemit.com/pizzagate/@whitedeer9217/false-memory-syndrome-mind-control-and-pedophilia


http://aconstantineblacklist.blogspot.com/2009/09/ritual-abuse-cia-mind-control-false.html
http://archive.is/6MnaG
http://archive.is/iWUtd
http://archive.is/IF8Mf
http://tedgunderson.info/index_htm_files/US%20Customs%20Service%20Report%20of%20Investigation%20FINDERS.pdf
http://archive.is/m4YB2
http://archive.is/spotlightonabuse.files.wordpress.com
http://archive.is/auyvh
http://archive.is/syPgb
http://archive.is/wUD6p

https://www.amazon.com/Search-Manchurian-Candidate-Behavioral-Sciences/dp/0393307948
http://archive.is/kE93c
https://isgp-studies.com/false-memory-syndrome-foundation-fmsf
http://archive.is/s3j7Q#selection-1379.0-1383.1
http://archive.is/7GCRt#selection-537.1-540.0
http://archive.is/lIpNw
http://archive.is/h5tvj#selection-965.1-965.156
http://archive.is/s3j7Q#selection-1231.0-1239.1
http://archive.is/s3j7Q
http://archive.is/h0ESl
http://archive.is/s3j7Q#selection-1723.0-1727.1
https://archive.is/nE3Vi#selection-385.10-393.1
http://archive.is/EAM8L#selection-97.0-97.402
http://archive.is/WVVUz#selection-1341.0-1341.228
http://archive.is/EkgYO#selection-564.1-564.3
http://archive.is/10jI6#selection-896.5-896.21
https://archive.is/tHcAR
http://archive.is/7XwIK#selection-2017.0-2253.13
http://archive.is/7XwIK#selection-1745.135-1745.672
http://archive.is/7XwIK#selection-1757.140-1757.417
http://archive.is/IynN9
http://archive.is/FN4HR

VARREDURAS CEREBRAIS FORNECEM PISTAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA PEDOFILIA

Resumo: Um novo estudo revela que homens pedófilos têm atividade aumentada no córtex insular anterior esquerdo quando visualizam imagens de animais jovens.

Fonte: Universidade de Kiel.

Por que alguns adultos desenvolvem um interesse sexual em crianças ainda não é cientificamente compreendido. Uma equipe de pesquisa do Instituto de Medicina Sexual e Psiquiatria Forense e Psicoterapia da Universidade de Kiel e do Centro Médico Universitário Schleswig-Holstein (UKSH) Campus Kiel, juntamente com cientistas de outras universidades do norte da Alemanha, encontrou novas pistas sobre as possíveis causas de pedofilia nos homens. Em um estudo financiado pelo Ministério Federal de Educação e Pesquisa, os cientistas foram os primeiros a identificar uma falha no chamado sistema nutricional no cérebro como uma possível explicação. Suas descobertas foram publicadas na revista científica Frontiers in Human Neuroscience .

Na busca de explicações para os distúrbios pedófilos, numerosos estudos prévios concentraram-se principalmente no sistema de acasalamento, ou seja, as reações do cérebro a estímulos sexuais, os mecanismos associados de controle de impulsos e possíveis aberrações anatômicas cerebrais. A equipe de pesquisa da Kiel, no entanto, concentrou-se nas funções cerebrais que controlam o chamado comportamento nutridivo. Os homens são diferentes da maioria dos mamíferos machos, na medida em que são capazes de realizar um alto grau incomum de atividades de nutrição, o que significa que possuem uma ampla gama de habilidades sociais com as quais podem cuidar de seus filhos. Nos mamíferos – incluindo humanos – esse comportamento está associado a uma regulação hormonal específica.

Com base em seu trabalho anterior, a equipe de pesquisa da Universidade de Kiel suspeitou de uma possível superatividade do sistema de nutrição em pedófilos masculinos. “Em nosso estudo, investigamos inicialmente mecanismos nos cérebros dos afetados, que não estão relacionados à sexualidade. As causas da pedofilia são mais complexas do que se supunha anteriormente, e possivelmente também podem estar relacionadas a uma sexualização de carinho ”, enfatizou o psicólogo Dr. Jorge Ponseti, chefe do estudo de Kiel.

Os cientistas investigaram respostas cerebrais de homens pedófilos a imagens de animais jovens e adultos por meio de ressonância magnética (MRI). Como tal, eles usaram um método que funciona independentemente dos estímulos sexuais, onde a fofura dos animais jovens representada causa ativação do sistema de nutrição.

Verificou-se que a percepção subjetiva desses quadros por homens pedófilos não foi diferente da de um grupo controle saudável. No entanto, a ressonância magnética mostrou que a atividade cerebral das pessoas afetadas aumentou significativamente quando se olha para os animais jovens. O aumento da atividade foi encontrado em áreas específicas do cérebro, como o córtex insular anterior esquerdo, que geralmente é ativado quando as mães olham para o próprio filho, por exemplo. Os pesquisadores da Kiel concluíram que a pedofilia também pode estar relacionada a um mau funcionamento do sistema de nutrição masculino. Os cientistas agora querem verificar essas correlações recém-descobertas em estudos subseqüentes.

Uma abordagem que eles querem seguir diz respeito à concentração de certos hormônios nas fêmeas, que diminui no início da menopausa. Isso causa uma mudança no sistema de nutrição das mulheres e, por exemplo, reduz sua reação à fofura. A equipe de pesquisa planeja testar se a regulação hormonal médica tem um efeito similar nos homens afetados. “Esta abordagem terapêutica proporcionaria a oportunidade de tratar tendências pedófilas de uma maneira muito mais direcionada do que é possível hoje”, disse um otimista Ponseti.

https://neurosciencenews.com/mri-pedophile-brain-8548/

A NEUROBIOLOGIA E A PSICOLOGIA DA PEDOFILIA: AVANÇOS E DESAFIOS RECENTES

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4478390/

TRIBUNAL DE FAMÍLIA USANDO A TEORIA DESACREDITADA DOS EUA

O Juiz da Corte Distrital e o Juiz Principal da Corte de Família precisam rever a aplicação da lei no Tribunal de Família.
Uma série de relatórios e julgamentos no ano passado abriu à opinião pública os seguintes aspectos perturbadores da prática do tribunal –
• Filme publicado pela Newsroom no dia 8 de agosto, com crianças sendo forçadas a subir pela polícia;
• A decisão do Tribunal de Apelações de 7 de Julho em SN v MN, que considerou que um juiz experiente do Tribunal de Família tinha interpretado erroneamente a Lei da Violência Doméstica em todos os aspectos;
• Relatórios publicados pelo The Backbone Collective nos dias 7 de Abril e 8 de Junho, contando histórias de mulheres que procuram proteger-se e os seus filhos da violência doméstica e encontrar o processo do Tribunal de Família agravam a situação, com o tribunal a colocar as crianças sob os cuidados do abusador;
• Um relatório publicado pelo Comitê de Justiça e Eleitorais do Parlamento em 5 de julho de 2016 expressando preocupação de que em fevereiro de 2016 mais de 80% dos pedidos feitos sob a Lei de Cuidados Infantis foram arquivados “sem aviso prévio”. Campanha contra violência doméstica advertiu o governo sobre os perigos de suas propostas quando mudou os processos do Tribunal de Família em 31 de março de 2014, mas essas preocupações foram ignoradas.

Uma das minhas principais preocupações sobre o Tribunal de Família é o uso contínuo da “Síndrome da Alienação Parental” há muito desacreditada.
Além disso, as crianças são às vezes colocadas sob a tutela do Supremo Tribunal – com o Chefe do Executivo do Ministério do Desenvolvimento Social nomeado como agente do tribunal – quando as mães denunciam violência contra elas e seus filhos e a violência é minimizada e desconsiderada pelos juízes durante longos processos judiciais.
Em vez de fornecer a proteção legal que as mulheres e crianças exigem, os juízes concluem que existe uma relação mutuamente difícil entre os pais e a tutela de terceiros é necessária para resolver isso.
Uma das minhas principais preocupações sobre o Tribunal de Família é o uso contínuo da “Síndrome da Alienação Parental” há muito desacreditada.
Parental Alienation Syndrome é um termo cunhado pelo psiquiatra e psicanalista americano Dr. Richard Gardner no início dos anos 80. Ele escreveu livros auto-publicados intitulado A Síndrome da Alienação Parental e as Diferenciações entre o Abuso Sexual Confeccionado e Genuíno em 1987, e a Histeria do Abuso Sexual: Salem Witch Trials Revi sited in 1991.
Gardner postulou que mães e crianças em casos de custódia acusaram falsamente e maliciosamente os pais de abuso e violência sexual como táticas nos processos judiciais. Ele enviou seu livro de 1987 para muitos juízes e advogados e posteriormente treinou milhares de juízes e advogados, tanto nos Estados Unidos quanto na Nova Zelândia.
Ele também testemunhou em mais de 400 casos de custódia de crianças.
Gardner afirmou que a grande maioria das crianças que denunciou abuso sexual fabricou o que eles disseram, depois de serem “alienados” e treinados por suas mães.
Já em 1993, pesquisas nos Estados Unidos questionaram a existência da Síndrome de Alienação Parental. Mais de 500 estudos já foram realizados na chamada síndrome e nenhum deles foi capaz de replicar as oito características reivindicadas por Gardner. Todos os livros de Gardner foram auto-publicados e nenhum foi revisado por pares. Seus livros não foram baseados em pesquisas.
O advogado americano John Myers, em 1993, argumentou que não havia evidência empírica para mostrar que as oito características reivindicadas da Síndrome de Alienação Parental eram uma síndrome. Outra pesquisa que desacredita Gardner inclui –
• “Síndrome de Alienação Parental e Alienação Parental: Acertando em Casos de Custódia Infantil”, Carol S Bruch, Family Law Quarterly 35, 527 (2001); e
“A Síndrome da Alienação Parental: Uma Aura Perigosa de Confiabilidade”, Cheri L Wood Loyola, da Los Angeles Law Review 29: 1367-1415 (1994);
• Alienação e Alinhamento de Crianças, Philip M Stahl, Edições Complexas em Avaliações de Custódia Infantil, Sage Publications, 1999.
Mais recentemente, o Dr. Robert Geffner, Presidente do Instituto sobre Violência, Abuso e Trauma, escreveu e falou extensivamente sobre o impacto devastador da aplicação continuada da Síndrome de Alienação Parental na tomada de decisões de custódia da criança. Ele lecionou na Nova Zelândia em 2014 sobre o assunto.
A Força-Tarefa Presidencial da Associação Americana de Psicologia sobre Violência e a Família relatou em 1996 que muitas mães estavam perdendo casos de custódia em que havia preocupação com a violência doméstica, porque pais abusivos conseguiam convencer a corte de que as mães estavam envolvidas em comportamentos alienantes.
As recomendações de Gardner eram de que a mãe que denunciava violência e abuso deveria ser encorajada a ficar com o pai abusivo; ela deve ser ajudada por sua “raiva” e a criança deve ser colocada sob os cuidados do pai em casos de separação. Ele também defendeu a sociedade “sair” e ter uma atitude mais “realista” para o comportamento pedófilo. A denúncia obrigatória de abuso sexual infantil e imunidade para aqueles que a denunciam deve ser abolida, e programas financiados pelo governo federal devem ser criados para ajudar os “milhões” de pessoas que Gardner disse terem sido erroneamente acusadas de abuso sexual infantil.
Já em 1994, a American Psychological Society disse que os tribunais não deveriam aceitar testemunhos sobre a Síndrome de Alienação Parental.
Nos casos em que mulheres e crianças denunciam abuso e violência, a aplicação da Síndrome de Alienação Parental significa que as crianças estão ameaçadas de serem removidas dos cuidados da mãe se persistirem com as denúncias de abuso. Além disso, as mães são ameaçadas de terem filhos removidos de seus cuidados se continuarem a denunciar. Em alguns casos, os juízes colocaram as crianças sob os cuidados do pai / mãe abusivo e até chegaram ao ponto de cortar o contato com o pai / mãe protetor.
A pesquisa de Bancroft & Silverman relatou que as famílias com “o maior grau de saúde psicológica entre mães e filhos parecem estar entre as mais vulneráveis a serem rotuladas como tendo“ alienação parental ”. Isso ocorre porque as crianças têm um apego seguro ao pai protetor e – completamente racional e compreensível – rejeitar o comportamento do pai violento na separação. No entanto, em vez dos tribunais e profissionais que ouvem as mulheres e crianças, seus relatos de violência e abuso são descartados como falsas queixas decorrentes da alienação.
Um estudo americano descobriu que agressores conseguiram convencer as autoridades de que as vítimas de violência doméstica eram impróprias ou indignas de custódia exclusiva de crianças em 70% dos casos em que a custódia era contestada. Na apelação, quando algumas dessas situações foram investigadas mais profundamente, as alegações feitas pelas mulheres e crianças foram comprovadas e as decisões de colocar as crianças sob os cuidados do agressor foram revertidas.
Já em 1994, a American Psychological Society disse que os tribunais não deveriam aceitar testemunhos sobre a Síndrome de Alienação Parental, já que a teoria que a postulava havia sido desacreditada pela comunidade científica.
Joan Meier estudou a jurisprudência de 2001 nos Estados Unidos e identificou 38 decisões judiciais de apelação relativas à custódia e violência doméstica. Ela descobriu que 36 dos 38 tribunais de julgamento concederam guarda conjunta ou exclusiva aos espancadores alegados e julgados. Dois terços dessas decisões foram revertidos em recurso. No entanto, há incrivelmente poucos recursos em casos familiares. As mulheres carecem de recursos financeiros para perseguir recursos, o que é um exercício extremamente traumático e demorado.
Os resultados trágicos e assustadores que ocorreram nos Estados Unidos como resultado do uso da Síndrome de Alienação Parental continuam a acontecer até hoje no Tribunal de Família na Nova Zelândia: os juízes estão descartando e ignorando relatos de violência por mulheres e crianças no O fundamento é que essas são invenções destinadas a afastar as crianças de seu pai.
O julgamento do Tribunal Superior de Auckland no caso de F v P [2015] NZHC 1362 foi lançado em 16 de junho de 2015. O juiz discutiu a alienação em grande detalhe em um julgamento de 149 parágrafos, antes de determinar que os desejos claramente expressos do filho ser ignorado. O juiz afirmou que –
“Claramente, no presente caso em que T exibe níveis tão elevados de antipatia em relação ao pai, alega falsamente assalto e responsabiliza singularmente o pai pelas dificuldades que enfrenta na vida, a veemência de sua oposição deve ser contextualizada. Nas circunstâncias, atribuo relativamente pouco peso à sua oposição ”.
Esses comentários são completamente contrários às evidências fornecidas pela pesquisa, o que mostra claramente em muitos estudos, ao longo de muitos anos, que as falsas denúncias de abuso e violência são incrivelmente raras. A pesquisa do Dr. Daniel Saunders de 2010, relacionada às crenças dos juízes e avaliadores de custódia, descobriu que eles acreditavam que –
• As vítimas fizeram falsas alegações;
• As vítimas alienaram seus filhos; e
• Os pais não fizeram falsas alegações de abuso.
Todas essas crenças não são apoiadas por evidências. A pesquisa canadense de Bala & Schuman, de 1999, descobriu que, quando as acusações de custódia e acesso à criança eram analisadas, 21% das alegações dos pais eram consideradas falsas, enquanto 1,3% das mães eram consideradas falsas.
No mínimo, o uso da chamada Alienação Parental precisa ser imediatamente descontinuado.
A pesquisa canadense de Trocme e Bala em 2005 foi baseada em uma amostra de 7.632 casos. Constatou-se que 4 por cento das alegações de abuso infantil por crianças contra pais em casos de maus-tratos infantis foram mal-intencionadas. Em casos de custódia de crianças disputadas, descobriu-se que os pais traziam 43% de todas as alegações fabricadas intencionalmente, enquanto os pais que mantinham a custódia (geralmente mães) trouxeram 14%.
Escrevi uma longa carta à Ministra da Justiça, Amy Adams, em 8 de setembro de 2015, expressando minhas preocupações sobre a continuação da aplicação da Síndrome de Alienação Parental no Tribunal de Família da Nova Zelândia. Recebi uma breve resposta em 16 de setembro de 2015, que não abordava especificamente as questões que eu havia levantado sobre a chamada síndrome.
Adams, em julho de 2016, disse à Comissão Parlamentar de Justiça e Eleições que uma revisão das reformas da lei do Tribunal de Família de 2014 estava programada para começar em 2017. Essa revisão está em andamento no momento, com o ministro dizendo que um relatório é esperado antes do final do ano. Até o momento não houve oportunidade para a participação do público no estudo.
A revisão que está sendo realizada no momento precisa ser ampliada para examinar mais aspectos do funcionamento do Tribunal de Família, ou um novo estudo precisa ser iniciado. No mínimo, o uso da chamada Alienação Parental precisa ser imediatamente descontinuado.
Além disso, é necessário rever todas as decisões de violência doméstica do Tribunal de Família à luz do acórdão do Tribunal de Recurso no SN / MN, de modo que as aplicações incorretas do Ato de Violência Doméstica possam ser revertidas e as mulheres e crianças recebam proteção. a lei diz que eles deveriam receber.

ASSOCIAÇÃO DE PSIQUIATRIA AMERICANA REJEITA SAP PARA DSM

GRUPO PSIQUIÁTRICO: ALIENAÇÃO PARENTAL SEM DISTÚRBIO

NOVA IORQUE ( AP ) – Repassando uma intensa campanha de lobby, uma força-tarefa da Associação Americana de Psiquiatria decidiu não listar o controverso conceito de alienação parental na edição atualizada de seu catálogo de transtornos mentais.

O termo transmite como o relacionamento de uma criança com um pai separado pode ser envenenado pelo outro progenitor, e há amplo consenso de que às vezes ocorre no contexto de divórcios e disputas de custódia de filhos.

No entanto, durante anos houve um acirrado debate sobre se o fenômeno deveria ser formalmente classificado como transtorno de saúde mental pela associação psiquiátrica à medida que atualiza seu Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais pela primeira vez desde 1994.

O novo manual, conhecido como DSM-5, não será completado até o ano que vem, mas a decisão de classificar a alienação parental como um distúrbio ou síndrome foi tomada.

“O resultado final não é uma desordem dentro de um indivíduo”, disse o Dr. Darrel Regier , vice-presidente do grupo de trabalho que redigiu o manual. “É um problema de relacionamento _ pai-filho ou pai-pai. Os problemas de relacionamento, por si só, não são transtornos mentais ”.

Regier e seus colegas da APA sofreram intensa pressão de indivíduos e grupos que acreditam que a alienação parental é uma condição mental séria que deveria ser formalmente reconhecida no DSM-5. Eles dizem que esse passo levaria a resultados mais justos nos tribunais de família e permitiria que mais filhos do divórcio recebessem tratamento para que pudessem se reconciliar com um pai distante.

Entre aqueles do outro lado do debate, que tem crescido desde a década de 1980, são feministas e defensoras de mulheres espancadas que consideram a “síndrome de alienação parental” um conceito não comprovado e potencialmente perigoso para homens que tentam desviar a atenção de seu comportamento abusivo. .

Alguns críticos do conceito dizem que ele está sendo promovido por psicólogos, consultores e outros que poderiam lucrar se a alienação parental tivesse um status mais formal nas disputas judiciais de família.

“Na pior das hipóteses, ele alinha os bolsos de advogados e especialistas, aumentando o número de horas faturáveis ​​em um determinado caso”, escreveu o Dr. Timothy Houchin, psiquiatra da Universidade de Kentucky, e três colegas em um artigo no início deste ano. o Jornal da Academia Americana de Psiquiatria e da Lei.

“Isso cria um novo nível de debate, no qual somente especialistas qualificados podem se engajar, somando-se às já sombrias águas do testemunho do divórcio”, escreveram, argumentando que os tribunais poderiam lidar com o distanciamento entre pais e filhos sem rotular a criança como doente mental.

Os defensores do conceito de alienação parental foram preparados para uma decisão da APA de não classificá-lo como uma síndrome ou distúrbio, mas esperavam que ele fosse especificamente citado em um apêndice como um exemplo de um problema relacional entre pais e filhos.

Regier , em um e-mail na sexta-feira, disse que isso é “muito improvável”, mesmo que o esboço final do DSM-5 permaneça incompleto.

O Dr. William Bernet, professor emérito de psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Vanderbilt, é editor de um livro de 2010 defendendo que a alienação parental deveria ser reconhecida no DSM-5. Ele afirma que cerca de 200.000 crianças nos EUA são afetadas pela condição.

A proposta de Bernet para a força-tarefa do DSM-5 define transtorno de alienação parental como “uma condição mental em que uma criança, geralmente cujos pais estão envolvidos em um divórcio com alto conflito, alia-se fortemente a um dos pais e rejeita um relacionamento com o pai. outro pai, sem justificativa legítima ”.

Em uma entrevista por telefone, Bernet argumentou que a força-tarefa havia decidido baseando-se em fatores além da evidência científica.

“Eu acho que eles estão sendo motivados não pela ciência, mas sendo impulsionados por amizades, por forças políticas”, disse ele.

A alienação dos pais veio à tona na cena da cultura pop há vários anos como conseqüência da amarga batalha pelo divórcio e custódia dos filhos, envolvendo os atores Alec Baldwin e Kim Basinger. Baldwin foi atacado por alguns grupos feministas por citar a síndrome de alienação parental como fonte de seu distanciamento de sua filha.

“A verdade é que a alienação parental é realmente uma estratégia legal perigosa e habilmente comercializada que causou muito dano às vítimas de abuso”, disse a Organização Nacional para as Mulheres em meio à controvérsia.

Bernet, em sua proposta para a força-tarefa do DSM-5, disse concordar que “em alguns casos, o conceito de alienação parental foi mal utilizado por pais abusivos para esconder seu comportamento”.

“No entanto, discordamos veementemente em jogar fora o bebê com a água do banho”, escreveu ele, argumentando que tal abuso seria reduzido se critérios diagnósticos para a alienação parental fossem estabelecidos.

https://www.washingtontimes.com/news/2012/sep/21/psychiatric-group-parental-alienation-no-disorder/

O DEBATE SOBRE ALIENAÇÃO PARENTAL PERTENCE AO TRIBUNAL, NÃO NO DSM-5

A Força-Tarefa do DSM-5 está atualmente considerando a possibilidade de adotar o transtorno da alienação parental (DAP) como uma doença mental. Embora a controvérsia tenha cercado o PAD desde o seu início em 1985, grupos e indivíduos pró-PAD deram nova vida ao impulso de estabelecê-lo como um diagnóstico de saúde mental. Nesta análise, argumentamos que seria um erro grave adotar o transtorno da alienação parental como uma doença mental formal no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, Quinta Edição (DSM-5).

O distúrbio de alienação parental (DAP), 1 anteriormente e talvez mais conhecido como síndrome de alienação parental (SAP), é um dos diagnósticos mais controversos em consideração para inclusão no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, Quinta Edição (DSM-5). Dr. Darrel Regier, vice-presidente da Força Tarefa do DSM-5, disse à Associated Press que ele recebeu mais correspondência sobre o PAD do que sobre qualquer outro diagnóstico proposto. 2 A esse respeito, os grupos a favor e contra a inclusão do PAD no DSM-5 estão se preparando para uma batalha que deveria ter terminado antes de começar.

Uma nota sobre alienação
Defensores do PAS argumentaram sem sucesso por décadas que é uma doença mental e deveriam ser incluídos no DSM. Mais recentemente, os defensores da alienação parental renomearam o PAS como PAD e formalmente o submeteram para inclusão no DSM-5. Deixando de lado a semântica, o conceito de alienação parental não é único nem particularmente controverso. A alienação é definida pelo dicionário on-line 3 da Merriam-Webster como “uma retirada ou separação de uma pessoa ou afeições de uma pessoa de um objeto ou posição de apego anterior.” Existem, é claro, inúmeras situações em que pessoas que estão zangadas com um indivíduo pode tentar recrutar outras pessoas para o seu ponto de vista. Os políticos freqüentemente se envolvem em táticas de alienação para ganhar eleições, mas há pouca reflexão sobre rotular esse processo como um diagnóstico.

Na opinião dos autores, não há nada de errado em usar o termo alienação parental para descrever a “campanha de denigração” de um dos pais (ver abaixo) contra outro. No entanto, não há um bom propósito ao decidir moldar um processo colateral discutivelmente controverso de divórcio em uma doença mental diagnosticável. Neste artigo, o leitor verá que a alienação parental como diagnóstico psiquiátrico surgiu de emoções emanadas de batalhas de custódia, publicidade e economia, e não de estudos científicos sólidos.

A origem do PAS
Richard Gardner, ex-psicanalista e psiquiatra infantil da faculdade de medicina da Universidade de Columbia, introduziu o termo síndrome de alienação parental em seu artigo de estreia de 1985 sobre o assunto. 4 Mais tarde, ele teria um tom muito acadêmico em sua definição refinada de SAP 5 : A síndrome de alienação parental (SAP) é um distúrbio que surge principalmente no contexto de disputas de custódia de crianças. Sua principal manifestação é a campanha infantil de denegração contra um dos pais, uma campanha que não tem justificativa. Resulta da combinação de uma doutrinação dos pais programadores (lavagem cerebral) e das próprias contribuições da criança para o difamação do genitor alvo [Ref. 5p xx; ênfase no original].

Na década seguinte, Gardner continuaria a escrever prolificamente. Ele fundou sua própria editora, Creative Therapeutics, através da qual ele publicou mais de 30 livros. Ele usou este local não apenas para explicar e expandir suas teorias sobre SAP, mas também para promulgar outras teorias problemáticas. Por exemplo, ele apoiou abertamente a abolição das leis de denúncia de abuso infantil 6 e declarou, de forma controversa, que casos de abuso sexual são “turn-ons” para os envolvidos no processo judicial, incluindo advogados e juízes. 7 Apesar dessas alegações incomuns, Gardner foi muito procurado como testemunha especialista, testemunhando em mais de 400 casos de custódia de crianças antes do final de sua carreira.

Críticas anteriores do PAS
Controverso desde o seu início, o PAS tem obrigado muitos estudiosos a escrever artigos críticos à teoria de Gardner. Kelly e Johnston foram críticos notáveis do PAS, escrevendo em seu artigo de 2001, “A Criança Alienada, Uma Reformulação da Síndrome de Alienação Parental”, que “a terminologia PAS levou a confusão e mal-entendidos generalizados nos círculos judiciais, legais e psicológicos” ( Ref. 9 , p 250). Eles também destacaram a falta de apoio empírico para o PAS como um diagnóstico psiquiátrico e o impedimento do testemunho de SAP em muitos tribunais.

Embora eles refutassem vigorosamente a validade do PAS como diagnóstico psiquiátrico, Kelly e Johnston reconheceram em seu artigo que o comportamento alienador às vezes ocorre durante as disputas de guarda dos filhos. Foi nesse contexto que eles realmente reformularam o conceito de alienação parental, de modo que tanto os praticantes quanto os tribunais pudessem aplicá-lo utilmente sem invocar uma doença mental. Como se poderia esperar, Gardner discordou da reformulação de Kelly e Johnston, escrevendo uma réplica formal. 10 Tragicamente, Gardner terminou sua própria vida antes que pudesse ver este trabalho publicado em 2004. Tendo a última palavra em uma série espirituosa de trocas publicadas, Kelly e Johnston apresentaram uma resposta à refutação de Gardner que foi publicada em conjunto com ela.

As críticas ao PAS não se limitaram aos profissionais de saúde mental, uma vez que os juristas também não aceitaram a premissa de que a alienação parental deveria ser formalmente classificada como doença mental. Por exemplo, em seu artigo de 2002, “Síndrome de Alienação Parental e Alienação: Erradicando Casos de Custódia Infantil”, 12 Carol S. Bruch, JD, expressou preocupação com a tendência de Gardner de citar seus próprios livros e publicações não revisados por pares. em PAS. Ela observou que, em um artigo típico, Gardner citou 10 fontes: 9 escritos de sua autoria e 1 de Sigmund Freud. Ela refutou ainda mais a sugestão de Gardner de que a SAP era um fenômeno psiquiátrico geralmente aceito ao apontar que, quando a validade da SAP era contestada no tribunal, seu testemunho era frequentemente excluído.

Em nossa opinião, a abordagem de Gardner de livros de auto-publicação e, em seguida, citando-se como uma referência autoritária na literatura acadêmica foi além do simples auto-engrandecimento; foi francamente enganoso. Concordamos com a Sra. Bruch que o retrato impreciso do PAS como um diagnóstico aceito e confiável equivale a muitos níveis.

A falta de uma base empírica para a SAP
Na publicação póstuma de 2004 de Gardner, 10 ele se opôs aos críticos que consistentemente apontaram a falta de uma base empírica para o SAP como um diagnóstico psiquiátrico. O termo empírico, argumentou o Dr. Gardner, pode ser interpretado como uma observação direta do paciente e, portanto, não precisa envolver a experimentação científica. Ele alegou que, quando o termo empírico era interpretado dessa forma, havia ampla evidência de que o PAS permanecia como um diagnóstico legítimo. Ele então reconheceu que havia apenas um estudo PAS (o seu) na época que realmente aplicara a análise estatística.

Em nossa opinião, o argumento sobre como alguém escolhe definir a palavra empírico é semântico. Isso não muda o fato de que ainda há uma escassez de evidências científicas de que a PAS (ou PAD) deveria ser um diagnóstico psiquiátrico.

Desde a morte de Gardner, outros assumiram a cruzada para coroar sua criação de SAP com aceitação no DSM-5. Por exemplo, o livro, de Alienação Parental , DSM-V , e ICD-11 , 13 , foi publicado em 2010, alegando ter dezenas de colaboradores de nível profissional. O livro contém o capítulo apropriadamente chamado, “vinte razões pelas quais a alienação parental deve ser um diagnóstico”, em que o autor procurou abordar a falta frequentemente criticada de suporte de pesquisa empírica quantificável para PAS como um diagnóstico psiquiátrico. No capítulo, o autor citou dois estudos recentes sobre a confiabilidade entre os avaliadores de fazer o diagnóstico de SAP. 14 , 15Ambos os estudos fizeram uso de vinhetas clínicas escritas, pedindo a avaliadores de saúde mental para lê-los e determinar se o PAS estava ou não presente. Com base nesses dois estudos, o autor de “Vinte Razões” concluiu que o PAS alcançou confiabilidade interavaliadores. Nós discordamos.

Primeiro, apenas um desses estudos foi publicado em um periódico revisado por pares. Em segundo lugar, ambos os estudos se basearam exclusivamente em vinhetas escritas, e nenhum estudo ampliou o escopo da avaliação para incluir vídeos, pacientes vivos ou até mesmo atores. Em terceiro lugar, um total combinado de apenas 45 avaliadores realmente retornou as pesquisas dos mais de 350 que foram enviados. Dos inquéritos que foram devolvidos, apenas 34 foram considerados utilizáveis. Em nossa visão, rotular o SAP como um diagnóstico viável baseado nesses estudos limitados, com mínima oscilação estatística, é equivocado.

Muitos estudiosos da medicina, psicologia e direito examinaram a literatura sobre SAP. Em suma, eles encontraram consistentemente uma falta de estudos empíricos publicados em periódicos revisados por pares. Os estudos de PAS tipicamente exibem um número baixo de participantes do estudo, fazendo com que questionemos como alguns citaram esses estudos como prova de que o PAS (ou PAD) deveria ser um diagnóstico no DSM-5.

Economia do PAS
Como acontece com qualquer controvérsia acalorada, deve-se examinar as possíveis motivações financeiras que podem influenciar as posições dos envolvidos no debate. Infelizmente, para ter uma boa noção do apoio do PAS, basta seguir a trilha do dinheiro. Contencioso decorrente da dissolução do casamento é estimado em uma indústria de US $ 28 bilhões. 16 Não é segredo que o custo do divórcio e do processo de custódia pode adicionar mais uma faceta do estresse a todos os envolvidos. O acréscimo de qualquer complexidade adicional aos problemas envolvidos na custódia da criança serve apenas para aumentar a carga financeira suportada pelas famílias afetadas. Um diagnóstico formal de SAP, com os especialistas em duelos obrigatórios testemunhando em uma audiência de custódia, pode se tornar uma fonte primordial de geração de taxas para todos, exceto para a família que se divorcia.

O artigo da Associated Press citado acima 2 continuou falando sobre como o diagnóstico de SAP pode atrair mais negócios para os envolvidos na avaliação da guarda dos filhos. O artigo destacou a opinião de Elizabeth Kates, uma advogada que litiga casos de custódia de crianças. “É monetário”, disse Kates. “Esses psicólogos e terapeutas ganham muito dinheiro fazendo as avaliações e terapias”.

Como Kates sugeriu, avaliações adicionais seriam um benefício financeiro para avaliadores que já supervisionam um processo complicado com múltiplas variáveis que afetam o custo. Em 2001, o psicólogo Dr. Ira Turkat escreveu um artigo no qual ele também esclarece a economia das avaliações de custódia de crianças: avaliações de custódia podem ser caras…. Em 2003, o Tribunal de Recurso da Flórida observou que um psicólogo cobrava US $ 20.000 – uma quantia igual ao patrimônio líquido total das partes, e questionou como poderia ser do melhor interesse da criança que os recursos da família fossem esgotados por taxas dessa magnitude [ Ref. 17 , p 8].

Para um avaliador profissional de custódia de crianças, a adoção de PAS ou PAD como um diagnóstico psíquico genuíno no DSM-5 representa uma oportunidade potencial de aumentar a receita das taxas. Quase certamente haveria mais entrevistas e testes exigidos por ambos os pais que buscassem os serviços de especialistas independentes para testemunhar a existência de SAP em seus filhos.

Não é preciso muito prognóstico para ver como a inserção do SAP em uma situação de custódia pode servir para agravar ainda mais uma situação já tensa, acrescentando tempo de preparação para advogados e psiquiatras, enquanto diminui a probabilidade de um acordo amigável sem audiência ou julgamento.

PAS e Hollywood
A alienação parental não só chamou a atenção dos profissionais de saúde mental, mas também uma discussão acesa entre advogados, assistentes sociais, pais e até celebridades de Hollywood. O ator Alec Baldwin escreveu um livro sobre a paternidade 18 que continha o capítulo “Alienação Parental”. Ele também apareceu em vários talk shows detalhando como ele acreditava que sua ex-mulher, a atriz Kim Basinger, havia alienado sua filha. Embora o diálogo de alienação de Baldwin não tenha avançado cientificamente em nenhuma das teorias do PAS, ele serviu para levar o PAS à discussão mainstream.

Em 2010, o PAS foi o tema do programa de TV Law and Order, e mais tarde foi descrito e citado no The Huffington Post. 19 No episódio, um advogado de defesa tentou usar o SAP para desculpar um jovem acusado de assassinar a namorada de seu pai depois de supostamente ter sido alienado por sua mãe. O juiz do episódio descartou o argumento do PAS, mas a Associação Americana de Psiquiatria claramente não está descartando o PAS (D), pelo menos por enquanto, já que considera adicionar o PAD como um diagnóstico ao DSM-5.

Status atual do PAS
Como mencionado anteriormente, vários indivíduos estão liderando a acusação de incluir a alienação parental no DSM-5. Além de contribuir para a Alienação Parental , o DSM-V e a CID-11 , 13 muitos desses indivíduos também participaram do Simpósio Canadense de Síndrome de Alienação Parental. Pouco depois da publicação do livro, esse grupo realizou um grande fórum pró-PAS na Escola de Medicina Mount Sinai, em Nova York. 20

Uma oponente atual da inclusão do PAS no DSM-5 é a respeitada psicóloga Lenore Walker, PhD, que foi uma das primeiras a descrever a síndrome da mulher espancada. Em 2010, ela publicou um artigo refutando a afirmação na Alienação Parental de que a SAP é uma doença mental diagnosticável. 21 Fazendo eco às críticas do PAS por outros escritores, o Dr. Walker fez o argumento, se clássico, de que há uma escassez de dados empíricos para apoiar um diagnóstico psiquiátrico formal de SAP. Também foi publicado em 2010 o livro didático Princípios e Prática da Saúde Mental Forense Infantil e Adolescente , 22 que creditou os drs. Kelly e Johnston, substituindo amplamente o paradigma do Dr. Gardner sobre a alienação parental.

Conclusões
Argumentos a favor e contra a alienação parental como diagnóstico de saúde mental têm sido intensos e contínuos há décadas. Gardner começou o movimento PAS, citando seus próprios trabalhos publicados como evidência de que o PAS é uma doença mental. Os críticos de Gardner citam consistentemente a falta de pesquisa empírica para apoiar tal diagnóstico. No entanto, os defensores do PAS demonstraram recentemente um alto nível de organização, vocalização e coesão. Eles conseguiram muita publicidade e até receberam apoio de celebridades de Hollywood.

Há pouca dúvida de que a codificação do fenômeno comum de alienação como um transtorno mental formal complicaria ainda mais muitas disputas de custódia, aumentando assim o tempo e o dinheiro necessários para avaliar essas situações já complicadas. Deve-se perguntar se algum interesse da parte dos profissionais de saúde mental em apoiar a inclusão de PAS ou PAD no DSM-5 tem mais a ver com o interesse econômico do que com qualquer crença de que isso levaria à melhoria da prática clínica.

Acreditamos que a alienação de um dos pais ocorre em alguns casos de custódia da criança? Claro! O divórcio é uma situação intensa e emocionalmente carregada, muitas vezes trazendo o pior em todas as partes. Dito isto, acreditamos que os tribunais são capazes de lidar com esse tipo de cenário sem invocar uma doença mental para explicar a malignidade de uma criança contra um dos pais.

Na melhor das hipóteses, adotar o PAS ou o PAD como diagnóstico formal no DSM-5 serve apenas para confundir ainda mais os profissionais de saúde mental e os tribunais. Na pior das hipóteses, ela alinha os bolsos de advogados e peritos, aumentando o número de horas faturáveis em um determinado caso. Isso cria um novo nível de debate, no qual apenas especialistas qualificados podem participar, somando-se às já turvas águas do testemunho do divórcio. Acreditamos que o PAS (D) não possui o suporte empírico nem a relevância clínica para justificar sua adoção como doença mental. De qualquer maneira, deve ser permitido que cada lado apresente um argumento robusto para ganhar a custódia no tribunal, mas essas crianças em conflito, presas no meio, não devem ser rotuladas como doentes mentais.

http://jaapl.org/content/40/1/127.full

DECLARAÇÃO SOBRE SÍNDROME DE ALIENAÇÃO PARENTAL

A Associação Americana de Psicologia acredita que todos os profissionais de saúde mental, bem como os agentes da lei e os tribunais, devem levar a sério qualquer relato de violência doméstica em casos de divórcio e custódia de crianças. Uma Força-Tarefa Presidencial da APA em 1996 sobre Violência e Família notou a falta de dados para apoiar a chamada “síndrome de alienação parental” e levantou preocupações sobre o uso do termo. No entanto, não temos posição oficial sobre a suposta síndrome.

A American Psychological Association, em Washington, DC, é a maior organização científica e profissional que representa a psicologia nos Estados Unidos e é a maior associação de psicólogos do mundo. Os membros da APA incluem mais de 150.000 pesquisadores, educadores, médicos, consultores e estudantes. Através de suas divisões em 53 subcampos de psicologia e afiliações com 60 associações provinciais estaduais, territoriais e canadenses, a APA trabalha para promover a psicologia como uma ciência, como uma profissão e como um meio de promover o bem-estar humano.

http://www.apa.org/news/press/releases/2008/01/pas-syndrome.aspx

A JUSTIÇA MUDOU E EU NÃO SABIA…

Quando ouvimos falar sobre o “APARELHAMENTO” do ESTADO, parece-nos coisa do outro mundo, mas não é.
Vamos aprender?

O que nos garante ser uma democracia, e o que faz um Estado ser laico e plural, é o fato desses poderes serem independentes e livres de partidarismo e ideologias, sem comprometimentos com agendas, ou como diria um bom brasileiro “rabo preso” com ninguém. O que garante a liberdade no país é o fato destes três poderes poderem trabalhar sem ligação estadista, ou seja, o legislativo pode legislar sem interesses ideológicos ou partidários, o executivo pode agir e fazer cumprir-se as leis sem ter que agradar a ninguém e nem a nada, apenas agir conforme a competência que lhes foram confiados, e o Judiciário pode julgar sem medo de repressão ou punições políticas.
O aparelhamento consiste quando estes três poderes sofrem influências externas nas suas ações, e competências. Quando existe uma ideologia que impõe sobre os poderes, uma espécie de agendas de ações, e um compromisso de agradar, ou seja, criar uma ação secundária a estes poderes , uma ação que não seja cumprir seus papeis constitucionais.

As imposição destas agendas partidárias e ideológicas é que faz ficar totalmente comprometida as ações deste poderes, pois eles ficam sujeitos ao partido ou ideologia que está em voga, e não tem imunidade para legislar, nem julgar e consequentemente de agir. (https://proecclesiacatholica.wordpress.com/…/o-que-e-apare…/).

Pois bem, analisando os inumeros casos que chegaram em nossas mãos. Lendo e relendo laudos e mais laudos. Analisando as inumeras sentenças contraditórias que fere frontalmente o Código de Processo Civil, Código Penal, Estatuto da Criança e do Adolescente, Constituição Federal, Convenção Belem do Pará, Direitos Humanos e tantas outras Leis, enfim, só podemos chegar a conclusão que o “APARELHAMENTO DA JUSTIÇA” chegou nos Fóruns de cada cidadizinha deste Brasil.

Quando temos um processo, precisamos atualmente procurar saber, quem é que está sentenciando o processo.

Suas convicções, suas crenças enfim, sua IDEOLOGIA. Essa questão por ultimo é de extrema importancia quando referimos ao DIREITO DE FAMILIA.

E se contemplarmos as Leis Ideológicas veremos que estamos a MARCHA RÉ dos parcos direitos relacionados a FAMILIA.

Eis as Leis IDEOLÓGICAS aprovadas no CONGRESSO NACIONAL que enfim acabou com a SOCIEDADE BRASILEIRA:

– Lei Clodovil
– Lei da Xuxa
– Lei da Alienação Parental
– Lei da Guarda Compartilhada
– Lei da Obrigatoriedade Escolar de dar informações aos pais no desenvolvimento escolar dos filhos
– 02 Projetos de Lei da Criminalização da Alienação Parental
– 01 Projeto de Lei para prioridade Judicial em processos de Alienação Parental
– Projeto de Lei para diminuição do crime de estupro

E assim por diante…

A lei da Alienação Parental foi aprovado por Comissão sem ser discutido no Plenário do Congresso. Com 01 só audiencia, sem a presença do CONANDA.

Todas as Leis IDEOLOGICAS trazem em seu bojo tratamentos psicologicos, e pasme, geralmente sempre a MULHER.

Seria isso HOMOFOBIA ou machismo DO JUDICIÁRIO?

As vezes procuro me conter para não ser tão drástica, mas tem algo muito errado e drástico nesta História. Chega a ser MACABRO!

Não querendo apontar o dedo para “A,B,ou C”, mas quanto mais processos chega-nos as mãos, mas o conceito de procurar saber quem canetou aquela decisão faz-se necessário.

Se as “caças as bruxas alienadoras” já vem ocorrendo desde 2010, estamos cada dia avaliando que assinou a INQUISIÇÃO, e pasmem, o vilão é o tal da IDEOLOGIA graças ao APARELHAMENTO JUDICIÁRIO.

Benvindo a NOVA ERA e a NOVA ORDEM MUNDIAL.

Benvindo ao direito de não ter DIREITO.

Benvindo ao INFERNO!

Dra Patricia Alonso.