Todos os posts de Dra. Patricia Alonso

GUARDA DOS FILHOS POR AGRESSORES SEXUAIS (escrito em 1999)

Kelly O’Meara publicou um artigo intitulado “Pedófilos Obtêm a Custódia da Criança – A psiquiatria é psíquica?” Em uma edição recente da revista semanal do The Washington Times, Insight.

A imprensa muitas vezes aplaude o prêmio judicial de crianças de lares normais ao de homossexuais e portadores de AIDS. Agora, O’Meara documenta uma série de casos “bizarros” nos quais criminosos sexuais condenados estão recebendo a custódia exclusiva das crianças que abusaram.

Como isso pôde acontecer? O’Meara cita a “aceitação judicial” de uma moda de psicologia pop, síndrome de alienação parental (PAS), que surgiu como uma reação judicial à escalada de acusações de abuso sexual infantil em disputas de custódia.

Segundo a teoria PAS, se um dos pais (geralmente a mãe) acusa o outro (geralmente pai) de abuso sexual, este “transforma a criança contra o pai”, portanto, da mãe “influência sobre a criança deve ser interrompido.” Isso é, mesmo quando o acusado é um criminoso sexual condenado, a mãe perdeu os direitos de custódia e visitação.

A teoria, baseada nas observações de Gardner durante as disputas de guarda dos filhos , desacredita amplamente as acusações de incesto.

O PAS foi inventado por Richard A. Gardner. Gardner é professor clínico de psiquiatria infantil na Universidade de Columbia e defende sua teoria em suas 749 páginas de “Verdadeiras e falsas acusações de
abuso sexual infantil ” (1992).

Inevitavelmente, a única autoridade experimental de Gardner para essa teoria do PAS é Alfred C. Kinsey. De fato, Gardner plagiou em grande parte os Capítulos 5 em Comportamento Sexual no Homem Humano (1948) e Feminino (1953) para mostrar que o abuso sexual infantil é normal.

Nenhuma organização científica respeitável validou o PAS. Até mesmo a Associação Americana de Psiquiatria rejeita a confiabilidade científica do PAS de Gardner. O’Meara cita ainda vários críticos profissionais do PAS, tipificado por Jon Conte, psicólogo da Universidade de Washington, “O PAS não é baseado em pesquisa e tem feito uma grande injustiça para com a família e o sistema judiciário”.

Os juristas também estão cientes do perigo do PAS. Para citar John EB Myers, professor da McGeorge School of Law, da Universidade do Pacífico, Califórnia, o PAS “aumenta exponencialmente o ceticismo da sociedade em geral sobre a existência de abuso infantil”.

Como mais uma indicação de que PAS não é nada mas a ciência pseudo nós só precisa de olhar para alguns dos outros de Gardner “descobertas científicas”. Gardner utiliza recente “ultra-sonografias que mostrou meninos segurando seus pênis no útero” como um exemplo do desejo sexual esses meninos ou atividade.

Gardner, um médico que conhece melhor, não apenas descarta completamente a compreensão comum dos dedos do pé, do braço, do pé e do nariz, como também projeta seus próprios desejos ou imaginação nos bebês quando diz que “a maioria, se não todos, as crianças têm a capacidade de atingir o orgasmo no momento em que nascem ”e“ as crianças não são apenas naturalmente sexuais, mas podem ser iniciadoras de atividades sexuais ”.

Como seu mentor, Kinsey, patologicamente suspeito, Gardner sugere que as crianças seduzem sexualmente seus cuidadores.

Tendo testemunhado com sucesso em centenas de casos de custódia, o PAS de Gardner é citado por muitos no sistema de justiça que tomam decisões de vida e morte para crianças.

Algumas mães agora escondem o incesto em um caso de custódia para que o juiz declare que ela está “emocionalmente” abusando da criança relatando o infrator. Gardner disse a Insight que sua vida pessoal e orientação sexual “não são relevantes”.

Mas a vida pessoal de um especialista em sexo na corte é de fato “relevante”. Como sua vida fechada era relevante para seus dados, Kinsey, um psicopata sexual , disse ao mundo que ele era um homem de família conservador. De fato, alegações de fetos sexualmente vigorosos sugerem que Gardner é significativamente
desordenado. Seu testemunho do PAS em decisões de custódia de crianças pode e deve ser desafiado e revertido.

O site de Gardner identifica uma palestra do PAS em 5 de junho de 1999 no Monte de Nova York. O Hospital Sinai, outro patrocinado pela Associação de Conselheiros do Casamento e da Família da Carolina do Sul , em seguida, foi para a Universidade Aberta para ensinar o PAS em Breda, Holanda (a casa do movimento acadêmico internacional de pedofilia).

Vamos torcer para que tanto as profissões jurídicas quanto de saúde em breve levem o PAS para o que realmente é, o lixo pseudocientífico.

https://www.wnd.com/1999/04/2738/

EUA E A CAMPANHA PARA VACINAÇÃO CONTRA HIV. QUEM TINHA INTERESSE NESSA CAMPANHA?

EPSTEIN: BILIONÁRIO DOS EUA PRESO POR SOLICITAR SEXO MENOR

Um dos homens mais ricos da América, que esteve de férias com o príncipe Andrew e emprestou seu jato particular a Bill Clinton, começou a cumprir pena de 18 meses de prisão após se declarar culpado de pedir sexo a meninas de até 14 anos.

O bilionário Jeffrey Epstein, de 55 anos, enfrenta um ano de prisão domiciliar depois de ser libertado da prisão na Flórida . Ele deve se submeter a um teste de HIV hoje e dar os resultados para as famílias de suas vítimas menores de idade, quatro dos quais entraram com ações multimilionárias contra ele.

Foi a causa do combate ao HIV que ajudou Epstein a fazer amizade com Clinton depois que o ex-presidente deixou a Casa Branca. Clinton voou para a África em uma missão anti-Aids em 2002 no jato Boeing 727 da Epstein, acompanhado pelos atores Kevin Spacey e Chris Tucker.

Clinton elogiou os “insights e generosidade” de seu amigo em uma declaração à revista New York, que citou Epstein semanas após a viagem.

“Jeffrey é tanto um financista altamente bem-sucedido quanto um filantropo comprometido com um grande senso de mercados globais e um profundo conhecimento da ciência do século 21”, disse o ex-presidente por meio de seu porta-voz em 2002.

A ascensão de Epstein começou na década de 1970, quando ele conseguiu um emprego de professor de matemática em uma escola de elite de Nova York, apesar de nunca ter um diploma universitário. Ele logo recebeu uma oferta de trabalho do então presidente do Bear Stearns, Ace Greenberg, cujo filho estava na classe de Epstein.

Em meados da década de 1980, Epstein era dono de uma ilha caribenha e era famoso no mundo financeiro por não revelar nada sobre seus clientes, economizando o tamanho mínimo de suas contas: US $ 1 bilhão. As autoridades da Flórida começaram a rastrear Epstein em 2005, quando uma jovem contou que foi recrutada para massagens e encontros sexuais com o financista. O FBI se envolveu logo depois, supostamente cavando o lixo de Epstein e monitorando sua luxuosa mansão para rastrear quantas meninas estavam entrando e saindo.

Embora Epstein tenha se declarado culpado na segunda-feira por pedir prostituição, ele afirmou que achava que as meninas tinham mais de 18 anos.

https://www.theguardian.com/world/2008/jul/02/usa.internationalcrime1

EXCLUSIVO: BILL CLINTON AINDA SILENCIOSO SOBRE VOOS NO PLANO SEXUAL DE PEDÓFILO

O ex-presidente Bill Clinton continua a permanecer em silêncio sobre os 26 vôos que ele levou a bordo do jato particular Jeffrey Epstein, apelidado de agressor sexual, apelidado de “Lolita Express”, que supostamente oferecia garotas menores de idade a estuprar passageiros.

A Fox News escreveu em 2016 que o Lolita Express, um jato Boeing 727, foi “supostamente equipado com uma cama onde os passageiros faziam sexo em grupo com garotas jovens”.

Clinton voou em algumas viagens, onde os registros de vôo mostravam apenas os primeiros nomes das passageiras do sexo feminino.

A Daily Caller News Foundation contatou a Biblioteca Presidencial Clinton na semana passada para obter informações sobre o relacionamento do ex-presidente com o bilionário Epstein, que em 2008 foi condenado por solicitar sexo de garotas menores de 14 anos.

No momento do pedido, a Biblioteca Presidencial Clinton se preparava para comemorar o 25 º aniversário da vitória presidencial de Clinton em 1992. Foi assistido por um pequeno exército de partidários de Clinton.

TheDCNF contatou o escritório de mídia para Bill Clinton, mas recusou-se a responder a uma variedade de perguntas sobre Clinton, suas viagens e sua amizade com Epstein.

Entre 2001 e 2003, Clinton e Epstein viajaram juntos em longas viagens ao redor do mundo, de acordo com registros de voo lançados em 2015 pela Gawker .

Acompanhando Clinton a bordo do jato particular estava Doug Band, seu “homem do corpo” e presidente da Teneo Holdings, uma empresa que organizou palestras e negócios lucrativos para o ex-presidente.

Em uma viagem, Clinton também viajou com o ator Kevin Spacey , que agora é acusado de fazer sexo com um garoto menor de idade.

Clinton viajou a bordo do “Lolita Express” com uma atriz pornográfica e viajou 11 vôos com a assistente de Epstein, Sarah Kellen, que supostamente comprou garotas menores de idade para homens, de acordo com Gawker.

Gawker relatou que Kellam foi “acusado em processos judiciais de atuar como cafetões para ele (Epstein), recrutando e cuidando de garotas jovens em sua rede de trabalhadoras sexuais, e frequentemente participando de atos sexuais com elas”.

“Em janeiro de 2002, por exemplo, Clinton, seu assessor Doug Band e os detalhes do serviço secreto de Clinton foram listados em um voo do Japão para Hong Kong com Epstein, Maxwell, Kellen e duas mulheres descritas apenas como“ Janice ”e“ Jessica, Gawker relatou.

Clinton abandonou seus agentes do Serviço Secreto em cinco dos voos, segundo a Fox News.

Epstein também enviou seus amigos para sua ilha pessoal de 72 acres chamada “Orgy Island” em Little St. James, nas Ilhas Virgens dos EUA. Uma equipe de traficantes supostamente solicitou meninas de até 12 anos para atender os “amigos” de Epstein, de acordo com Gawker. Não se sabe se Clinton já visitou a lha.

O Judicial Watch, um grupo conservador de vigilância, entrou com um pedido de Liberdade de Informação em 2015 para que o Departamento de Segurança Interna dos EUA obtivesse registros de todas as despesas do Serviço Secreto incorridas para fornecer “segurança e / ou outros serviços” ao ex-presidente Bill Clinton durante seu mandato. viagens com Epstein.

Michael Bekesha, um advogado do Judicial Watch, disse ao TheDCNF que o DHS nunca produziu nenhum registro.

O pedido da DCNF sobre Clinton e Epstein ocorreu quando centenas de assessores leais a Clinton, trabalhadores de campanha e ex-funcionários da Casa Branca convergiram para a Biblioteca Presidencial para comemorar o 25º aniversário da primeira vitória do Presidente na Casa Branca.

Enquanto a conferência se reunia em meio a um turbilhão de acusações de agressão sexual contra homens proeminentes na política, na indústria e em Hollywood, nada disso foi levantado nos programas do 25º aniversário.

James Carville, o irreverente ex-gerente de campanha de Clinton de sua campanha presidencial de 1992, moderou uma longa e “segura” entrevista com Bill e Hillary Clinton na biblioteca.

Em vez disso, a conferência abordou o meio ambiente, a política educacional, o desenvolvimento infantil, a luta nos Bálcãs e até o Projeto Genoma Humano.

Mulheres que anteriormente relataram agressões sexuais por Clinton disseram ao TheDCNF que o silêncio do campo de Clinton sobre os vôos de Epstein não os surpreendeu.

“Bem, ele é culpado e sabe que é culpado. Então, ele não vai comentar nada ”, disse Kathleen Willey, que afirma que Clinton a agrediu sexualmente enquanto trabalhava na Casa Branca. Ela trabalhou no escritório do advogado da Casa Branca e no escritório do secretário social da Casa Branca.

“Já ouvimos uma palavra dele desde que tudo isso surgiu? Quero dizer, isso vem acontecendo desde os tempos de faculdade ”, disse Willey.

Quanto aos seus voos a bordo do jato Epstein, Willey disse: “Bem, não acho que Bill Clinton estava jogando damas lá. Eu acho que é desprezível, é nojento. Ele estava lá por um motivo. Chama-se pedofilia. A maioria dessas meninas era menor de idade ”.

Juanita Broaddrick, que diz que Hillary a estuprou em um quarto de hotel em 1978, quando era procurador geral do estado, disse à TheDCNF: “Bem, eu não vejo como eles poderiam falar sobre isso agora depois de mentirem sobre isso por duas décadas e assediarem e nos destruiu. Eu não vejo como eles pessoalmente podem voltar e dizer qualquer coisa. ”

Broaddrick disse durante o ataque que Clinton mordeu o lábio com tanta força que começou a sangrar. “É melhor você colocar um pouco de gelo nisso”, ela se lembra dele dizendo que ele saiu pela porta.

“Não consigo imaginar como e de que maneira eles poderiam dizer os nomes: Paula Jones, Kathleen Willey ou Juanita Broaddrick. Eu não acho que isso venha a sair de suas bocas ”, disse Broaddrick à TheDCNF.

Ela também não ficou surpresa que o escândalo sexual não tenha aparecido na conferência de Clinton neste fim de semana.

“Eu não acho que eles vão lá e admitem qualquer coisa que Bill Clinton fez. Eu pessoalmente não acho que eles tenham coragem de fazer isso ”, disse ela.

Depois que promotores federais identificaram pelo menos 35 meninas que foram solicitadas por Epstein, o governo dos EUA optou por ter o estado da Flórida, e não acusações federais levantadas contra ele.

Ele recebeu um acordo de 13 meses de uma sentença de 18 meses no Palm Beach County Stockade. Ele só foi acusado de uma acusação de solicitar uma garota menor de idade.

A punição era tão leve que Epstein podia sair todos os dias para ir trabalhar como agente de poder no campo financeiro.

Ele também é listado como um criminoso sexual registrado e teve que fazer a restituição financeira para cerca de 30 meninas.

Epstein agora passa a maior parte do tempo em sua ilha nas Ilhas Virgens dos EUA, de acordo com o Palm Beach Post.

Para Broaddrick, as memórias do ataque de Clinton ainda são vivas. “Ainda choro, ainda sinto essa dor. Nunca vai embora ”, disse ela ao TheDCNF.

https://dailycaller.com/2017/11/19/exclusive-bill-clinton-still-silent-about-flights-on-pedophiles-sex-plane/

PADRÕES COMUNITÁRIOS E O ESCÂNDALO DE CLINTON

O relatório de Kenneth Starr ao Congresso com detalhes sobre a exploração sexual de Monica Lewinsky pelo presidente Clinton “fez mais em duas semanas do que eu fiz em um quarto de século para tornar a pornografia disponível para um público maior”, declarou o rei pornô Larry Flynt no Washington Times (22 de dezembro de 1998). As aventuras sexuais adúlteras de Clinton fizeram um longo caminho para tornar o sexo um ato “público”.

Atos sexuais antes considerados “privados”, mas agora publicados no exterior pela internet, rádio e televisão, foram discutidos nacionalmente com quase nenhum rubor. O editor da Hustler, Flynt, se orgulha do escândalo sexual de Clinton-Lewinsky por um bom motivo. Mas não porque as perversões sexuais e o adultério estão sendo divulgados como nunca antes, ele forneceu uma vantagem inesperada para os pornógrafos como o Flynt.

Desde nossa fundação, os americanos conheciam uma imagem suja quando a viram. A prova da obscenidade, disse o Presidente Abraham Lincoln em 3 de março de 1865, era qualquer coisa que “tendesse a agitar os impulsos sexuais ou levar a pensamentos lascivos sexualmente impuros”. Essa definição era aceitável até os casos de Alberts e Roth de 1957. Naquele ano fatídico, a ACLU colocou em prática os dados fraudulentos do sexo de Kinsey , citando-a perante a Suprema Corte dos EUA como prova de que uma nova classificação de obscenidade – pornografia – é inofensiva. O tribunal superior aceitou os casos baseados em Kinseyan da ACLU e estabeleceu um novo teste:“Seja para a pessoa média, aplicando os padrões da comunidade contemporânea, o tema dominante do material tomado como um todo apela para o interesse purista.” Na confusão legal que se seguiu, as fantasias dos pornógrafos caíram sob a proteção da Primeira Emenda, que nunca foi destinado a proteger a obscenidade. Desde 1957, os tribunais têm procurado medir imagens sujas por conceitos em voga atual, em oposição aos padrões de “fora de moda”, embora mais honestos, de ontem.

Esta decisão judicial e os ganhos legais obtidos desde e pelos pornógrafos perdem a luz das possibilidades futuras que o escândalo Clinton / Lewinsky oferece à indústria do sexo. O campeão Clinton Flynt sabe o que vai passar despercebido pelo público – que a conduta desonrosa de Clinton demitiu os “padrões comunitários de decência” coletivos do país. A capacidade de as pessoas comuns serem chocadas e indignadas foi irrevogavelmente reduzida pelo comportamento imprudente e imoral de Clinton. Sua divulgação pública.

Flynt percebe que essa situação nos aproxima perigosamente dos poucos tabus sexuais remanescentes na lei e na consciência nacional. Ele entende que, à medida que a barreira legal diminui, mais expansivas são suas novas oportunidades de mercado para vender as imagens perversas antes rejeitadas como ilegais, indecentes e destrutivas.

A florescente indústria da obscenidade nos Estados Unidos também deve à administração Clinton por sua vigorosa defesa da interpretação do pornógrafo da Primeira Emenda, que derrubaria todas as leis obscenas. O governo Clinton, muito mais do que se impor na aplicação das atuais leis de obscenidade, buscou abrir novas fronteiras para legalizar as perversões. Uma ilustração disso é o revolucionário caso de pornografia infantil Knox de 1994.

Knox, um infrator anterior de leis de pornografia, tinha fitas de vídeo de garotinhas “entre dez e dezessete anos” que estavam vestidas com trajes formais. De acordo com a Corte de Apelações dos Estados Unidos, “o fotógrafo ampliaria a área púbica e genital das crianças”. O anúncio em vídeo dizia: “é quase como vê-los nus (alguns dizem melhor).” Procuradora Janet Reno, campeã dos Estados Unidos encarregado de defender a lei que protege as crianças, vigorosamente tomou o lado do usuário de pornografia infantil Knox! O advogado Ronald D. Ray e eu enviamos um amicus em apoio às crianças no caso Knox. Felizmente, o Tribunal de Apelações da Filadélfia tomou o partido de Reisman e Ray contra a indústria da pornografia e
Procurador Geral. O Departamento de Justiça de Clinton rejeitou o processo por violações de obscenidade a uma taxa de 68% em 1993, 95% em 1994, 100% em 1995 e 70% em 1996. O vice-adjunto da Seção de Exploração Infantil e Obscenidade chamou a decisão de desconsiderar a obscenidade. processos judiciais um benefício para a indústria do sexo.

Sim, Bill Clinton é o político e filosoficamente do pornógrafo, e é por isso que Flynt pegou o porrete e começou a exigir retribuição da “ala direita radical” por impedir o predador sexual na Casa Branca. Flynt está divulgando os pecadilhos sexuais de Bob Livingston, Bob Barr e outros altos funcionários eleitos, aumentando ainda mais a deflexão de Clinton de perjúrio e as acusações de obstrução, reduzindo a questão ao sexo “simplesmente”. O ex-assessor de Clinton, Dick Morris, disse: “Eu apostaria que o meu último dólar” é que a Casa Branca está ligada às revelações de “terra queimada” de Flynt , que têm como alvo – com uma exceção – apenas republicanos.
Flynt oferece uma ótima cobertura enquanto a equipe de Clinton persegue agressivamente a “política de destruição pessoal”, enquanto o presidente, como a voz paternal da razão, alerta publicamente contra “entrar em um lugar onde a destruição pessoal governa o dia”.

Enquanto isso, os pesquisadores do establishment afirmam que os americanos estão escancarando o escândalo sexual de Clinton – um sinal esperançoso para Flynt e seus parceiros de perversidade de que essa sociedade sexualmente coesa está abandonando as proteções de um padrão moral baseado na castidade e na fidelidade matrimonial.

Uma sociedade que comercializa o “padrão comunitário” baseado em amor, honra e dever e, em vez disso, abraça o padrão do Kinseyan e do pornógrafo de “vale tudo”, faz, não o amor, mas alimenta o afrodisíaco final. Inextricavelmente, essa nova desordem social leva a sociedade para a objetificação sexual de seus mais impotentes. A indústria do sexo norte-americana, sempre ansiosa por expandir-se aos lucrativos mercados de exploração dos que não têm poder por amor ao dinheiro, pode agora começar a considerar razoavelmente a legalização do “último tabu”: a objetificação sexual de crianças pequenas.

O “padrão comunitário contemporâneo” da nação, atualmente em voga pelo escândalo de Clinton, logo trará uma nova urgência à questão: “Pais, vocês sabem onde estão seus filhos?”

https://www.wnd.com/1999/01/2677/

AS CRIANÇAS NO ACRE… A CONTA CHEGOU, E ELAS SÃO AS PRIMEIRAS VITIMAS!

Você sabia que a doença “hepatite” é muito dificil de ser encontrada em crianças?
Voce já se perguntou porque crianças abusadas não contraí doenças sexualmente transmissivel?

Por causa da campanha do Governo em larga escala em vacina-las contra DSTs, Hepatite “B” e tantas outras, ou seja, você, a serviço do Governo, está preparando seus filhos, fisicamente “seguros” para os PEDÓFILOS.

Não podemos deixar de esclarecer que:
a) Hepatite B é uma doença sexualmente transmissivel resultante da conduta homo/heterossexual promiscua, tais como conduta atraves do semem e saliva, multiplos parceiros, sodomia anal/oral e/ou agulhas infectadas, criado em grande parte para atender a demanda, em grande parte para as prostitutas e os homossexuais masculinos promiscuos, bem como uso comum de drogas intravenosas;
b) que tais vacinas universais são experimentais;

Portanto, a Campanha de Vacinação nos ultimos 15 anos tem como principio imunizar as crianças contra a gonorréia, por exemplo, que poderia vir sinalizar abuso infantil. Assim, ao invez de processar rapidamente crianças que se tornaram escravas do sexo, o Governo Brasileiro está fazendo o caminho inverso, ou seja, estão imunizando-as a uma DTS adulta comum a uma pequena “sub-cultura” de abuso infantil.

A pergunta que não pode calar?
Porque imunizar bebes com a vacina contra hepatite “B” se a mãe não está infectada?

Não é para menos que os dados do ultimo IBGE apontam para 70% das Denuncias de estupro acontecer com crianças de 0 a 14 anos. Na realidade não há um combate para a pedofilia, pelo contrário, há sim, uma Campanha acirrada atraves de campanhas para vacinação feita em larga escala para atender tanto a industria farmaceutica, como tambem aos pedofilos.

Nos ultimos tempos, com a flexibilização dos valores morais, houve um “afrouxamento” onde as leis de saúde pública foram radicalmente liberalizadas para definir como “privado” o que antes foi visto como conduta sexual criminosa minando a “moralidade pública” (fornicação, adultério, sexo em público, sodomia, prostituição, etc.). historicamente conhecidos por facilitar a disseminação de doenças sexualmente contagiosas e outros distúrbios sociais.

Você nunca se perguntou: Quais foram as crianças que apresentaram a referida doença Hepatite “B”? Com certeza, se fosse apresentada a Sociedade encontrariamos um Histórico de pervesão sexual e com certeza o seu algoz seria preso, entretanto, essas crianças nunca apareceram.

Chegou-nos ao conhecimento que as crianças no ACRE estão doentes em decorrencia da Vacina que foi aplicada a elas. Alguem realmente foi até lá verificar o que está ocorrendo?

Não podemos esquecer que a Ciencia está em constante transformação, e que a aplicação de uma vacina poderá ter respostas tanto a curto prazo, quanto a longo prazo. Somos todos “cobaias” da ciencia.

Até mesmo em um parto, uma obstetra não pode dar garantia 100% de sucesso porque a resposta sempre será, “DEPENDE”.

Como a vacinação contra hepatite B em massa começou, com bebês que não falam, onde o dano não pode ser separado de outros traumas causais, os efeitos a curto e longo prazo da vacina em populações de vacinação infantil são desconhecidos. Onde as crianças são testadas para que os testes possam ser validados e replicados? Não encontro essas respostas!

Doenças que nunca tinhamos conhecimento tais como “Síndrome da Morte Súbita Infantil”, “Distúrbios do Déficit de Atenção” e outras aflições tenham sido implicados nas vacinas contra hepatite B, seus efeitos grosseiros e sutis em crianças injetadas não serão conhecidos por muitas, e muitas décadas – ou nunca. Ainda assim, milhões de crianças estão sendo injetadas, supostamente para seu próprio bem, com uma profilaxia sexual, tóxica em sua forma natural.

De acordo com o National Vaccine Information Center, uma série de três doses de hepatite B custa pelo menos US $ 120 por bebê, inútil depois dos 5 aos 12 anos, quando as crianças precisam de “reforços” para iniciar o processo artificial novamente.

Segundo Dra Judith Reismann, na decada de 90, foi feito um estudo em 1 000 casos de eventos adversos relatados após a vacina contra hepatite B que foram obtidos do VAERS através do Freedom of Information Act, havia oito casos de esclerose múltipla, 27 casos de Guillain-Barre ‘Síndrome, nove casos de meurite óptica e dois casos de meningoencefalite encontrados [por todas as aparências] relacionados à vacina contra hepatite B recebida.

O Centro Nacional de Vacinas nos EUA (NVIC), uma organização sem fins lucrativos que informa o público sobre doenças e vacinas, trabalham para evitar ferimentos e mortes por vacinação através da educação, já alertava que “a maioria das pessoas que contraem hepatite B não precisa ser hospitalizada e 90% de todos os pacientes se recuperam completamente e têm imunidade permanente à doença”.

Ainda o NVIC O NVIC declara em “Reações à Vacina da Hepatite B:
“Um estudo citado por um fabricante de vacinas contra hepatite B … relatou que acompanhou de 5% a 17% de todas as injeções de hepatite B, fadiga e fraqueza; dor de cabeça; febre de mais de 100 F .; náusea; diarréia; infecções da garganta e do trato respiratório superior; artrite incluindo dor nas articulações, costas, pescoço e ombro e nódulos linfáticos inchados. Reações graves que foram relatadas incluíram disfunção do cérebro e do sistema imunológico.”

* * *

Em 1994, o Instituto de Medicina da Academia Nacional de Ciências informou que há provas científicas convincentes para concluir que a vacina contra hepatite B pode causar choque que pode terminar em morte. Como não foram realizados estudos, ou foram realizados poucos estudos para investigar as reações da vacina contra hepatite B, não foi possível determinar se a vacina contra hepatite B causa ou não a síndrome de Guillain-Barre; doens desmielinizantes centrais do cebro, tais como mielite transversa, neurite tica ou esclerose mtipla; artrite aguda ou crônica ou síndrome da morte súbita infantil.

Um fabricante de vacinas observou que “uma aparente síndrome de hipersensibilidade (semelhante à doença do soro) de início tardio foi relatada dias a semanas após a vacinação, incluindo artralgia / artrite (geralmente transitória), febre e reações dermatológicas”.

Portanto, nos ultimos anos no Brasil, a interferência legislativa com este programa de profilaxia sexual compulsória, cuja mandataria é o proprio Estado para bebês e crianças está atrasada.
Ainda hoje nos EUA, tal programa não é científico, repleto de perigo físico e emocional para as crianças e, sem dúvida, totalmente ilegal.

As noticias estão chegando do Acre. Crianças com Histeria mental, amarradas as macas no Hospital depois que foram vacinadas, alguem se dispoe a estudar tal comportamento juntamente a esta realidade?

Estamos colhendo o que plantamos!

Dra Patricia Alonso

Link do vídeo

https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/de-dez-vacinas-para-criancas-de-ate-um-ano-nove-estao-com-baixa-cobertura-no-brasil-22851205

http://www.cva.ufrj.br/informacao/vacinas/calendario/cv-criancas.html

Atenção!Mães de jovens que adoeceram depois de tomar e a vacina contra o HPV, continuam buscando respostas e ajuda. Crianças estão internadas há dias, sem um diagnóstico concluído. Pessoas do Ministério da Saúde estão pela segunda vez em Rio Branco, mas não dão respostas para as mães. A situação é muito triste.

Posted by Rose Lima on Monday, November 5, 2018

EU VENCI O SISTEMA PARA SALVAR MINHA FILHA…

31 DE OUTUBRO… MARTIN LUTERO VENCIA UM SISTEMA, E GRITOU BEM ALTO: “O JUSTO VIVERÁ PELA FÉ”.
Em 31 de Outubro de 2018 eu posso gritar bem alto: “EU VENCI O SISTEMA PARA SALVAR MINHA FILHA…”
“”Teu dever é lutar pelo Direito, mas se um dia encontrares o Direito em conflito com a Justiça, luta pela Justiça!”
Eduardo Juan Couture

Hoje os Protestantes comemoram a REFORMA RELIGIOSA.
Lemos nos Livros de História que um Padre, não muito conhecido na sua época, percebeu que por falta de informação e pelo povo não ter acesso a Biblia e a interpleta-la livremente estavam ESCRAVOS de um SISTEMA.
Creio que daqui uns 20 anos poderei contar para os meus NETOS o que nossa familia fez para vencer o SISTEMA implantado nos ultimos 08 anos no Brasil onde procurou-se de todas as formas entregar as crianças a todos os tipos de barbaries envolvendo a violencia doméstica.
Em seis anos, 07 laudos periciais, um deles com duração de 07 meses, onde fui compelida a praticamente “confessar” que era invenção da minha cabeça, ou história da corochinha aquilo que se passava nas 04 paredes de casa.
Como provar a violencia doméstica? Realmente em um pais onde as politicas publicas eram favoraveis ao “in dubio pro reo” e não “in dubio pro societatis”; passando pelo Garatismo Penal e pelo vitimismo implantado por Richard Gardner onde coloca o agressor como vitima de uma sociedade que não o compreende e onde a linha de raciocinio tange o absurdo em apregoar aos 04 ventos que o a familia tem que conviver com o agressor, realmente olhar para atrás e ver tudo que passamos só podemos dar uma explicação: fomos salvas por um milagre.
E se alguem, já viu algum filme sobre o NAZISMO e a tortura psicologica imposta aos judeus nos campos de concetração, jamais imaginaria que o “modus operandi” desta Lei são os mesmos traçados na Lei Ideologica mais perversa do planeta conhecida como a Lei da Alienação Parental.
A proposta da Lei é submeter quem está defendendo a criança da violencia doméstica a ser induzida atraves da psicologia social a ser induzida ao mais baixo nivel psicologico ao ponto da pessoa ao não aguentar a pressão, abrir mão de defender sua prole.
As táticas vai desde a dinamica de grupo com outras Mulheres que tambem estão vivendo o mesmo drama, e atraves do depoimento grupal voce se conscientizar que a situação que voce está vivendo é algo extretamente “NORMAL”.
Atraves de trabalhos manuais de recortes de revistas e colagem de figuras, a manipulação é que vc não ofereça mais resistencia em seus argumentos, e aceite atraves da demonstração destes trabalhos que gradativamente voce está amoldando ao fim que se destina a Lei, ou seja, aceitar o agressor como ele é, de forma incondicional e ILIMITADA.
Importante salientar que essa técnica aplicada sempre existiu no MUNDO TODO. Nos EUA incluive, uma mãe foi presa extamente porque tambem se opos a este sistema.
Foram 12 anos de cumprimento de pena em regime fechado, mas antes é claro, ela retirou a criança dos EUA, deixou com seus pais, avós da criança que moravam em outro pais, e voltou para cumprir a pena.
Essa mãe tambem era uma advogada. Infelizmente ela não teve a mesma sorte que eu em se gastar e desgastar em estudar profundamente o que ocorria com esta Lei e o que exatamente existia por detrás.
Durante os 07 initerruptos meses em que estive em “tratamento forçado” imposto pela Justiça pude perceber que a ONG onde fui direcionada para fazer o “tratamento compulsório” tinha psicologas e assistentes sociais as quais não leram o meu processo.
Como fazer “tratamento compulsório” direcionado pela Justiça sem que as mesmas tivesses acesso aos boletins de ocorrencia, peças documentais, etc, etc, etc.
Simples a resposta.
As psicologas não são parte do processo, portanto realmente elas não tem acesso as informações. Assim é um “tratamento” no escuro, onde voce é encaminhada para “tratamento de alienação parental” e não para “violencia doméstica”.
A partir dái começa inumeros erros grotescos nas quais a Justiça em outros tempos tomaria providencia, mas no sistema onde estavamos, na ERA PT, tudo é levado pela ideologia “lassez faire, laissez passer”.
Outro grande absurdo é que todos esses laudos produzidos nada mais são do que provas contra a quem está protegendo a criança, sim, voce é encaminhada pela Justiça a fazer “tratamento compulsorio”, com o fim tão somente produzir prova contra si mesma.
Foi assim que ao perceber que esta era a proposta, e por ser cristã evangélica comecei a quebrar todos os paradigmas dessa mosntruosidade.
Porque?
Porque o sistema implantado por Richard Gardner se alimenta do litigio entre o casal, ou seja, enquanto um acusa o outro perde-se o foco da violencia e da criança.
Essa é a grande “pegada” desta Lei, e a proposta do pedofilo R.Gardner.
Em seu proprio video ele afirma categoricamente que toda a Mulher precisa ser levada até o seu mais baixo nivel de “submissão”, mesmo que precise encarcera-la por um final de semana numa Delegacia de seu bairro para ela aprender a aceitar a agressão.
Então qual é a saida?
Não fale mal do outro.
Sim, não perca o foco.
A partir do momento que entendi essa grande lição, e que diga-se de passagem aprendi na Biblia (Basta cada dia o seu mal. Não ponha o sol sobre a sua ira), comecei a ter o caminho inverso da proposta de Gardner.
Sim, exatamente isso.
A ideologia de Gardner está em desistruturar a pessoa o maximo que puder para que assim, passando por Histérica e Louca, perde-se a guarda da criança e a entrega definitivamente ao seu abusador.
Assim, em cada sessão que participava, procurava relatar as coisas boas que aconteciam naquela semana. Produzia trabalhos manuais que acenavam otimismo, alegria e realização.
Claro que o que começou acontecer comigo começou a influenciar outras mulheres que estavam na mesma sessão.
Comecei a ser chamada para ajudar a resolver os problemas de cada uma. Claro não preciso nem dizer que eu comecei a trabalhar mais do que aquelas psicologas e assistentes sociais, e produzindo mais resultados do que elas.
Conclusão: Em 01 mes tive alta. Sim, o que estava rodando em circulo durante 06 longos meses, a partir do momento que me posicionei em não ser mais vitima da situação, mas assumi que escereveria minha propria História, minha decisão deu um nó no “estudo” daquelas psicologas Gardenistas, sendo que o relatório não poderia ser outro a não ser que “estava bem, de alta e não tinham mais o que fazer”.
Meu rosto estava alegre, não estava mais cansada, estava disposta e capacitada a realizar tudo o que estava proposto, portanto quebrei o ciclo apregoado pelo Comunista Richard Gardner.
Aprendi que o termo “falso memória” era um termo usado pelos comunistas para colocar em descredito o que os presos de guerra na época da guerra fria diziam. Mas sobre as “falsas memorias” vou descorrer em outra ocasião.
Aquela ONG onde fui encaminhada , 02 meses depois que tive “alta” foi fechada por corrupção, alias é a mesma ONG que prestava “auxilio” aos drogados da cracolandia. Sim, esta ONG capitava dinheiro da Prefeitura no periodo que Haddad era o Prefeito.
Portanto, o que eu quero concluir nesse meu depoimento é que jamais podemos ir para a guerra sem ter noção de quem é o nosso inimigo.
Foi graças a esse conhecimento que eu achei o caminho para a minha cura emocional, para salvar minha filha das garras de Richard Gardner.
Espero que a minha experiencia inspire outras pessoas a não se submeterem ao “SISTEMA” perverso da IDEOLOGIA MARXISTA COMUNISTA, mas sim TRANSFORMA-LO ATRAVES DA RENOVAÇÃO DA MENTE.
Hoje sinto-me aliviada de ter um novo Presidente, pois sei que a Lei CRIMINAL será levada a sério.
Violencia Doméstica será tratada como CRIME e não como disturbio mental.
“Conhecereis a VERDADE e a VERDADE vos LIBERTARÁ”.
Brasil acima de TUDO, DEUS acima de TODOS!
31 de outubro “DIA DA REFORMA PROTESTANTE”

ALIENAÇÃO PARENTAL USADA COMO “ARMA SECRETA” EM BATALHAS DE CUSTÓDIA, DIZ ESPECIALISTA

Conselheiro da Auberge Shalom diz que os tribunais tendem a custódia compartilhada, mesmo onde há história de violência

Quando Mandy e seu ex-marido se separaram há alguns anos, inicialmente, isso foi um alívio para Mandy.

O casamento há muito estava atolado no que Mandy descreve como abuso emocional, verbal e físico de seu ex.

Seu alívio rapidamente se transformou em medo quando o homem a denunciou à proteção dos jovens, alegando que ela estava transformando seus filhos contra ele.

“Eu fui pego de surpresa”, disse Mandy, que a CBC concordou em não chamar pelo seu nome verdadeiro.

Ela diz que assistentes sociais descartaram os relatos dela e de seus filhos sobre como era a vida com seu marido distante.

“Ninguém se importa com o abuso doméstico”, disse ela.

Pior, ela sente que suas alegações estão sendo usadas contra ela em sua batalha pela custódia, apresentada como prova de que ela está tentando distanciar seus filhos do pai deles.

“Estou me afogando em um oceano de suas mentiras e ele é a vítima”, disse Mandy. “E ninguém quer ouvir nada sobre o que estava acontecendo na casa.”

‘Battering ram’ em processos judiciais
Cerca de 20 por cento dos casos de custódia acabam em litígios, disse Peter Jaffe, professor de psicologia da University of Western Ontario, e muitos deles envolvem violência doméstica.

O conceito de “alienação parental”, do qual Mandy é acusado, é freqüentemente usado em batalhas de custódia para desviar a atenção das alegações de abuso infantil ou violência conjugal, disse ele.

“Nos últimos 20 anos, este é provavelmente um dos problemas mais comuns enfrentados pelos juízes”, disse Jaffe.

Descrito na década de 1980 como uma síndrome, ele já foi desmentido pela Associação Americana de Psicologia, disse Jaffe, mas há praticantes que continuam a usar o termo e juízes que ainda o compram – tornando difícil expor alegações reais ou falsas de estranhamento .

“Tornou-se um aríete, uma arma secreta para usar no tribunal de família”, disse Jaffe. “Mesmo que não seja bem sucedido, pode ser emocional e financeiramente cansativo para o pai preso no meio dele.”

No caso de Mandy, seu processo de divórcio está suspenso até que um acordo de custódia seja decidido no tribunal de jovens. Isso significa que qualquer criança ou apoio do cônjuge está no limbo. Enquanto isso, suas contas legais continuam se acumulando.

“Eu não acho que vou conseguir sair da dívida em que estou”, disse ela.

Algumas das mulheres no abrigo que ela vai ter que se contentar com um acordo de custódia que eles não estão felizes porque eles não podem pagar pelos tribunais.

Rótulo difícil de agitar
Na última década, Marielle Albert, conselheira clínica do Auberge Shalom, um abrigo para mulheres na área de Montreal, notou que mais e mais mulheres que ela aconselha estão lutando contra alegações de alienação parental.

Do ponto de vista dela, Albert acredita que os tribunais se preocuparam em restabelecer a relação entre os filhos e os pais separados, em vez de examinar as razões pelas quais o afastamento aconteceu em primeiro lugar.

A violência conjugal é considerada “no passado”, disse ela, e os tribunais se concentram no que o pai acusado de alienação dos pais está fazendo.

“O avaliador assume que a aversão ao pai é por causa da negatividade da mãe em relação ao pai”, disse Albert.

Embora os relatórios policiais ou a documentação de agressões físicas possam fortalecer o caso de uma mulher, quando a violência conjugal é na forma de abuso psicológico, financeiro ou sexual, pode ser impossível provar.

Preconceito em relação à custódia compartilhada
Albert diz que também parece haver um viés inerente ao sistema judicial em relação à custódia compartilhada, mesmo que um dos pais tenha um histórico de ser abusivo.

Albert disse que seus clientes frequentemente se pegam em uma armadilha: se há violência conjugal, as mulheres são encorajadas a sair ou ir a um abrigo para se protegerem e protegerem seus filhos.

Mas quando se trata de custódia, esse mesmo comportamento – uma tentativa de manter seus filhos seguros – pode ser retratado como alienação.

“Uma vez que o rótulo de alienação parental esteja no lugar, pode ser muito difícil de combater”, disse Albert.

E não ajuda que algumas mulheres não sejam capazes de se articular bem no tribunal.

Muitas mulheres que sofreram abuso a longo prazo podem sofrer de transtorno de estresse pós-traumático. Na caixa das testemunhas, diz Albert, um juiz pode considerá-los distantes, difíceis de seguir, hipervigilantes ou superprotetores.

Se o juiz não tiver uma boa compreensão do trauma, a mãe pode ser retratada como “louca” – sofrendo de problemas de saúde mental – pelo suposto agressor, disse ela.

As consequências podem ser devastadoras, disse Albert.

Se a mulher não puder fazer um caso convincente, ou não tiver dinheiro para pagar a um advogado experiente para ajudá-la, ela às vezes será forçada a aceitar um acordo de custódia no qual a criança é exposta a mais danos.

“Eu tenho uma situação agora onde há um alto risco de as crianças serem colocadas em um orfanato, mesmo que elas estejam morando com a mãe e estejam seguras”.

“Na pior das hipóteses, vimos a custódia sendo dada ao pai, o pai abusivo”, disse Albert.

Casos precisam de mais atenção, diz o advogado
Alfred Mamo, um advogado da família em Ontário, diz que geralmente existem razões muito complicadas pelas quais o relacionamento de uma criança com um dos pais é fraturado ou inexistente. Nos casos em que as crianças testemunharam ou foram alvo de abuso, elas podem não se sentir seguras com o pai abusivo.

“A que preço você força o relacionamento?” perguntou Mamo.

“A solução de tirá-los do pai favorito e, com efeito, tirar sua fundação para que eles possam ter um relacionamento com os pais que eles realmente não sabem ou não querem saber – eles acabam sem fundamento”.

Mamo diz que os tribunais precisam abordar esse tipo de disputa com cautela.

Os casos de custódia não podem ser decididos da noite para o dia.

Em vez de uma ordem de tudo ou nada, ele acredita que os juízes devem dar pequenos passos. Isso poderia significar tentar aumentar a visitação e continuamente verificar com o terapeuta da criança para ver como está indo.

“Essa é a única maneira de obter uma solução duradoura”, disse Mamo.

Conscientização, educação necessária
Tanto Jaffe quanto Albert acreditam que todos, de assistentes sociais a advogados e juízes, precisam ser educados sobre o impacto duradouro da violência doméstica.

Só porque o relacionamento acabou, não significa que o abuso psicológico, verbal ou financeiro não continue, disse Jaffe.
Não baseie o apoio de crianças e cônjuges na minha renda de milhões de dólares, diz corretor de imóveis BC ao tribunal de divórcio
“É um fator significativo que precisa ser considerado em termos de proteger as crianças, tanto do perigo, mas também de um mau modelo”, disse Jaffe.

Jaffe diz que se o sistema judiciário ajudou a triagem de casos de “alto conflito” desde o início, isso poderia ajudar a classificar quais alegações são confiáveis ​​e quais podem ser falsas. Juízes com conhecimento sobre questões de violência doméstica devem ser designados para esses casos e ficar com eles para garantir a continuidade, o que geralmente não acontece agora.

Isso poderia economizar tempo e dinheiro do tribunal.

“Nós sabemos da pesquisa que o conflito é o que mais prejudica as crianças”, disse Jaffe.

Mandy diz que seus filhos não tiveram um momento de paz nos últimos anos. Eles freqüentam a terapia ordenada pelo tribunal, e Mandy diz que é estressante para eles contarem continuamente o abuso que testemunharam.

A incerteza de não saber o que vai acontecer e qual dos pais receberá a custódia pesa sobre eles.

“Parto meu coração ver meus filhos passando por isso”, disse ela.

https://www.cbc.ca/news/canada/montreal/parental-alienation-used-as-secret-weapon-in-custody-battles-says-expert-1.4663869

17/05/2018

“POR QUE SUA CONFIANÇA FOI TRAÍDA?”: AUSTRÁLIA PEDE DESCULPAS A VÍTIMAS DE ABUSO SEXUAL INFANTIL

O governo australiano pediu desculpas a vítimas de abuso sexual infantil, depois de uma investigação de cinco anos que descobriu que governos, escolas, clubes esportivos, igrejas, instituições de caridade e outras instituições por décadas não conseguiram manter as crianças seguras.

“Quando uma criança falava, não acreditavam e os crimes continuavam com impunidade. Um sobrevivente me disse que quando ele contou a um professor sobre seu abuso, aquele professor se tornou seu próximo agressor – confiança quebrada, inocência traída, poder e posição explorados por crimes malignos e obscuros. ”

“Hoje, nos deparamos com uma pergunta horrível demais para perguntar, quanto mais responder – por que as crianças de nossa nação não eram amadas, nutridas e protegidas? Por que a confiança deles foi traída?”

“Embora não possamos ser tão vaidosos para fingir respostas, devemos ser tão humildes para cair diante daqueles que foram abandonados e pedir-lhes nossas desculpas”, disse ele. “Sinto muito por uma nação que busca alcançar a compaixão nas trevas, onde você viveu por tanto tempo. Nada que possamos fazer agora corrigirá os erros infligidos aos filhos de nossa nação. ” disse o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison

“Os crimes de abuso sexual ritual ocorreram em escolas, igrejas, grupos de jovens, tropas de escoteiros, orfanatos, lares adotivos, clubes esportivos, casas de grupos, instituições de caridade e também em casas de famílias”, disse Morrison.
(Tradução: Google Tradutor)

Veja na matéria:

https://www.theguardian.com/australia-news/2018/oct/22/why-was-their-trust-betrayed-australia-apologises-to-child-sex-abuse-victims?fbclid=IwAR1ijyzkNjUmuaK6VAG3J58vks2UJ1PZrgjFhkhQqHp72C-HD7DSt_V4BVE

Mãe ‘traumatizada’ da estudante assassinada Tiahleigh Palmer processa governo de Queensland e agência de assistência social

A mãe da estudante assassinada de Queensland, Tialeigh Palmer, está processando o governo do estado e a agência de assistência social que colocou sua filha com o homem que a assassinou.

Cindy Lee Palmer diz que sofreu trauma quando a menina de 12 anos foi sexualmente abusada pelo meio-irmão Trent, depois morto pelo pai biológico de Trent, Rick Thorburn.

Rick Thorburn está servindo a vida na prisão pelo assassinato. Trento cumpriu 16 meses de um mandato de quatro anos por incesto, perjúrio e tentativa de perverter o curso da justiça.

O caso chocou o Estado da Flórida e provocou uma revisão no sistema de assistência social do estado.

O caso de Palmer está atualmente em um período de divulgação pré-judicial, durante o qual os advogados devem negociar um acordo financeiro.

No caso de um acordo mútuo não ser alcançado, o caso irá para o tribunal.

https://www.9news.com.au/2018/10/19/06/18/tiahleigh-palmer-cindy-lee-rick-trent-thornburn-queensland-government-crime?fbclid=IwAR1pQ4OUgnabZHzh0J26gx6dQQzmiAjr5BvO6LNkPBnpJ0D0H2pXv9dmPbk

PEDÓFILOS USAM A TEORIA DO ‘LIXO’ PARA GANHAR A CUSTÓDIA

Os pedófilos da Austrália podem estar escapando da punição e mantendo a custódia de seus filhos pequenos, evocando uma condição psicológica questionável.

A condição, Síndrome de Alienação Parental (PAS), enfraquece a queixa de abuso sexual de uma criança, alegando que é o resultado da influência de um dos pais.

É citado nas batalhas de custódia do Tribunal da Família e pode desempenhar um papel em um pai acusado de abuso sexual, geralmente um pai, obtendo a custódia.

Argumenta-se que a queixa de abuso sexual de uma criança surge porque um dos pais, geralmente a mãe, ficou alienado em relação ao outro e depois influenciou a criança.

Em 1997, o plenário do Tribunal de Família citou um artigo apoiando o PAS e disse que “não nos deixa dúvidas de que a Síndrome de Alienação Parental é um fenômeno psicológico muito real …”

Em 2002, um workshop, “Fato ou Ficção PAS”, foi apresentado aos juízes do Tribunal de Família. De acordo com o psicólogo Bob McDonald, o workshop, que incluiu algumas críticas, teria deixado a maioria dos juízes convencidos de que o PAS era legítimo. Ele disse em uma conferência da Australian Family Therapies nesta semana que o PAS não é científico e está ligado à pedofilia.

McDonald, ex-diretor do serviço de aconselhamento do Tribunal de Família em Townsville, disse: “Certamente, os advogados o usam, e vários ‘juízes’ acreditam na idéia”.

Ele sabia de casos em andamento em que o PAS desempenhara papel crucial na custódia de um pai acusado de abuso sexual infantil.

A teoria do PAS foi desenvolvida pelo psiquiatra americano Dr. Richard Gardner nos anos 80. Ele tem sido amplamente usado em batalhas de tribunais, mas de acordo com críticos como o Dr. Paul Fink, ex-presidente da Associação Americana de Psiquiatria, é “ciência do lixo”.

O professor de psiquiatria da Universidade de Melbourne, Alasdair Vance, concorda, dizendo que o PAS não tem posição na psiquiatria ou na medicina e que a pesquisa indicou que as crianças são mais confiáveis ​​do que os adultos ao denunciar abuso sexual.

“Não é útil para a comunidade ser enganada por informações que não são rigorosamente testadas”, disse ele.

A principal especialista em abuso infantil, Freda Briggs, professora emérita de desenvolvimento infantil na Universidade da Austrália do Sul, disse que pessoas influentes estavam usando a SAP para ocultar a pedofilia e manter o acesso a crianças.

O professor Briggs foi co-autor do relatório da Igreja Anglicana do ano passado sobre como o ex-governador-geral Peter Hollingworth lidou com as denúncias de abuso sexual quando ele era arcebispo de Brisbane.

Ela disse que a PAS foi criada em uma audiência do Tribunal de Família em Adelaide recentemente para desacreditar as alegações de uma mãe de que seu ex-marido estava abusando sexualmente de seu filho.

“Pessoas em altos escalões estão usando SAP para defender sua pedofilia”, disse ela. “Eu sei de muitos casos em que isso aconteceu e continua acontecendo. A PAS não tem credibilidade.

“Mas é freqüentemente usado para dizer que a mãe é uma pessoa ruim que encorajou a criança a imaginar o abuso. Eu recentemente dei depoimento em um caso em que um advogado a criou. Isso resultou em abusar dos pais que ganharam.”

Professor Briggs, um consultor da polícia da Nova Zelândia, disse que os juízes do Tribunal de Família não foram bem informados sobre abuso infantil. “É bom ver o novo chefe de justiça interessado na questão”, disse ela.

“Mas quando se trata de abuso infantil e desenvolvimento infantil, os juízes são especialistas em direito, e isso não é suficiente”.

Uma porta-voz da Corte da Família disse que não se espera que os juízes sejam especialistas em outras áreas. Ela disse que o tribunal tinha um programa de desenvolvimento profissional para juízes em questões como abuso infantil.

“De fato, vários juízes compareceram à Conferência de Direito da Família, realizada esta semana em Queensland, onde um artigo sobre essa questão foi apresentado pela Dra. Janet Johnston, da San Jose State University”, disse ela.

O artigo do Dr. Johnston questionou a base empírica do SAP e ofereceu uma “reformulação” da noção de criança alienada.

O jornal também disse que grupos de direitos dos pais usaram o PAS em custódia e batalhas de acesso.

Ele disse que a evidência para o SAP foi amplamente baseada no testemunho “especializado” e na experiência clínica do Dr. Gardner, que morreu no ano passado. Apelou para um novo modelo da criança alienada que fosse mais inclusiva.

A ativista de abuso sexual de NSW, Liz Mullinar, acompanhou 25 casos em que havia evidências de que uma mãe ou um pai abusaram sexualmente de seu filho e descobriram que o pai acusado de abuso ganhou a custódia, parcialmente recorrendo ao PAS.

“É de partir o coração e é indescritível, mas está acontecendo”, disse ela.

https://www.theage.com.au/national/pedophiles-use-junk-theory-to-win-custody-20041003-gdyqfk.html