Todos os posts de Dra. Patricia Alonso

SOS Papa, uma associação masculinista que faz campanha contra os direitos das mulheres?

NANTES – Definir como papel de música. Para Serge Charnay, o pai separado entrincheirado em um guindaste em Nantes desde sexta-feira, a missão é cumprida. Ele veio na segunda-feira, 18 de fevereiro, depois de ter dito à AFP por telefone: “Eu fiz meu trabalho, então é hora de descer.” Ele fez o seu trabalho ou, em outras palavras, criou o burburinho e permitiu que Fabrice Mejias, presidente da associação SOS Papa, promovesse a causa dos pais durante o fim de semana.

Missão cumprida mas ainda não terminada: “O que mais me incomoda é que a causa dos pais não é ouvida e que as mulheres que nos governam sempre não se importam com a boca dos pais e ele vai ter que lutar muito mais “, disse Serge Charnay na frente das pickups. As palavras “prejudicial à causa que ele defende”, julgou Dominique Bertinotti, Ministro da Família , no BFMTV . “Eu lamento essas palavras, acho que ele é vergonhoso, ele reacende a guerra dos sexos”, disse ela.

Recebido por Matignon, mas também por Christiane Taubira, que está se escondendo atrás de SOS Papa? Quem são esses pais que choram à injustiça? Não necessariamente aqueles em quem acreditamos. Testemunhe este textopublicado por um certo MT e que percorreu as redes sociais nesta segunda-feira, 18 de fevereiro à tarde. Publicado em janeiro de 2013, em um sub-site da associação em Ile-de-France, sos-papa.net , que se destaca como a “referência site oficial dos fundadores do Movimento SOS papa” é assinado “T. , Presidente Honorário da SOS Papa “.

No entanto, na página inicial do site deste ramo da associação, há um fotógrafo Michel Thizon, apresentado no site oficial do movimento como o ” fundador ” da associação. Intitulado ” casamento gay Tryste “, o texto assinado MT acusa “um longo processo liderado pelo lobby lésbico-feminista de conseguir filhos que não conseguem se produzir entre eles”.

Uma associação que milita contra a extensão dos direitos das mulheres

Contactado por O HuffPost , associação SOS Papa e seu presidente Fabrice Mejias não estavam disponíveis para autenticar o texto no qual podemos ler uma regra denúncia do sexo como um elemento de fundação do casal:

Hoje, as relações sexuais chegam a definir a posição oficial da amante de um presidente da república enquanto ela ainda é casada com outro homem.

A primeira dama da França não é a mulher que compartilha com o presidente seus filhos, mas a mulher que compartilha com o presidente sua cama. Luís XIV não voltaria.

O que tendem a civilização que a estrutura em relação à única atividade sexual, em vez de em relação à produção de parentesco, descendência gerações?

Além dos argumentos de direito da criança apresentadas pelos opositores do projeto de lei sobre o casamento para todos, especialmente o texto condena texto sexista impediria homens de poder ter barriga de aluguel:

“Esta proposta de” casamento para todos “também é deliberadamente sexista porque se solicitadores evocar projetos e obter … a possibilidade posterior de reprodução assistida para lésbicas, isto é a inseminação artificial pelo esperma anônimo excluem, desde o início do uso futuro de mães de aluguel, no entanto processo essencial para um homem para se tornar um pai sem se comprometer com uma mulher ou ter relações sexuais com ele. Isto é absolutamente possível, simetricamente se uma mulher concordar em trazer um bebê recém-nascido para um fim implantado com um embrião obtido com o esperma do pai e um óvulo de uma doação anônima “.

A oposição a mães substitutas seria, portanto, uma forma de discriminação contra os homens:

“Surpreendentemente, os substitutos evocação produzida uma contestação. Barriga O recipiente temporário mulher neste caso é sagrada enquanto sémen é tratado como um fluido secundário. A identidade inalienável ADN de um indivíduo Dado, portanto, não teria importância ao trazer para um embrião as moléculas nutritivas mundanas necessárias para o seu crescimento seria um ato sagrado! A verdadeira mãe de um bebê amamentado por uma enfermeira é a enfermeira? ”

Daí a oposição à adoção por singles no exterior:

“A adoção pelo single ainda é legal na França, como se ainda estivéssemos saindo de uma grande guerra que produz tantos órfãos. Mas já que não há mais órfãos na França é importado por milhares de crianças a priori Órfãos de países subdesenvolvidos Honestamente, ajudar essas crianças seria ajudar as famílias locais, mas o conceito doentio do direito à criança ultrapassou o direito da criança. desvios que são regularmente observados “.

Mas também, uma afirmação que parece mais legítima para as crianças nascidas de uma doação de esperma para conhecer suas origens:

“Crianças nascidas com X ou esperma doado não têm o direito de saber suas origens e devem viver com seu mal-estar e ignorância genética que podem ter consequências médicas”. O que o conhecimento de seus pais colocaria. coloca em risco a posição dos pais reais ou adotivos. O direito da criança é claramente inferior ao direito dos adultos. Nossa lei não protege os mais fracos.

Entre reivindicações legítimas e discursos sobre a dominação feminina, o texto refere-se a um “negacionismo sociológico dominante” que não veria o mal a que crianças seriam vitimadas. avaliação:

“Nossa sociedade é caracterizada por uma hierarquia muito acentuada dos direitos e diminuindo. Mulher, criança, o casamento de homem para todos estende essa desigualdade homens gays que não têm direito real, enquanto as lésbicas avançar para a lei ‘para’ a criança de mulheres casadas A criança é em cada passo um pouco mais um assunto simples de consumo.E exceto esterilidade medicamente provada, é entretanto fácil conceber uma criança, no respeito do outro pai e a criança Isso é acessível a todos, igualmente. ”

Argumentos falaciosos de acordo com uma associação feminista

Homens homossexuais seriam, portanto, vítimas que não estão cientes da lei do casamento para todos, para o benefício de … lésbicas. A associação O feminismo de Dare reagiu rapidamente ao publicar uma declaração em seu site :

“Ouse feminismo! Deseja denunciar idéias sujas que estão por trás de sua ‘luta’ pelos direitos dos pais. SOS Papa ‘é um lesbofóbico associação reaccionário e anti-feminista que denuncia o casamento para todos, falando sobre um “lobby lésbico-feminista” ou invoca Louis XIV para denunciar o fato de que o Presidente da República vive em concubinato com sua “amante” Esses movimentos espalharam um discurso de ódio contra as mulheres. ”

Lesbofóbico, anti-feminista, a organização feminista denuncia um blefe de SOS Papa, mas também a “afronta a associações de mulheres que lutam diariamente contra as desigualdades de gênero”:

“Se olharmos para os números, a situação desses dois pais não é absolutamente representativa da situação dos pais divorciados. Em apenas 2% dos casos, a autoridade exclusiva dos pais é atribuída pelo juiz a um dos pais. Dois pais: E se é verdade que em 71% dos casos, a residência principal é concedida à mãe, apenas 20% dos pais a solicitam. Como uma associação feminista, defendemos a paternidade, a partilha equitativa das responsabilidades. família, o direito de cada pai se envolver na educação de seu filho, exceto … no caso de violência conjugal, sexual ou infantil, onde a justiça deve decidir. ”

Segundo a AFP, em 72,1% dos divórcios, a custódia dos filhos retorna à mãe, proporção que diminui regularmente nos últimos anos em benefício da custódia alternada, segundo estatísticas do Ministério da Justiça que datam de 2010, informou segunda-feira para AFP. A proporção de guardas concedidos ao pai permanece baixa, em torno de 7-8%, e até diminuiu ligeiramente desde 2004. De acordo com dados de 2010, 7,4% das crianças vivem principalmente com o pai e 20% estão em “residência alternada”, possibilidade reconhecida oficialmente pela lei desde 2002.

De acordo com The Lab , um dos membros fundadores Caroline de Haas, é “responsável conselheiro políticas feministas” de Najat Vallaud-Belkacem, atual ministro dos direitos das mulheres e porta-voz do governo.

Uma associação masculinista e reacionária

Então, quem está por trás do SOS Papa? No site do mundo , o diretor Patric Jean, que dirigiu a Dominação Masculina , acredita ver de fato, por trás da ação de Serge Charnay, um golpe de “militantes da causa masculina”, os “masculinistas”. Mas quem são esses masculinistas? Depois de explicar como ele se infiltrou nesses movimentos em Quebec, ele detalha sua ideologia:

“É um movimento também chamado de” anti-feminismo “, que propõe a restauração dos valores patriarcais sem compromisso: diferenciação radical dos sexos e do lugar dos homens e mulheres em todos os níveis da sociedade, supremacia masculina sobre as mulheres na família, mas também a liderança da cidade, casal heterossexual defesa muito durável como o único modelo possível, a educação viril de meninos e, portanto, a recusa de qualquer igualdade entre mulheres e homens. Eles negam a importância dos fenômenos de violência doméstica, incesto e estupro, que seriam invenções feministas, que alguns deles chamam de “nazis femininos”.

O objetivo deles? Defenda o poder ancestral dos homens, em particular, tornando as condições para obter um divórcio mais difíceis. Seu método? “Denuncie, às vezes paranóico, o conluio entre magistrados, mídia, políticos, a fim de expulsar os pais da vida de seus filhos.”

Mas se Patric Jean se permite o paralelo entre o movimento masculinista e o evento de Nantes, é notavelmente por causa de um argumento apresentado por um dos dois pais e segundo o qual “80% das crianças são confiadas principalmente a mães pela justiça “. Segundo Patric Jean, seria, palavra por palavra, o mesmo argumento dos masculinistas de Quebec. Novo índice, o processo, que se pareceria com o de ativistas canadenses:

“O conselho dado pelos masculinistas aos seus amigos europeus é, portanto, seguido literalmente esta semana em Nantes.A escalada dos guindastes é uma cópia do que as pontes de Montreal.Mesmo V da vitória.Mesmo bateria de telefones celulares para falar O mesmo evento pré-organizado na semana para atrair a atenção da mídia. ”

Entre as armas, o argumento do masculinismo para afirmar sua causa, seria a alienação parental, uma síndrome inventada do zero, segundo o diretor de dominação masculina. Como Patric Jean explica:

“Essa é a idéia de que em um divórcio, a mulher (ou o homem, mas os masculinistas obviamente culpam as mulheres) tenderia a denegrir a imagem do pai de seus filhos para aqueles Os pais teriam sido centenas de milhares para serem retirados da vida de seus filhos pela justiça por causa dessa pseudo-síndrome. Essa síndrome chamada serve como uma tela para os homens acusados ​​de violência conjugal ou violência. ‘agressão sexual contra seus filhos.’

“Faça as leis mudarem”

Ainda de acordo com Patric Jean, o caso Nantes seria um golpe de publicidade cujo objetivo seria “mudar as leis”:

“Um projeto de lei foi introduzido em 24 de outubro de 2012 para tornar obrigatória a residência obrigatória, o que tornará mais difícil para as mulheres com filhos serem separadas. Este projeto de lei propõe seis emendas ao Código Civil e ao Código Penal e introduzir a síndrome de alienação parental em lei “.

Patric Jean lembra que outros três projetos semelhantes foram apresentados desde 2009 “resultantes de um impressionante lobby de associações masculinistas na França”. Mas Patric Jean explica que a custódia da mãe é na verdade uma novidade na França. É somente a partir de 1970 e da lei que estabelece a noção de autoridade parental compartilhada e compartilhada que os pais e mães são iguais perante a lei: “até o início do século 20, o pai tinha todos os direitos sobre seus filhos e muitas vezes confidenciou-os a um dos seus familiares “, diz o cineasta.

O objetivo dos masculinistas seria retornar a essa legislação que estabelece uma igualdade de fato entre pais e mães. Segundo Patric Jean, eles negariam a violência sofrida por mulheres (uma em cada cinco mulheres no mundo, segundo a Anistia Internacional), mas também por crianças sexualmente abusadas (uma em cada cinco de acordo com o Conselho da Europa), “principalmente por parentes “, diz Patric Jean.

Até então, as ofensivas dos masculinistas acabaram em fracassos, mas segundo o diretor, uma coisa é certa, os masculinistas voltarão à ofensiva:

“Os fracassos anteriores não impedirão os funcionários eleitos de apresentar novos documentos durante a próxima discussão na Assembleia Nacional sobre a família. Podemos apostar com segurança que os escaladores de Nantes e seus amigos falarão novamente sobre eles nos próximos meses “.

https://www.huffingtonpost.fr/2013/02/18/qui-se-cache-derriere-association-sos-papa_n_2711668.html

ANALISE CRITICA DO FILME “A MORTE INVENTADA”

Trata-se de um longrametragem brasileiro, em formato de documentário, dirigido por Alan Nino, que tem sido usado para ministrar aulas sobre a citada lei nas matérias de Direito de Família e Psicologia Juridica. Importante observação que se deve fazer é que todos os hoje adultos, outrora crianças, envolvidos nos casos citados mostram-se pessoas que realmente experimentaram graves sofrimentos em razão do desacordo entre adultos. Tais indivíduos não devem ser julgados, especialmente porque foram as vítimas dos fatos descritos.

Outra observação importante é que o documentário é parcial, só se preocupando em mostrar um dos lados; em nenhum momento foi dada oportunidade aos acusados de alienação parental de se defenderem. Para qualquer pessoa que busca estudar o assunto sobre a ótica do Direito, tal fato é de importante relevo, porque inobserva um direito fundamental, que é o da ampla defesa.

A nenhuma pessoa pode ser imputada uma conduta em desacordo com a legislação sem que lhe seja dada oportunidade de se defender, e quaisquer documentários ou vídeos que atribuam a um indivíduo conduta ilícita, quer seja no âmbito civil ou criminal, deve ser visto pelo operador de direito com extrema reserva. Essa reserva deve ainda ser mais acentuada porque os profissionais que defendem a teoria em dito documentário pregam que não se deve acreditar na palavra da criança[35]:

“[…] Os autores citados são unânimes em aconselhar a não se assegurar na palavra da criança quando esta diz que não quer conviver com o genitor ausente. Sugerem, por outro lado, que o genitor afastado deve perseverar no esforço de estabelecer e manter contato com o filho, mesmo sentindo a rejeição constante, humilhante e desmoralizante[…]”
Convenhamos que tal sugestão é extremamente preocupante para quem de fato se preocupa com a segurança das crianças, já que ao presumir que as crianças estão mentindo (ou sendo induzidas a mentir), poder-se-ia estar acobertando verdadeiros casos de abuso sexual.

Dito isso, vamos aos casos:

6.1 – Caso Sócrates, Karla e Daniela

Karla relata que só voltou a ver o pai aos 19 anos, quando saiu de casa porque a mãe a agrediu. Aqui finalmente temos um dado real que pode configurar abuso parental. Daniela relata que após ambas terem ido para os EUA ver o pai, este disse não ter buscado vê-las para preservá-las, ao que ela respondeu ‘você não buscou contato para preservar você’.

6.2 – Caso José Carlos e Rafaella.

José Carlos e sua atual companheira reservaram um apartamento na cidade de Recife para que a ex-esposa de José Carlos lá residisse com os filhos Rafaella e Rodrigo. Num determinado momento, a ex-esposa resolveu evadir-se de Recife com destino ao Rio de Janeiro.

Rafaella relata que ‘não sabe porque’ a mãe resolveu retornar ao Rio de Janeiro e mais adiante diz que ‘não sabe se o que o pai havia prometido para a mãe, se ele havia prometido voltar com ela e como não voltou ela teria resolvido voltar para o Rio’.

Em suma, a palavra chave para a compreensão da questão é que Rafaella NÃO SABE. Ela desconhece os motivos da mãe; não sabe na verdade o que aconteceu. Rafaella diz que ela e o irmão achavam que o pai era ‘filho da puta’, mas não diz ser a mãe responsável por eles terem chegado a esta conclusão.

Se a mãe de Rafaella houvesse dito aos filhos que o pai não prestava então poderia ser configurada a alienação nos termos da lei (art. 2, parágrafo único, inciso I da Lei 12.318/2008). Mais adiante, Rafaella relata que o pai exercia os direitos à visitas (ou seja: o pai não estava sendo tolhido da visitação), mas que sentia dificuldades em aproveitar esse período porque parecia que se aproveitasse, estaria ‘traindo a mãe’; relata ainda que sentia dificuldade em contar à mãe que havia se divertido, mas não menciona que essa dificuldade era por conta de algo que a mãe houvesse dito, de forma que essa dificuldade pode muito bem ser imputada ao conteúdo interno da então criança (em sentir-se na obrigação de estar ao lado da mãe) do que à intervenção externa da mãe.

Rafaella ainda diz que ‘você sempre escuta falar mal de seu pai, você sempre escuta dizer que ah, eu tenho de ligar antes para lembrar de seu aniversário senão ele não liga’ e, logo na sequência, ela admite que isso era verdade, pois ela mesma teve de ligar para o pai para que ele lembrasse do aniversário do irmão.

Ou seja: neste episódio em especifico a mãe não disse nada que constituísse campanha contra o pai; a mãe antes relatou a verdade dos fatos. A lei de alienação parental então pretende obrigar as mães a mentirem sobre o pai, omitindo falhas de caráter ou desinteresse dele pelos filhos? À mãe é tolhido o direito de falar a verdade sobre o pai para não que ser acusada de alienação parental?

Rafaella ainda conta que ligava para o pai apenas para pedir dinheiro e que ficava orgulhosa de dizer isso à mãe; ela relata que a mãe era tudo para ela e que para ela, negar o pai era uma forma de demonstrar isso. Não fica claro se essa conduta era incentivada pela mãe ou se era conduta ínsita apenas ao interior de Rafaella, isto é, não fica claro se a mãe era quem fazia com que Rafaella fizesse ou pensasse tal coisa. Rafaella ainda relata que ficou 11 anos sem ver o pai, então o interlocutor atento se pergunta: de fato esse distanciamento é culpa da mãe ou é possível que o pai tenha se acomodado na condição de ‘não posso ver os filhos e então não vou buscar vê-los’? Rafaella relata que ela ligava apenas para pedir dinheiro ao pai, não há sequer um relato de que o pai tenha iniciado o contato.

Em determinada parte da entrevista, Rafaella diz que teve uma mãe muito maravilhosa, carinhosa, atenciosa, mas que ao mesmo tempo falava muito mal do pai dela e coloca que isso fez com que ela criasse ódio ao pai e atrapalhou muito o relacionamento de ambos.

Neste ponto se vislumbra a possibilidade de ter ocorrido abuso parental por parte da mãe, todavia, é apenas um vislumbre, dado que pelas falas anteriores não ficou claro se a mãe fazia campanha falando gratuitamente mal do pai com o objetivo de separar pai e filho, ou se a mãe desabafava perto da filha sobre os problemas comportamentais do pai ou a falta de interesse dele com os filhos. Lembremos que esse homem sequer lembrava do aniversário dos filhos e ficou 11 anos sem vê-los. Imputar à mãe conduta temerária de abuso parental contra o pai quando não se comprova tal conduta (inclusive ouvindo a defesa dela) é temerário para qualquer operador de Direito.

O que se percebe é uma pessoa extremamente sofrida pela falta que lhe fez a ausência da figura paterna, mas que tenta colocar esse sofrimento como se fosse responsabilidade (sem nunca demonstrar o nexo de causalidade) da mãe, posto que colocar como responsabilidade do pai lhe seria muito doloroso.

6.3 – Caso Enéas e Marcelo:

O caso envolve disputa judicial existente, mas em nenhum momento os dados de referida disputa (dados judiciais) são expostos, e a única parte à que se dá voz é o litigante Enéas. O fato de o processo seguir em segredo de justiça não constitui escusa para que o autor do documentário não tenha franqueado os termos para o interlocutor, especialmente porque, no momento em que o autor do documentário expõe a visão de uma das partes torna-se ele obrigado (se quiser fazer trabalho imparcial) a fornecer ao interlocutor informações idôneas quanto ao caso posto em litígio. Quando não o faz, não pode o interlocutor sério ignorar que está sendo ofendido uma premissa básica do direito, que é a ampla defesa.

Outra questão a ser posta em enfoque é que Marcelo (filho) também diz que tem apenas alguns ‘flashs’ de duas brigas ocorridas, sem ser capaz de dar maior dimensão ao conteúdo das brigas. Também não resta provado de forma clara a alegada alienação parental nesse primeiro momento.

Marcelo relata que mesmo quando ouvia a mãe dizer algo errado que o pai tinha feito, ‘não ficava muito clara a imagem de pai que estragou tudo e fez besteira’. Ou seja: novamente não ficou configurada a tese da alienação.

Logo após ouve-se relato de Enéas, uma das partes envolvidas no litigio e é ele quem traz informação de alienação. Novamente a contraparte não foi ouvida.

Marcelo então relata que quando a mãe descobria que o pai estava vindo com oficial de justiça para ver os filhos, que ele, o irmão e a mãe se escondiam nas casas de amigos. Aqui sim pode estar caracterizada a alienação parental pois não obstante a ordem judicial autorizando o pai a ver os filhos, a mãe se omitia ao cumprimento.

6.4 – Caso Paulo (pai), Vitor e Mariana (filhos)

Relata que antes de iniciar novo relacionamento, que a mãe de seus filhos permitia visitas livres, mas que após a mãe começou a restringir o direito. Mais uma vez só uma das partes envolvidas está sendo ouvida.

6.5 – Caso S (mãe) e filho:

Pai usa a força e ameaça para distanciar mãe de filho. No fim do casamento, a mãe dormia no quarto junto com o filho porque tinha medo do pai. Após separação, pai passava todos os finais de semana com o filho e segundo relatos da mãe, quando retornava, o filho sequer olhava para a cara da mãe. Também aqui não se encontra nenhum dado sobre a contraparte que não aqueles fornecidos pela parte interessada. Sequer o suposto alienado (menor) é ouvido.

6.6 – Caso A (pai) e criança

O pai, supostamente alienado, relata que depois de 6 anos de casado, a criança nasceu, eles ficaram um ano juntos, até que ‘sem justificativa’, a mãe mudou-se levando a criança. Ele descobriu onde a criança estava e começou a visitar, mas as visitas ficavam cada vez mais difíceis, até que ele ingressou como regulamentação e, segundo ele, a mulher, para ‘se defender’ no processo de regulamentação de visitas, alegou abuso. Então relata que a psicóloga que atuou no processo judicial colocou no laudo de que existiam indícios de abuso. Afirma ainda, em sua defesa, que não foi laudo nem parecer. Oras, profissionais que atuam no judiciário não se manifestam sem que sejam em laudos ou pareceres, ou sem que o Magistrado atuante na causa tenha assim determinado.

Estamos falando de uma profissional da área, que atua no Judiciário, que deu parecer no sentido de que houve abuso. Oras, o pai (acusado de abuso) desqualifica a atuação da profissional e o autor do documentário não demonstra ter minimamente ido buscar, junto ao judiciário, informações mais precisas sobre se o que o pai alega é ou não verdade. Ouve-se apenas uma das partes interessadas – o acusado de abuso – que desqualifica o profissional do Judiciário, sem preocupação alguma com a busca de informações junto ao órgão competente.

Porque a profissional arriscaria sua carreira e sua credibilidade de forma gratuita, fazendo uma afirmação inverídica? Porque o diretor do documentário não se preocupou em buscar as informações junto ao Judiciário?

6.7 – Caso Hélio (avô paterno)

O suposto alienado alega que ele (avô paterno) e o filho (pai) foram acusados em um ‘pedido de providências’ no qual se alegava que ambos abusavam sexualmente da criança. Aqui é importante anotar que o pedido foi feito junto à Vara de Infância e não nas Varas de Família. Regulamentações de visitas e disputas de guarda são afetas às Varas de Família; as Varas de Infância são acionadas quando existe possível risco à criança.

Segundo ele o pedido de providências teria sido fundamentado em um parecer de uma psicóloga.

6. 8 – Das falas dos profissionais:

Só foram ouvidos profissionais em prol da alienação. Trata-se de uma visão parcial que qualquer profissional sério da área de Direito deve também ver com reservas.

6.8.1 – Alexandra Ullian, advogada e psicóloga:

Sugere que o genitor que ingressa com regulamentação o faz não para assegurar à criança o direito de visitações, mas sim para manter o controle. A oferta seria gerenciamento de controle.

Ora, pois que tal alegação desta profissional está dissociada do contexto social brasileiro, em que a regulamentação das visitas é necessária para que se preserve a rotina dos infantes. Não raro vemos casos de pais que retiram os filhos durante a semana e depois sequer os levam à escola no dia seguinte. A falta de criticidade de dita profissional é extremamente preocupante.

Ainda sugere que a alienação parental muitas vezes ocorre ainda quando o casal está unido; segundo ela, a mãe, que é quem mais cuida da criança, não qualifica o pai, não mostra à criança a importância do pai. Dita profissional mais uma vez esquece-se que os lares brasileiros são marcados pela desigualdade, com a mulher mãe tendo de arcar com todo o peso não só das tarefas domésticas, como também da criação e educação dos filhos (é ela quem tem de se ausentar ao trabalho para comparecer às reuniões, é ela quem tem de auxiliar os filhos nas tarefas) e muitas vezes a tarefa do pai se resume a trabalhar. Então a fala da profissional exige que a mãe adjetive qualificativamente um genitor que pouco faz pelo filho, sob pena de ser considerada como alienadora.

Lembremos que sequer a lei citada exige isso: a mãe deixar de qualificar o pai não constitui alienação para os termos da lei, mas só se ela fizer campanha difamatória contra o pai. A lei não define como alienação a mãe não qualificar, mas sim a mãe desqualificar.

Mais grave ainda é quando essa mencionada profissional alega que tem aumentado as denúncias de abuso sem ter a menor preocupação de provar o que diz. Quais estatísticas ela utiliza? Ou é apenas o que se define como ‘achoestatística’?

A profissional alega que havendo uma simples denuncia, imediatamente o genitor é afastado. Isso não é inteiramente verdade; a primeira atitude que se vê amiúde nos tribunais são juízes determinarem o direito de visitações junto aos CEVATs[36].

6.8.2 – Gerardo Carnevale – juiz de direito

Corretamente o magistrado afirma que laudos psicológicos que não tenham ouvido a outra parte não devem ser considerados. E é o que os tribunais tem feito, na maioria dos casos. Os juízes de primeira instância não tem determinado o afastamento total com base em laudo onde não foram ouvidas as outras partes ou com base em simples alegações. Obviamente os magistrados tem tomado providências para assegurar a segurança da criança, determinando visitas monitoradas junto aos CEVATs.

Mais adiante o magistrado diz que chega ‘um relato surpreendente’ de que o pai teria abusado ou a mãe maltratado. A surpresa do magistrado, data vênia, não se justifica, uma vez que pululam casos verdadeiros de abuso parental, prática infelizmente comum que ofende gravemente os direitos dos infantes.

Continua o magistrado alegando que os juízes, diante deste relato, ‘por via das dúvidas’ afasta, mas que esse não seria o caminho. Oras, discorda-se também deste posicionamento, pois o que deve ser observado é o interesse superior da criança. Uma vez chegando ao Judiciário qualquer alegação de abuso, os profissionais que lidam com os infantes têm que tomar a decisão mais benéfica à criança e, no caso de eventual prática de abuso (sexual ou maus tratos) obviamente que seria muito mais prejudicial à criança continuar a ter contato com o possível abusador do que dele ser afastada ou que esse contato fosse monitorado.

Mais adiante o Excelentíssimo Juiz alega que o processo demora muito e que decisão de afastamento causará prejuízos à criança. Oras, a morosidade do Judiciário é responsabilidade estatal. A falha em fornecer justiça célere não pode servir como desculpa para que não se afaste (ou não se determine visitas monitoradas) em caso de risco para a criança. O Estado que se esforce para implementar medidas que deem efetividade ao princípio constitucional que determina que as partes têm direito à uma duração razoável do processo.

6.8.3 – Desembargadora (não nomeada):

Alega que o afastamento total traria outro problema, pois não sendo verdadeiras as alegações de abuso haveria prejuízo para a criança e para o pai. O que a Excelentíssima Desembargadora não considera é se as alegações forem verdadeiras? Quais prejuízos o infante teria?

CONCLUSÃO

A alienação parental não é uma síndrome aceita pela OMS e não consta nos manuais porque os seus autores e defensores se desincumbiram do ônus de prová-la. Foi criada aparentemente como forma de defesa de genitores acusados de pedofilia contra seus filhos.

Apesar disso, inúmeros tribunais pelo mundo a tem abraçado, apesar de farta quantidade de profissionais que acertadamente a criticam.

No Brasil criou-se a lei de alienação parental, que foi baseada em um livro e revisada por associações de pais; trata-se de uma lei que não contou com debate para ser aprovada e só ouviu um lado.

No caso especifico do documentário em estudo, o diretor tampouco mostrou qualquer preocupação em trazer estatísticas ou sequer os dados dos processos envolvendo as pessoas em litigio.

De fato, existem no Brasil abusos parentais onde o genitor que detém a guarda tenta prejudicar o convívio com o outro; todavia não há documentação estatística da porcentagem de casos em que isso ocorre e não há estudos determinando o quão comum seria essa prática.

Os dados disponíveis muitas vezes ignoram a realidade extremamente sexista de nosso pais, a dificuldade que mulheres e crianças tem na defesa de seus direitos em juízo e o perigo de que a defesa da alienação parental seja utilizada para a defesa de acusados de abuso sexual contra os filhos.

O documentário em si não deve ser considerado como fonte para um jurista minimamente comprometido tanto com a verdade real, quanto com a acuidade da informação, já que trata-se de visão unilateral em prol da lei.

A proteção integral, ou o superior interesse da crianças, previstos tanto na Constituição Federal (artigo 227 da CF/88) quanto no Estatuto da Criança e Adolescente (caput do artigo 4º da Lei 8069/90) exige que:

“Todas as decisões relativas a crianças, adoptadas por instituições públicas ou privadas ou de proteção social, por tribunais, autoridades administrativas ou órgãos legislativos, terão principalmente em conta o interesse superior da criança”[37]

Assim, estando em colidência o perigo de crianças estarem submetidas à abuso parental do genitor guardião (que tenta prejudicar o convívio da criança com o outro genitor) e o perigo de crianças terem de conviver com genitor que delas abusa sexualmente, o operador de Direito, ou o ‘Estado-juiz’ tem a obrigação legal de optar pelo risco menor, afastando o genitor acusado ou determinando visitas monitoradas.

https://fatimatardelli.jusbrasil.com.br/artigos/509669516/a-lei-de-alienacao-parental-e-o-superior-interesse-da-crianca?fbclid=IwAR1FvvqI0bq_dy12toKnaZjuS-iiii3b3yqz2lRdQJ7at20mlDLQtAeisN8

O documentário, em forma de filme denominado “A morte inventada”, traz a sensibilidade de quem passou pela experiência da Síndrome da Alienação Parental .O roteirista e diretor, Alan Minas, diz sentir na pele os efeitos dessa síndrome. Ele não consegue ver a filha tanto quanto gostaria. Dezenas de depoimentos de pais, filhos, advogados e magistrados constroem uma narrativa triste que poderia ser revertida com a maior atenção do Judiciário.

https://www.fat.edu.br/noticia/404/alienacao-parental-e-tema-de-discussao-na-fat

TERAPIA COM A MÃE

“Talvez ela possa ser ajudada a perceber que, na história do mundo, seu comportamento provavelmente foi mais comum do que o comportamento contido daqueles que não abusam sexualmente de seus filhos.”

O tratamento para a mãe deve centrar-se em desarmar sua raiva contra o marido e ajudá-la a se tornar mais sensível sexualmente a ele.

Se a mãe reagiu ao abuso de maneira histérica, ou usou-a como desculpa para uma campanha de difamação do pai, então o terapeuta faz bem em tentar “deixá-la sóbria” … Sua histérica … contribuirá para o sentimento da criança de que um crime hediondo foi cometido e, portanto, diminuirá a probabilidade de qualquer tipo de aproximação com o pai. É preciso fazer todo o possível para ajudá-la a colocar o “crime” na perspectiva correta. Ela precisa ser ajudada a perceber que, na maioria das sociedades da história do mundo, esse comportamento era onipresente, e esse ainda é o caso. (Gardner, 1992, pp. 576-7)

De acordo com Gardner (1992, p. 584-5), as mães de vítimas de abuso sexual são muitas vezes isoladas, passivas, masoquistas e sociais, muitas vezes molestadas sexualmente durante a infância. Como resultado, a raiva residual em relação a seu molestador sexual pode estar interferindo em seu relacionamento com o marido. Gardner sugere que o terapeuta deve ajudá-la a reduzir essa raiva residual. Gardner (1992, p. 585) afirma: “Talvez ela possa ser ajudada a perceber que, na história do mundo, seu comportamento provavelmente foi mais comum do que o comportamento contido daqueles que não abusam sexualmente de seus filhos”. Além disso, a mãe provavelmente tem problemas sexuais e pode, consciente ou inconscientemente, sancionar o abuso por causa de suas próprias inibições sexuais.

Ela pode nunca ter conseguido um orgasmo – apesar do fato de ter sido molestada sexualmente, apesar de ter muitos amantes e apesar de agora estar casada. (Gardner, 1992, p. 585)

Gardner (1992, p. 585) sugere que o terapeuta deve ajudá-la a obter satisfação sexual. Gardner observa que “afirmações verbais sobre os prazeres da resposta orgástica provavelmente não se mostrarão muito úteis. É preciso encorajar experiências, sob situações apropriadas de relaxamento, que permitam que ela alcance o objetivo da resposta orgástica”. Gardner (1992, p. 585) sugere que os vibradores podem ser extremamente úteis a esse respeito, e “é preciso tentar superar qualquer inibição que ela possa ter em relação ao seu uso”. Gardner (1992, p. 585) declara: “A sua própria culpa diminuída em relação à masturbação facilitará que ela encoraje a prática em sua filha, se isso for justificado. E sua sexualidade aumentada pode diminuir a necessidade de seu marido retornar a sua filha para gratificação sexual “.

http://www.leadershipcouncil.org/1/res/dallam/2.html

AUSÊNCIA DE CONFIABILIDADE CIENTÍFICA DA SAP

No livro “As alegações Verdadeiro e Falso da Criança Sexo abuso”, publicado pelo autor, Gardner disse, sem se referir a qualquer estudo empírico, que todas as parafilias sexuais humanos (ou seja, o comportamento desviantes) seriam mecanismos naturais de enfrentamento que estimulariam a procriação e, assim, aumentariam as chances de sobrevivência da espécie.

Assim, pedofilia, sadismo, estupro, necrofilia, zoofilia, coprofilia e outras parafilias garantiriam a sobrevivência da espécie, estimulando a procriação. Gardner retratou os homens como doadores de esperma e as mulheres como receptáculos de esperma: ele afirmou que esses comportamentos sexuais “atípicos” servem para incentivar a produção de espermatozóides nos homens e, assim, aumentar as chances de adaptação a uma pessoa. probabilidade de conceber um filho. Gardner considerou qualquer situação em que uma mulher se tornou um receptáculo de espermatozóides como uma chance de sobrevivência para a espécie. Ele afirmou que as fêmeas humanas seriam naturalmente “passivas” e que o estupro ou incesto resultaria dessa passividade:
Ele argumentou que o incesto não é perigoso em si mesmo; Parafraseando Shakespeare, ele acrescentou, “é pensar nisso e torná-lo perigoso”.

Gardner disse que a atividade sexual entre adultos e crianças seria “parte do repertório natural da atividade sexual humana” (Gardner, “Acusações Verdadeiro e Falso” notas 27, 24) e que o sexo entre adultos e crianças é um prática construtiva do ponto de vista da procriação, pedofilia, permitindo-lhe “bloco de carga” a criança, fazendo com que o “hiper sexualizada” e, portanto, mais propensos a procurar experiências sexuais que irão estimular a reprodução.

A análise de Gardner focou principalmente em homens que eram parafílicos e apontou que a sexualidade homossexual também aumenta as chances de reprodução da espécie, apesar do fato de que os homossexuais raramente praticam a sexualidade heterossexual. ou seja, para fins reprodutivos).

Gardner afirmou que os danos causados ​​pelas parafilias sexuais não provêm deles estritamente falando, mas apenas do estigma social a que estão sujeitos. Ele disse que os amantes de parafilias merecem ser respeitados e compreendidos.

http://contrelesap.canalblog.com/archives/2008/01/20/7633591.html?fbclid=IwAR1Z6zExRYaTSUq2HWKKwdwFYNAxmEs6yG7A98ynICJbczgWV93D9HsZoxE

O PAI DE NICOLE KIDMAN, SILENCIADO PELO CULTO SATÂNICO DO NONO CÍRCULO

(Nota do editor: Com as afirmações explosivas nos jornais de fim de semana de abuso sexual infantil contra o cardeal George Pell, refletimos sobre 2014. Este artigo foi publicado originalmente em 15 de setembro de 2014)

O Dr. Antony Kidman morreu na sexta-feira (12 de setembro de 2014) depois de fugir da Austrália quando foi acusado de abuso sexual e assassinato de crianças em um anel de pedofilia de Sydney.

Um mês antes, Fiona Barnett havia apresentado uma queixa à polícia australiana de NSW e à Comissão Real de Abuso de Crianças, alegando que as agressões físicas e sexuais de Kidman ocorreram durante toda a infância. Quando a Comissão abriu uma investigação, o psicólogo clínico de repente deixou seus 43 anos na Universidade de Tecnologia de Sydney e no Royal North Shore Hospital para permanecer em Cingapura até sua morte.

A família se recusou a comentar e a polícia de Cingapura abriu uma investigação sobre o que eles chamam de morte não natural.

Ontem Barnett lançou sua própria teoria sobre a morte de Kidman,

“O principal autor do abuso sexual de minha criança, Antony Kidman, morreu após eu ter apresentado queixas formais acusando-o de estupro, tortura e assassinato de crianças em um exclusivo anel de pedofilia de Sydney. Como uma criança vítima do controle da mente, sinto que ele foi sacrificado por falhar em me programar adequadamente.

“Kidman foi responsável por garantir que eu nunca divulgasse atividades de pedofilia que eu testemunhei quando criança … Ele falhou.

Notícias da morte de Kidman me impactaram, alguém que passou por tratamento intenso. Eu sei que existem outras vítimas dos crimes de Kidman por aí que talvez não estejam tão longe no caminho da cura quanto eu. Prevejo que a notícia da morte de Kidman possa ter um impacto sério nessas vítimas. A morte de um perpetrador pode até mesmo provocar ideação suicida.

“Minhas queixas no mês passado à Comissão Real de Abuso Infantil Australiano detalharam dois incidentes nos quais Kidman me submeteu a horrível agressão física e sexual … Mas há crimes ainda mais sérios contra crianças que eu testemunhei Kidman cometendo como membro da elite do anel de pedofilia de Sydney. . Essas queixas foram para o Tribunal Internacional de Justiça de Common Law, em Bruxelas. ”

Barnett falou no dia da morte de Kidman – White Balloon Day 2014 – um evento que visa conscientizar as crianças australianas afetadas pela agressão sexual. Ela afirmou:

“Minha contribuição para o White Balloon Day 2014 é exortar minhas colegas vítimas do crime a lutarem contra a imundície que esse monstro depositou em suas mentes e se puderem reunir forças, junte-se a mim em meu esforço para dar voz às vítimas que não são mais conosco.”

O Tribunal ICLCJ tem investigado as alegações de Barnett contra Kidman em relação à sua investigação sobre a cúpula do Sacrifício Infantil Satânico do Nono Círculo da elite mundial. Mais de sessenta testemunhas oculares, como Barnett, testemunharam sobre o sacrifício de crianças e as atividades de pedofilia do Nono Círculo em todo o mundo, incluindo atividades criminosas contra crianças nas Américas, Países Baixos e Reino Unido, como a Austrália.

O Nono Círculo também teria grupos de caça humanos bem organizados e secretos que incluíam pedofilia. Acredita-se que bosques florestais de propriedade privada fossem usados ​​nos EUA, Canadá, França e Holanda. Aparentemente, crianças e adolescentes foram obtidos pelo sindicato de drogas criminosas Octopus, que se acreditava ligado ao Vaticano. Dizem que as crianças e adolescentes seqüestrados foram despidos, estuprados, caçados e mortos.

Desde a tenra idade de três anos, Barnett havia sido preso dentro da vasta rede de pedofilia da Austrália, onde crianças eram traficadas por sexo, caçadas por esporte e assassinadas. Barnett disse:

“No final da tarde de 28 de outubro de 1975, fui levada para a festa do meu sexto aniversário na floresta tropical de Kiama… O cordial estava cheio de drogas. Adormeci. Quando acordei, estava escuro e eu estava deitada, deitada de costas, deitada de barriga para cima em uma mesa de piquenique com as mãos e as pernas amarradas. Perpetradores se revezaram se esgueirando em cima de mim. Um grande grupo de homens chegou para pegar caminhões. Eles carregavam rifles e tinham uma matilha de cães famintos dobermann.

“Disseram-me que o grupo de crianças nuas amontoadas nas proximidades era minha responsabilidade. Eu deveria correr e escondê-los. Toda criança que não consegui esconder seria morta e alimentada aos cães. Eles pintaram algo nas minhas costas e no meu peito, e depois nos soltaram. Empurrei as crianças pela primeira colina íngreme. Era sobre a segunda ou terceira colina que o grupo de caça nos alcançou. Tiros foram disparados e as crianças começaram a cair ao meu redor. Com toda a esperança perdida de salvar as outras crianças, eu saí e corri para a minha vida.

A terapeuta holandesa Toos Nijenhuis declarou no Tribunal do ICLCJ que, quando criança e como Barnett, foi gravemente abusada e forçada a testemunhar assassinatos de crianças que envolviam elites globais, alegou tortura infantil na mesma Base Australiana de Holsworthy de Barnett e como Barnett, foi vítima de Partes Caça Humana.

Os perpetradores de Nijenhuis incluíam o ex-papa Joseph Ratzinger, o cardeal católico holandês Alfrink e o fundador da Bilderberger, o príncipe Bernhard. Nijenhuis explicou ao Tribunal Internacional em Crimes da Igreja e ao secretário estadual, reverendo Kevin Annett, seu testemunho de sacrifícios de crianças até 2010.

O Culto do Sacrifício Infantil Satânico do Nono Círculo poderia facilmente ocultar crimes de seus membros de elite global. Eles foram bem treinados pelos especialistas em controle mental de Hitler, da Alemanha nazista.

Dizia-se que a rede de pedofilia do avô nazista de Barnett incluía os psicólogos clínicos Kidman e John W. Gittinger, que desenvolveram um teste popular entre profissionais psiquiátricos conhecido como o Sistema de Avaliação de Personalidade. No Independent Australia News Barnett afirmou que, quando criança, “Gittinger abusou e me estuprou”.

Em outro artigo do Independent Australia News, foi relatado que o testemunho dramático de Barnett colocou os membros em lágrimas quando ela foi perante a Comissão Real Australiana para o Abuso Sexual Infantil.

Barnett nomeou como seus perpetradores seu avô, Kidman, dois ex-primeiros-ministros australianos, um governador-geral da Casa do Parlamento e um comissário de polícia estadual.

Tal como acontece com os anéis de pedofilia infantil na Holanda, Europa, Canadá e EUA, a rede de pedofilia australiana inclui policiais, psiquiatras, bioquímicos, psicólogos, atores, escritores, políticos, professores universitários e médicos.

Barnett diz:

“A Comissão estava investigando minha queixa quando descobriu que Kidman havia deixado o país … Agora, um mês após minha notificação contra Kidman, ele está morto. A morte de Kidman não é surpresa. Só na semana passada, duas pessoas previram sua morte iminente.

Este artigo é dedicado às vítimas do Vaticano e ao culto do Sacrifício Infantil Satânico do Nono Círculo da elite mundial dirigido pela máfia e à memória de mais de 50.800 crianças desaparecidas, algumas das quais se encontram em 34 locais de culto coletivo de propriedade de católicos. Recusado escavação – em todo o Canadá, Irlanda e Espanha. As crianças responsáveis ​​continuam a viver sem responsabilidade pelos seus crimes em curso. Nossas orações são com esses inocentes, e deveriam ser para nós mesmos se permitirmos que o Holocausto Infantil de nossos líderes globais continue.

Nicole Kidman’s Father Silenced by Ninth Circle Satanic Cult

A QUE HORAS ESTAMOS DA NOITE?

Diz o texto: “Sentença contra Dumá. Gritam-me de Seir: Guarda, a que horas estamos da noite? Guarda, a que horas? Respondeu o guarda: Vem a manhã, e também a noite; se quereis perguntar, perguntai; voltai, vinde.” (Isaías 21:11-12)
Dumá na versão bíblica conhecida como Septuaginta é traduzido como Edom. Dumá foi um dos descendentes de Ismael (Gênesis 25:14 e I Crônicas 1:30) Alguns estudiosos da Bíblia tomam Dumá como um nome simbólico para Edom, já que a profecia menciona Seir. Havia, entretanto, um lugar chamado Dumá no deserto da Arábia, a leste de Edom, a qual estava conectada com os Ismaelitas.
Alguém em Edom pergunta nervosa e insistentemente ao profeta o que haveria de vir pela frente. A hora era de escuridão e perigo, e eles estavam ansiosos para saber quando chegaria a manhã trazendo alívio da ansiedade e do temor.
A resposta do guarda é misteriosa e esconde maus presságios. O guarda não dá nenhuma resposta definitiva, mas simplesmente diz que embora a manhã venha, outra noite chegará novamente..
O futuro reservava pouca esperança ou luz. O guarda vê as horas que estão pela frente como horas de escuridão e incerteza. Assim seria a história do povo Edomita.
Seir, também é conhecida como “cidade do silencio” ou “cidade dos mortos”, também tida como a cidade para onde eram levados os povos das Nações conquistadas ou escravizadas, para serem mortos pelos babilônios.
A semelhança com o momento que estamos vivendo é mera coincidência? Até parece que esta profecia é para nós família brasileira.
A luta que empreendemos não é, e não será fácil.
Quando vemos a velha negociata sendo imposta nesse novo momento político, quer me parecer que nossos representantes se venderam pelo preço de estrume de pombos, e ao invés de defenderem os interesses de nós que os colocamos no poder, defendem os bandidos e criminosos.
Estamos em densas trevas e quando clamamos: A que horas estamos da noite? Ouvimos simplesmente: “Vem a manhã, e embora o sol apareça, a noite voltará”. Parece-me que estamos em uma luta inglória!
Mas não será assim. Haveremos de ter bom futuro para nossos filhos! Quem viver, verá!
Desde 2002, ao estudarmos as Leis aprovadas no Congresso Nacional, percebemos que uma a uma vieram com o propósito de desconstruir a célula mater da Sociedade Brasileira, e com a sua destruição nossas crianças, propositalmente ficariam sem referencia de pai, mãe, enfim da família.
Fiquei tremendamente indignada quando ao analisar uma a uma, verifiquei que a meta maior de toda essa desconstrução social, o alvo maior somos nós MÃES e MULHERES.
Não é por menos que dia a dia, nos noticiários vemos mortes de mulheres juntamente com seus filhos e como de forma desordenada percebemos que os políticos embora perplexos com a situação, não trazem políticas publicas efetivas que venham combater o genocídio sem precedentes que está acontecendo no Brasil.
Na Taxa de feminicidio no Brasil somos a quinta maior do mundo isso não te incomoda?
Grande parte dessas mortes, pasmem, são mulheres e crianças que são cristãs, ou passaram pelos bancos de nossas Igrejas.
Somos o primeiro país em PEDOFILIA no mundo, entretanto as estatísticas afirmam que nos próximos anos seremos cerca de 60% de Cristãos no Brasil.
A pergunta que não pode calar: Como pode o numero de Cristãos crescerem e sermos o primeiro no ranking em pedofilia e o quarto em feminicidio? Tem algo acontecendo de errado em nossa pregação.
Concluo que o Evangelho que estamos pregando não tem gerado transformação de vidas.
A que horas estamos da noite? Infelizmente muitos estão dormindo e não percebendo o quanto precisamos vigiar.
Evangelho sem santificação jamais será possível ver a Deus. Muitos não tem procurado a santificação porque falta fé em acreditar que é possível sermos santos no presente século.
O mais grave de tudo. Não temos gerados crentes com fé, porque a Palavra genuína não tem sido a primazia em nossos Templos, logo sem fé é impossível agradar a Deus, mas a fé vem pelo ouvir e ouvir pela Palavra de Deus.
O amanhecer é certo, entretanto cabe a nós decidirmos que amanhacer queremos para nós, para nossa família, nossos amados, nossa Igreja e para a nossa Nação.
Somente a Luz da Palavra de Deus, pela fé, poderemos enfrentar este mundo tenebroso e termos visão do que está ocorrendo ao nosso redor.
Quando a Igreja (que somos nós) conscientizarmos da vida real, com ética, com princípios Bíblicos, transformaremos o Brasil que todos nós sonhamos de ordem, paz e justiça, com relacionamentos saudáveis que redundam para a glória de Deus, porque Dele, por Ele e para Ele são todas as coisas e para Ele que vivemos, para o fim principal do homem que é glorificar a Deus, e gozá-lo para sempre. Amém!

PORTAL GUIAME CRISTÃO 07/04/2019

MULHERES SENDO USADAS PELOS ATIVISTAS DE GARDNER

De uma forma muito forte, a militância Gardenista tem-se utilizado das Mulheres para, em vindo defender a tese da “violência contra o homem”, alegar que a falácia da Alienacao Parental é uma dessas formas de “violência”, onde muitos homens seriam privados da convivência igualitária com seus filhos.
Resumidamente vitimizam-se alegando que a Justiça é sexista e que por “injustiça” são privados da convivência igualitária Parental, e obrigados ainda a suportar a obrigação alimentar dos filhos.

A real questão sobre a não convivência desses homens com seus filhos, está em decisões dos Tribunais de Justiça em todo o país, onde verificam que o comportamento destes em relação aos seus filhos é INCOMPATÍVEL COM A FIGURA PATERNA.

Ao contrário das Mulheres (Mães) em menor número algumas tem sido privada do convívio com seus filhos ( por determinação judicial) por maus tratos, ou conivência de violência familiar contra a criança por parte dos padastro.
MAS, há ainda um número assustador de MULHERES (MÃES) que ainda são privadas do convívio por suposto “transtorno psicológico”, alegado pelos pais, avós, tios, ou seja, familiares que se valem da condição dos vínculos familiares para abusarem de crianças sem serem punidos, pois SEMPRE, se utilizam dos Princípios de Richard Gardner e de Ralph Underwagger em defesa desses violadores.
Por outro lado, já desponta em nosso escritório, pais que tem nos procurado onde denunciam violacoes de padastro com seus filhos e também já estão privados do convívio Parental sob a pecha de “Alienacao Parental”.
Enfim, o inferno está instalado, e o pior de tudo, quem está sem nenhuma assistência é a criança, a parte vulnerável desta relação.
Assim, urge o tempo de revogar essa maldita Lei, combinada com outras, que desestabilizou completamente a discussão da família perante a Justiça Brasileira.
Abandonar a questão por causa de diferenças de opiniões entre ex cônjuges, é salutar, mas, é inaceitável o não enfrentamento quando a questão passa de “picuinhas” para o âmbito de violência doméstica infantil.
Deus tenha misericórdia das geração que estão crescendo pois 08 anos da existência compromete toda uma geração.
Nos preparemos para o pior, pois serão eles que cuidarão de nós…”os ignorados pela Justiça Brasileira”.