VIOLÊNCIA DOMÉSTICA OCASIONA PREJUÍZO SOCIAL

Enfrentar a Violência Doméstica é colaborar com o Ministério da Economia.
Porque?
Porque mulheres que agora estão sofrendo violência doméstica acarreta um rombo enorme aos cofres públicos.
Semanalmente elas precisam ser dispensadas justificadamente seja para cuidar da saúde ( pois grande parte delas sofrem depressao) ou ainda fazer tratamento compulsório conforme reza a Lei 12318/2010.
Quem paga essa falta? O contribuinte.
Consequentemente essa pessoa será aposentada por invalidez.
Agora imagine isso acontecendo em grande escala como vem acontecendo😱 será um caos.

Algumas formas de violência doméstica duplicam o risco de depressão e transtornos de ansiedade mais tarde na vida, de acordo com uma pesquisa da Universidade de Queensland.

O estudo da Escola de Saúde Pública da UQ constatou que muitas vítimas de violência por parceiro íntimo aos 21 anos mostraram sinais de doença mental aos 30 anos, com mulheres com maior probabilidade de desenvolver depressão e homens com transtornos de ansiedade variados.

A violência por parceiro íntimo classifica o abuso físico como empurrar, empurrar e bater.

O pesquisador UQ, professor emérito Jake Najman, disse que a equipe também encontrou níveis iguais de abuso por homens e mulheres.

“O número de homens e mulheres que sofrem violência por parceiro íntimo é muito semelhante, levando-nos a acreditar que os casais têm maior probabilidade de abusar um do outro”, disse Najman.

“As pessoas geralmente não acabam no hospital ou em um abrigo, mas há um sério fardo mental por esse tipo de abuso”.

A pesquisa mostrou casais defactos e pessoas de origens socioeconômicas mais baixas estavam mais propensas a se envolver nesses tipos de relacionamentos abusivos.

O abuso emocional envolve comentários que fazem a pessoa se sentir inútil.

Depois, há assédio – um incômodo constante e angustiante que pode ter conseqüências a longo prazo para os que recebem.

“Isso também levanta a questão: até que ponto esse tipo de comportamento violento não é apenas uma característica do relacionamento que o casal tem um com o outro, mas com outras pessoas ao seu redor e possivelmente com seus filhos”, disse Najman.

“Existe uma variedade de programas de tratamento e aconselhamento disponíveis para casais e famílias tentarem melhorar a maneira como eles se relacionam”.

https://www.sciencedaily.com/releases/2020/01/200129091511.htm?fbclid=IwAR3i1CbZJV1kfZE-Pp_p1xUrBncXB3UM1Q54ZbAzW-oNNR9kK_kZq32lqDw